Por que as pessoas mentem e os malefícios da mentira- Parte I

0

O ato de mentir está ligado à personalidade das pessoas e provavelmente tem origem na infância, muitas vezes pelo modelo ou incentivo dos pais. Neste último caso, quando os pais pedem aos filhos que mintam para saírem de alguma situação embaraçosa. Muitas vezes a criança se vê dividida entre o que ela enxerga e o que os adultos lhe dizem.Estes, no intuito muitas vezes de poupar os filhos, não mostram a realidade das situações, e a criança cresce acostumada com omissões, duplas mensagens.

Exemplo 1: Papai chega preocupado e está na cara dele. Ninguém fala nada a respeito e se o filho pergunta, o costume é negar.

Exemplo 2: Um dia a mamãe está chorosa, a filha pergunta e é a mesma coisa, “não estou chorando”.

Exemplo 3: O telefone toca para o pai. Ele diz: “fala que eu não estou”.

Esses modelos simples se reproduzem milhares de vezes ao longo da infância e trazem prejuízos enormes na confiança dos filhos nos pais. Então a criança vai achando que mentir é uma coisa normal.A influência do comportamento dos pais no comportamento dos filhos é fundamental, porque eles aprendem por imitação, espelho, imagem…

Dependendo como foi o modelo ou o incentivo familiar, a criança e depois o adulto pode viver um mundo achando que pode ter tudo e que consegue enganar a todos, usando da mentira para conseguir as coisas. É comum nas famílias e em todos os relacionamentos na vida toda, a busca de se esconder sentimentos e emoções ( muitas vezes com as melhores intenções ), mas com consequências desastrosas. Há pessoas que mentem sobre si mesma, para se valorizarem, reforçar a própria imagem, querendo aparecer melhor dentro do meio social em que vivem.

Leia Também:

 

DIFERENÇAS ENTRE BOATOS E FOFOCAS

As principais diferenças entre boato e fofoca estão no conteúdo da mensagem, nas motivações que estão por trás dela e na dimensão que ganha ao ser difundida. Os Boatos têm uma combinação de medo real com fato impreciso, porque cria na imaginação das pessoas uma realidade possível.

Exemplo: Hospitalização de Tancredo Neves ( internado 38 dias, sete operações e morreu de infecção generalizada ). Várias histórias fantasiosas surgiram, até que ele foi baleado.

Portanto, os boatos costumam refletir as preocupações conscientes e inconscientes da sociedade no momento em que circulam.

Exemplo: Banco… vai quebrar, gerando ansiedade, desconfiança, insegurança…

A Fofoca é uma mensagem sobre o comportamento de outras pessoas, especialmente quando os alvos não estão presentes. Envolve um grupo restrito de interessados.

Ela está no cotidiano, limita-se à informação normalmente maldosa sobre os outros e ocorre com freqüência nos momentos de convivência troca de conhecimento social.

A fofoca vem da imaginação de quem faz a fofoca.

       

Todos nós nos sentimos vítimas da fofoca quando ela chega a nós, mas ninguém se sente agente da fofoca. Eu ? Nunca !!! Só os outros mesmo é que fazem.

A fofoca é inerente à vida de qualquer sociedade, seja primitiva ou desenvolvida.

AINDA SOBRE A MENTIRA

“Quem enuncia um fato que lhe parece digno de crença ou acerca do qual forma opinião de que é verdadeiro, não mente, mesmo que o fato seja falso”.

É o propósito com que falamos alguma coisa, a intenção, que definirá a mentira.

“Não há mentira, apesar de que se diz, sem intenção, desejo ou vontade de enganar”.

A mentira satisfaz também interesses de maneira indireta.

Exemplo: Falsos rumores que diminuem, comprometem, execram pessoas que, de uma forma ou de outra, nos ameaçam ( às vezes ameaçam apenas nosso bem estar emocional ).

O mentiroso também passa por dificuldades, e quanto mais cai na tentação de mentir, tanto mais difícil vai ficando controlar a abundante base de dados das versões de suas mentiras, mais difícil vai ficando garantir a coerência de suas estórias, mais necessidade de novas mentiras para encobrir as antigas… A farsa cresce em progressão geométrica.

Há casos em que se diz uma mentirinha, que poderíamos chamar de positiva, é aquela com intenção de ajudar, aliviar as pessoas.

Exemplos:
– Pessoa doente: “Você está com uma cara mais saudável hoje”.
– Pessoa se diz envelhecida ou acabada: “Não concordo, ninguém diz a idade que você tem…”.

Uma das razões interiores mais comuns para mentir é a insegurança ou baixa auto estima, a pessoa faz tudo para elevar o que é ou tem.

Finalmente, há mentiras por razões patológicas como personalidade problemática. Exemplos: demência, delírios…
Afinal, por que mentimos, se todos sabemos que existe a chance de sermos desmascarados mais cedo ou mais tarde ? Que força é essa que nos impele a não sermos fiéis aos fatos ? Há mentiras justificadas ou não ? A verdade, doa a quem doer, sempre é a melhor opção ?

O que você acha?

Texto de Solange Quintaniha
Psicóloga Médico-Hospitalar, Psicanalista e Psicóloga Motivacional. Especialista na Terceira Idade e em Tabagismo. Palestrante de Temas Existenciais e Autoajuda.
Contatos: (21) 8179-99-99
E-mail:solangepsi8@gmail.com

 

COMENTE COM OS AMIGOS DO SITE:
Use a caixa de comentários abaixo para trocar idéias com os leitores do site. Muitas pessoas podem interagir com você.

       

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.