Técnicas de Memorização: Conheça Técnicas Infalíveis!

0 336

Há muito o que conhecer sobre o órgão responsável por toda a funcionalidade do nosso corpo: o cérebro. Por isso, algumas técnicas de memorização e afins, são imprescindíveis para que a sua atividade continue eficaz ao nosso organismo.

Muita gente não sabe, mas ele representa 2% do peso corporal e faz o consumo de 20% das calorias que o corpo gasta todos os dias. Além disso, ele também é composto por 78% de água. Este é um dos motivos da necessidade da ingestão de líquidos durante o dia. Caso alguém fique sem o consumo daquilo que os antepassados denominavam por “líquido precioso”, por uma média de três a cinco dias, ele acabando entrando em choque e morrendo.

Portanto, quaisquer capacidades cerebrais só podem ser aprimoradas a partir de, principalmente, um consumo saudável de água.

Técnicas de memorização grátis

Determinadas técnicas de memorização grátis auxiliam de forma efetiva nos processos relacionados a atividade cerebral. Acompanhe:

Inventar acrósticos, acrônimos e encadeamentos

Os acrônimos são caracterizados pela formação de letras que apresentam, por conseguinte, outros vocábulos. O recurso denominado “CHA” – Conhecimento, Habilidade e Atitude – é uma forma de exemplificar.

Em relação aos acrósticos, o destaque é a frase composta por vocábulos em que a primeira letra é o fragmento de dica necessária a ser lembrada. Se a intenção é realizar a memorização, por exemplo, de nomenclaturas de vilas paulistanas como:

  • Mooca;
  • Penha;
  • Belém;
  • Carrão.

Pode-se fazer a gravação com a seguinte frase:

  • Meu Pai Bebe Café”.

Outro sistema de utilidade é encadear elementos. Para conseguir memorizar especificidades de maneira ordenada, construa frase com narração sobre elas. O essencial é que respectivo item resgate o outro de forma associativa.

Para fazer a gravação desta forma, preste atenção nos vocábulos de:

  • menina;
  • panela;
  • doze;
  • abóbora;
  • verde.

Com estas palavras, é possível construir frases como:

  • “A menina compra a panela por doze reais do cultivador de abóboras, que se encontram ainda verdes”.

Esse fragmento estrutural de encadeamento proporciona teor lógico para aqueles vocábulos avulsos, além de favorecer que tal ordem se fixe.

Fazer conexões entre informativos antigos e novos

Um dos modos mais interessantes de fazer a retenção de uma informação é dar contexto a ele, ou seja, promover a integração de conhecimentos que já possui. Ao passo que tenha maiores conexões em relação ao que já se conhece se forma prévia, muito mais fácil será fazer a gravação de novidades.

Uma maneira muito válida de realizar isso é fazendo a aplicação, de forma prática, de tudo o que é necessário ser memorizado – ou, pelo menos, o vislumbre de alternativas de aplicação de tais informações na realidade.

Se tiver que fazer a gravação de como ocorre o funcionamento de tal processo, por exemplo, da transmissão de ondas do calor, a tentativa deve ser elevar o pensamento nesses dados, sempre que portar um copo com chá nas mãos em um momento frio do dia.

Explorar o humor próprio

Uma ótima metodologia para o estímulo da memória é fazer a criação de fotos engraçadas, de teor bizarro ou surreal em relação a algo que necessita ter recordação. Caso tenha conhecido alguém recentemente, exemplificando, faça a imaginação da mesma em um cenário esquisito, que te faça dar risada, e que relacione o nome dela ao som.

É um jeito eficaz de realizar a gravação efetiva do nome de tal pessoa. Ao passo que mais risadas possam surgir da visualização mental, muito mais fácil será a fixação do nome.

Apostar em ligações relacionadas ao visual

Muitos disponibilizam uma memória visual fortíssima e, para essas pessoas, uma ótima técnica de memorização é combinar imagens. Conheceu alguém hoje? Então, para que não esqueça o nome dela ou dele, selecione algo em relação ao físico da pessoa e associe com o nome.

O benefício está na transformação de informação abstrato em uma conceituação, dia, nome ou em algo que seja concreto. A criatividade conta muito nesse momento.

Anote o que é necessário ser lembrado – caneta e papel

Conforme relatos do campeão de memorização, Renato Alves, escrever é um método de sucesso para deixar de esquecer. A escrita requer grandes exercícios mentais e têm envolvimento direto nas funcionalidades das memórias.

A região mental consegue lançar estímulos de modo a vasculhar diversas áreas da memória em busca de vocábulos, experiências, expressões, comparações, associações, inclusões, exclusões, sempre selecionando e apreendendo aquilo que pode ter utilidade.

As vantagens são ainda maiores se o registro das palavras acontecerem num papel. Diversos estudos comprovam que a escrita à mão de diversos informativos, geram uma maior facilidade em compreensão e memorização do que àqueles que costumam digitar.

A razão disso é que, ao fazer uso de teclados, o processamento da escrita ocorre de maneira superficial, o oposto de quando há a necessidade de fazer desenho de palavras com canetas ou lápis.

Refletir em 15min e escrever em diários

Os seres humanos disponibilizam de uma memória que pode sofrer prejuízos em relação a situações estressantes. O que pode ser feito é a busca de respirações entre correrias e outras, dedicando um tempo específico para refletir sobre o que foi aprendido e vivenciado ao longo do dia.

Pesquisas comprovam que intervalos de 15min de reflexões no fim do dia, aumentam em uma média de 23% a produção de servidores de telemarketing. Esse instante de pensamento auxilia a organização dos dados novos e a articulação dos mesmos com os dados que já se faziam presentes na região cerebral.

Ao passo que os indivíduos disponibilizam de oportunidades para pausarem suas atividades e refletirem, eles estão expostos a ganhos imensos de eficácia, visto que há um sentimento maior da autoconfiança, e dessa forma, há energia de sobra para aquilo que necessitam.

Repetir várias vezes

Tal metodologia é muito intuitiva para memorizar. Ao passo que se diga várias vezes a si mesmo aquilo que necessita lembrar – principalmente em voz alta – o resultado será excelente.

É fato comprovado que a mente requer esforços. Ao aprender algo que demonstra dificuldade a si, significa que está, de fato, aprendendo. Repetir pode ser motivado por atividades de questões e soluções.

A sugestão é utilizar os questionamentos:

  • O quê?;
  • Quem?;
  • Quando?;
  • Onde?;
  • Como?

Este deve ser um roteiro utilizado de forma regular para um repasse mental daquilo que foi vivenciado, de acordo com Renato Alves.

Técnicas de memorização para concursos

Existem técnicas de memorização para concursos que agem de forma excelente no sucesso da atividade da mente. Tem muita gente que acaba passando o dia em cima dos estudos e acorda com uma sensação de que não aprendeu nada no dia a seguir.

É muito comum que esse público, em questão, tente uma diversidade de métodos para estudar de maneira eficaz, mas geralmente não há grandes resultados.

É pensando nisso que separamos algumas técnicas de memorização excelente para o aprimoramento da memória que podem aumentar efetivamente o desempenho dos estudantes em momento de estudo.

Dentre as técnicas de memorização, é interessante saber algumas teorias relacionadas também ao esquecimento. Pesquisadores revelam que a mente humana inicia o processo de esquecimento logo que se interrompe os estudos sobre determinado assunto.

Levam somente algumas horas para que o esquecimento domine partes significativas daquilo que foi estudado e que, por conseguinte, o esquecimento perdure de maneira gradativa.

Isso significa que o esquecimento acontece em instantes posteriores aos estudos e durantes os dias, numa forma lenta de ir esquecendo o assunto.

Portanto, as técnicas de memorização apresentadas são infalíveis para que se estude de forma efetiva para concursos e processos de seleção. Tais técnicas atuam de maneira que o processo de aprendizagem se efetive, principalmente os assuntos de concursos.

Técnicas de explicações

É muito comum que os concurseiros pequem quando acreditam que tal conteúdo programático tem, de fato, uma assimilação e compreensão simplesmente por ter sido estudado.

Não é bem assim que as coisas funcionam. Muita gente acredita nisso, porém é apenas uma impressão que o cérebro concebe à mente.

Um dos gênios da ciência, Albert Einstein, costumava dizer que só compreendia de fato algum assunto depois que fizesse uma explicação coerente para crianças entre a faixa etária de seis anos. Isso quer dizer que, seria preciso saber como fazer a explicação de determinado assunto de forma simples e sucinta.

Este fundamento teórico é simples e verídico. Caso não consiga fazer a explicação do assunto é porque, de fato, não o conhece com suficiência.

Portanto, a fica é sempre tentar fazer explicações para outras pessoas sobre o assunto que foi estudado. É possível também tentar explicar a si mesmo, até que se consiga um parecer mais nítido daquilo que se estudou e do que se sabe de fato.

Esta técnica uma maneira excelente de memorizar, em razão de que a explicação de algo que está em processo de associação a novos conectivos neurais, auxilia o cérebro a fixação de mais informativos.

O cérebro guarda em diversos ambientes mentais aquilo que se localizava em apenas uma região dele.

Técnicas de memorização com revisão

Muitos concurseiros acreditam que a relevância de suas atitudes se basta em estudar, somente.

Acabam esquecendo que revisar também é uma necessidade. Ao passo que deixam de considerar a revisão como um aspecto imprescindível ao longo dos estudos, ocorre o esquecimento.

Este fundamento teórico age em nossa frequência cerebral de modo a reter informativos. Ao passo que o tempo passe, deixamos de lado muitos assuntos já vistos. E quando não há revisões do que foi aprendido, é possível que depois de alguns tempos, somente algo superficial do assunto fique na mente.

É, em virtude disso, que posteriormente aos estudos de determinados assuntos, você consiga ter a lembrança de quase tudo sobre ele.

Contudo, em data posterior, se for questionado de novo sobre isso, a probabilidade é que não consiga lembrar de muito. E depois de uns sete dias, se não houver revisões, é muito provável que não lembre de quase nada.

Portanto, revisar é imprescindível.

É possível fazer a a separação de uma data da semana para fazer a revisão dos assuntos estudados, como também realizar isso de forma diária. O fundamental é que, ao estudar um tema na segunda, na terça seja realizada uma revisão, em conjunto de novo assunto. E posteriormente, é possível ainda fazer revisões semanais, e por conseguinte, mensal.

Fichamentos com ideias centrais dos estudos

A importância de revisar já está esclarecida. Contudo, um erro recorrente sobre isso é achar que a revisão é a mesma coisa que fazer o mesmo estudo novamente. Jamais. Desse modo, não há a otimização do tempo.

Muitos estão habituados a resumos, o que não deixa de ser relevante. Porém, resumo deve ser, de fato, um resumo. Se fizer cópia daquilo que foi lido nos livros e escrever no caderno, de nada adiantará.

Uma ótima forma de fazer a revisão dos assuntos é por meio de fichamentos. Nesses fichamentos, é preciso dispor vocábulos chaves ou o assunto central do que foi aprendido. Isso auxiliará a recordar o assunto de forma íntegra.

É possível fazer a união das técnicas de memorização às outras já mencionadas. O interessante é fazer uso dos fichamentos com palavras centrais, baseando as explicações, tanto para si ou para os outros.

Flash Cards

Ocorre muito ao longo de avaliações, de analisarmos tal questão, fazer a lembrança do que foi estudado, contudo, não sabermos o que responder.

Para evitar esse tipo de problema, o interessante é fazer o uso de flash cards, que se caracterizam pelos cartões simples para memorizar e estudar o conteúdo.

Num dos lados do card, é preciso escrever um questionamento sobre aquilo que foi estudado. Em outro lado, é preciso deixar a resposta correta. A técnica é gerar a resposta antes que você vire o card.

Caso a resposta seja assertiva, isso quer dizer que há um domínio bom em relação ao tema e, portanto, necessita de menores revisões sobre tal card.

       

Ao passo que se erre a resposta, quer dizer que no dia seguinte é preciso tentar novamente o mesmo card. Dessa forma, é preciso mensurar o conteúdo que foi estudado e melhorar o desempenho.

Solucionar questões

Ao passo que tal tema seja caracterizado como abstrato em nossa mente, a complexidade é ainda maior para que sejamos capazes de fazer a retenção do assunto. Portanto, é imprescindível deixar o conhecimento o mais coerente e concreto possível.

Para tanto, é possível solucionar uma quantidade máxima de questões e simulados. Desse modo, as atividades mentais irão fazer a alocação de maneira muito mais adequada dos dados recebidos.

Ainda, os simulados se destacam como um modo excelente de fazer testes dos conhecimentos e, logo, entender como está o andamento e grau de aprendizagem.

Tais técnicas de memorização são utilizadas para um aprimoramento da atividade relacionada à memória e obter melhores resultados nos concursos, elevando as oportunidades de abranger a aprovação.

Técnicas de memorização de textos

Diversos indivíduos destacam problemas em memorizar conteúdos, o que acaba prejudicando em grande parte das situações os estudos. Caso sinta dificuldades de lembrar que foi assistido, lido ou estudado, ou ainda tem a sensação de não conseguir a memorização de nada, é importante saber que isso é algo muito comum.

Aqui estão algumas técnicas de memorização de textos de forma aprimorada e rápida. Elas auxiliam a uma melhor forma de aprendizagem.

O ser humano é composto por três formas de memorizações:

  • a memória auditiva;
  • a memória visual;
  • a memória sinestésica.

É certo que determinadas delas tenha um maior desenvolvimento, dependendo de cada pessoa.

Portanto, há ideias diferenciadas que podem ser praticadas para a otimização de aprendizado.

Leituras a mais

Conforme o parecer de muitos estudiosos, em primeiro momento que se realiza uma leitura, nada ou muito pouco é apreendido. A memória necessita de repetições, e por isso, é preciso ser paciente e reler os textos mais de uma vez.

Descobrir o melhor modo de fazer a leitura de novo é uma dica essencial. Ao longo da leitura, faça a recordação do que está escrevendo em frases finais. Faça a explicação a si mesmo, falando alto. Caso não consiga lembrar, faça a releitura das frases finais.

Por conseguinte, diga em voz em alta, sem fazer a consulta ao escrito. A releitura reiterada pode ser necessária até que se possa lembrar sem o auxílio do texto.

Faça a releitura do texto na íntegra por várias dias a fio, até que se consiga explica-lo sem a consulta do mesmo.

Dar aulas a alguém

Todos os indivíduos que estão aptos a ensino de forma clara, são caracterizados pelo domínio do tema. Tente fazer explicações de algo aprendido para alguém próximo a você.

Discuta sobre o que foi visto com quem saiba pouco sobre a matéria em questão. Se estiver apto a lecionar a este alguém, a mente fará a lembrança do tema de forma mais fácil futuramente.

Repita cálculos três vezes ao dia, ao longo de quatro dias seguidos

Para fazer a lembrança dos textos matemáticos, como fórmulas também físicas e químicas, solucione questões com tais fórmulas no período matutino, vespertino e noturno, ao longo de dias seguidos.

Estudiosos fazem a recomendação de quatro datas consecutivas. O que mais importa é pôr em prática a fórmula até a data em que consiga lembra-la de forma fácil.

Grave e escute suas gravações

Gravar explicações para si mesmo sobre o que está estudando, é muito válido. Dessa forma, você pode escutar as gravações em vários momentos do dia, em lugares que precisa permanecer e nem imaginava que pudesse aproveitar.

No caminho para casa ou trabalho, no ônibus ou a pé, coloque a gravação e os fones de ouvido. Nesse caso, você estará estimulando a sua memória relacionada a audição. Em aulas presenciais, tente fazer a gravação dos professores e escute-as posteriormente.

Não grife

Ao realizar uma leitura, não faça sublinhados, grifos ou anotações. Dessa forma, haverá um esforço maior para atingir a lembrança de todo o conteúdo por si só. Ainda, isso colaborará para que se possa ter uma atenção maior sobre o texto. É importantíssimo se concentrar para a construção de uma memória aprimorada.

Faça resumos após o entendimento do estudo

Fazer fichamentos ou resumos de textos depois que se leu algo, é interessantíssimo. Nunca faça isso durante a leitura. Os textos escritos podem até te fazer lembrar algum dado de forma rápida, quando os consulta. Contudo, o uso dessas informações deve ser imprescindível para o fortalecimento do que foi apreendido.

Ao realizar os textos resumidos, busque a lembrança do assunto sem retornar aos papeis. Caso haja necessidade, faça a releitura de trechos, dizendo em voz alta aquilo que compreendeu e, em seguida, escreva. Evitar a leitura e escrita em mesma instância é imprescindível para que a atenção não se reduza.

Prática constante

Para uma melhor funcionalidade da memória, é preciso um exercício funcional. Palavras cruzadas, por exemplo, são maneiras de fortalecimento da memória, em razão da necessidade de conhecimentos em ramos diversos. Outras categorias de jogos compostas por questões e respostas auxiliam de mesma forma.

De um jeito mais objetivo, faça atividades e simulados para praticar o que foi aprendido, de modo a desenvolver a memória.

Desde que entendido o assunto, a resolução de exercícios ocorrerá de forma menos tediosa do que fazer releituras de textos, sem precisar exercitar a paciência e podendo ter maior eficácia em aprendizado geral.

Assista vídeos e filmes relacionados ao tema

De fato, há vídeos em relação ao tema que está em estudo. Faça pesquisa de videoaulas, filmes, youtubers. Assisti-los em momentos de lazer ou de estudos é uma forma válida de, também, aproveitar o tempo.

Dessa forma, a memória tem mais recursos para realizar conexões. Filmes atuarão em fortalecimento da memória de maneira tranquila e descontraída. Porém, faça o estudo através de plataformas determinadas ou apostilas.

Faça a organização de anotações

Pensar em formas diferenciadas para a organização de aprendizado é essencial. Que tal criar um enredo em quadrinhos relacionado à história, reações químicas, etc?

Para tanto, separa um bloco com páginas ou cadernos para cada matéria estudada. Anteriormente a escrita do resumo, faça um planejamento mental de dados que serão escritos. Esse planejamento promove também o exercício da memória.

Faça ligações inusitadas

A tendência é lembrar de situações absurdas ou inusitadas de maneira mais fácil. Se tiver visto uma passeata de Pikachus na avenida, é muito comum que lembre da rua como “Avenida dos Pikachus”. É possível fazer o uso dessa criatividade para fazer a relação de ideias, com o intuito de atuar na memorização.

Associar conceituações com trajetórias

Para conseguir resgatar palavras ordenadas de forma específica, faça uso da técnica com trajetórias. Puxe na imaginação uma rota sempre realizada por você – um caminho até o seu quarto, da sala até a cozinha, ou algo assim.
Associe a situação a objeto, animal ou alguém que faça a representação de conceituação de cada cômodo da casa. Para que isso seja mais fácil, construa um enredo para relacionar tais situações e coisa.

Técnicas de memorização mnemônica

As técnicas mnemônicas se caracterizam por elaborar recursos como gráficos, esquemas, palavras ou simbologias que se relacionam a assuntos específicos que necessitam de memorização. O procedimento é muito eficaz, em virtude da promoção célere de associações que permitem assimilar conteúdos com eficácia.
O grupo de técnicas acaba tornando a memorização muito mais facilitada, visto que faz associação com técnicas de memorização em sequência, de modo organizado e simplificado de dados que há a pretensão de gravar.

Técnicas de memorização mnemônica funcionam?

A atividade cerebral relacionada à memória se baseia em gatilhos – que se trata da pessoa sentir cheiros de determinadas coisas, objetos ou alimentos e remeter a lembrança de algum lugar, pessoa ou situação. Tal lembrança acorda determinadas outras, além de saudades e sentimentos nostálgicos. É por isso mesmo que as técnicas de memorização mnemônicas têm função efetiva na memória, de modo a produzir gatilhos que aumentem o teor de excelência da memória.

Expressão e vocábulos

Criar siglas, vocábulos ou sentenças curtas para memorizar listagens, dados ou fórmulas é uma técnica excelente.

Para que se possa decorar o posicionamento planetário, a letra inicial dos vocábulos da sentença, a seguir, faz associação com a letra inicial dos respectivos planetas presentes no sistema solar.

  • Minha velha traga meu jantar: sopa, uva e nozes.”

Menção aos planetas:

  • Mercúrio;
  • Vênus;
  • Terra;
  • Marte;
  • Júpiter;
  • Saturno;
  • Urano;
  • Netuno.

A técnica em questão resume o assunto de memorização em vocábulos e frases específicas para recordar a conceituação ou descrições a respeito do tema analisado. A utilidade maior está em exposição oral, quando é preciso apresentar seminários ou palestras.

Músicas e rima

Fazer uso de rimas e sentenças musicais é uma técnica de eficácia para memorizar conteúdos. É utilizada para, principalmente, facilitar aprendizagem infantil e muito comum em anúncios publicitários.

10 técnicas de memorização

Se não consegue lembrar aquilo que está estudando ou o que foi visto anteriormente, é preciso treinar melhor o seu cérebro. O esquecimento pode ser resultado de formas incompletas de estudo, ou ainda, refletem a memorização ausente.

Relaxe, isso não tem nada a ver com a idade. O aprimoramento de sua memória pode acontecer com o uso de técnicas de memorização simples para que se esqueça de forma reduzida. Acompanhe:

Escrever fórmulas

É possível recordar de nomes ou dias realizando fórmulas e memorizando através de repetições. Isso vale para nomes compridos e informações extensas.

Resumir

Há muita dificuldade em fazer a assimilação de textos extensos. Dessa forma, assim que termine de realizar a leitura e o entendimento do assunto, faça um resumo utilizando suas próprias palavras.

Não há falhas assim, e auxilia de forma adequada as possíveis revisões – que também são outras formas de memorização, que já foi mencionado aqui no texto anteriormente.

Utilização dos sinônimos

O aprendizado de conceituação em virtude de palavras que fazem a definição do mesmo pode ser complicado. Por isso, utilize palavras sinônimas. Trocar “retrocessos” por “atrasos” por exemplo, pode simplificar o estudo.

Incentive-se

O estudo gera sono, e por conseguinte, o sono promove inibição e desconcentração do ritmo. Para evitar o sono, faça pausas e alongue o corpo, relaxando os músculos. O ideal é realizar polichinelos para uma retomada energética de foco.

Faça esse exercício a cada 1 hora de estudos e note a diferença.

Durma bem

Para que todas as técnicas de memorização tenham valor, é preciso dormir bem. É dormindo que acontece a consolidação de aprendizagem. O sono auxilia na restauração de processos sinápticos e cognitivos do cérebro. O esforço dos estudos só é valorizado quando se tem um sono adequado.

A partir dessas técnicas de memorização , você notará um melhor desempenho cerebral em relação aos seus estudos.

Capriche!

Recomendados Para Você:

       

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.