Menstrução Atrasada (Dias e Meses) O que pode ser?!

0 29

A menstruação já se torna um tabu até antes mesmo de aparecer para a mulher. A falta de informação sobre o assunto faz com que apareçam diversas dúvidas, inclusive entre as próprias mulheres. Sendo assim, a desinformação também contribui para que mitos e crenças sobre o fluxo menstrual sejam passados de geração em geração. Isto inclui a menstruação atrasada que, normalmente, é interpretada como um sinal clássico de gravidez, mas que pode ter várias outras causas diferentes.

Ou seja, nem sempre quando a menstruação atrasa, a causa é uma gravidez. Em geral, poucos dias de atraso menstrual são comuns mesmo para mulheres com ciclo menstrual regular. No entanto, caso a menstruação atrasada for de 3 dias a 1 ou 2 meses, recomenda-se procurar um médico. Visitar um especialista é ainda mais recomendável se você já fez teste de gravidez de farmácia pelo menos duas vezes no último mês, com 8 a 10 dias de intervalo tendo negativo como resultado; ou se esses atrasos não forem comuns aos seu organismo.

Neste caso, uma vez excluída a gravidez, existem várias outras razões diferentes entre si para uma menstruação atrasada. Como por exemplo, alguns fatores que, em sua maioria, podem desencadear um desequilíbrio hormonal.

Neste artigo, vamos explicar o que menstruação e as fases do ciclo menstrual, assim como abordar as possíveis causas mais comuns para a menstruação atrasada. Portanto, se você estiver com a sua menstruação atrasada, leia abaixo para determinar a situação em que você melhor se encaixa. Mas, lembre-se de sempre consultar um médico ao notar algo de estranho com você.

Menstruação: O que é?

menstruação atrasada: esquema do sistema reprodutivo feminino
Menstruação atrasada: é um sangramento periódico feminino devido a descamação das paredes internas do útero quando não há fecundação do óvulo.

A menstruação é um sangramento periódico feminino devido a descamação das paredes internas do útero quando não há fecundação do óvulo liberado pelos ovários durante o período fértil. Assim, essa descamação faz parte do ciclo reprodutivo mensal da mulher que se inicia a partir do seu desenvolvimento entre os 8 e 12 anos e que finaliza durante a menopausa entre os 50 e 52 anos de idade.

Em outras palavras, durante todo mês, o corpo feminino se prepara para a gravidez, e quando esta não ocorre, o endométrio (membrana interna do útero) se desprende causando esse sangramento. Assim, o fluxo menstrual é composto por sangue e tecido interior uterino.

Um ciclo menstrual regular varia de 21 a 35 dias, sendo que para as mais reguladas, 28 dias. No entanto, um ciclo irregular é uma realidade de muitas mulheres, de modo que a menstruação atrasada é muito comum, e nem sempre chega na data esperada.

Como funciona a menstruação

Os principais hormônios do sexo feminino são os estrogênios e a progesterona. A cada mês o nível desses hormônios varia conforme um padrão cíclico que origina uma série de mudanças no ovário. Essas mudanças estimulam a maturidade e a liberação do óvulo para ser fertilizado por um espermatozóide no momento da relação sexual, ocorrendo assim a fecundação.

Em contrapartida, ocorrem também mudanças no útero para dar condições à fecundação do óvulo e se inicie o processo de gravidez. Quando não há fecundação, ocorre o processo de descamação na camada interna do útero (endometria), originando o sangramento em forma de fluxo menstrual conhecido como menstruação.

Em geral, o fluxo menstrual dura de três a cinco dias a cada 28 ou 31 dias. Sendo que, uma vez iniciado o ciclo, ele se mantém de forma regular até a chegada da menopausa, podendo oscilar e atrasar, mas apenas interrompido durante a gravidez.

As mudanças hormonais que acompanham o ciclo menstrual também podem causar vários sintomas durante o período da menstruação. Como por exemplo, dor abdominal, aumento do volume e dor nas mamas, retenção de líquidos, inchaço nas mãos e nos pés, dor de cabeça, mal-estar e mudanças de humor. Há quem tenha todos ou alguns desses sintomas dias antes do fluxo menstrual, a chamada síndrome pré-menstrual ou TPM (tensão pré-menstrual).

Muitas vezes, ocorrem alguns distúrbios durante a menstruação devido a várias causas diferentes. Principalmente, distúrbios hormonais que se manifestam através de menstruação atrasada, diminuição ou aumento no número de dias entre cada período menstrual ou do volume de sangue e até, ausência do fluxo menstrual.

Fases do ciclo menstrual

O período menstrual faz parte do ciclo reprodutivo da mulher. Portanto, é importante conhecer as fases do ciclo menstrual para entender como o corpo costuma funcionar nesse período e assim, detectar qualquer alteração ou mudança.

Todos os meses, o sistema reprodutor feminino repete um padrão comum de eventos controlados pelos hormônios. Esses eventos são chamados de fases do ciclo menstrual, que possuem quatro períodos. Veja abaixo o que acontece em cada uma dessas fases:

1. Fase menstrual (Menstruação)

O primeiro dia da menstruação é o início oficial do ciclo menstrual. Ou seja, quando o período menstrual começa, e termina na próxima menstruação, iniciando um novo período menstrual.

O sangue da menstruação vem da camada interna do seu útero, a superfície do endométrio que se rompe devido aos estímulos hormonais. Ele passa do útero para o colo do útero, é excretada pela vagina e sai através da sua abertura sob a aparência de um fluido de sangue. Essa fase costuma durar de três a cinco dias, variando de mulher para mulher. Normalmente, a quantidade média de sangue do fluxo menstrual durante todo o período da menstruação é de cerca de ¼ de uma xícara.

2. Fase folicular ou pré-ovulatória

É nessa fase que o corpo se prepara para engravidar. Ou seja, é o período em que o óvulo se desenvolve para sair do ovário e o útero se prepara para poder receber um óvulo fecundado. Nessa fase, o hormônio estrogênio engrossa a camada interna do útero para receber o óvulo fecundado. Ao mesmo tempo, outro hormônio, conhecido como hormônio folículo-estimulante (FSH), estimula o crescimento dos folículos dos ovários. Cada folículo contém um óvulo, que é liberado, um de cada vez por mês para ser fertilizado.

3. Fase ovulatória

Nessa fase, a mulher está fértil e tem maiores chances de engravidar. O aumento dos níveis de estrogênio estimula um terceiro hormônio – o hormônio luteinizante, ou LH. O LH faz o folículo se romper para liberar um óvulo. Caso o ciclo menstrual seja de 28 dias, a ovulação normalmente acontece no 14º dia. No entanto, a maioria das mulheres tem diferentes durações de ciclo menstrual. Na maioria das vezes, a ovulação ocorre entre 11º e 16º dias antes do primeiro dia da menstruação.

Assim, a ovulação acontece quando um dos ovários libera um óvulo maduro, que sai do ovário em direção à trompa de Falópio mais próxima e caminha para o útero. Durante esse caminho, a camada interna do útero vai engrossando cada vez mais. Normalmente, o óvulo
leva cerca de três a quatro dias para chegar ao útero. No útero, o óvulo espera cerca de 24 horas para ser fertilizado antes de começar a se desfazer.

4. Fase lútea ou pós-ovulatória

Quando o óvulo não é fecundado, ele morre após 12 ou 24 horas. É após essa morte, que ocorre o início de uma nova menstruação. O folículo vazio se transforma em um corpo lúteo, no qual suas células passam a produzir estrogênio e grandes quantidades de progesterona. A progesterona estimula a camada interna do útero para se preparar para o óvulo fecundado.

Caso haja a fecundação e a confirmação da gravidez, o óvulo irá para o útero e se prenderá à sua camada interna. Caso não engravide, a camada interna do útero será expelida pela vagina, iniciando uma nova menstruação, isto é, um novo ciclo menstrual.

Mentruação atrasada: Principais causas

Mensalmente, toda mulher que conhece o seu padrão menstrual aguarda o início do seu ciclo menstrual. No entanto, algumas vezes podem ocorrer alguns distúrbios menstruais que acabam ocasionando em menstruação atrasada. Embora isso pra maioria das mulheres gere certa preocupação, principalmente se não estão esperando uma gravidez, esses distúrbios são mais comuns do que se imagina.

Aliás, são situações clínicas recorrentes no dia a dia do ginecologista. Por isso, é importante saber como identificar as causas da menstruação atrasada. Ou seja, o que pode estar causando esse atraso e quais os desconfortos que podem surgir devido a essa pausa.

Como identificar uma menstruação irregular

menstruação atrasada: médico segurando um prtótipo de aparelho reprodutor feminino.
Menstruação atrasada podem ter diversas causas diferentes além da gravidez.

Como a menstruação é um ciclo sanguíneo mensal, ou seja, uma perda natural de sangue que ocorre mensalmente, ela costuma ocorrer em intervalos de 28 a 30 dias com duração de três a cinco dias. Assim, para uma menstruação ser considerada irregular, o ciclo deve vir em intervalos menores que 21 dias ou maiores que 35 dias, podendo durar menos que dois dias ou mais de oito.

Sabendo disso, fica mais fácil identificar a causa da irregularidade ou menstruação atrasada. Ou seja, a menstruação atrasada ou irregular pode ter inúmeras causas – e não apenas uma inesperada gravidez.

Assim, uma vez certificada de que não é gravidez, outros motivos que podem estar causando dores, irregularidade e o próprio atraso menstrual. No entanto, independente dos motivos, é importante procurar um especialista para que a causa seja identificada. Leia abaixo quais são elas:

1. Menstruação atrasada: GRAVIDEZ

Em caso de menstruação atrasada, uma das primeiras hipóteses consideradas pela maioria das mulheres é gravidez, mesmo diante de métodos contraceptivos, como camisinha ou pílula anticoncepcional.

Por isso, o melhor a fazer é um teste de gravidez de farmácia mesmo. Hoje, muitos deles possuem taxa elevada de acerto. Outra opção bem mais segura é o teste Beta-hCG através do exame de sangue em laboratório. Atualmente, os testes estão tão evoluídos que já é possível saber se você está grávida com apenas um dia de atraso menstrual. No entanto, os exames são mais confiáveis se realizados após uma semana de atraso.

O próprio corpo aponta os primeiros sinais de gravidez. A menstruação atrasada é um deles. Porém, uma vez que cerca de 1/3 das grávidas apresenta pequenos sangramentos de escape no primeiro trimestre de gestação, isso acaba causando algumas dúvidas.

Outros sintomas podem incluir náuseas, vômitos, congestão mamária, pigmentação mamária, polaciúria (urinar mais vezes e eliminando menos quantidade de urina). Em casos de gestação avançada, outro sinal é o aumento do volume e da consistência uterina. Portanto, vale ficar atenta a todos esses outros indícios para descartar qualquer suspeita.

Na verdade, em caso de menstruação atrasada alguns dias, mesmo apresentando um sangramento vaginal diferente do habitual, uma gravidez pode ser a causa. É bom não esperar o resto dos sintomas. Pois, normalmente o atraso menstrual surge com 3 ou 4 semanas de gravidez, enquanto os outros sintomas costumam surgir somente depois da 4ª ou 5ª semana.

2. Menstruação atrasada: ESTRESSE E ANSIEDADE

O quadro emocional da mulher também pode impactar o seu ciclo menstrual e atrasar a menstruação por alguns dias. Ou seja, o ciclo menstrual pode ser facilmente influenciado por fatores externos ao sistema reprodutor.

À esses fatores externos chamamos de eventos estressores comuns da vida. Isto é, acontecimentos da vida que geram estresse e ansiedade, que atingem o funcionamento da mente e do corpo. Como por exemplo, novo emprego, trabalho excessivo, dificuldades financeiras, problemas profissionais ou familiares, discussões diárias, etc.

Esses eventos fazem com que irregularidades menstruais aconteçam, atrasando ou adiantando o ciclo. Fatores como estresse ou ansiedade excessivos podem afetar a produção hormonal, que é regulada pelo hipotálamo, uma parte do cérebro. O estresse pode, inclusive, interromper a ovulação em determinado ciclo, suspendendo a menstruação no mês. Principalmente, mulheres mais sensíveis, que ficam sujeitas à irregularidade frequente. Pois, todos estes fatores emocionais influenciam diretamente na produção de hormônios, levando ao atraso ou até antecipação da menstruação.

Portanto, o estresse e a ansiedade são os principais fatores emocionais que podem desencadear a liberação de hormônios e causar a menstruação atrasada. A ansiedade gerada durante a espera pela menstruação acaba gerando atrasos ainda maiores e, assim, o ciclo todo pode ficar desordenado. Alterações bruscas no horário de trabalho, como necessidade constante de trabalhar de madrugada, podem também atrapalhar o ciclo do sono e interferir no ciclo ovulatório normal.

O desejo de engravidar ou o contrário, como o risco de uma possível gravidez indesejada por rompimento de preservativo ou falta de contraceptivo, também pode gerar estresse e ansiedade suficientes para atrasar a menstruação. Todo o processo torna-se um ciclo vicioso, pois o estresse leva ao atraso menstrual, que por sua vez, provoca ainda mais ansiedade. Portanto, o ideal nesses casos de menstruação atrasada há 2 ou 3 dias, é descartar ou confirmar logo a hipótese com um teste de gravidez e quebrar o ciclo vicioso.

3. Menstruação atrasada: INTERRUPÇÃO OU PROLONGAMENTO DE ANTICONCEPCIONAL

Muitos métodos anticoncepcionais podem tanto regular como atrapalhar o ciclo menstrual, até mesmo cessar a menstruação por completo ao longo do tempo (injeção). Assim, o início, prolongamento ou interrupção de um tratamento hormonal afeta diretamente a produção de hormônios. Por isso, alguns métodos contraceptivos de emergência, como a pílula do dia seguinte, também são capazes de atrapalhar o sistema reprodutivo.

Mulheres que costumam tomar anticoncepcional oral (pílula) de forma correta menstruam de forma regular. Porém, após alguns anos de pílula, caso haja a suspensão, é possível que o ciclo natural fique irregular, demorando um tempo para se normalizar.

Há mulheres que entram em amenorreia (leia mais sobre isso abaixo) e ficam meses sem ovular após a interrupção do anticoncepcional. No entanto, eventualmente a menstruação retorna, sem apresentar riscos de infertilidade. Normalmente, o ciclo ovulatório se reorganiza naturalmente entre 3 a 6 meses. Outras, engravidam logo em seguida, ovulando até mais de uma vez por conta dessa irregularidade hormonal.

Portanto, caso parar de tomar anticoncepcional, não se assuste se a menstruação atrasar, pois o corpo pode levar até seis meses para voltar ao normal e se adaptar à produção hormonal normalmente, regularizando a menstruação. Mesmo assim, toda mulher com mais de 3 meses de menstruação atrasada deve procurar orientação médica. A amenorreia pós-anticoncepcional, por exemplo, pode ocorrer em todas as formas de administração, incluindo implantes, injeções ou comprimidos.

4. Menstruação atrasada: INFECÇÕES OU DOENÇAS

A menstruação atrasada também pode estar associada a doenças sistêmicas, como insuficiência renal crônica, doenças hepáticas ou metabólicas, endocrinopatias, colagenoses e outras doenças. Por isso, recomenda-se procurar um ginecologista ao sentir dores e verificar irregularidades menstruais anormais.

Algumas doenças metabólicas como a diabetes, hipotireoidismo ou hipertireoidismo e síndrome do ovário policístico (veja mais sobre isso abaixo), entre outras, têm como um dos principais sintomas a menstruação irregular. Pois, estas doenças alteram a produção dos hormônios no organismo.

Além disso, apenas o fato de estar doente, mesmo não sendo doença grave, pode atrasar a menstruação. Ou seja, viroses comuns, como gripe, ou infecções simples, como cistite ou amigdalites podem causar irregularidades no ciclo menstrual, atrasando a menstruação por alguns dias.

4. Menstruação atrasada: USO DE MEDICAMENTOS

Alguns medicamentos, que combatem infecções, inflamações, gripes e resfriados, também podem ser responsáveis pela menstruação atrasada. Como por exemplo, remédios para a tireoide e antibióticos que costumam influenciar no ciclo menstrual e desorganizar a ovulação. Entre os mais comuns podemos citar:

  • Antipsicóticos;
  • Corticoides;
  • Antidepressivos;
  • Quimioterapia;
  • Imunossupressores;
  • Anti-hipertensivos.
       

Obs: Em geral, antibióticos não provocam atraso menstrual. Normalmente, a interferência no ciclo menstrual é dada pela infecção para a qual o antibiótico foi prescrito (como vimos acima).

5. Menstruação atrasada: ERROS DE CÁLCULO

Quando o ciclo menstrual não é regulado, é mais difícil calcular o dia da menstruação. Por isso, podem haver erros de cálculo e nem sempre a menstruação está realmente atrasada, e acaba vindo com 2 ou 3 dias depois da data calculada. Mesmo mulheres com o ciclo menstrual regular, podem apresentar esses poucos dias de atraso, sem motivo aparente. Caso tenha motivos para duvidar e evitar mais atrasos por conta de ansiedade e estresse, faça um teste de gravidez de farmácia para livrar esta hipótese.

6. Menstruação atrasada: MUDANÇAS DE PESO CORPORAL

Ganhar muito peso ou perder peso em curto espaço de tempo também pode ser uma causa para a menstruação atrasada ou desregulação no ciclo menstrual. Isso ocorre porque as células de gordura do corpo também contribuem na produção de estrogênio (hormônio feminino responsável pela maturação dos óvulos).

Portanto, alterações bruscas na quantidade de gordura no corpo alteram os níveis de estrogênio, assim interferindo na ovulação. Consequentemente, provocando atrasos na data da menstruação.

7. Menstruação atrasada: OBESIDADE

O aumento da gordura corporal também reflete no ciclo menstrual podendo ser uma das causas da menstruação atrasada. Isso ocorre porque o excesso de gordura no corpo pode interferir no funcionamento da hipófise, parte do cérebro que regula a liberação dos óvulos, provocando produção excessiva de estrogênio. Normalmente, esse hormônio feminino é necessário para a ovulação, mas em excesso inibe a liberação do óvulo, provocando períodos anovulatórios.

Assim, quanto mais gordura no corpo, maior a propensão ao aumento do nível de estrogênio e, consequentemente, maior dificuldade para ovular. E sem ovular, a mulher não menstrua. Quadros de sobrepeso ou obesidade podem apresentar também engrossamento do endométrio, fluxo intenso e desregulado.

8. Menstruação atrasada: MAGREZA EXCESSIVA OU DISTÚRBIOS ALIMENTARES

Da mesma forma que o excesso de gordura afeta a ovulação, o peso abaixo do normal também pode afetar o ciclo menstrual. Mulheres que sofrem de distúrbios alimentares, como anorexia, bulimia, compulsão por comida, ou fazem dietas extremas, não costumam ovular todo mês, apresentando não só menstruação atrasada, como também risco de amenorreia (leia mais sobre isso mais abaixo no item 16).

Assim, a falta do tecido gorduroso também é ruim para o funcionamento do ciclo ovulatório, uma vez que regula a produção de estrogênio, prejudicando e reduzindo a capacidade do corpo de produção. Portanto, caso você tenha cerca de 20% do peso ideal, há grandes possibilidades da sua menstruação ser afetada.

9. Menstruação atrasada: MUDANÇAS DE FUSO HORÁRIO

Cientificamente, o ciclo menstrual é resultado de uma comunicação entre o sistema nervoso central (hipotálamo e hipófise) e o ovário. Como o hipotálamo é responsável por regular alguns dos processos metabólicos e recebe estímulos a partir de emoções, em casos de mudanças no comportamento, essas emoções podem alterar a menstruação.

Algumas mudanças de comportamento podem aumentar a dificuldade de adaptação do sono ou a situações que não sejam de costume. Assim, a menstruação atrasada também pode ser causada por jet lag, típico de viagens de longa distância para países com fuso horários muito diferentes do que o de costume.

10. Menstruação atrasada: EXCESSO DE ATIVIDADE FÍSICA

Uma rotina saudável com alimentação regular e equilibrada, além de exercícios físicos diários são essenciais para a saúde. No entanto, o excesso de exercícios seguido de desgaste físico, pode acarretar em desordem neuroendócrina, interferindo diretamente no funcionamento do hipotálamo.

Da mesma forma que na mudança de fuso horário, o excesso de exercícios pode influenciar a liberação dos hormônios estimuladores dos ovários e o organismo deixar de produzir o estrogênio e a progesterona, provocando mudanças no ciclo menstrual.
Assim, mulheres que praticam atividades físicas vigorosas ou em nível profissional costumam ter o ciclo menstrual alterado, sendo comum a menstruação atrasada. Como por exemplo, triatletas, maratonistas, nadadoras de competição, ginastas e outros esportistas profissionais. Isso acontece porque o gasto calórico elevado, o estresse dos treinos intensos e a baixa taxa de tecido gorduroso corporal podem suspender a menstruação.

11. Menstruação atrasada: PROBLEMAS NA TIREOIDE

A glândula da tireoide, localizada na altura do seu pescoço, é uma das responsáveis pela produção hormonal do organismo. Quando alguma coisa afeta o funcionamento da tireoide, todo o restante do corpo sofre impactos, incluindo o ciclo menstrual.

Para identificar problemas na tireoide, é necessário procurar um médico e fazer exames específicos para descobrir se há deficiências como a hipotiroidismo ou hipertiroidismo. Em geral, problemas da tireoide não controlados podem levar à amenorréia. Mas, mesmo os quadros mais brandos ou já tratados com remédios, pequenas alterações nos níveis sanguíneos dos hormônios tireoidianos podem desregular o ciclo e provocar atrasos menstruais.

12. Menstruação atrasada: AMAMENTAÇÃO

É normal a menstruação atrasada durante a amamentação. Normalmente, o corpo libera hormônios que inibem a ovulação durante esse período. Sendo assim, a menstruação pode deixar de vir, provocando uma amenorréia transitória. Em geral, a menstruação costuma voltar assim que o processo de desmame se inicia.

13. Menstruação atrasada: OVÁRIOS POLICÍSTICOS

Algumas mulheres podem produzir alguns tipos de hormônios em quantidades tão elevadas que acabam interferindo no funcionamento regular do ciclo menstrual. Por exemplo, mulheres com síndrome dos ovários policísticos apresentam frequentemente menstruação atrasada e irregular, muito comuns nesses casos. Pois, acabam produzindo androgênios (hormônios masculinos) em excesso, adquirindo excesso de peso, que também colabora para os atrasos menstruais.

14. Menstruação atrasada: MENOPAUSA

O período compreendido entre a menarca (primeira menstruação) e a menopausa (última menstruação) é chamado de período fértil ou reprodutivo. Já o período fértil do ciclo menstrual corresponde aos dias mais próximos da ovulação.

É normal que os hormônios fiquem alterados ou que a menstruação atrase ou adiante alguns dias no início do período reprodutivo ou no fim. Assim, também é muito comum que a menstruação dure muitos ou poucos dias no início dos ciclos menstruais e durante o climatério. Isso vai depender muito do corpo e de cada mulher.

A menopausa, por exemplo, geralmente chega entre os 45 a 55 anos. Porém, algumas mulheres podem iniciar a menopausa antes dos 45 anos. Além disso, há quem tenha menopausa precoce, antes do 40 anos.

Um dos sintomas da falência iminente dos ovários é a desregulação do ciclo menstrual e a ausência de ovulação em determinados meses. Se você tem mais de 35 anos e sua menstruação começar a atrasar e a falhar com frequência, procure o seu ginecologista.

15. Menstruação atrasada: INÍCIO RECENTE DO CICLO MENSTRUAL

Após a menarca (primeira menstruação) é comum os ciclos ainda serem irregulares nos primeiros anos, principalmente entre um ano e um e meio após esta primeira menstruação. Isso porque o organismo feminino pode demorar até 5 anos para se adaptar, uma vez que o sistema reprodutor ainda está em fase de amadurecimento. Portanto, se você estiver nesse período de adaptação, fique tranquila, pois esses transtornos são muito comuns nessa fase da vida. No entanto, se a sua vida sexual já for iniciada nesse período, não deixe de se precaver com métodos anticoncepcionais para evitar uma gravidez precoce ou doença sexualmente transmissível.

16. Menstruação atrasada: AMENORREIA E OUTRAS IRREGULARIDADES

Menstruação atrasada há alguns dias não é exatamente uma amenorreia. Normalmente, a amenorreia é atribuída a ausência do fluxo menstrual com atrasos de três ou mais meses. Podendo ser primária, quando a menarca demora a acontecer; ou secundária, quando há ausência da menstruação em um período em que deveriam ter ocorrido os ciclos. Uma das causas pode ser o uso de anticoncepcional prolongado. Caso você não esteja tomando anticoncepcional, mas tiver a menstruação atrasada por longos períodos seguidos, procure um médico.

Existem também outra irregularidades no ciclo menstrual, como por exemplo, a oligomenorreia, quando a irregularidade menstrual tem um intervalo maior que 35 dias; e a espaniomenorreia, caso o intervalo entre os ciclos seja superior a 45 dias, com até 60 dias.

Existem várias doenças que podem cessar a menstruação e impedir a capacidade de ovular, como problemas uterinos, ovarianos e até mesmo de glândulas cerebrais que controlam a produção de hormônios sexuais, como a hipófise e o hipotálamo. Portanto, se a gravidez não for a causa da menstruação ter parado, procure o seu ginecologista para identificar alguma doença por trás desse bloqueio da capacidade de ovular.

Riscos de um ciclo desregulado

menstruação atrasada: mulher com mãos na barriga devido a cólicas menstruais
Menstruação atrada pode apresentar riscos à saúde por estar associada a outras doenças.

Ainda hoje, muitas mulheres evitam o uso de anticoncepcionais e até mesmo de camisinha como método contraceptivo. No entanto, mulheres com ciclo menstrual irregular não podem se basear no cálculo do período fértil — que geralmente é no 14º dia, variando entre o 12º ao 16º dia — para fazer utilizar a tabelinha.

Dessa forma, a gravidez fica difícil de ser evitada sem que haja um método eficaz. Além disso, o uso de preservativos é essencial para quem tem uma vida sexual ativa, pois os métodos anticoncepcionais não são capazes de prevenir ISTs (Infecções Sexualmente Transmissíveis). Sem falar que, para mulheres com dificuldade em engravidar, a falta de conhecimento do período fértil também pode ser um problema.

Da mesma forma, o acompanhamento médico anual para realizar exames de papanicolau, ultrassonografia vaginal, ultrassonografia intra-uterina e mamografias, são essenciais em casos de menstruação atrasada e ciclos menstruais irregulares.

Há casos também que seja necessário o uso de medicação ou de um anticoncepcional para regular o ciclo, mesmo que não haja uma vida sexual ativa. Já mulheres que sofrem de síndrome dos ovários policísticos ou outras patologias hormonais, a melhor forma de regular o ciclo menstrual é tratando o problema.

Assim como meninas no início da vida reprodutiva ou mulheres próximas à menopausa, a utilização de contraceptivos orais pode ser recomendada, mas só depois de descartadas quaisquer suspeitas de problemas de saúde.

Principais mitos sobre menstruação

menstruação atrasada: mulher segurando um absorvente
Menstruação atrasada: são muitos os mitos sobre menstruação passados de geração em geração.

Devido a falta de informação e por ainda ser um tabu para muitas mulheres, a menstruação acaba produzindo muitos mitos que são passados de geração em geração, sem que haja alguma comprovação. Para que você não caia mais nessa armadilha, separamos alguns deles e explicamos a razão de não serem verdadeiros. Veja abaixo:

1. Não é possível engravidar quando menstruada

Achar que ter relações sexuais durante o período menstrual não engravida é umd os mitos mais comuns. Mas, apesar da chance de engravidar neste período ser realmente menor, é possível fecundar óvulo mesmo durante a menstruação. Além disso, não é necessário que a mulher esteja no período fértil para que a gravidez vingue em meio ao sangramento menstrual. Por isso, o uso de preservativos é recomendado até mesmo durante a menstruação.

Principalmente, se a mulher tem um ciclo desregulado e curto, ou seja, quando o período entre o primeiro dia da menstruação e o início da ovulação é mais próximo. Pois, o óvulo pode permanecer na trompa por 24 horas após ser liberado, e caso um espermatozoide o fecunde, a gravidez pode ocorrer.

2. Anticoncepcional contínuo causa infertilidade

Esse é outro mito, pois o uso de anticoncepcional não tem potencial para afetar a fertilidade. No entanto, muitas vezes, o corpo da mulher fica tão condicionado ao remédio que o corpo precise de 3 a 6 meses para normalizar o ciclo. Isso acaba dificultando o cálculo exato do período fértil para a concepção. Mas isso não quer dizer que a pessoa não tenha mais chances de engravidar.

3. A convivência intensa com outras mulheres influencia no período menstrual

O ciclo menstrual é definido por diversos fatores, mas a convivência com outras mulheres não costuma influenciar nenhuma alteração. De acordo com especialistas, o ciclo menstrual é definido a partir da menarca e não é influenciado por hormônios alheios, mas pelo funcionamento do organismo pessoal de cada um. Como o ciclo não é exato, pode vir a coincidir após meses de convivência, gerando esse mito.

4. Sexo menstruada é mais prazeroso

Muita gente acredita que a mulher sente mais prazer durante a relação sexual nesse período do mês. No entanto, isso nem sempre é verdade. Apesar de ser uma fase em que os hormônios (em especial a testosterona) estão sendo liberados em maior quantidade, fazendo com que a mulher fique mais estimulada sexualmente, isso não torna o sexo mais ou menos prazeroso.

5. Exercício físico durante a menstruação é prejudicial

Muito pelo contrário, a atividade física é essencial para a liberação de hormônios. Por isso, não há contraindicações para a prática de exercícios nesse período. Inclusive, o exercício físico ajuda a aliviar as cólicas menstruais devido à endorfina produzida após a atividade física.

6. A menstruação pausa dentro da água

Quando a mulher menstruada entra na água, a menstruação diminui o seu fluxo comparado ao lado de fora. Por causa disso, o fluxo acaba se diluindo e ficando quase invisível. No entanto, o contato com água gelada, por exemplo, faz com que os vasos sanguíneos se contraiam, dificultando a saída do sangue. Por esta razão, indica-se o uso de absorventes internos.

Fontes externas:

Dr. Sergio dos Passos Ramos CRM 17.178 – SP
Patton, Kevin T. ; Thibodeau, Gary A. Sistema Genital. In: Estrutura e funções do corpo humano. P 468 – 472. 2002. 1ª Edição. Editora Manole. Barueri – São Paulo
ACOG Patient Brochure 049. Acog Patient brochure: midlife transition and menopause
ACOG Medical Student Education Module 2008
ACOG by American congress of obstetricians and gynecologists
Comprehensive Gynecology. Mishell, Stenchever, Droegemueller, and Herbst. 3rd Edition.
Textbook of Histology. Bloom and Fawcett 11th edition.
Emans Laufer and Goldstein Pediatric and Adolescent Gynecology
Melo NR, Machado RB, Fernandes CB. Irregularidades menstruais: inter-relações com o psiquismo. Rev. Psiq. Clín. 2016; 33 (2): 55-59.
Hercowitz A. Gravidez na adolescência. Pediatr. Mod. Ago. 2002; 38 (8): 392-395.
Beznos GW. Distúrbios menstruais. Pediatr. Mod. Ago. 2002; 38(8): 372-375.

Recomendados Para Você:

       

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.