Sonda de alimentação na demência avançada

colocar ou não? eis a questão!

0 495

 

Colocar ou não a sonda de alimentação na demência avançada é um grande dilema.  Há inúmeras decisões na vida que são muito difíceis de serem tomadas, mesmo estando em perfeito estado de lucidez.

E quando existe uma alteração cognitiva grave incapacitando este indivíduo de fazer suas escolhas? Por exemplo, uma demência de Alzheimer em fase avançada.

Como proceder diante de situações como a dificuldade alimentar, seja por problemas na deglutição ou por uma redução importante na ingesta? Nesse momento, os familiares se veem diante de um terrível dilema: prolongar a vida a qualquer custo ou aceitar a evolução da doença.

hospice

Sonda x Alzheimer

Importante lembrarmos que a demência de Alzheimer é didaticamente dividida em 3 fases: leve, moderada e avançada.

Esta última fase pode durar até 10 anos, e se caracteriza por uma dependência total para tarefas básicas, como banho, troca de roupa, uso do banheiro, deambulação e alimentação.

Nessa fase da doença, apenas fragmentos de memória permanecem, a fala está extremamente reduzida ou ausente, e o paciente não mais reconhece pessoas familiares.

Na esfera física, as pessoas com Alzheimer em fase avançada desenvolvem uma marcha lentificada e se tornam mais rígidos, assemelhando-se a um quadro de Parkinson.

A alimentação será diretamente afetada com a disfagia, a dificuldade com a deglutição, em que o alimento pode ficar retido na boca e entrar pela via errada, ou seja, para os pulmões, causando as pneumonias aspirativas.

Por que a sonda de alimentação pode ser um dilema?

Esse dilema entre passar ou não passar sonda de alimentação não é só uma preocupação da família. Os profissionais que cuidam de pessoas com demências vivem também esta angústia, pois nem sempre há concordância entre os familiares sobre essa decisão.

Esse dilema reside no fato de que a alimentação tem uma simbologia muito forte com a cura, com o cuidar, a manutenção da vida, porém ao mesmo tempo é uma intervenção médica.

Um pensamento que representa bem essa simbologia é o temor de o ente querido morrer de fome se uma sonda não for passada. E por outro lado, qualquer intervenção médica tem seus riscos e benefícios. Assim, o tipo, consistência e a via de alimentação também estão sujeitas aos mesmos riscos e benefícios.

estetoscópio

O que dizem os estudos?

E por que falamos de um risco com o uso da sonda? Parece estranho, não é mesmo?

Na verdade, existem muitas evidências clínicas, revisões sistemáticas, mostrando que alimentação por sonda, seja via nasal, como as sondas naso-gástricas e naso-entéricas, ou a gastrostomia, não melhora a qualidade de vida de pacientes com demência avançada.

Os estudos apontam que a alimentação por sonda não aumenta a sobrevida, não reduz a mortalidade, não melhora a condição nutricional e funcional, não previne a formação de escaras e não previne as pneumonias aspirativas.

Além de não apresentar benefícios, a alimentação por sonda pode ter complicações, como náuseas, vômitos, diarreia e sinusites. Pode piorar o desconforto, pois muitos pacientes retiram a sonda e precisam ser novamente sondados, causando agitação, necessidade de sedação e até mesmo contenção física.

Não podemos esquecer que para muitos desses pacientes, o único momento de prazer é sentir o gostinho da comida. Enfim, será que vale à pena prolongar a vida com tanto sofrimento e privando a pessoa de sentir prazer com a alimentação ao fim da vida?MANUAL CUIDANDO DE MIM TAMBÉM

Com base nisso, organizações como a Sociedade Americana de Geriatria e a Sociedade Europeia de Nutrição Enteral e Parenteral já emitiram recomendações desencorajando o uso de sonda de alimentação na demência em fase avançada, devendo a alimentação oral ser priorizada.

Uma decisão compartilhada

Apesar de haver uma recomendação para se evitar sondas de alimentação na demência avançada, claro que não existe uma proibição.

Na verdade, cada caso deve ser avaliado em todo seu contexto. Há situações em que o paciente vai sim ser beneficiado com o uso transitório da sonda.

Como exemplos, nos casos de desidratação ou infecção, em que o portador de demência avançada pode receber alimentação por sonda até o restabelecimento da sua condição, e posteriormente, retorne com a alimentação oral.

Da mesma forma, se a decisão consensual da família for a alimentação por sonda, esta deve ser acatada.

O ideal é que esta seja uma decisão compartilhada entre profissional a família. O profissional deve colocar os prós e contras e a família deve decidir o que é melhor para seu ente querido.

Como alternativa ao uso da sonda, a orientação é a alimentação assistida, com consistência pastosa, e que exige do cuidador muita paciência e cuidado. É aquela refeição que pode durar até uma hora, pois as porções devem ser oferecidas em pequenas quantidades e mais lentamente.

O fonoaudiólogo é o profissional que atua na área da disfagia e pode ajudar muito na avaliação e na condução desses casos, na aferição dos riscos e benefícios de se manter a alimentação por boca.

mãos

Respeite a vontade

Numa decisão tão difícil como essa, a manifestação de vontade da pessoa envolvida nesse cuidado é muito valiosa. Infelizmente, numa fase avançada de uma demência de Alzheimer, o indivíduo é incapaz de fazer julgamentos e tomar decisões.

Mas esse indivíduo pode ter manifestado tal vontade enquanto estava lúcido ou nas fases iniciais do quadro demencial.

Quando existe a manifestação de vontade, a ética nos impõe respeitá-la. Daí a importância das Diretivas Antecipadas de Vontade, que é um documento no qual uma pessoa capaz possa indicar seu desejo de que se deixe de lhe aplicar um tratamento em caso de enfermidade terminal. Objetiva garantir ao paciente que seus desejos serão atendidos em situações de fim de vida, além de proporcionar ao médico um respaldo legal para a tomada de decisões em situações conflitivas.

As diretivas antecipadas de vontade podem ser realizadas antes ou mesmo nas fases iniciais de uma quadro demencial.

 

dr Virgilio

Dr Virgílio Moraes Ferreira

geriatra, especialista em saúde da família,

e desenvolvedor do AME SEU CÉREBRO

site: www.drvirgilio.com.br

email: virgiliomofer@hotmail.com

 

Recomendados Para Você:

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.

Você sabe o que é um Cuidador Familiar?

Clique no botão abaixo para fazer parte de uma rede de suporte entre famílias e profissionais
EU QUERO!
Fique tranquilo, não enviamos spam!
close-link