Indigestão: Pode Matar? Sintomas e Remédios

No Brasil, cerca de 40% da população sofre com indigestão.

0 29

A indigestão é uma condição que atinge pessoas em todas as partes do mundo, e no Brasil não é diferente.

Com o passar do tempo e a consequente piora nos hábitos alimentares das pessoas, além do ritmo de vida cada vez mais acelerado a que todos são submetidos, essa condição vem se tornando cada vez mais comum.

Estima-se que, em todo o mundo, cerca de 20% da população já tenha sentido algum dos seus sintomas característicos. No Brasil esse número é ainda maior, chegando aos 40% da população do país.

Nesse artigo você vai conhecer um pouco mais sobre essa condição, entender como surgem seus sintomas, como pode ser feito o tratamento e outras informações que vão te ajudar a identificá-la e evitar que ela evolua para quadros mais graves. Aproveite.

O que é indigestão?

Problema também conhecido como dispepsia, é o termo utilizado para identificar um conjunto de sintomas, normalmente sentidos na parte superior do abdômen, após o consumo de alimentos.

Esses sintomas, quando sentidos separadamente, não causam nenhum tipo de problema além de desconfortos momentâneos, mas quando juntos podem ser extremamente desagradáveis e trazer complicações.

A indigestão acontece quando os movimentos de contração involuntários realizados pelo sistema digestivo, conhecidos como peristaltismo, apresentam algum tipo de problema.

Mesmo não sendo um problema grave de saúde, é preciso que a condição receba o tratamento adequado para evitar complicações.

A indigestão envolve um conjunto de sintomas, normalmente sentidos na parte superior do abdômen.

Quais são as causas da indigestão alimentar?

As causas da dispepsia alimentar fazem com que essa condição seja classificada em dois tipos:

Indigestão funcional

Relacionada diretamente aos hábitos alimentares do indivíduo, como comer muito rápido, consumo de bebidas alcoólicas em excesso.

Também pode ser causada por problemas médicos como estresse, depressão, sensibilidade ou intoxicação alimentar e reações alérgicas.

Indigestão orgânica

Esse tipo de dispepsia é causado por doenças presentes no trato digestivo. Alguns exemplos são:

  • Esofagite;
  • Pancreatite;
  • Doença da tireoide;
  • Cálculo biliar;
  • Hérnia de hiato.

Helicobacter pylori

Essa é uma bactéria que pode causar úlceras ou infecção no estômago e que, por sua vez, acabam provocando os sintomas da dispepsia alimentar.

Só é possível detectar a presença dessa bactéria com a realização de exames de sangue e o seu tratamento é realizado com antibióticos.

Fatores de risco

Os fatores de risco mais comuns que causam a indigestão normalmente são:

  • Excesso de consumo de bebidas à base de cafeína, como chás e cafés;
  • Comer uma grande quantidade de comida muito rápido;
  • Ingerir alimentos ácidos, como tomates e laranjas, em excesso;
  • Tabagismo;
  • Consumo excessivo de alimentos gordurosos;
  • Estresse;
  • Doenças do aparelho digestivo.

Isolados, esses fatores dificilmente podem causar problemas de saúde graves, mas quando combinados, o resultado pode ser indigesto, literalmente!

Pessoas com idade acima dos 45 anos, assim como indivíduos obesos, têm grandes chances de sentir esses sintomas.

Obesos e pessoas com mais de 45 anos têm mais propensão à indigestão.

Indigestão alimentar: sintomas

Os sintomas que são observados para que seja feito o diagnóstico da dispepsia normalmente são vistos em outras doenças e, por isso, muitas vezes acabam sendo ignorados, só sendo levados mais a sério quando a doença já está em estágio mais avançado.

Esses sintomas costumam ser:

  • Náuseas;
  • Flatulência;
  • Distensão abdominal;
  • Perda de peso;
  • Vômitos;
  • Saciedade precoce;
  • Arrotos (eructação);
  • Refluxo;
  • Inchaço na região do estômago;
  • Anemia.

Alguns desses sintomas são considerados sinais de alerta em razão da sua gravidade, como refluxo, anemia, ou inchaço na região do estômago. Dessa maneira, ao observá-los, o mais indicado é procurar um médico o mais rápido possível.

Como é feito o diagnóstico da indigestão?

Assim que são detectados os sintomas, é preciso consultar um médico.

Tanto um gastroenterologista quanto um clínico geral podem fazer esse diagnóstico que normalmente é realizado após a exclusão de qualquer hipótese de outras doenças gastrointestinais, como problemas de vesícula ou pâncreas.

Depois de descartadas essas possibilidades, o médico vai solicitar que sejam realizados os exames que julgar necessários. Os mais solicitados são:

  • Hemograma;
  • Endoscopia;
  • Tomografia abdominal computadorizada;
  • Ultrassom abdominal;
  • Teste da função hepática;
  • Exame protoparasitológico de fezes.

A indigestão pode ter complicações?

As complicações decorrentes dos sintomas da indigestão são raras, mas quando surgem podem trazer problemas graves.

Veja só:

  • Peritonite: o tecido que reveste o abdômen pode inflamar, causando desconforto e dor;
  • Estenose pilórica: ocorre quando a passagem que existe entre o estômago e o intestino, por onde o ácido do estômago se desloca em direção ao intestino, se encontra mais estreita ou totalmente cicatrizada;
  • Estenose esofágica: nos indivíduos que têm refluxo, o canal por onde o ácido do estômago retorna para o esôfago sofre um estreitamento a longo prazo, fazendo com que a comida acabe ficando presa na garganta e causando, consequentemente, dor no peito.
Se não tratada, a indigestão pode ter maiores complicações.

Remédio para indigestão alimentar

Após o diagnóstico da dispepsia ter sido confirmado pelo médico, é preciso iniciar o tratamento, que dependerá da gravidade dos sintomas.

Existe uma grande quantidade de medicamentos disponíveis no mercado que podem ajudar a combater os sintomas da indigestão com ótimos resultados.

Medicamentos como os antiácidos normalmente são indicados pelos médicos para auxiliarem no combate à azia e queimação no estômago, assim como os antigases são utilizados para combater a flatulência.

O uso de antibióticos pode ser recomendado pelo médico sempre que os sintomas forem causados por infecção ou úlceras, decorrentes da presença da bactéria Helicobacter pylori.

Tratamentos naturais para indigestão alimentar

Os tratamentos naturais têm como objetivo principal amenizar os sintomas para que o indivíduo possa conviver melhor com eles.

Confira algumas dicas que podem te ajudar a reduzir os sintomas da indigestão alimentar:

Gengibre

As propriedades do gengibre são muito utilizadas para ajudar os alimentos ingeridos a se movimentarem ao longo do trato digestivo, além de relaxar o músculo intestinal.

Chá de boldo

Ótimo para aliviar sintomas da dispepsia após refeições gordurosas e pesadas, como uma feijoada, o chá de boldo ajuda o fígado a trabalhar melhor e metabolizar a gordura, fazendo com que o processo de digestão se torne mais fácil e rápido.

       

Chá de hortelã-pimenta

A ação digestiva e anti-espasmódica ajuda a manter o processo digestivo mais equilibrado, evitando que gases se acumulem e acabem provocando dores no estômago.

Chá de tomilho com poejo

A combinação dessas duas plantas acumula as propriedades medicinais existentes nas duas, sendo um ótimo remédio caseiro para ajudar a melhorar o processo digestivo em tempo rápido.

Chá verde

Ideal para quem está com aquela sensação de estômago cheio e sofre com arrotos constantes, o chá verde estimula o organismo a produzir os ácidos estomacais necessários para melhorar a digestão dos alimentos.

Chá de erva-doce

A erva-doce estimula o organismo a produzir mais fluidos intestinais que são importantes para o processo de digestão.

Sintomas como dor gástrica, arrotos e sensação de estômago cheio são minimizados pelas propriedades do chá de erva-doce.

Chá de macela

Pode não parecer, mas essa florzinha é capaz de ajudar muito quem sofre com os sintomas da dispepsia. Além das propriedades digestivas encontradas na sua composição, a macela ainda tem propriedades calmantes que ajudam a melhorar todo o processo digestivo.

São vários os chás caseiros que aliviam no tratamento dos sintomas.

Chá de ervas

Misturar algumas ervas que têm propriedades que auxiliam no processo digestivo é um excelente remédio para quem procura uma solução caseira para sintomas como dor de estômago, saciedade precoce e flatulência, por exemplo.

A combinação de erva-doce e boldo, por exemplo, cria propriedades que ajudam a limpar as impurezas do fígado e agem rapidamente, melhorando a digestão dos alimentos.

Hábitos alimentares

Os seus hábitos alimentares influenciam diretamente no surgimento dos sintomas dessa condição, o que faz com que a alimentação mereça uma atenção especial.

O mais indicado é reduzir o consumo de alimentos picantes, ácidos e gordurosos. Alimentos como feijão, couve-flor e brócolis, que costumam dar muitos gases, também devem ser ingeridos em menores quantidades.

Fazer refeições menores ao longo do dia, mastigando bem os alimentos, torna todo o processo de digestão mais fácil e reduz o risco dos sintomas da condição se manifestarem.

Também é altamente recomendado que refeições muito próximas do horário que você costuma se deitar sejam evitadas. O ideal é um intervalo de cerca de 3 horas entre a última refeição e a hora de dormir.

Sucos

Os sucos de frutas são excelentes para auxiliar o intestino a trabalhar corretamente, devido a grande quantidade de nutrientes, principalmente laranja, abacaxi, uva e limão.

Relaxamento

Um dos fatores de risco para o surgimento dos sintomas da dispepsia alimentar é o estresse.

Por isso, procurar relaxar é uma boa alternativa para reduzir os sintomas da condição e tornar a convivência com o problema mais leve.

O ideal é encontrar a melhor forma de relaxamento para você. Alguns gostam de meditar, outros de praticar Yoga, exercícios, massagens ou apenas estar em contato com a natureza. Descubra o que funciona melhor para você.

Existe diferença entre indigestão e congestão?

Apesar de muita gente afirmar que esses são dois nomes utilizados para classificar a mesma condição, elas são diferentes.

Enquanto a indigestão resume-se a um conjunto de sintomas normalmente causados por hábitos alimentares inadequados, a congestão tem uma origem diferente.

O mal-estar característico da congestão alimentar acontece quando o indivíduo realiza determinados tipos de atividades físicas logo após uma refeição, como o almoço, por exemplo.

Praticar exercícios como corrida, musculação ou natação pode acabar causando uma congestão, pois essas atividades fazem com que o fluxo sanguíneo seja direcionado para os músculos e deixe o intestino, tornando a digestão muito mais lenta.

O cérebro também é prejudicado com essa concentração de sangue nos músculos, causando fraqueza, palidez, tontura e vômitos.

Ainda assim, a congestão alimentar não mata, como se afirma com tanta propriedade em vários lugares.

O máximo que uma congestão pode causar é um mal-estar ao indivíduo que pode ser facilmente evitado se houver um intervalo de uma ou duas horas entre as refeições e os exercícios.

Indigestão crônica

Essa é considerada uma condição crônica benigna, que se manifesta com mais frequência em indivíduos que passam por períodos de mais estresse, o que faz com que esses tenham hábitos alimentares prejudicados tanto pela quantidade de alimentos ingerida quanto pela sua qualidade, decorrentes da ansiedade e do nervosismo.

A indigestão infantil é mais comum do que se imagina.

Indigestão infantil

É bem comum crianças se queixarem de dores de barriga que, muitas vezes, aparentemente não têm nenhuma motivação.

Assim como os adultos, os hábitos alimentares dos pequenos também são determinantes para que o seu processo digestivo funcione de maneira correta.

Entre os hábitos que podem causar essa condição nas crianças, é muito comum:

  • Ingerir alimentos muito gordurosos;
  • Consumir açúcares em quantidade excessiva, como balas e doces;
  • Ingerir quantidades grandes de comida industrializada, como fast food;
  • Consumir sucos industrializados e bebidas gasosas e açucaradas como os refrigerantes;
  • Ingestão de leite de fórmula como complemento ao leite materno, no caso dos bebês.

Os sintomas apresentados por crianças nessa condição são muito semelhantes aos dos adultos, como arrotos, dor de estômago, refluxo e diarreia.

Muitas crianças também podem apresentar rejeição pela comida e um tom de pele pálido.

Para ajudar a minimizar esses sintomas nos pequenos, quando houver a suspeita de que eles podem estar apresentando algum desses sintomas, o mais indicado é tentar aliviar o incomodo que eles estão sentindo.

Para isso, você pode massagear a sua barriga lentamente, fazendo movimentos circulares. Além da massagem, procure evitar oferecer alimentos sólidos, dando preferência a alimentos líquidos, como sopas leves.

Se os sintomas permanecerem, o ideal é procurar o seu pediatra para que ele possa identificar a causa real desses sintomas e orientar qual deve ser o tratamento para que os sintomas desapareçam.

Indigestão pode matar?

A indigestão não se trata exatamente de uma doença, mas de um conjunto de sintomas, e existem diversas opções de tratamentos – tanto medicamentosos quanto naturais – que fazem com que seja possível minimizar muito os sintomas.

Isso faz com que seja possível o indivíduo conviver por muitos anos controlando esses sintomas.

Conclusão

A indigestão é um problema que causa desconforto e atinge uma parcela muito grande de toda a população no nosso país.

Os seus sintomas são muito comuns e acabam, muitas vezes, sendo ignorados, só recebendo a atenção necessária quando a condição já evoluiu e se tornou algo mais grave.

Para evitar que os seus sintomas persistam, a melhor alternativa é adotar hábitos alimentares mais saudáveis, que farão com que o organismo funcione corretamente e evite que esses sinais se tornem algo constante.

Recomendados Para Você:

       

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.