Osteoporose tem cura? [MÉTODO COMPROVADO]

0 2.030

A osteoporose, nada mais é, que a perda significativa e rápida da massa dos ossos, que acontece em período de envelhecimento, causando a redução de minerais e cálcio absorvidos pelo organismo, provocando o aspecto ósseo frágil, com o aumento do risco de fraturas. Há muito questiona-se, se a osteoporose tem cura e, é isso que debateremos neste artigo. A Organização Mundial de Saúde (OMS) revela a definição de osteoporose refletida a uma densidade mineral óssea (DMO) reduzida.

É uma questão convencional que acomete mulheres em período posterior a menopausa, com consistência em reduzir as massas ósseas, com modificações na microestrutura do osso. A osteoporose faz com que o estrutura óssea fique fragilizada, proporcionando o aumento da ocorrência de fraturas, com a possibilidade de resultados gravíssimos em relação ao problema.

Entretanto, é uma patologia lenta, que, na maior parte do tempo, tem evolução de modo assintomático. É necessário acompanhar o médico regularmente, possibilitando a identificação e início do tratamento precoce.

Os ossos frágeis do público feminino são motivados a essa situação em virtude da falta de estrogênio (hormônio feminino), que faz com que os ossos se tornem porosos, assemelhando-se a uma esponja, e é o fator principal de possíveis fraturas e quedas de pessoas idosas.

Tanto a coluna, quanto pulso e o colo do fêmur sofrem mais com a osteoporose, sendo o fêmur lugar mais perigoso para se lesionar. É tida como a segunda maior patologia relacionada a saúde do mundo, ficando atrás somente das doenças do coração.

Entre o público masculino, a osteoporose é mais convencional depois dos 65 anos, relacionadas a casados ou, ainda, viúvos e homens que não praticam exercícios físicos. Uma média de 2 mil brasileiros falecem, todos os anos, em razão de fatores envolvendo fraturas de osteoporose.

Há uma estimativa de que uma em cada 3 pessoas do sexo feminino, e um em cada c5 pessoas do sexo masculino, acima da idade dos 50 anos de idade, estão sujeitos ao desenvolvimento da osteoporose, mundialmente. No ano de 2006, a osteoporose prevaleceu no Brasil, que se destacou em 4,4% entre os maiores de 18 anos. O público feminino é comumente atingido pela doença posteriormente aos 45 anos de idade, entre pessoas não solteiras e ex-fumantes.

Causas da Osteoporose

A osteoporose é motivada em virtude da falta de equilíbrio entre as células produtoras do elemento ósseo, de composição, e as células que promovem a destruição dos elementos ósseos, responsáveis pela reabsorção. Isso significa que, células que se envolvem no ciclo natural têm responsabilidade por renovar a estrutura óssea.

A perda de elementos ósseos permanece tão elevada que, ainda que faça exercícios diários, é necessário um esforço mínimo relacionado aos ossos, podendo causar fraturas. A razão multifatorial, pode ter classificação primária ou ainda secundária.

A insuficiência de cálcio

Ele é um elemento fundamental à composição essencial dos ossos, que, quando o organismo metabólico dos ossos permanece equilibrado, ele elimina e promove a reposição do cálcio, sem o comprometimento estrutural. A nutrição é obtida através de alimentos e, por este motivo, quando os alimentos não contêm a suficiência do cálcio, os ossos e tecidos produzidos podem ser acarretados.

Menopausa e fatores relacionados ao envelhecimento

Há uma grande porcentagem das pessoas que possuem osteoporose, que adquiriram a patologia em razão da menopausa ou ao fato de estar envelhecendo. Isso porque é necessário compreender que a massa óssea cresce apenas até os 20 anos de idade, sendo que a densidade tem um aumento até os 35 anos, quando, então, inicia o processo de desgaste.

Caso a portadora desta doença não tenha a densidade óssea com suficiência para o suprimento dessa elevação gradativa de reabsorção, os ossos ficarão cada vez mais fragilizados e quebradiços, desencadeando a osteoporose.

Ao contrário disso, a mulher que permanece em período de fertilidade, ou menstruação, continua produzindo acentuadamente o estrogênio. Quando em abundância no corpo da mulher, o estrogênio promove um retardo da reabsorção do osso, causando a perda, e ainda se responsabiliza por fixar o cálcio nos ossos, destacando uma contribuição para um esqueleto fortalecimento.

Por conseguinte, a mulher em período ou posteriormente a menopausa produz de forma menor o hormônio de estrogênio, sendo que ele não tem mais a necessidade de existir para o ciclo de menstruação. O hipoestrogenismo fará contribuição para a perda de substância óssea, de forma mais rápida, geralmente nas primeiras épocas da pós-menopausa. Desse modo, a menopausa pode desencadear a osteoporose.

Ao público masculino, os baixos graus de testosterona, ou hipogonadismo, facilitam o teor da osteoporose, visto que o hormônio entra na composição do tecido do osso.

Patologias e remédios

Outras situações que podem desencadear a osteoporose, tendo a responsabilidade por 20% das condições totais da patologia, sendo, porém, muito convencionais em pessoas joviais e que não possuam fatores de risco como a hiperparatireoidismo e também o hipertireoidismo; reumatismos e afins, juntamente da utilização da remédios baseados em glicocorticóides.

Tipos de osteoporose

A osteoporose tem divisão entre primária e secundária, que se definem a:

Osteoporose 1ª

A osteoporose primária tem como motivador a insuficiência de estrogênio. Na osteoporose pós-climatério, há a perda óssea rápida que acontece em razão da deficiência de estrogênios que se aproximam da etapa menopáusica e tem o agravamento da situação relacionada a faixa etária, acometendo toda a região esquelética.

Ao público feminino, em etapa pós-menopáusica, a reabsorção óssea tem a predominação, e a perda da massa óssea permanece em evidência, desencadeando a osteoporose e fraturas.
Já em período da menopausa, os ovários têm a escassez da produção de estrogênio e a redução que facilita a perda óssea rápida:

  • Elevação da reabsorção dos ossos
  • Redução da composição óssea

A massa dos ossos perdida tem mais elevação entre três a seis anos posteriores ao climatério, e também depois da perda rápida do início, reduzindo lenta e gradualmente, chegando aos valores analisados anteriormente a menopausa. Há a possibilidade de verificação da perda nos primeiros anos posteriores a menopausa, visto que possui maior consequência ao grau do osso trabecular que consiste em predominar nas vértebras e punhos.

Os primeiros ossos fraturados nas mulheres acontecem, de forma geral, nas vértebras ou punhos e, como o acontecimento da fratura das vértebras têm associação a um elevado quantitativo do risco das possíveis novas fraturas, é extremamente relevante a intervenção de diagnóstico precoce para prevenir a primeira fratura.

Osteoporose 2ª

Esse é o tipo de osteoporose relacionada a elevação do risco de fraturas que podem acontecer em razão de várias situações clínicas, tanto em pessoas do sexo masculino quanto feminino, que são:

  • doenças hereditárias
  • hipogonadismo
  • doenças hormonais
  • doenças do intestino
  • doenças de sangue
  • artrites
  • deficiências de nutrição
  • distúrbios da alimentação
  • alcoolismo
  • doenças sistêmicas

Classificações da patologia

A osteoporose pode acometer partes do organismo humano. São elas:

Coluna vertebral

Pessoas idosas costumam fraturar as vértebras da coluna, frequentemente. O nome desse problema é “corcunda de viúva”, que trata-se de uma deformação comumente aos idosos, que pode desencadear a redução da altura do idoso.

Punhos

São os pontos principais de apoio, e uma das regiões mais fáceis de fraturar. Os ossos dessa área são extremamente sensíveis e possuem uma estrutura mais leve, que geralmente não sustentam o peso corporal em caso de quedas.

Quadril

As fraturas relacionadas a pele são dificilmente cicatrizáveis. Elas podem tornar o paciente inválido. Alguns estudos revelam que, em média, 50% das pessoas idosas estão sujeitas a fraturar o quadril e não estão mais aptos a caminhar sozinhos.

Fêmur

É muito comum a fratura do fêmur aos que estão acometidos com a patologia. A frequência, tanto em pessoas do sexo masculino quanto feminino, ocorre geralmente posterior aos 65 anos de idade. A recuperação demora muito mais tempo do que qualquer outra fratura.

Sinais da Osteoporose

A doença pode favorecer fraturas ósseas e quedas, além da perda óssea de massa, proporcionando os sinais de:

  • dores crônicas
  • deformações
  • a falta de qualidade de vida
  • desenvolvimento de patologias como pneumonias
  • encolhimento corporal
  • fraturas vertebrais
  • problemas gastrintestinais
  • problemas respiratórios

As fraturas de quadris podem desencadear ao doente uma determinada imobilização, requerendo cuidado específicos da enfermagem, durante períodos prolongados.

O especialista pelo diagnóstico e tratamento do doente com a patologia é denominado médico reumatologista. A osteoporose tem diagnóstico posterior ao acontecimento da primeira queda, porque os sinais não são fáceis de se perceber. O diagnóstico pode ser realizado a partir de exames e análises. São elas:

Exames de laboratórios e radiografias

Auxiliam no estabelecimento do diagnóstico ou a exclusão dos motivadores secundários relacionados à perda de massa dos ossos. As radiografias comuns conseguem a identificação ou confirmação da existência de fraturas em pessoas do sexo feminino com a possível fratura osteoporótica. Entretanto, considera-se pouquíssimo viável na análise da densidade óssea.

História clínica

A investigação do histórico pessoal e da família do paciente, consegue identificar possíveis elementos de riscos. Os possíveis doentes devem ter a identificação e educação, de forma precoce, para que haja a possibilidade de medidas de prevenção. De forma geral, os pacientes têm queixas de:

  • Dor intensa, ou com muita frequência, nas vértebras da coluna – elas são motivadas pelo acontecimento de fraturas nas vértebras ou, ainda, pelas modificações de postura decorrentes.
  • Dificuldades ao alcance de objetos localizados a uma altura que, anteriormente, conseguia-se alcançar;

Exame físico

Este exame consegue identificar possíveis sinais da osteoporose. As fraturas das vértebras que, possivelmente, originam deformações com visibilidade na coluna; a gibosidade, de aspecto corcunda, na área dorsal superior.

Aferência de estatura, também consegue gerar a detecção de uma redução de significância, relacionada a altura de quando jovem.

Densitometria óssea

São exames que aferem a densidade mineral óssea da coluna lombar e do fêmur. O resultado tem divisão por três classificações:

  • Normal
  • Osteopenia
  • Osteoporose

O exame fornece, por meio de um comparativo, a densidade dos ossos dos jovens. A análise para a osteoporose, de acordo com a OMS, corresponde a T-score inferior que -2.5 na densitometria óssea.

Como é realizada a densitometria da massa dos ossos?

É um teste de referência para diagnosticar a osteoporose. A mensura massa de ossos possibilita especificar o risco do doente em ter fraturas possíveis, para o auxílio da identificação do critério necessário para se tratar a doença.

Há, também, a possibilidade analisar modificações na massa óssea com o tempo. O teste é procedido pela técnica de DEXA, que é a absorciometria através do raio X com energia dupla.
Para realizar o diagnóstico da doença, analisa-se os fatores genéticos do paciente, assim como a análise da densidade correspondente a coluna lombar e do fêmur proximal. Também, afere-se a densidade do colo femoral ou fêmur total, e do antebraço, de acordo com a proposta da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Este teste reflete a condição do paciente, em que poderá haver a necessidade de comparativos com exames clínicos passados, para a identificação de aumento ou perda de massa dos ossos, e posteriormente, a identificação da evolução da osteoporose ou, ainda, o tratamento eficaz.

Há algumas pausas entre os testes, que têm definição pelo especialista, que deve considerar fatores como o gênero e a faixa etária da pessoa, o critério preciso do fator tecnológico empregado e afins. De forma geral, a recomendação é que se faça exames entre um a dois anos.

A osteoporose tem cura?

Infelizmente, não há como dizer se a osteoporose tem cura. Por outro lado, existem tratamentos muito eficazes, por sinal. Os tratamentos, em questão, não conseguem reverter a massa óssea perdida, de forma completa. Ao passo que a osteoporose tem diagnóstico frequente, é apenas posteriormente ao diagnóstico, que há a consideração de melhores técnicas e opções de medidas para a prevenção que possibilitem o retardo ou que façam evitar o prosseguimento da doença.

Remédios

Ao longo da vida é necessário aprimorar o pico da massa dos ossos, diminuindo as perdas e, ainda, tentando evitar as quedas relacionadas ao esqueleto, para a prevenção de uma possível osteoporose. Quanto aos remédios que podem ter utilidade, é importante ressaltar a indicação de:

  • reposição de cálcio
  • vitamina D.

BIOMAC: a melhor opção de tratamento

Dores excessivas podem significar a ausência de minerais no organismo, que são fundamentais para o ótimo funcionamento corporal. Entretanto, isso não necessita ser um problema e há a possibilidade de ter uma vida saudável e com melhores perspectivas, a partir do BioMac. Se a osteoporose tem cura ou não, o tratamento, com certeza, começa com o Biomac.

O BIOMAC é uma suplementação natural, baseada em algas que proporcionam o fim das dores e o auxílio para uma vida muito melhor, saudável e com muita qualidade.

As dores são sintomas naturais da osteoporose, mas a constância desses sinais pode atrapalhar a vida de qualquer pessoa. É necessário, nesses casos, ir atrás de opções que promovam o alívio desses sintomas, auxiliando a ter uma vida comum e saudável, e, em alguns casos, até melhores do que anteriormente às dores.

Isso realmente pode ser possível, com facilidade, simplicidade e naturalmente, em virtude do BioMac. O suplemento a base de algas marinhas que finaliza de forma permanente com as dores corporais, de forma intensiva em relação as crônicas, motivadas posteriormente aos procedimentos cirúrgicos, dores relacionadas a acidentes e dores pós traumas.

O BIOMAC pode ter utilização por todos, pois se trata de um suplemento natural, e não possui efeitos colaterais. O intuito do suplemento é auxiliar as pessoas em suas rotinas, evitando as dores e melhorando suas vidas.

Esta suplementação não abstém o corpo somente das dores, mas amplifica a qualidade vital e melhora o organismo em diversas pontualidades. É, com certeza, um produto que revoluciona o mercado de produtos naturais.

Composição do suplemento BioMac

O suplemento é totalmente natural. Além disso, ele tem concentração para um procedimento acelerado do efeito. Dessa forma, é possível ter resultados breves, até mesmo em primeiros momentos de utilização.

São 74 minerais, considerados fundamentais ao organismo, e se destacam pelos elementos de:

  • cálcio
  • magnésio,
  • ferro,
  • sílico
  • níquel

Entretanto, diversos fatores auxiliam na função corporal e no auxílio de uma vida aquém das dores.

Benefícios do suplemento BioMac

O nosso organismo necessita dos minerais para que ocorra um funcionamento melhor do corpo. Em determinadas pessoas, há a ausência dessa nutrição, o que acaba acarretando nas dores e possíveis traumas consequentes da doença. Ainda, é possível que as dores de muitos sejam consequência de traumar por acidentes e procedimentos cirúrgicos, o que gera dores constantes e insuportáveis. Todas essas questões são solucionadas a partir do BioMac.

Por isso, é importante expor aqui alguns dos demais benefícios do suplemento para que se compreenda melhor a extensão do produto:

  • Auxilia a ser mais resistente e disposto
  • Gera um organismo mais saudável
  • Promove uma qualidade de vida melhor
  • Instiga o organismo a ser mais produtivo
  • Auxilia no emagrecimento, porque instiga à saciedade
  • Ainda, é perfeito para auxiliar a tratar outras patologias como:
  • Osteoporose
  • Reumatismo
  • Alívio dos sinais da TPM
  • Redução do stress,
  • dores de cabeça
  • auxílio no controle da diabetes
  • insônia,
  • aperfeiçoa o sono
  • crescimento dos fios capilares
  • unhas saudáveis.

Os benefícios do BioMac são incontáveis. É um produto, sem dúvidas, muito eficaz e comprovado por pacientes e especialistas.

Como utilizar o BioMac?

O BioMac deve ser ingerido, logo pela manhã, antes de qualquer refeição ou alimento. É uma cápsula diária, que deve ser tomada ao longo da primeira semana, até que o corpo vá se adaptando a suplementação. A contar a segunda semana, já poderá ser ingerido em duas cápsulas diárias, uma na parte da manhã, em jejum, e outra no período vespertino, posteriormente ao almoço.

Contraindicações

O BioMac é 100% natural. Dessa forma, não há efeitos colaterais e, muito menos, contraindicações relacionadas ao suplemento.

Há apenas alguns alertas em relação a mulheres em período de gestação, ou ainda, amamentação. É necessário, ainda, ressaltar, que o BioMac não é um medicamento. O produto trata-se de um suplemento, rico em minerais, de forma que sua utilidade pode ser contínua.

Terapias relacionadas a osteoporose

  • Repor o hormônio estrogênio.
  • Suplementos de cálcio
  • Suplementos de vitamina D.
  • Procedimentos cirúrgicos

Pessoas e possíveis fatores

Algumas pessoas são mais propensas a desenvolver a osteoporose, assim como determinadas situações e condições relacionadas a outras específicas:

  • caucasianos
  • asiáticos
  • hereditariedade
  • falta de exercícios físicos
  • ingestão baixa de cálcio
  • baixa exposição ao sol
  • tabagismo
  • mulheres (média de 70% das incidências)
  • consumo de álcool em excesso
  • uso de anticonvulsivantes
  • uso de hormônio tireoideano
  • uso de glocorticoides
  • uso de heparina
  • uso de cortisona
  • uso de antidepressivos
  • baixa estatura
  • peso baixo
  • climatério
  • ausência de gravidez

Complicações da osteoporose e prognóstico

Pessoas que têm a osteoporose, também estão sujeitas a riscos gigantes em desencadeamentos de fraturas. As fraturas recorrentes dos quadris são suscetíveis de dificuldades para se movimentar e, ainda, o risco maior de gerar a trombose profunda ou também o embolismo do pulmão.

As fraturas vertebrais também desencadeiam dores crônicas severas, originadas pela neurogênica, com dificuldade de controle, assim como as deformações. A média da mortalidade pela osteoporose é de 20%, em doze meses posteriores ao quadril fraturado.

Ainda que raras, as ditas fraturas vertebrais múltiplas podem gerar também a cifose grave (o aspecto acorcundado), que seria a pressão consequente nos órgãos internos que incapacitam o paciente a respiração adequada. Pessoas com a osteoporose possuem alto teor de mortalidade em razão das complicações das fraturas.

Como conviver com a osteoporose?

 

A pessoa com osteoporose precisa tomar cuidados imprescindíveis para que possa viver de forma tranquila. Algumas precauções são necessárias, como:

Cuidar para manter o peso adequado

A partir de uma boa dieta e ingestão de alimentos saudáveis, com recomendação por especialista, bem como atividades físicas, que variam de acordo com cada caso específico da osteoporose.

Nutrição diária

De acordo com a dieta, é preciso sempre promover a inclusão de fatores relevantes em combate a osteoporose. Os nutrientes devem ser o cálcio e vitamina D, aliados aquilo que o nutricionista prescrever que seja adequado ao portador da osteoporose.

A alimentação recomendada são os laticínios, produtos como o iogurte, o queijo, o leite, etc; vegetais como espinafre e o brócolis; peixes como a sardinha e o salmão; tofu.

Hábitos saudáveis

É importante parar de fumar e evitar a ingestão de bebidas alcoólicas.

Adaptar a residência

Providenciar algumas adaptações na própria casa, de maneira que ela de forma que ela permaneça com maior segurança ao portador da doença, como a instalação de luzes e corrimãos, tapetes com função antiderrapante, o cuidado para que os artefatos da casa não fiquem espalhados.

Exames

É importante manter em dia todos os exames, principalmente, os de desintometria óssea, a fim de cuidar a estabilidade da osteoporose.

Osteoporose pode ser prevenida?

Há a possibilidade de prevenção da osteoporose, ao adotar hábitos saudáveis durante a vida inteira, e em cuidado redobrado durante a menopausa.

Em razão da queda dos graus do hormônio estrogênio que aceleram o procedimento de perda de densidade óssea, é preciso cuidar muito a prevenção da doença.

Há uma estimativa de, em média, 1/3 das mulheres do Brasil, em período de pós-menopausa que desenvolvem a doença, e ainda assim, 80% desse público feminino, em faixa etária adulta, não conhecem a associação do climatério e o crescimento dos índices da osteoporose.

A razão disso é a causa das fraturas e a redução da qualidade de vida das pessoas. Portanto, é necessária a informação para a prevenção.

Fatores relevantes para a prevenção da osteoporose

  • Cuide da saúde durante a sua vida inteira;
  • Tenha hábitos saudáveis, e os ajuste em momentos que o corpo necessitar de cuidados bem maiores;
  • Pratique exercícios físicos de forma regular, visto que, ao passo que ocorra mais cedo o início das atividades, melhores os alcances da massa óssea.
  • Faça atividades como caminhada, exercícios aeróbicos e aqueles com carga, disponibilizam uma contribuição e aumento do índice, que permanece contínua com a prática.
  • Cuide da alimentação, pois ela fará diferença ao se prevenir da osteoporose.
  • Tome sol em períodos adequados (manhãs e finais de tarde). Essa prática será um diferencial para se produzir elementos vitamínicos, que podem ser localizados em uma alimentação adequada e suplementações.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.