Queratose pilar: Sintomas, Coça, Pomada, Causas

A queratose pilar pode até não provocar consequências muito sérias, mas é capaz de causar alguns incômodos em quem sofre com ela!

0 72

Caracterizada pelo surgimento de pequenas bolhas na pele, a queratose pilar pode até não provocar consequências muito sérias, mas é capaz de causar alguns incômodos em quem sofre com ela!

Com um aspecto semelhante ao da pele arrepiada, as bolinhas são um pouco escurecidas, endurecidas e pequenas.

O aspecto pode variar de acordo com a situação de cada paciente, por isso existem indivíduos que sequer ligam para o problema, enquanto outros podem acumular prejuízos estéticos e emocionais.

A seguir, descubra o que é queratose pilar, quais são os seus sintomas, causas, tratamentos e meios de prevenção!

O que é queratose pilar?

A queratose pilar ocorre quando há excesso de queratina na pele!

Trata-se de uma doença extremamente comum e absolutamente sem riscos quando devidamente diagnosticada.

Seu principal sintoma é o surgimento de pequenas bolinhas queratinizadas, que aparecem ao redor dos folículos pilosos presentes na pele.

A região, que é onde nascem os pelos, também sofre com outros problemas comuns, como é o caso da foliculite.

A queratose pilar é benigna e a tonalidade dos sinais pode diferir de acordo com o paciente, variando entre as cores vermelha, marrom ou esbranquiçada.

Trata-se de uma doença relativamente comum, que atinge quase a metade de toda a população mundial e afeta mais as mulheres do que os homens.

O local mais comum de sua manifestação é na região superior dos braços, mas ela ainda pode surgir em partes do corpo como coxas, pernas, nádegas, rosto ou até abdome em casos mais raros.

Tipos de manifestação

A queratose pilar pode se manifestar de quatro maneiras distintas, que não produzem efeitos diferentes entre si, mas variam de acordo com a aparência dos sintomas:

  • Queratose pilar rubra é caracterizada quando as bolinhas possuem um aspecto avermelhado ou inflamado;
  • Queratose rubra faceii possui as mesmas características da anterior, mas se manifesta na face;
  • Ceratose folicular ocorre quando as bolinhas surgem sutilmente, por meio de pequenos eventos esporádicos;
  • Já a queratose pilar alba apresenta erupções extremamente secas e ásperas, sem grande variação de cores.

Transmissão

A queratose pilar não é infecciosa, ou seja, jamais poderá ser transmitida por meio do contato entre duas pessoas.

O principal meio de contração do problema é por meio de fatores genéticos, que foram herdados dos familiares paternos ou maternos.

Fatores de risco

Como trata-se de uma doença provocada por influência genética, a queratose pilar normalmente se manifesta na infância ou, em situações menos comuns, somente na adolescência.

Apenas quem possui pais ou parentes próximos pode desenvolver a patologia, mas existem alguns fatores de risco que agravam a situação:

  • Portadores de doenças alérgicas possuem mais chances de desenvolver a queratose pilar, como é o caso de quem sofre com rinite ou asma;
  • Pessoas com a pele excessivamente seca manifestam o problema com mais facilidade, pois a falta de hidratação favorece o aparecimento das bolinhas;
  • Doenças autoimunes, como a dermatite atópica, também são favorecidas com o surgimento da queratose pilar, dada a dificuldade de permeabilidade da derme;
  • Indivíduos que não preservam bons hábitos alimentares também estão mais suscetíveis ao problema, pois acredita-se que a carência de Vitamina A contribui para o seu aparecimento.
Queratose pilar

Ainda que seja uma patologia bem característica e relativamente comum, muitas pessoas ainda confundem a queratose pilar com outros problemas de pele.

Um dos sintomas mais confundidos é a coceira, mas ela pode ter diversas causas. Descubra no próximo item como ela se relaciona com a doença!

Queratose pilar coça?

As condições que afetam a derme geralmente provocam coceiras, por isso muitas pessoas com esse tipo de sintoma acreditam que sofrem com a queratose pilar.

A verdade, porém, é a que a doença não apresenta absolutamente nenhum sinal secundário além dos sinais visuais na pele – a menos que o problema não tenha sido tratado e a falta de hidratação na pele evolua para outras condições dermatológicas.

O recomendado é qualquer pessoa procure o seu médico de confiança sob a suspeita de algum problema, pois isso evita confusões simples como essa e garante o tratamento adequado para cada caso.

Quais as causas da queratose pilar?

A queratose pilar é uma doença genética de característica autossômica dominante. Isso quer dizer que apenas um dos pais precisa portar os genes do problema para que o filho também o possua!

Sua principal causa é uma condição denominada hiperqueratose, que provoca a produção excessiva de queratina pelo organismo e o acúmulo da proteína na derme.

Ainda que a queratina seja indispensável para proteger o organismo contra as ameaças do mundo externo, seu excesso pode deixar a pele extremamente seca e desidratada.

Em casos pouco comuns, a queratose pilar não apresenta nenhum tipo de sintoma. Isso se deve à boa hidratação da pele dos indivíduos em questão, que impede o desenvolvimento das bolinhas.

Alimentação

Por mais que o caminho lógico para o tratamento da queratose pilar seja por meio de intervenções na pele, ainda existem formas de combater a patologia de dentro para fora!

A falta de vitaminas pode causar uma série de danos para o organismo, como é o caso da queda capilar, por exemplo.

A alimentação também pode fazer toda a diferença para a capacidade de hidratação da pele, como é o caso da ingestão de vitaminas como a A, D e K.

Queratose pilar

Dentre os alimentos que podem ser consumidos para combater ou evitar a queratose pilar, destacam-se:

  • Peixes de água fria, como o atum e o salmão, são ricos em ômega 3, que contribui para a diluição da queratina no organismo;
  • A ingestão da carne de órgãos é uma excelente forma de obter vitamina A em abundância, como é o caso do popular bife de fígado bovino;
  • Algumas frutas, como o kiwi, açaí, limão e banana, assim como alguns vegetais, como acelga, brócolis e espinafre, são ricos em vitamina K;
  • A grande maioria dos vegetais também é recomendada por possuir betacaroteno, que é capaz de se transformar em vitamina A dentro do intestino humano. (nesse caso, porém, é preciso ter uma flora intestinal plenamente saudável para que a conversão ocorra).

Tratamentos para queratose pilar

A queratose pilar pode ser curada ou apenas amenizada: tudo depende das características do organismo de cada indivíduo.

Pessoas sem conhecimentos de registros da doença na família, ou que tenham poucos familiares que sofram com ela, são mais suscetíveis a alcançar a cura completa.

Já aqueles que possuem diversos parentes com a condição dificilmente conseguem eliminá-la. No máximo os efeitos são paliativos e o problema é controlado até que provoque pouco ou nenhum incomodo.

Enquanto alguns atestam um tratamento rápido e permanente da queratose pilar, outros demoram para obter resultados ou sequer encontram sinais de remissão.

Aqueles que não tratam a doença ainda podem experimentar uma melhora espontânea dos sintomas, que ocorre geralmente na fase dos trinta anos de idade.

Vale lembrar que as técnicas abordadas como caseiras não são capazes de curar a patologia, mas sim atuar como um complemento para melhorar a hidratação e a aparência da pele!

Confira, a seguir, quais são os principais meios de intervir contra a queratose:

Queratose pilar

Hidratação

Hidratar a pele do rosto e do corpo é fundamental, não importa se ela for muito oleosa ou seca.

Existem diversas maneiras para garantir a hidratação da derme para diminuir os sintomas da queratose pilar. As mais indicadas por dermatologistas são:

  • Hidratantes especiais que contenham vitamina A;
  • Uso de hidratantes comuns por, no mínimo, duas vezes por dia;
  • Aplicação de hidratantes especiais com ácido lático em sua composição, que contribui para destruir o excesso de queratina na pele;
  • O uso contínuo de cremes à base ureia também é eficiente, pois trata-se de um componente natural de hidratação da derme;
  • O clássico banho de leite, ou com leite diluído em água, é um procedimento que pode ser adotado periodicamente para combater o excesso de queratina;
  • Sabonetes de aveia durante o banho também são eficientes, pois esfoliam e hidratam a pele;
  • O óleo de coco é outro excelente hidratante natural que pode ser aplicado diretamente na pele;
  • O vinagre de maçã possui propriedades anti-inflamatórias naturais e é capaz de limpar a pele. Seu uso é feito por meio da aplicação com algodão na região afetada e posterior enxágue com água.

Esses são apenas alguns dos exemplos mais utilizados por quem sofre com a queratose pilar, mas vale lembrar que existem diversas formar para hidratar a pele seca, basta escolher aquele de sua preferência e informar ao seu dermatologista!

Esfoliação

A fim de retirar as células mortas que se acumulam mais do que o normal em indivíduos afetados pela queratose pilar, técnicas de esfoliação podem ser empregadas para garantir a hidratação da pele. As principais são:

  • Uso de sabonetes esfoliantes, que auxiliam o processo de limpeza da pele por meio de pequenos grãos ou sementes que removem as células acumuladas;
  • Esponjas de banho causam atrito na derme e também contam com propriedades esfoliantes, mas é preciso escolher opções que não sejam excessivamente abrasivas, pois elas podem piorar as condições da pele;
  • Ainda existem casos em que os pacientes apelam para técnicas mais agressivas, como é o caso da esfoliação com açúcar, mas ele deve ser feito por, no máximo, duas vezes ao mês e sempre com o aval do médico responsável.

Tratamento com laser

A depilação a laser é recomendada como simples técnica de remoção de pelos para os pacientes com queratose pilar, pois os métodos comuns podem causar irritações nesses casos.

O curioso é que, como o laser desempenha uma ação direta nos folículos pilosos, que é onde ocorre o grande acúmulo de queratina, muitas vezes a técnica contribui para melhorar o aspecto estético da condição em alguns casos.

Pomadas

O uso de pomadas também é amplamente recomendado para combater ou aliviar a manifestação dos sintomas da queratose pilar.

       

Assim como o caso dos hidratantes, o creme escolhido precisa de algumas substâncias específicas para desempenhar uma ação mais eficiente contra a doença. O ácido salicílico, a ureia e o ácido glicólico são as principais delas.

Confira alguns exemplos populares no mercado e informe-se com o seu médico antes de optar por algum deles:

  • Creme La Roche Posay;
  • Avène Homem Dermo-K Crem;
  • Vitta Relax.
  • Vitacid;
  • Epydermy;
  • Entre outros.
Queratose pilar

Roacutan

O medicamento Roacutan, que é famoso principalmente entre os jovens para o tratamento de espinhas, também pode desempenhar um efeito positivo contra a queratose pilar.

É preciso ter em mente, porém, que trata-se de um remédio controlado e que possui efeitos extremamente nocivos, que podem inclusive ser piores que as próprias manifestações da doença.

O sucesso desse tipo de tratamento não é garantido e varia de acordo com as respostas do organismo de cada paciente.

A recomendação nesse caso, como em todos os outros, é conversar com o seu médico de confiança para avaliar as chances de sucesso e as possíveis consequências desse tipo de tratamento, a fim de determinar sua real segurança e viabilidade.

Cuidados no dia a dia

Os pacientes que não encontram boa resposta remissiva em suas tentativas de tratamento não precisam se desesperar, tampouco aqueles que ainda estão descobrindo como é conviver com a queratose pilar.

Cuidados simples contribuem para que o quadro não se agrave e hábitos corriqueiros de hidratação muitas vezes podem ser o bastante para melhorar o aspecto das bolinhas de forma significativa.

Tome cuidado na hora do banho

Tenha atenção redobrada com a sua pele, principalmente no banho. A higiene dos locais em que a queratose pilar se manifesta deve ser suave e minuciosa. No momento de usar a toalha, toque-a de forma suave e sutil até que fique seca.

Outra recomendação importante é evitar que a temperatura da água esteja muito quente e não tomar muitos banhos ao dia, pois eles podem prejudicar a pele mais do que limpar!

Evite alguns tipos de sabonetes e cremes

Mesmo que grande parte das recomendações para o tratamento da queratose pilar envolvam sabonetes e cremes de diversos tipos, também existem algumas versões que precisam ser evitadas!

Na hora de adquirir o seu produto, certifique-se de que ele não contenha componentes como parabenos, lauril sulfato de sódio, dimeticona, óleo mineral artificial ou algum tipo de fragrância.

Resista à tentação de mexer nas bolinhas

Procure também resistir ao ato de coçar e esfregar constantemente os locais em que a queratina está acumulada.

Pessoas com comportamento ansioso são mais suscetíveis a esse tipo de comportamento, por isso é importante relatar cada detalhe ao dermatologista!

Não deixe que o problema lhe desanime

Ainda sobre a forma com que a queratose pilar afeta o comportamento dos pacientes, lembre-se também de que o próprio estresse pode provocar danos em sua pele!

Aumentar a sua autoestima e sorrir é sempre a melhor solução para qualquer problema, principalmente quando trata-se de uma condição sem gravidade quanto essa.

Cuidado na hora da depilação

Outro momento comum do cotidiano que pode se tornar um pouco mais complicado para as pessoas que sofrem com queratose pilar é a depilação.

Por mais que as lâminas de barbear não sejam recomendadas para que sofre com manifestações mais agudas do problema, elas podem ser utilizadas sem problemas pela maior parte dos pacientes, desde que sejam adotados cuidados especiais.

Quem optar pelo tradicional barbeador deve ter em mente que o seu uso deve sempre ser acompanhado de uma boa espuma de barbear, para que nenhuma elevação na pele seja cortada.

Como mencionamos anteriormente, aqueles que sofrem com queratose pilar e possuem condições de bancar uma depilação a laser podem encontrar resultados melhores do que o imaginado, pois existem registros de que o procedimento melhora o aspecto das incômodas bolinhas.

Já a depilação com cera é controversa: por mais que muitos pacientes recorram a ela sem problemas, aqueles que já se encontram com a pele muito sensível em decorrência da doença correm o risco de enfrentar uma irritação ainda mais intensa após o procedimento.

Queratose pilar

Possíveis consequências

Por mais que seja uma doença benigna e não ofereça grandes riscos aos pacientes, a queratose pilar pode prejudicar significativamente a capacidade de hidratação de pele se não for devidamente tratada.

O ressecamento da derme pode avançar e causar irritações, sensibilidade, incômodos ou até evoluir para alguns tipos de problemas dermatológicos, por isso qualquer suspeita deve ser investigada.

Outra forma de evolução da queratose pilar quando negligenciada é para lesões parecidas com espinhas, que passam por um processo de inflamação que mancha a pele.

Mesmo aqueles que acabam sofrendo com o escurecimento podem recorrer a diversas receitas de clareamento pele, que são seguras e podem ser feitas sem grandes complicações.

As manchas da derme também podem ser removidas posteriormente por meio de cremes e pomadas ou através de soluções como clareador de pele caseiro.

Como ocorre o diagnóstico?

O diagnóstico da queratose pilar não depende de nenhum exame específico ou análise laboratorial.

Quem determina a doença é um dermatologista, geneticista, clínico geral ou crianças, no caso dos pequeninos em fase de desenvolvimento.

Na consulta, o profissional realizará apenas uma abordagem clínica, por meio de um exame físico simples da derme.

Dados como o histórico familiar e médico do paciente também são avaliados. Além disso, algumas perguntas sobre quando os sintomas começaram a se manifestar também são importantes.

Quem possui queratose pilar pode se expor ao sol?

A vitamina D é determinante para qualquer pessoa!

Já é de conhecimento geral que a exposição moderada ao sol é fundamental para manter a saúde da pele. A falta de vitamina D, inclusive, pode causar consequências ainda mais sérias para o organismo!

Mesmo que não existam formas de prevenir a queratose pilar, já que se trata de uma doença congênita, são registrados casos em que a preservação da hidratação e da saúde geral da pele contribuíram para a remissão de seus efeitos.

Por mais que a vitamina D seja muito importante e se inclua como um cuidado fundamental para aqueles que pretendem melhorar o aspecto provocado pela doença na pele, é preciso estar atento aos riscos dos raios UV.

Evite expor-se em horários de pico, que ocorrem geralmente entre as dez horas da manhã e as dezesseis da tarde. O uso de filtro solar também é indispensável em qualquer situação, mesmo em dias nublados.

Tenha atenção especial ao ambiente

Pessoas que vivem em regiões de clima seco podem sofrer mais com os efeitos da queratose pilar.

Isso ocorre em decorrência da falta de umidade no ar, que pode ser compensada com aparelhos umidificadores ou ainda de forma caseira por meio de baldes com água ou toalhas molhadas espalhadas pelos cômodos.

Quem optar por um umidificador jamais deve abastecê-lo diretamente com água da torneira, pois ela contém resíduos como nitratos e cloro, que são nocivos para a derme. O mais indicado, nessa situação, é o uso de água destilada, pois ela não contém nenhum tipo de contaminante ou mineral.

Temperaturas muito baixas também podem contribuir para que o clima se torne seco, por isso indivíduos com queratose pilar submetidos a esse tipo de clima também devem ter atenção especial com a hidratação.

Qual a relação entre a queratose pilar e o glúten?

Muitos conhecem a relação que o glúten e outros alimentos comuns do dia a dia têm com o surgimento de problemas de saúde, mas o que muitos não sabem é que a doença celíaca está diretamente ligada ao surgimento de queratose pilar em algumas pessoas!

A condição, que também possui origem crônica, provoca o acumulo de queratina nos poros assim como a queratose.

Nesse tipo de manifestação, as regiões mais afetadas são as nádegas e as coxas.

Quem tem queratose pilar pode se tatuar?

A tinta das tatuagens em si não possui relação com a queratose pilar, mas a ação da agulha pode provocar complicações.

O ideal é consultar o seu dermatologista antes de realizar a tatuagem para determinar qual é o grau da doença e se o procedimento é seguro.

Certifique-se também de que o tatuador escolhido possua boas referências e informe-o sobre a sua condição para que ele também adote as medidas pertinentes.

Continue por dentro de mais dicas como essa!

Você já conhecia todos os detalhes que abordamos sobre queratose pilar? Por mais que existam alguns efeitos estéticos, felizmente a doença não provoca grandes riscos para a saúde dos pacientes e pode ser tratada sem maiores preocupações.

Gostou de saber tudo sobre mais esse tema de saúde? Quer ficar por dentro de outras dicas imperdíveis como essas? Então continue acompanhando o blog A Terceira Idade para conhecer mais detalhes sobre queratose pilar e muitos outros temas!

Recomendados Para Você:

       

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.