Hormônios Bioidênticos: Benefícios para o Organismo

2

O tema tem sido recorrentemente visto em jornais e revistas, mas, apesar disso, muitos ainda tem dúvidas sobre as vantagens dos hormônios bioidênticos. Afinal, o que são e que benefícios trazem pro nosso organismo? “Os hormônios bioidênticos são assim chamados porque são semelhantes aos hormônios endógenos, ou seja, aqueles produzidos pelo organismo humano. Essa técnica vem sendo empregada na medicina há cerca de 25 anos e é uma das pilastras que podem auxiliar a prevenção e o tratamento dos distúrbios associadas ao envelhecimento”, explica o médico e diretor científico do Grupo Longevidade Saudável, Ítalo Rachid( Cremesp- 114612).

Ele lembra que o processo de produção de hormônios no organismo começa a cair entre os 25 e os 30 anos. Por isso, o recomendado é a realização de avaliações periódicas dos níveis hormonais, já a partir dessa idade.“Os hormônios são como mensageiros enviados pelas glândulas para controlar as funções celulares, para que se mantenham vivas e se comuniquem adequadamente entre si. Assim, eles são responsáveis por regular o crescimento, o metabolismo e o desenvolvimento do organismo, além de controlar as funções de muitos tecidos e atuar nas funções reprodutivas. E a queda da produção hormonal resulta em fenômenos degenerativos ao longo do envelhecimento. A modulação hormonal tem esse objetivo: permitir a continuidade dos processos de reparação e restauração celular”, conta.

Rachid explica que o termo bioidêntico refere-se a uma substância cuja estrutura molecular é exatamente idêntica à dos equivalentes produzidos pelo nosso próprio organismo.

“Ao contrário da reposição hormonal, em que a proposta é apenas repor os hormônios que estão com níveis baixos, colocando-os em um nível compatível com a idade, na modulação hormonal, a suplementação é feita com hormônios bioidênticos e outros nutrientes, como aminoácidos, vitaminas e antioxidantes. O objetivo desse método é que o organismo atinja níveis hormonais compatíveis com aqueles de adultos jovens e saudáveis na faixa etária compreendida entre 25 e 30 anos”, comenta o médico.

De acordo com ele, cada hormônio tem um receptor específico no organismo, o que pode ser comparado a cada fechadura ter sua chave específica para ser aberta. E é isso o que os hormônios bioidênticos permitem: abrir a porta de modo fisiológico, porque exercem função semelhante à do hormônio endógeno e, se usados de forma correta, de acordo com identificações clínicas, protocolos e guidelines específcos são bastante seguros.

“A atividade de cada hormônio é determinada, em parte, pela sua estrutura química, que possibilita sua ligação ao sítio de ação específico dentro do organismo. Quando usamos substâncias quimicamente diferentes a ligação fica prejudicada e pode nem mesmo ocorrer, não exercendo o efeito esperado. Por outro lado, ao utilizarmos hormônios quimicamente iguais aos do organismo humano, a chance de essa ligação ocorrer aumenta consideravelmente, bem como o efeito hormonal. Assim é possível devolver ao organismo a função do hormônio efetivamente carente”, diz Rachid

       

“Modulação hormonal consiste em traçar, por meio de avaliações clínico-laboratoriais, o perfil hormonal individual do paciente, determinando, assim, as suas necessidades hormonais. A partir dessa avaliação inicial, é elaborado um programa de reequilíbrio metabólico para cada paciente”, explica o médico.

Ele conta ainda que, a partir dessa avaliação inicial, é elaborado um programa de reequilíbrio metabólico para cada paciente. Como a melhor curva hormonal é aquela comparável à de adultos jovens e saudáveis, ou seja, próximo dos 25 a 30 anos, para obter a resposta metabólica buscamos resgatar níveis hormonais compatíveis com a produzida nessa faixa etária. Rachid ressalta ainda que a modulação hormonal visa ao equilíbrio glandular de mulheres, homens e crianças, não importando a idade.

O médico deixa claro que modulação hormonal não tem a função de parar o tempo, mas pode atrasar o relógio biológico, reduzindo a velocidade com que envelhecemos, minimizando, dessa forma, as possibilidades de patologia. Isso porque o método permite repor as matérias-primas necessárias e indispensáveis ao equilíbrio do organismo. De acordo com ele, o que conhecemos como doença nada mais é do que a soma das carências graduais, crônicas e cumulativas de matérias-primas básicas de que o corpo necessita para funcionar com perfeição.

Além dos hormônios bioidênticos, na modulação hormonal também são usadas substâncias que protegem contra a oxidação celular, que é o processo responsável pela intensificação dos processos catabólicos do envelhecimento. Dr Rachid explica que os antioxidantes usados podem ser naturais,como os encontrados em determinados alimentos. São usados ainda hormônios precursores e substâncias que estimulam o sistema nervoso, que ajudam a melhorar a circulação no cérebro. O resultado é uma memória saudável e a melhora da disposição em geral.

da molécula da pregnenolona, do inhame mexicano e da tecnologia recombinante. Para ele, o importante é o grau de similaridade que os hormônios bioidênticos têm com o receptor celular específico. “ É isso que os diferencia dos hormônios convencionais”, esclarece.

Dr. Rachid lembra que a modulação hormonal foi tema de uma palestra ministrada por ele, durante o 45º Congresso de Ginecologia e Obstetrícia, em junho, em Brasília. “ Apresentamos aos participantes do congresso fatos que comprovam que se trata de uma prática médica ética e de boa qualidade. Que a modulação hormonal bioidêntica é praticada no mundo todo há quase 25 anos, por mais de 200 mil médicos, com resultados clínicos inquestionáveis e indiscutível. No Brasil, somos mais de 1,6 mil médicos, com quase 500 mil pacientes. Existe uma vasta base de trabalhos científicos que comprovam sua eficácia e superioridade clínica, quando comparados aos hormônios convencionais”, comenta.
Texto de: Dr. Ítalo Rachid

Fonte: Revista Longevidade em Foco

 

       
2 Comentários
  1. Francisco de Assis Theodoro soares Diz

    Ótimo texto, gostaria de saber se vc poder ler o meu exame de perfil hormonal salivar e me receitar os hormônios necessários?

    1. Gal Rosa Diz

      Não temos esse serviço, Francisco. COntudo, veja um contato abaixo do artigo e envie sua msg.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.