Saiba como identificar se um tremor é Parkinson

0

Uma parcela da população sofre com algum tipo de tremor em determinado momento da vida. Mas, quando eles afetam com certa frequência as articulações do corpo, especialmente as mãos, muita gente fica em dúvida se esses movimentos involuntários e rítmicos podem ser provenientes da Doença de Parkinson.

Contudo, não é só essa doença neurodegenerativa que é responsável pelo surgimento de tais tremores. Os distúrbios que acometem a tireoide, problemas emocionais como ansiedade ou nervosismo, abstinência alcoólica e disfunção hepática são outras causas que acarretam nesses sintomas.

O tremor pode ocorrer em qualquer momento do dia, apresentando intensidades diferentes, e piorando em momentos de estresse, fadiga, sensação de medo, ingestão de cafeína ou com o uso do cigarro. Diante disso, os tremores podem afetar pessoas de ambos os sexos e de diferentes idades.

Tipos de tremores

Existem três tipos de tremores que são considerados principais. São eles:

Tremores de repouso (ou estáticos): surgem quando os músculos se encontram em estado de repouso. Normalmente fica menos perceptível quando o indivíduo movimenta os músculos envolvidos.

Voluntário (ou cinético): costuma surgir ao término de um movimento intencional (voluntário), como ao pressionar um botão ou se esticar para alcançar um objeto. Dessa forma, geralmente desaparece quando a área do corpo afetada é colocada em repouso.

Tremores posturais ou de ação: acontecem em momentos que o braço ou a perna é mantido um longo período em uma posição contra a força da gravidade. Isso ocorre quando os braços são mantidos esticados, quando está em pé na postura ereta, quando está sentado em uma posição inadequada, etc.

Outro tremor conhecido é o tremor essencial. De origem genética, esse tipo não apresenta sintomas neurológicos, apenas os tremores. O tremor essencial clássico é bilateral e geralmente simétrico.  Ou seja, alguns pacientes podem apresentar alguma assimetria com um lado predominante de sintomas. O tremor é distal, mas proeminente nas mãos e mais intenso quando o paciente estica os braços, diferentemente do tremor proveniente da Doença de Parkinson que faz com que os membros tremam mesmo em estado de repouso.

Outras causas dos tremores:

  • Uso de drogas e medicamentos controlados;
  • Consumo demasiado de bebidas alcoólicas ou abstinência das mesmas;
  • Distúrbios cerebrais, nervosos ou do movimento, incluindo distonia e determinadas neuropatias periféricas herdadas (como a doença de Charcot-Marie-Tooth);
       
  • Tumor cerebral;
  • Baixo nível de açúcar no sangue;
  • Esclerose múltipla – pode causar um tremor intencional;
  • Exaustão ou fraqueza muscular;
  • Envelhecimento;
  • Mal de Parkinson.

Atento aos sinais

É importante deixar claro que no caso de tremores prolongados e que surgem com frequência deve-se buscar a ajuda de um médico para que ele indique o diagnóstico correto através da avaliação do sexo, idade, hábitos de vida, histórico familiar de doenças, entre outros fatores.

Os exames para diagnosticar a causa dos tremores são: exames de sangue, como hemograma completo, diferencial sanguíneo, testes de função da tireoide e exame de glicemia, tomografia computadorizada da cabeça, eletromiografia ou estudos de condução nervosa, ressonância magnética da cabeça e exames de urina. O tratamento dependerá da causa da doença.

Como identificar a Doença de Parkinson?

De acordo com a Organização Mundial de Saúde, a doença atinge cerca de 2% da população, especialmente acima dos 60 anos. Estima-se que cerca de 300 mil brasileiros convivam com o problema. Além dos sintomas de tremores nas mãos, a doença costuma apresentar-se com músculos rígidos, movimentos lentos e alteração do equilíbrio.

Os tremores costumam afetar apenas um lado do corpo, mas com a sua evolução pode afetar o outro lado também. Essa doença começa de forma com tremores de forma assimétrica, grosseira, com alta amplitude e frequência baixa, como se o paciente estivesse “contando moedas” com as mãos. Ela compromete a maneira de andar, altera a expressai facial do indivíduo, deixa o paciente mais suscetível à quedas e pode provocar alterações no sono.

Essa doença é progressiva e requer acompanhamento médico. Sendo assim, se estiver apresentando tais sintomas além dos tremores, busque ajuda de um médico para que ele indique o tratamento mais adequado, podendo ser por meio de reabilitação fisioterápica aliada ao uso de medicações que precisam de reajustes nas doses constantemente.

 

       

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.