Periodontite: Sintomas, Tratamento, Causas, Tem Cura?

0 1.797

Periodontite se caracteriza pela infecção e inflamação de ligamentos e dos ossos que suportam todos os dentes. A condição em questão é uma patologia comum, entretanto, muito simples de ter a prevenção.

Grande parte das situações de periodontite é curável, porém o tratamento tem variação conforme o nível evolutivo da patologia, e pode ser realizado a partir de procedimento cirúrgico ou de estratégias que são pouco invasivas como o aplainamento de raiz, curetagens ou utilização de antibióticos.

Ainda, como a doença é motivada pela má higienização oral, que age permitindo o aumento do tártaro e das possíveis bactérias, é imprescindível a escovação dos dentes, no mínimo, duas vezes ao dia, utilizando o fio dental e evitando fumar. Além disso, a consulta anual ao dentista é extremamente necessária.

Sintomas de Periodontite

Os sinais mais comuns da periodontite são semelhantes aos de gengivite. Por isso, atente-se aos primeiros sintomas da patologia:

  • hálito desagradável;
  • gengivas avermelhadas em tom arroxeado ou vivo;
  • gengivas com aparência brilhosa;
  • gengivas com fáceis sangramentos – principalmente ao longo da escovação;
  • gengivas que são sensíveis ao qualquer toque, porém não costumam doer de outro modo;
  • dentes moles;
  • inchaço nas gengivas.

Há uma mistura de elementos proteicos e outras substâncias que residem de forma tranquila na boca. De modo geral, eles são compostos entre gengivas e dentes com espessuras viscosas, denominadas por “película adquirida”. Estas bactérias prejudiciais que costumam se implantar ali, fazem proveito do teor de comodidade e se alimentam de resíduos de alimentos acumulados por ali.

O armazenamento de tais resíduos faz com que outras bactérias sejam atraídas e promove o estímulo de reproduções das que já se apresentam na boca, proporcionando uma proliferação ainda maior.

Até esta fase, escovar os dentes de forma adequada é capaz de acabar com o problema, porém, posteriormente a 12h sem escovações dos dentes, o tártaro inicia um processo de mineralização, e só o dentista poderá fazer a extração dele.

Ao passo que o tártaro esteja impregnado, sua ação é começar uma agressão na gengiva, que consequentemente tem sua inflamação. Neste momento, a gengiva inicia uma apresentação de inchaço, sensibilidade e inflamações, além de outros sinais.

A denominação dessa etapa é a gengivite, sintoma inicial da patologia da periodontite.

Tratamento para Periodontite

As primeiras metas a serem atingidas a partir do tratamento para periodontite são a redução de inflamações, eliminação de bolsos – caso existam – e o tratamento de desencadeadores secundários à doença.

Dentes com a característica áspera em suas superfícies ou os aparelhos ortodônticos precisam de reparação, em caso de existência da possível facilidade para que a periodontite aconteça.

Razões secundárias à patologia e outras condições com probabilidade de acometerem o organismo bucal precisam ter tratamento.

É muito relevante que ocorra uma limpeza bucal cuidadosa. Esse fato envolve a utilização de diversas ferramentas ou aparelhos que removam a placa acumulada e o tártaro. A higiene habitual da boca, minuciosa e feita em casa deve ser obrigatória posteriormente a higienização dentária realizada pelo dentista, a fim de evitar destruições maiores.

O dentista fará a demonstração de estratégias para escovar os dentes e sobre a utilização correta do fio dental. A recomendação é que aqueles que sofrem da periodontite realizem a limpeza dos dentes com um dentista em uma frequência maior que duas vezes ao ano.

Em algumas situações, há a necessidade de procedimentos cirúrgicos para o tratamento da condição, visto que os bolsos com grandes profundidades nas gengivas precisam de abertura e de limpeza.

Ainda, os dentes moles podem necessitar de apoio. O dentista necessita de remoção de um ou demais dentes para que a doença não tenha uma piora e se dissemine para dentes próximos.

Tratamento para periodontite sem intervenção cirúrgica

Estratégias diferenciadas para tratar a doença que não necessitam de procedimento cirúrgico, de modo geral, são usadas em situações leves da doença e fazem a inclusão de:

Curetagem

Essa estratégia é uma modalidade de limpeza profunda da arcada dentária que proporciona a remoção de tártaro excessivo e de bactérias superficiais dos dentes, além do interior de gengivas, de modo a evitar o aparecimento de infecção que possibilita prejudicar os ossos que suportam os dentes.

O processo de curetagem é realizado por dentistas ou periodontistas, fazendo o uso de instrumentos específicos em consultório e, em determinadas situações, possibilitam o procedimento por meio de laser.

Aplainamento de raiz

O aplainamento acontece pelo alisamento superficial da raiz dentária para a redução da possibilidade de as bactérias ficarem grudadas e terem o desenvolvimento, de modo a aliviar inflamações de gengivas e evitar que as lesões da doença se agravem.

Medicamentos antibióticos

Estes medicamentos – Clindamicina ou amoxicilina – promovem a eliminação e auxiliam no controle do crescimento bacteriano na região bucal e podem ter utilidade sob o formato de comprimidos, bem como enxaguantes bucais.

De modo geral, são uteis posteriormente a curetagem para que se mantenha os dentes higienizados e para a garantia de que todos os elementos bacterianos tenham a eliminação.

Esta categoria de remédios só pode ter utilidade com recomendação médica e ao tempo indicado, visto que a utilização excessiva pode provocar diversos efeitos colaterais como infecções contínuas, diarreia ou vômitos.

Higienização

A higienização ou limpeza é a primeira atitude a ser tomada pelo dentista em relação ao paciente que apresenta a periodontite. Em razão de que a gengiva se apresenta sensível, é possível que o procedimento seja dolorido para o paciente, muito mais em casos de não ser utilizada a anestesia ou ao passo que o tártaro tenha muita calcificação.

Contudo, o procedimento é muito relevante, visto que higienização faz a remoção de tártaro de elementos bacterianos que irritam a gengiva.

Alisamento radicular ou raspagem

A metodologia de alisamento radicular – espécie de raspagem da raiz dentária – responsabiliza-se por impedir que toxinas de novas bactérias e de tártaro se acumulem.

A melhor forma de tratar a periodontite é prevenindo-a, com exceção daqueles que, mesmo agindo de forma preventiva, acaba sofrendo com a patologia.

O ponto positivo em relação a isso é a existência de tratamentos que possibilitam amenizar ou eliminar o sofrimento de quem é portador da situação da periodontite. Ao terem a separação em grupos de intervenções cirúrgicas e não cirúrgicas, apresenta-se:

Tratamento para periodontite com intervenção cirúrgica

Estratégias diferenciadas para tratar a doença que, de fato, há a necessidade de procedimento cirúrgico, de modo geral, são usadas em situações mais graves da doença e fazem a inclusão de:

Bolsa periodontal reduzida

Neste procedimento, o dentista promove o levantamento da bolsa periodontal e faz a exposição de raízes dos dentes. O intuito é fazer a higienização ou limpeza que tenha maior eficácia da região prejudicada. Posteriormente à limpeza, é procedida a sutura da gengiva em local e tamanho regular.

Enxerto de um tecido mole

Em determinadas situações da patologia de periodontite, a gengiva cresce de forma excessiva e acaba cobrindo os dentes. Em outras, a gengiva fica retraída e raiz do dente fica exposta. Ao passo que tal tecido da gengiva é perdido, em virtude de retração, é possível que haja a necessidade de um reforço da região de forma cirúrgica.

Neste processo, faz-se a abertura desse tecido e, em seguido, coloca-se o enxerto de tecido mole. Este elemento pode ser retirado de outra área bucal do portador da doença, sintético ou por meio de doação.

Enxerto ósseo

Ao passo que a periodontite prejudica a raiz dentária horizontalmente, os dentistas procedem essa técnica denominada de enxerto ósseo. Neste caso, transfere-se um osso para outro espaço, com o intuito de preencher o dano provocado a região mandibular.

O osso que será utilizado como enxerto pode prover do mesmo paciente, ser sintético ou, ainda, ser doado. O intuito do procedimento cirúrgico é auxiliar que se evite perder os dentes, além de ser útil como a base para um crescimento naturalizada de camadas dos ossos.

Tecido regenerado de forma guiada

A fim de tornar propício o crescimento do osso prejudicado de forma natural, o profissional periodontista faz a inserção de um tecido que fica entre o osso existente e o dente. O produto biocompatível que teve sua inserção ali faz impedimento de que organismos estranhos entrem na região operada. Isso quer dizer que o osso pode ter o seu crescimento de novo naturalmente.

Aplicar derivados da matriz de esmalte

O esmalte do dente é que faz a proteção em relação aos elementos bacterianos, auxilia a desenvolver e estimular o crescimento ósseo com saúde.

Para os portadores de periodontite, o esmalte se apresenta com nenhuma ou pouca produção. Então, ocorre a aplicação de um gel específico na região dentária que necessitam dessas funcionalidades.

Coroa aumentada

Este procedimento cirúrgico é um processo de restauração, que pode também ter utilidade para finalidade estética. Contudo, também é muito usada para que se impeça a composição de bolsas de periodontite.

O dentista realiza incisões pequenas em volta de gengivas para que ocorra a remoção de excessos, e em determinadas situações, o osso envolvido nas raízes dentárias também é reformulado.

Prognóstico

Sem que ocorra um tratamento de forma adequada, a convivência com a periodontite pode ser um grande desafio. É em virtude de custos altos em relação ao tratamento e o fato de o SUS ser ineficiente, que muitos passam a conviver com a patologia sem um tratamento eficaz.

Posteriormente ao diagnóstico, a patologia necessita ser tratada de forma imediata. A remoção de tártaro ou, em situações avançadas, os dentes prejudicados, é a primeira ação para a retomada de uma boca saudável.

Visitar frequentemente e atender as recomendações do dentista é o que diferencia o tratamento realizado em casa do tratamento profissional.

Até porque, ao passo que a remoção do foco da patologia seja procedida, juntamente de um tratamento adequado, é possível que os sintomas da periodontite não existam.

Determinadas maneiras de convivência com a patologia de periodontite correspondem a:

Evite traumas e alimentações que possam causar irritações

Além de consultar frequentemente o periodontista – no mínimo de três em três meses –, proceder escovações corretas, além de que se evite álcool e tabaco em excesso, é preciso que se evite traumas nas gengivas.

A partir de traumas, diz-se toda a ação que pode causar irritação. Atitudes como a não escovação dos dentes por, no mínimo, 1h após o consumo de pipocas, pode ser um trauma.

Alimentação como o amendoim e pipocas costumam causar irritações na gengiva, sendo livre ou não da periodontite. Contudo, ao passo que o paciente disponibiliza problemas de periodontite, a gengiva necessita de cuidado redobrado, visto que se destaca por uma sensibilidade ainda maior.

Em situações de alimentos como estes, não o trituramento total, sendo que fragmentos grandes entre os dentes e gengivas são deixados. A partir do atrito, as gengivas podem ser prejudicadas com fissuras pequenas e iniciar sangramentos, além de inflamarem.
O tempo máximo para se proceder a escovação dos dentes depois de consumir esses alimentos é 1h. Entretanto, o ideal é que se escove os dentes imediatamente.

Enxaguante bucal

Outro fator a ser somado a rotina é a utilização de enxaguantes da boca sem o álcool. Alguns desses produtos que contém o álcool acabam matando os elementos bacterianos benignos da boca – os anticorpos que combatem os elementos agressivos.

O fundamental é que se consulte o seu dentista para a indicação do melhor enxague para a utilização diária.

Faça uso de algumas dicas caseiros para a redução e prevenção da periodontite:

  • Realizar higienização e limpezas nos dentes com profissional, conforme a regularidade indicada pelo mesmo;
  • Utilizar escova macia e substituir a mesma de 3 a 4 meses;
  • Consultar o dentista, caso esteja pensando em fazer uso de escova de dente elétrica;
  • Escovar os dentes 3x ao dia ou, ainda, posteriormente a cada alimentação ou lanches que forem realizados durante o dia;
  • Utilizar o fio dental todos os dias;
  • Utilizar, também, enxaguantes bucais para auxílio de redução de placa bacteriana nos dentes;

Probabilidade de complicações

A periodontite pode ter a evolução a outras patologias e problemas relacionados à saúde, com maior gravidade. São eles:

  • Abscessos ou infecções no tecido mole – celulite da face;
  • Maxilares infeccionados – osteomielite;
  • Reincidências de periodontite;
  • Abscesso do dente;
  • Perda dentária;
  • Movimentação ou rompimento dentário.

Tipologias da Periodontite

Em virtude de essa patologia ser comum, há muitas variações da periodontite. As de maior recorrência são:

Periodontite tipo crônica

Esta categoria de periodontite é muito comum e costuma ocorrer em adultos. Aparece a partir da falta de tratamento de gengivite, e é possível a sua evolução gradualmente. É caracterizada, principalmente, pela perda do osso específico que faz a fixação do dente – alveolar – ainda mais horizontalmente.

É possível que seja localizada ou ainda generalizada. O critério generalizado da doença crônica é quando prejudica uma quantidade maior que 30% da arcada dentária e localizado ao passo que afete somente 1 ou o quantitativo menor que 30%. A avaliação do teor de gravidade da condição é possível sob o nível de progressão que atingiu, sendo:

  • leve – entre 1 a 2mm;
  • moderada – entre 3 a 4mm;
  • severa – acima de 5mm.

Periodontite do tipo agressiva

A condição do tipo agressiva é de maior raridade entre as categorias disponíveis. Ela se destaca por progredir rapidamente e é contínua entre jovens e adultos, provocando bolsas de periodontite e a perda do apoio verticalmente.

Tal derivação é presenciada de modo hereditário e tem associação com elementos bacterianos virulentos – agressivamente alta.

Periodontite do tipo ulcerativa necrosante

Comentar que essa categoria de periodontite traz gravidade pode ser eufemismo. A condição ulcerativa necrosante se destaca por agir rapidamente e comprometer o ligamento alveolar e o osso.

As características mais comuns se destacam pelos elementos bacterianos virulentos que se localizam na boca em situações de portadores de HIV, fumantes, consumidores de bebidas com álcool de forma frequente e afins.

Periodontite do tipo apical aguda

A condição apical aguda prejudica de forma direta o osso alveolar. De modo geral, é provocada em virtude de aspectos relacionados a traumas – pancadas, acidentes e afins.

Outras motivações são os possíveis tratamentos dentários realizados de modo inadequado e a passagem de elementos bacterianos da parte interna para a externa do dente.

Periodontite do tipo jovem

A condição juvenil é motivada pela hereditariedade, em grande parte das situações. Acontece entre a faixa etária dos onze e treze anos, porém em situações de raridade é possível que aconteçam em período de puberdade e os de faixa etária de 30 anos.

As características principais correspondem a gengiva sem inflamação, baixo teor bacteriano em placas e o tártaro.

Periodontite Avançada

Em início da patologia que se desenvolve encontra-se a gengivite, que refere-se as gengivas inflamadas. As lesões causadas pela condição da gengivite se destacam em conjunto de uma elevada perda de colágeno.

Contudo, em etapa de início, a condição da gengivite não prejudica ligamentos de periodontite nem o elemento ósseo alveolar, que são os tecidos que sustentam a arcada dentária.

Entretanto, caso a gengivite não tenha tratamento de modo adequado, desencadeia a evolução para a periodontite, a partir de tecidos destruídos.

Em caso de a gengivite não ter o devido tratamento, a evolução da condição passa a periodontite e acomete o ligamento periodonto e também o elemento ósseo alveolar que faz o envolvimento e sustentação dentária, de modo a destruí-los.

As situações de periodontite avançada possibilitam acometer em perda dentária pela acentuação móvel.

Gengivite

Esta é a primeira etapa da patologia. Trata-se da característica de gengiva inflamada, provocada pelas placas bacterianas. É possível observar inchaços e vermelhidões na região da gengiva ou, ainda, sangramentos em período de escovação ou a utilização de fio dental.

Em primeira etapa, a patologia de periodontite é passível de reversão ao passo que os ligamentos e osso periodontal que fazem o suporte dentário no local não tenham sido prejudicados.

Caso não tenha o tratamento rápido, a gengivite pode ter evolução e se destacar de uma maneira crônica maior da patologia – a periodontite.

Periodontite

Nessa etapa, o osso que sustenta o dente e os elementos fibrosos têm danificação irreversível. A gengiva inicia a formação de bolsas na região abaixo da margem da gengiva, favorecendo o aumento da placa.

Ao passo que o tratamento periodonto correto com especialista, e um aprimoramento higiênica da boca, é comum que ocorra o auxílio para que se evite prejuízos maiores à gengiva, ao osso e tecidos que fazem o devido suporte.

Periodontite avançada

Nesta etapa de maior avanço da patologia do periodonto, o osso e as fibras de sua arcada dentária apresentam-se prejudicados de maneira severa, e isso possibilita que o dente tenha movimentação ou permaneça mole. É possível que isso afete a mordida e maneira como o paciente fala e come.

Caso o tratamento do periodonto não possa salvar os dentes afetados, eles devem ter a extração.

Causas da Periodontite

A periodontite acontece ao passo que a gengivite – gengivas inflamadas e infeccionadas – não têm o devido tratamento ou ao passo que este tenha adiamentos. Os cenários de infecção e inflamação percorrem além das gengivas para ossos e ligamentos que fazem o devido suporte dentário.

Ao perder este apoio, os dentes ficam soltos e acabam desprendendo da boca. A periodontite é a razão principal da perda dentária aos adultos. Essa condição não é muito natural ao público infantil, porém pode surgir em período da puberdade.

O tártaro e as placas bacterianas têm o acúmulo em sua base dentária. O fator de inflamação provoca bolsos desenvolvidos na região intermediária aos dentes e gengivas.

Com o tempo, tal inflamação gera a característica de tecidos e ossos destruídos que estão em volta do dente. Ao passo que a placa é composta por elementos bacterianos, há a probabilidade de que existam infecções, o que pode desencadear abcessos dentários, elevando taxas do osso ser destruído.

Alguns elementos que podem desencadear riscos, mencionados por especialistas, que possibilitam o aumento das chances da condição periodontal fazem a inclusão de:

  • gengivites;
  • hereditariedade;
  • hábitos ruins em relação a saúde da boca;
  • cigarro;
  • diabetes;
  • faixa etária avançada;
  • redução de imunidade, como acontece em patologias conhecidas – HIV, leucemia – além de
  • momento posterior a sessão quimioterápica, para tratar determinados cânceres;
  • deficiência de nutrientes;
  • remédios;
  • modificações dos hormônios em virtude de menopausa e gravidez;
  • exagero de drogas e álcool;
  • condições problemáticas da estrutura dos dentes;
  • problemas em relação a maneira como os dentes fazem o encaixe na mordida.

Gengivite

Como já mencionado, o fator de gengivite deve ser considerado para que se evite patologias do periodonto, visto que, ao passo que não tenha tratamento, pode ter progressão e desencadear a perda dentária.

       

O procedimento que gera a gengivite a se tornar a periodontite pode ter variação de situação em situação. Contudo, a primeira etapa é sempre o tártaro acumulado nas regiões específicas.

O tártaro que têm o acúmulo na boca não disponibiliza de associações com mitologias gregas, porém pode ter negativo de mesma maneira. Trata-se de uma placa de bactérias que permanece dura na parte superficial dentária ou em cima da gengiva. Esse fato decorre de resíduos de alimentações que têm o seu alojamento ali.

Hereditariedade
Ao disponibilizar de uma genética predisposta a tal patologia, não quer dizer que tal pessoa terá, de fato, o desenvolvimento da periodontite. Isso significa que o seu sistema imunológico tem maior suscetibilidade a elementos que causam a condição.

A periodontite causada pelo fator genético é, de forma frequente, mencionada por adolescentes entre os 15 anos de idade.

Escovação incorreta

Não proceder uma escovação dos dentes, ou faze-la inadequadamente, é uma motivação para atrair elementos bacterianos que almejam a dominação bucal.

Transmissão

Não há, ainda, estudos que façam a confirmação de modo efetivo, que a condição periodontal possa ter transmissão oral.

Contudo, pesquisas específicas fazem sugestões de que os elementos bacterianos possam ter a transmissão por meio de saliva, ainda mais quando acontece entre indivíduos predispostos à periodontite. Ainda, é importante que a boca esteja sempre bem higienizada para que se evite a patologia.

Depressão

É válido dizer que energia negativa atrai negatividade. Tudo o que permanece ruim, pode encontrar novas maneiras de se tornar pior. Por isso, acreditando nessas teorias, o grupo de pessoas depressivas é, com certeza, um conjunto de risco.

As pessoas que sofrem de depressão costumam ser mais sensíveis a periodontite, em virtude de medicamentos antidepressivos que causam a produção baixíssima da saliva.

A saliva permanece na boca para fazer a umidificação de alimentos, além de ser constituída por elementos que atuam de modo a proteger a boca, combatendo vírus e elementos bacterianos.

Portadores de câncer

A partir do tratamento do câncer, é possível empregar processos quimioterápicos e radiografias, que fazem a minimização do teor de capacidade da imunidade do paciente. Ao passo que isso aconteça, o indivíduo tem maior propensão a ter a gengivite, que por conseguinte, torna-se a periodontite.

Portanto, é essencial que o paciente que esteja tratando o câncer tenha o cuidado também em relação a saúde da boca, visto que esta pode prejudicar a saúde do organismo completo.

Diabéticos

É importante frisar que nem todos os portadores da diabetes apresentaram esta condição. Tanto que um portador da diabetes que tem o devido controle pode apresentar gengivas totalmente saudáveis e ainda não ter o organismo acometido pela periodontite.

A categoria do diabetes, a faixa etária do paciente, o grau de hiperglicemia e critérios anormais em resolução a imunidade são somente alguns dos aspectos que podem fazer a determinação, caso o paciente seja ou não acometido pela doença.

A associação entre as patologias é uma linha que segue de um lado até o outro. A diabetes eleva as chances do paciente ter a o desenvolvimento da periodontite, que por conseguinte, causa influências na sensibilidade insulínica.

Pesquisas fazem a revelação, também, que portadores da diabetes são mais passíveis da perda dos dentes.

Grávidas

Os sangramentos decorrentes de gengivas não podem ter tratamento como algo comum e habitual, de forma particular às mulheres grávidas. Em virtude de modificações dos hormônios, há a possibilidade de acontecimento de sangramentos gengivais durante a gravidez.

Os sangramentos sinalizam condições de gengivite. Ainda que a gestante tenha uma escovação correta dos dentes, ela poderá ter o desenvolvimento da periodontite, visto que sua imunidade se destaca debilitada, propiciando que os elementos bacterianos proliferem.

Logo que ocorra a identificações do problema, há a necessidade de a grávida se dirigir até o dentista o mais rápido possível, visto que a situação possa se agravar, desencadeando complicações para o bebê e a mãe – prematuridade de parto, por exemplo.

Periodontite tem cura?

Periodontite é uma doença sem cura, porém pode ser tratada de maneira efetiva, se não tiver alcançado um nível avançado.

De modo abrangente, a patologia é motivada pelo elemento bacteriano do tártaro, como já revelado.

Contudo, é uma doença crônica. Isto quer dizer que o indivíduo pode não dispor dos sintomas da condição, porém ela permanece em seu organismo. Portanto, é preciso um cuidado contínuo.

Determinadas pessoas mencionam que o procedimento para remover as placas das gengivas que estão inflamadas é desconfortável. Os inchações e sangramentos gengivais devem sumir em prazo de 7 a 14 dias posteriores ao tratamento inicial, disponibilizando novamente a saúde da gengiva.

É preciso que se mantenha uma higienização da boca de forma cautelosa, pela vida inteira. Em oposição a isso, a periodontite é reincidente.

A higienização adequada é o melhor modo de prevenir a patologia. Ela faz a inclusão de escovação e utilização de fio dental com cuidado, todos os dias, além higienizar de forma profissional em consultórios odontológicos.

O ato de prevenir e de tratar a gengivite promovem a redução de riscos da periodontite se desenvolver.

Remédios para Periodontite

Algumas medicações mais utilizadas para que se possa tratar a periodontite, destacam-se por:

  • amoxil BD;
  • amoxilina;
  • bi Profenid;
  • flanax;
  • clindamicina;
  • clindamin-C.

Apenas um especialista pode mencionar qual o remédio é mais recomendado para a sua situação, além da dose adequada e tempo específico do tratamento. É imprescindível seguir à risca todas as indicações do dentista e jamais se automedicar.

Não faça a interrupção da utilização do remédio sem a consulta de especialistas, e, em caso de ingestão maior do que o quantitativo prescrito, seguir as recomendações da bula.

Tratamento caseiro para Periodontite

Os alimentos são básicos, tanto para a prevenção do surgimento de patologias do periodonto quanto para o tratamento em caso da presença da condição. Dessa forma, a alimentação antibacteriana é excelente para fazer a eliminação de placa bacteriana em excesso, e o fortalecimento das gengivas.

A alimentação mais adequada é aquela composta por fonte de vitaminas C e D, cálcio e betacaroteno.

Essa alimentação apresenta substâncias antioxidantes que agem de modo a reparar o tecido conectivo e auxiliam na cura da periodontite. Dessa forma, o portador da doença precisa aumentar a ingestão de cítricos, verduras, cereais, produtos lácteos e frutas secas.

Elemento vitamínico C

Quando a vitamina C está deficiente, é possível afetar de forma direta a saúde de suas gengivas. Este elemento vitamínico é caracterizado por ser um antioxidante que auxilia a fazer a reparação do tecido conjuntivo e dos ossos regenerados.

Em situação de sintomas da patologia de periodontite, eleva-se o consumo da vitamina C em produtos suplementares, e alimentação rica nesse elemento – manga, kiwi, mamão, frutas cítricas, brócolis e pimenta vermelha.

Melaleuca

Óleo de melaleuca – denominado também de tea tree oil – trata-se de um óleo essencial, que tem derivação do gênero de melaleuca e disponibiliza substâncias poderosas e antibióticas. Em situação das gengivites e patologias do periodonto com aplicação tópica que tenha suficiência da gengiva para a escovação dos dentes ou, de forma direta na escova, uma gota, 2x na semana.

Mirtilo

Suco de cranberry é utilizado de forma medicinal para o combate da patologia de periodontite. A situação adequada é fazer o consumo como um suco, ingerindo ¼ do líquido diariamente.

Massagem

Massagear a gengiva todos os dias, 2x ao dia por 5min, auxilia a tratar a periodontite, de modo a fazer estímulos da circulação e do procedimento cicatrizante da gengiva, além da eliminação de bactérias.

Bardana

Tais ervas possibilitam o auxílio em situação da patologia na gengiva. Esta é a situação da bardana. Para tanto, é preciso preparar um chá com a raiz de bardana em água quente, deixando descansar até que esfrie. Utilizar a infusão como enxaguante bucal, e em seguida, fazer a escovação dos dentes.

Romero

Utilize o alecrim fresco para fazer massagens nas gengivas com inflamação, de modo a esmagá-lo anteriormente a seu uso. O alecrim auxilia no estímulo de circulação e na cura de gengivas.

Bicarbonato

Faça a aplicação de bicarbonato do sódio na escova dental, de forma úmida, ao passo que escove as gengivas e dentes, auxiliará na eliminação de elementos bacterianos que causam infecção, impedindo que a inflamação motivada por uma patologia do periodonto.

Alguns óleos fundamentais trazem benefícios altos para cuidar de gengivas, assim como a cura de patologias como a periodontite. De modo especial, os óleos da árvore de chá, tomilho e cravos-da-índia apresentam elementos antibióticos e antissépticos muito bons para curar, desde a gengivite até a periodontite.

Opte pelo os elementos que mais lhe agradarem e faça a aplicação das substâncias na escova de dentes ou, ainda, de forma direta sobre gengivas, massageando-as cuidadosamente. Fazer isso, pelo menos, 2x na semana.

As massagens nas gengivas com inflamação e infecção auxilia o estímulo do sangue circulada e a redução da dor motivada pela periodontite. Dessa forma, além de óleos, é possível também fazer uso de folhas de alecrim para massagear suavemente as gengivas.

O aloe vera é outra erva que disponibiliza substâncias medicinais e, portanto, também traz eficiências para tratar a periodontite. Contudo, você pode fazer uso da polpa para fazer massagens nas gengivas.

O enxaguantes bucais feitos em casa pode auxiliar você tanto para a cura da patologia de periodontite com a prevenção. Posteriormente a escovação dental, é preciso fazer enxágues utilizando vinagre do tipo maçã, visto que suas substâncias antibacterianas facilitarão a redução da placa.

Trata-se de um preparo caseiro com muita eficiência, misturando água, camomila, sal e sálvia. Fazer gargarejos a partir desta mistura, depois de cada higienização, proporcionará de porquinho em porquinho, a diminuição da placa ou, ainda, não surgirá em caso de uso para preveni-la.

Curando a periodontite a partir de medicamentos caseiros

A periodontite é uma patologia da boca que trata-se de infecções e inflamações de tecidos do periodonto – ossos e ligamentos que suportam a arcada dentária. É possível ser caracterizada como agressiva ou crônico e, caso não tenha o tratamento como é preciso, pode dar espaço à perda dentária.

A razão principal é o surgimento da denominada placa bacteriana. Caso não ocorra a sua eliminação os elementos bacterianos e possíveis toxinas começam a se regenerar e as gengivas iniciam um processo de inflamação, dando espaço à primeira etapa da patologia.

Caso o fator inflamatório não tenha tratamento, a gengivite desencadeará a patologia do periodonto.

O melhor modo de fazer a cura da doença é observando tratamento odontológico.

Contudo, é possível que este tenha complemento com determinadas medicações caseiras que possibilitam o auxílio do aceleramento do procedimento.

Os alimentos são básicos, tanto para a prevenção do surgimento de patologias do periodonto quanto para o tratamento, caso tenham aparecido. Dessa forma, a alimentação antibacteriana é excelente para a eliminação da placa bacteriana excessiva e o fortalecimento das gengivas.

A alimentação mais adequada é aquela que se destaca como fonte de vitamina C, cálcio, vitamina D e betacarotenos. Eles apresentam substâncias antioxidantes que agem em permissão de que o tecido conectivo seja reparado e auxiliam na cura da periodontite. Desse jeito, caso você tenha esta patologia, eleve a ingestão de produtos lácteos, cítricos, cereais e frutas secas.

Determinados óleos fundamentais são de alto benefício para cuidar de gengivas, assim como a cura para patologias do periodonto. De forma especial, os óleos provindos da árvore denominada do chá, tomilho e cravo-da-índia correspondem a substâncias antissépticas e antibióticas excelentes para curar gengivites, bem como periodontites.

Opte pelos elementos que mais lhe agradarem e faça a aplicação de uma gota na escova dental ou de forma direta nas gengivas, massageando-as de forma cuidadosa. É importante fazê-lo 2x na semana.

As massagens nas gengivas com inflamação ou infecções auxiliam no estímulo do sangue que circula e na redução das dores motivadas pela patologia. Com isso, é possível também fazer uso de folhas do alecrim de forma esmagada para realizar massagem suave na região da gengiva.

É imprescindível que o paciente siga o tratamento especializado de forma minuciosa para que todas as possibilidades caseiras tenham efeito. É uma associação dos medicamentos prescritos pelo seu dentista com as alternativas caseiras que podem tornar o tratamento em combate a periodontite muito mais célere e eficaz.

Prevenção de Periodontite

Escovas os dentes de forma adequada é a principal forma de prevenir a periodontite e diversas outras patologias que acometem a saúde dentária.

Escovar os dentes direito é imprescindível para que nenhuma bactéria ou toxinas desencadeiem inflamações ou doenças bucais.

Contudo, diversas pessoas costumam pecar no momento de proceder a higienização da boca. Utilize escova, pasta de dente e também o fio dental de forma correta, pois isso fará diferença, ao passo que estejamos falando da periodontite.

É óbvio que, posteriormente ao contrair a patologia e a gengiva tem seu caráter de sensibilidade, o ritual tem pesar. A razão disso é que, no momento de escovar os dentes, a gengiva pode ter sangramentos e dores, e ainda, pode acontecer a mesma coisa quando se passa o fio dental.

Entretanto, é preciso que continue a higienização adequada, se porventura a patologia tiver agravamento.

Em suma: escovar bem os dentes, posteriormente às alimentações e anteriormente ao sono, é importante. Caso esteja na lista de grupo de riscos, é fundamental que se realize a escovação posteriormente a ingestão de chás, cafés e refrigerantes. Decorre-se, este fato, do teor alto de corrosividade que tais bebidas disponibilizam.

Passos importantes para escovar os dentes de forma correta

1º passo

Para que se possa escovar de forma íntegra, faça a certificação de que possui os produtos e utensílios adequados. É preciso de uma escova dental, pasta de dente, fio dental e, para reforçar a higienização, um enxaguante bucal.

Dentistas costumam recomendar o uso de escovas que disponibilizem de cabeça pequena e cerdas com maciez. Isto por que ela não age em irritação da gengiva e alcança locais de difícil acesso na boca. Em relação a pasta de dente, é preciso consultar o dentista. Ele saberá fazer a melhor indicação da pasta dental a sua saúde bucal.

2º passo

A recomendação é fazer o enxágue da boca com água, anteriormente ao ato de escovar os dentes.

Desse modo, fragmentos maiores de alimentações terão a eliminação antes, ainda, de fazer o início da escovação, tornando os pequenos com melhor acesso.

O fundamental é proceder a escovação com movimentações circulares, sendo um setor da boca por etapa, de modo a não esquecer nenhuma região. Inicie sempre pela arcada dentária de cima, visto que, se resíduos de alimentos permanecerem, eles terão a eliminação em ato de escovar a de baixa.

Observe sempre que não é preciso de força aqui, porém o conhecimento de como se proceder o ato de escovar os dentes de modo correto.

Escovar as regiões dentais superiores de modo voltado às bochechas e, posteriormente, aos de baixo é imprescindível. Padroniza-se o movimento de, primeiramente, o superior e depois o inferior.

Deixar a parte responsável por mastigar para ter escovação, para última instância.

Lembre-se que, para que a higiene bucal tenha caráter assertivo nas gengivas, é preciso segurar a escova em uma posição de 45°.

Tal posicionamento faz a permissão de que cerdas contatem o sulco da gengiva, que trata-se de um espaçamento livre entre gengivas e dentes. Na região do sulco da gengiva, a placa bacteriana que posteriormente torna-se tártaro, costuma se implantar.

3º passo

Para que ocorra uma escovação correta, o processo deve durar entre, no mínimo, 3min.

Posteriormente ao proceder o ato de escovar os dentes, é necessário fazer uso do fio dental, observando a ordem pela qual se efetuou a escovação, e desse modo, é difícil esquecer qualquer dente.

Aconselha-se que o uso do fio dental seja realizado sempre posteriormente ao ato de escovar os dentes. Isso fará com que se eliminem possíveis resíduos que fiquem sobressalentes.

Determinados especialistas afirmam que a utilização do fio de dental, anteriormente ao processo de escovação é prática, porém, a linha dessa teoria se comprova com inviabilidade, visto que apenas o fio dental não traz garantias de eliminação de todos os resíduos de alimentos.

A escova não consegue eliminar todos os resíduos. Por isso, o fio dental precisa ser usado posteriormente a escovação.

O modo adequado de passar o fio é em sentido vai-e-vem, bem como uma fita abraçando o dente, de maneira que a placa remanescente seja, com certeza, eliminada.

O enxaguante da boca é muito útil – muito além de sua propaganda. O produto age de forma a tornar o hálito com mais refrescância, porém não é sua característica principal e não deve ser a motivação para o uso do enxaguante.

Para aqueles que portam a periodontite, é importantíssimo fazer uso do produto, muito mais do que os pacientes saudáveis, visto que o enxaguante disponibiliza efeitos bactericidas e germicidas, o que auxilia na eliminação da placa.

Observando que, de maneira isolada, o produto não soluciona as condições problemáticas. É preciso que sua utilidade tenha associação ao ato de escovar bem os dentes.

Visite o odontologista frequentemente

Muitas pessoas costumam ter medo de dentista. Não tema, de forma alguma o auxílio de especialistas. Bem como qualquer outro médico, o dentista tem a intenção apenas de auxiliar e é fundamental para a manutenção da saúde bucal.

A recomendação é frequentar o dentista, no mínimo, 2x por ano. Se possuir familiares que tenham a patologia ou sejam fumantes, frequente o dentista por, no mínimo, de três em três meses.

Sobre o cigarro

Bem como tudo aquilo que leva a denominação de vício, o cigarro não é um artefato legal. Os fumantes que almejam por uma boca mais saudável, devem ter em mente que essa combinação é inviável.

O tabagismo é responsável pela alteração do sistema de imunidade das gengivas, tornando-as de maior acesso aos elementos bacterianos, que por conseguinte, tornam-se agressivos em virtude da ausência do combate em relação ao próprio organismo.

Alimentação que combate a gengivite

A gengivite, fase inicial da periodontite, trata-se da gengiva inflamada que tem como sinais principais as gengivas avermelhadas e possíveis inchaços, bem como sangramentos e as dores em momento de escovação ou mastigação.
Essa condição é provocada, em grande parte das situações, pela higienização ruim da boca, porém

também pode ser motivada em virtude de modificações dos hormônios, como as que acontecem em fase de gestação.

A escovação dental, uso de fio dental e visitas regulares ao dentista possibilitam a prevenção de gengivite, porém também é relevante a minimização do surgimento da patologia, por meio de alimentos saudáveis.

A alimentação rica em elementos minerais e vitamínicos auxiliam a combater a condição odontológico. Fazer o consumo adequado de tais elementos auxiliam no combate de bactérias se proliferando, sendo importantíssima a dieta fonte de alimentação constituída por vitamina C e correspondentes ao complexo B, além de:

  • Ferro;
  • Zinco;
  • Selênio;
  • Magnésio;
  • Potássio;
  • Cálcio;
  • vegetais e frutas;
  • grãos.

Alimentação rica em fibras também são imprescindíveis. Elementos como estes e os citados anteriormente são excelentes para auxiliar a nutrição e fortalecimento do sistema de imunidade, em virtude de que, se há saúde, está melhor posicionado a combater elementos bacterianos que provocam a gengivite em um organismo.

Alimentação natural denominada friável auxiliam a higienização dos dentes, de forma mais aprimorada do que alimentação mole, que destacam tendência a permanecerem presas nas regiões dentárias, proporcionando o aumento bacteriano. Para que se evite a condição problemática, escove os dentes sempre depois que comer.

Evite quaisquer tipos de açúcar, visto que os elementos bacterianos adoram açúcares, e ao passo que existam quantidades maiores deles na boca e nos dentes, maior fertilidade disponibiliza o ambiente para uma gengivite. Alimentação rica em farinha branca, doces e sucos aumentam as chances de propagação de gengivite.

Cuide da sua saúde bucal. Além de demonstrar um aspecto saudável do seu organismo, um sorriso bem cuidado aprimora a qualidade de vida!

       

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.