O Perdão é para mim ou para você?

0 2.099

 

Por quantas vezes nos sentimos pesados, chateados ou até mesmo naufragados em algumas situações com a vida ou com os outros?
Inúmeras!
Quantas delas de fato esquecemos?
Algumas…
Quando pensamos em perdão consideramos o esquecimento, a cura ou a concessão para a felicidade dada por alguém. Pensamos em Deus, pensamos no outro ferido por minhas atitudes ou no outro que me feriu amargamente.
Daí refletimos ser o perdão aquele que coloca um ponto final, vira a folha e joga a bola pra frente.
Até… um próximo momento frustrante!

Uns dizem que o perdão é esquecer, outros falam que é a arte de amar sem condições e ainda há aqueles que juram terem limpado o coração de todo lixo da dor.
Mas perdão, uma palavra que vem do latim e também do grego na qual per- significa total e -doar (-donare) significa doação. Seria o perdão, ao pé da letra uma “total doação”. Mas do quê? E pra quem?

Vale uma reflexão pessoal que faço já alguns anos nos meus exercícios diários de perdão.
Afirmarei aqui que “o perdão é para mim” em ambas situações: quando eu machuco o outro ou quando sou machucado.

A condição de doação total é mais real e verdadeira quando é você quem se perdoa, perdoa a si mesmo, tanto pelos seus erros quanto pelo sofrimento que você permitiu entrar. Ainda por cima, como se não bastasse somente entrar de leve, te invadiu.

Pedir perdão para o outro é algo que deve ser feito com cuidado para não correr o risco de criar uma conta que mesmo “dando baixa no caderno de notas”, a rasura permanecerá para sempre e, bastará uma vez mais do seu erro, aquela rasura se transformará numa ameaça e você perceberá que o outro estará sutilmente te dizendo “você sempre faz isso”.

Pronto! Um rótulo criado e daí você sente que nunca mais sairá desta condição, que jamais as pessoas te olharão de forma diferente. E então você visto com um rótulo passa a viver acreditando que é aquilo.
Pedir perdão é coisa séria e deve ser bem cuidada. Muitas vezes não precisa ser verbal dependendo da pessoa envolvida na sua relação de perdão. Mas precisa ser com o coração!

Já, pedir perdão em voz alta devemos muito bem saber pra quem. De preferência alguém em quem confiamos por de fato sentir que nos ama incondicionalmente. E quando pedimos pra Deus, caímos na redundância de Seu Poder. Deus automaticamente perdoa tudo por saber que os seres humanos cada vez mais distantes Dele incorrem em erros. O que mais essa distância poderia dar? Deus sempre compreenderá ambos os lados.

Acredito que pedir perdão pra Deus funciona como uma importante terapia espiritual pois representa o nosso reconhecimento profundo. Mas o perdão mais digno e poderoso de todos está quando você se perdoa! Pois você é o último a desejar perder toda sua dignidade e, uma vez um auto-compromisso feito, é para você mesmo que terás que dar satisfação. E a dor maior é quando você perde o que é mais importante: sua autoconfiança. Portanto, perdoe-se.

       

E esta é a base da verdade em nossas relações. Sermos verdadeiros e respeitosos uns com os outros depende do quanto somos conosco mesmo primeiro.

Muito mais do que pedir perdão da boca pra fora, de fato mudamos quando o perdão é de eu mesmo para eu mesmo, ou seja, eu sou a pessoa para quem devo dar a prova do amor incondicional em primeiro instante.

O perdão é algo muito sério para servir apenas como um pedido de desculpas que geralmente vem carregado de justificativas. E as justificativas nos atolam no mesmo lugar, não nos deixando progredir na jornada do aperfeiçoamento pessoal. É areia movediça! Sempre acobertam nossas falhas daí, no fundo no fundo, nunca nos sentimentos culpados de fato.

Desculpas geralmente servem para manter nossa aparência. Mas por detrás de tudo… um monte de coisa inútil guardada.

Então aplicar o conceito de doação total do perdão não significa perder a memória ou esquecer-se do acontecido, mas liberar toda a energia negativa gerada entre coração e mente. Entregar o que não te edifica ou que não te constrói.

Ao mesmo tempo a energia que fica deve ser canalizada como um intenso feixe de energia proativa para pensamentos, palavras e ações.

E é isso que abre a janela para novas histórias, cura o coração e faz fluir a vida. Leve, como folhinhas ao vento na primavera!

 

Abraços

Gal Rosa

       

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.