Hemograma completo: preço, jejum, gravidez

O hemograma completo nada mais é do que um exame de sangue rotineiro, cujo objetivo é medir a saúde geral do paciente.

0 9.126

Muitas vezes os médicos lhe solicitam um hemograma completo, mas você nem sabe ao certo para que ele serve? Ou ainda, você está grávida e quer entender sobre os exames que o seu obstetra tem lhe pedido? Então você chegou ao lugar certo.

Em nosso artigo de hoje vamos tirar todas as suas dúvidas acerca deste exame que é muito comentado, mas pouco se explica. Abaixo falaremos sobre a sua função, a importância durante a gravidez, além de lhe trazer as referências necessárias para aprender a interpretar o seu exame.

Afinal, muito além de reconhecer a sua função, é interessante também encontrar referências que permitam você mesmo compreender o que acontece com o seu corpo. Sendo assim, acompanhe o nosso artigo e fique por dentro de tudo que envolve o hemograma completo:

Para que serve um hemograma completo?

O hemograma completo nada mais é do que um exame de sangue rotineiro, cujo objetivo é medir a saúde geral do paciente. Ou seja, ele serve para fazer uma espécie de check-up, a fim de encontrar possíveis disfunções em nosso organismo.

Dentre elas, é possível diagnosticar a anemia, a leucemia e as conhecidas doenças auto- imune (como a esclerose múltipla e artrite temporal).

Dessa maneira, o exame irá medir de forma precisa os níveis de hemácias (conhecidas como glóbulos vermelhos), leucócitos (glóbulos brancos) e plaquetas.

Por se tratar de um exame que circunda a saúde de um modo geral, ele é muito requisitado por todos os médicos. Afinal, a partir das células que constituem nosso sangue, será possível detectar uma infinidade de enfermidades. E ainda, a maioria delas poderá ser detectada ainda em estágios iniciais, o que dá base para uma recuperação plena e rápida, dependendo do caso.

Por que grávidas precisam fazer um hemograma completo?

Simplesmente porque é necessário fazer um acompanhamento amplo da saúde da mulher neste momento! Desse modo, o médico precisa verificar no primeiro e no segundo trimestre a chance de haver qualquer doença auto-imune ou indícios de anemia.

Afinal, além de ser um grande risco para a mulher, negligenciar estes diagnósticos pode ainda acarretar em consequências severas para a saúde do bebê também.

Dessa forma, quando antes for feito o diagnóstico de qualquer infecção ou alteração sanguínea, maiores as chances de não desestruturar a saúde da mãe e do bebê.

Considerando que, quando a saúde da mãe está fragilizada, a do bebê tende a ficar ainda mais vulnerável a qualquer sequela e consequência severa em sua saúde. Portanto, é sempre importante fazer o hemograma completo durante a gravidez! Ainda mais que este exame sempre fez e sempre fará parte da rotina do pré-natal.

Por que essas células que constituem o sangue são importantes?

Essas células são importantes, pois simplesmente elas abrangem uma grande escala de funções específicas e essenciais para o nosso organismo. Veja abaixo:

  1. Hemácias (glóbulos vermelhos): Essas células são cruciais para manter o equilíbrio de nossa saúde. Afinal, são as mesmas que irão “carregar” o oxigênio para todos os órgãos e tecidos do nosso corpo. Sem elas, podemos ter sérios problemas na formação de nossa pele, tecidos, etc.
  2. Leucócitos (glóbulos brancos): Os glóbulos brancos, no entanto, são a barreira protetora do nosso organismo. Ou seja, são responsáveis pela força do nosso sistema imunológico. Uma deficiência nos leucócitos faz com que nosso corpo fique completamente vulnerável a bactérias e vírus. Desse modo, ficamos propensos a uma infinidade de infecções, por exemplo.
  3. Plaquetas: Por fim, temos as importantíssimas plaquetas. Essas, por sua vez, são indispensáveis para a coagulação saudável do nosso sangue. Sendo produzidas na medula óssea, a sua deficiência pode desencadear sérios riscos em nossa saúde. Como por exemplo, hemorragias na boca e na urina; manchas roxas e avermelhadas pelo corpo; sangramento sem fatores externos pelos ouvidos e nariz; entre outros fatores. Em suma, a sua deficiência causa um déficit na coagulação do sangue, podendo gerar consequências severas para a saúde. Inclusive é possível que o paciente evolua a óbito.

Como é feito um hemograma completo?

O exame é simples, e o seu procedimento é feito de maneira semelhante a outros tipos de exames de sangue corriqueiros.

Dessa maneira, o paciente deve dirigir-se a um hospital ou então um laboratório especializado neste tipo de procedimento. Lá haverá profissionais da saúde qualificados que trabalham diretamente com patologias clínicas, além de haver os biomédicos e farmacêuticos capacitados.

Normalmente o exame não costuma durar mais do que 10 minutos, a não ser que o paciente sinta a necessidade de, digamos, uma “preparação psicológica”. Afinal, não são todas as pessoas que se sentem aptas para lidarem com uma coleta de sangue, ainda mais com a presença de uma agulha, não é mesmo?

No entanto, quando chega o momento do procedimento propriamente dito, o mesmo é feito dentro de uma sala reservada, digamos que em um consultório pequeno, dentro do laboratório ou hospital.

O paciente senta em uma cadeira, e coloca o seu braço esquerdo em um apoio específico. Em seguida, amarra-se no braço do paciente um tipo de elástico que irá auxiliar no processo de captação de sangue, pois o seu fluxo é interrompido. Feito isso, o profissional presente no local fará a assepsia, ou seja, esterilizará a região a ser retirado o sangue, a fim de eliminar microoganismos e bactérias que possam estar na pele do paciente.

Depois, o clínico irá perfurar a pele do paciente com a agulha, atingindo uma veia específica do braço. Assim que ele captar a quantidade necessária de sangue, o mesmo irá cobrir a “picada” com uma gaze e, assim que a coagulação estiver normalizada, cobre-se com uma bandagem.

O resultado costuma ser entre 2 dias úteis, dependendo, unicamente, do desempenho de cada laboratório ou hospital.

É necessário fazer jejum antes do exame? Existe alguma outra preparação?

Para o exame de hemograma completo, diferente da maioria dos exames de sangue, não há necessidade alguma de manter jejum antes do procedimento. A bebida e a comida podem ser consumidas de maneira normal, mesmo algumas horas antes do exame.

Contudo, a única preparação interessante para este tipo de exame é que você não faça exercícios físicos pelo menos 48 horas antes. Além disso, vale enfatizar que o consumo de bebidas alcoólicas também é proibido, afinal, os índices no sangue poderão alterar os resultados.

Outro ponto importante que você deve considerar no momento do exame, é a necessidade de reconhecer o uso de medicamentos ou gravidez para o profissional que lhe atenderá. Visto que estes dois fatores poderão desencadear alguns resultados distintos do que são diagnosticados normalmente.

Mas, obviamente, cada caso é um caso, e isto serve para este exame corriqueiro também. Em outras palavras, tudo dependerá da recomendação que o seu médico lhe passar. Caso o mesmo solicite jejum antes do exame, será necessário que você o faça. O que, obviamente, poderá ser saciado com um lanche adequado logo após a coleta de sangue.

Desse modo, sempre que surgir dúvidas acerca da preparação, seguindo as suas considerações pessoais, é melhor questionar o profissional que lhe solicitou o exame, ok?

E depois do exame? É necessário algum cuidado?

Como estamos tratando de um procedimento rápido e simples, dificilmente haverá a necessidade de medidas cautelosas após a coleta. A não ser, claro, que você tenha feito o mesmo em jejum e sinta-se um pouco fraco ou com tontura.

Desse modo, será necessário se alimentar de maneira equilibrada e saudável, a fim de garantir uma recuperação rápida e consistente.

Fora isto, dificilmente você apresentará qualquer alteração física que lhe engaja em algum cuidado específico e intenso pós-exame.

Existe alguma contra-indicação para este exame?

Como já mencionamos anteriormente, o hemograma completo trata-se de um procedimento amplo, porém simples. Ou seja, ele não apresenta riscos para ninguém, não havendo contra-indicação catalogada para o mesmo.

Desse modo, qualquer pessoa, de qualquer sexo e idade, está capacitada para se submeter à coleta de sangue. Pois, ao contrário de haver uma contra-indicação, todas estão altamente indicadas para fazer o exame. Afinal, o mesmo será capaz de detectar importantes fatores acerca da saúde de todas as pessoas.

E os efeitos colaterais do hemograma completo? Quais são?

Não podemos afirmar a presença de quaisquer efeitos colaterais severos a partir do hemograma completo. Porém, é claro que não podemos generalizar e dizer que nenhuma pessoa apresentará qualquer reação.

No entanto, como o exame é rápido e simples, dificilmente um efeito físico será sentido. A não ser que o paciente tenha feito em jejum e sinta uma leve tontura ou fraqueza. Mas a mesma poderá ser sanada com um lanche balanceado.

Porém, vale enfatizarmos ainda que efeitos colaterais acerca de questões psicológicas devem ser considerados. Não que sejam graves, mas pessoas que apresentam fobias a procedimentos com agulhas podem desencadear uma crise nervosa, por exemplo. O que, dessa maneira, solicitará uma capacidade de envolvimento e acolhimento por parte do profissional da saúde que está diante deste sujeito.

Esse exame serve para detectar DSTs?

Muita gente sempre se questiona se este tipo de exame é capaz de detectar DSTs. No entanto, isso não é possível.

       

O hemograma completo não é capaz de reconhecer a presença de DSTs no organismo, assim como também não conclui a possibilidade de gravidez. Portanto, não será possível reconhecer a presença ou a ausência de determinados agentes nocivos que possam estar desencadeando os sintomas de alguma DST.

Além disso, não se é possível reconhecer o consumo de drogas a partir das avaliações completas feitas pelo hemograma. Para estes resultados, são demandados outros tipos de procedimentos específicos.

Para isso, consulte o seu médico de confiança e tire todas as dúvidas necessárias acerca dos demais exames.

Qual o valor, em média, desse exame?

Normalmente o valor cobrado para este tipo de exame não costuma ser elevado. Podendo variar entre R$7,00 a R$20,00, dependendo do laboratório que você decidir fazer.

Ou seja, é um procedimento de acesso fácil e simples, além de que, quando o mesmo é solicitado pelo médico do SUS, não há necessidade de ser pago pela coleta e resultados.

Quais são os valores de referência?

Para podermos apoiar as nossas conclusões acerca do que o exame tem a nos dizer, precisamos embasar em dados de referência. Desse modo, são eles:

Hematócrito (%)

  • Mulheres (35 – 47)
  • Homens (40 – 54)
  • Gestantes (34 – 47)
  • Crianças de 10 a 12 anos (37 – 44)
  • Crianças de 1 ano (36 – 44)
  • Crianças de 3 meses (32 – 44)
  • Recém-nascidos a termo (44 – 62)

Eritrócitos (milhões/mm³)

  • Mulheres (4,0 – 5,6)
  • Homens (4,5 – 6,5)
  • Gestantes (3,9 – 5,6)
  • Crianças de 10 a 12 anos (4,5 – 4,7)
  • Crianças de 1 ano (4,0 – 4,7)
  • Crianças de 3 meses (4,5 – 4,7)
  • Recém-nascidos a termo (4,0 – 5,6)

Hemoglobina (g/100ml)

  • Mulheres (12 – 16,5)
  • Homens (13,5 – 18)
  • Gestantes (11,5 – 16,0)
  • Crianças de 10 a 12 anos (11,5 – 14,8)
  • Crianças de 1 ano (11,0 – 13,0)
  • Crianças de 3 meses (9,5 – 12,5)
  • Recém-nascidos a termo (13,5 – 19,6)

Volume corpuscular médio – VGM ​(µ³)

  1. Mulheres (81 – 101)
  2. Homens (82 – 101)
  3. Crianças de 10 a 12 anos (77 – 95)
  4. Crianças de 1 ano (77 – 101)
  5. Crianças de 3 meses (83 – 110)

Hemoglobina corpuscular média – HbCM (pg)

  • Mulheres (27 – 34)
  • Homens (27 – 34)
  • Crianças de 10 a 12 anos (24 -30)
  • Crianças de 1 ano (23 -31)
  • Crianças de 3 meses (24- 34)

​​Concentração da hemoglobina corpuscular – CHbCM (%)

  • Mulheres (31,5 -36)
  • Homens (31,5 -36)
  • Crianças de 10 a 12 anos (30 -33)
  • Crianças de 1 ano (28 – 33)
  • Crianças de 3 meses (27- 34)

Plaquetas

  • 150.000 a 400.000 (µl)​

Série glóbulos brancos ou leucócitos

  • Leucócitos total: 4.000 – 10.000 mm³
  • Eosinófilos: 1 – 5%
  • Basófilos: 0 – 2%
  • Linfócitos: 20 – 40%
  • Monócitos: 2 – 10%
  • Neutrófilos: 45 -75%

Como interpretar um exame de hemograma completo?

Por fim, agora vamos lhe ensinar a como interpretar os resultados do seu hemograma completo. No entanto, mantenha sempre em mente que um diagnóstico deve ser feito apenas pelo seu médico, ok? As informações contidas neste artigo apenas lhe servirão de base para compreender um pouco mais sobre os resultados obtidos.

Visto essa importante consideração, vamos à interpretação do exame de maneira ampla e geral:

Eritograma

Nesta fase, iremos analisar os resultados que circundam os glóbulos vermelhos de nosso sangue. Para isso, considere os pontos que destacamos logo abaixo:

  1. Valores das hemácias: Quando houver resultados abaixo do esperado, é preciso ficar atento. Isso porque a quantidade diminuída de hemácias pode ser indícios da anemia normocítica. Já quando ocorre o contrário, ou seja, quando há mais hemácias do que o normal, podemos estar tratando de um diagnóstico de policitemia.
  2. Hemoglobina: A mesma transporta oxigênio e dá pigmentação ao nosso sangue. Valores abaixo da média podem desencadear falta de oxigênio nos órgãos e palidez.
  3. Hematócrito: O seu valor elevado pode indicar policitemia, enquanto que os baixos nos dão respaldo para a anemia. Ele nada mais é do que a porcentagem que o sangue é composto por hemácias.
  4. VCM: Este valor indica o tamanho das hemácias no sangue. Quando há microcíticas ou macrocíticas, significa que algo está errado com a nossa saúde. Podendo, dessa forma, serem sinais e indícios de uma anemia.
  5. HCM: Este é responsável por calcular o peso da hemoglobina existente dentro das hemácias. O mesmo é utilizado no diagnóstico de diferentes anemias.
  6. CHCM: Este valor indicará o índice de hemoglobina. Quando elevado, é chamado de hipercrômica, enquanto que quando o valor é baixo, chama-se de hipocrômica.
  7. RDW: Por fim, este índice irá calcular e avaliar a diferença de tamanho das hemácias. Quando há um resultado elevado, pode significar a carência de ferro no organismo.

Leucograma

A segunda etapa do processo de interpretação será se atentar ao leucograma. Para isso, basta observar as seguintes considerações que destacamos abaixo:

  1. Leucócitos: O seu valor elevado pode indicar uma infecção presente no organismo, como também detecta a leucemia. Já os valores baixos, indicam depressão da nossa medula óssea.

Plaquetas

Por fim, temos a análise das plaquetas que, como mencionamos anteriormente, as mesmas são responsáveis pela coagulação saudável do nosso sangue.

Desse modo, atente-se aos seguintes fatores na hora de interpretar o seu hemograma completo:

  1. Valores baixos de plaquetas: Quando há um baixo nível de plaquetas no sangue, o paciente precisa de cuidados urgentes, visto que o mesmo estará suscetível a sangramentos severos e espontâneos.
  2. Valores altos de plaquetas: Não há constatação catalogada para os efeitos dos valores altos de plaquetas.

Contudo, como mencionamos, caso você perceba qualquer alteração significativa nos resultados do seu exame, procure auxílio médico imediatamente.

Cometer o erro de se auto diagnosticar pode ser ruim, visto que isso pode causar apenas uma preocupação excessiva sem um real motivo.

Dessa maneira, buscar a opinião de um profissional capacitado é muito mais válido do que partir de concepções e conclusões precipitadas.

Hemograma completo: sua saúde vista de maneira geral

Por fim, vale salientarmos a importância de buscar exames que abranjam diferentes pontos de nossa saúde. Como no caso do hemograma completo, será possível captar e reconhecer diferentes fatores que possam estar causando disfunções em nosso organismo.

Além disso, manter uma rotina de cuidados que abranja visitas regulares ao médico, garantirá tratamentos pertinentes e precoces para problemas sérios que possam estar acontecendo em nosso corpo. Afinal, muitas doenças podem ser silenciosas e, quando “dão as caras”, os resultados podem ser mais difíceis de serem revertidos. O que muda, obviamente, a partir de um diagnóstico preciso e precoce.

Dessa maneira, caso sinta necessidade de fazer um novo check-up em sua saúde, converse com o seu médico de confiança. Com certeza ele lhe tirará todas as suas dúvidas e solicitará exames pertinentes para você. Pois, dependendo do seu caso, outros tipos de exames talvez sejam mais plausíveis para um check-up mais consistente.

Afinal, cuidar da nossa saúde nunca é demais! Apenas assim iremos garantir a qualidade de vida em dia e uma longa jornada nesta modalidade que chamamos de “viver”.

Recomendados Para Você:

       

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.