Gordura no Fígado: Dieta, Causa, é Perigoso? Tratamento

0 578

A gordura no fígado em excesso é denominada de esteatose hepática. Isso ocorre a partir do momento em que as células do fígado acumulam gordura. No nosso organismo, é natural que o órgão, geralmente, possua uma pequena quantidade de gordura que costuma ser de 5 a 10% do peso de cada indivíduo. Em casos que o quantitativo desta substância ultrapassa esta porcentagem, significa que o fígado está bastante gorduroso.

O excesso de gordura no fígado ocorre, principalmente, em virtude ao peso elevado, má alimentação e o consumo abusivo de bebidas alcoólicas. Ainda que pessoas com diabetes, alcoólatras e obesas sejam mais propensas a desenvolver a doença, esta pode acometer qualquer indivíduo.

Gordura no fígado: tipos

Geralmente, o fígado que contêm excesso de gordura não demonstra sinais, principalmente, no começo. Com isso, o diagnóstico da patologia pode levar um tempo maior e conforme o nível da doença aumente, os sintomas são notados levando a consequências mais sérias.

São dois tipos de Esteatose Hepática, classificados de modo com o motivo que causou o excesso de gordura.

Esteatose hepática alcoólica

Na causa alcoólica da patologia – a com maior gravidade – o excesso de gordura no fígado acontece devido ao consumo exagerado de bebidas alcoólicas, podendo danificar gravemente o órgão.

Esteatose hepática não-alcoólica

Na causa não alcoólica, a patologia acontece devido a diversos motivos, tais como a obesidade, o diabetes, o colesterol, triglicerídeos altos, sobrepeso, variação rápida de peso, hepatites virais, uso de remédios como corticoides e estrógenos, inflamação hepática, entre outros.

Quando a causa da doença é não alcoólica, o tratamento é mais rápido e pode ser feito através da melhora na alimentação apenas, dependendo do caso.

A Esteatose Hepática tem três diferentes graus, que variam de acordo com a quantidade de gordura no fígado.

Esteatose hepática Grau 1 – Leve

No grau 1 – considerado leve – a patologia não costuma demonstrar sinais ou outros sintomas no organismo. A quantidade de gordura no fígado está um pouco acima da ideal e, para diminuir novamente para níveis saudáveis, pode-se fazer o tratamento através de uma melhora na alimentação e a prática de exercícios físicos, diariamente.

Esteatose hepática Grau 2 – Moderado

No grau 2 – considerado moderado – sinais específicos do excesso de gordura no fígado podem aparecer, como dores na região do abdômen, fezes brancas ou inchaço na região da barriga. Em casos que este excesso acontece devido ao consumo abusivo de bebidas alcoólicas, o tratamento é mais complicado e são necessários medicamentos devidamente indicados pelo médico. Já em casos não alcoólicos, o tratamento é simples, podendo haver cura.

Esteatose hepática Grau 3 – Acúmulo grande

No grau 3 – considerado um acúmulo grande – a Esteatose Hepática passa para Esteato Hepatite, que é uma inflamação no fígado motivada pelo acúmulo excessivo de gordura. Causa lesões nas células do órgão, que se repetidas, pode provocar fibroses e diminuir a eficiência do fígado.

Ao passar do tempo e com fibroses, a patologia pode progredir para uma cirrose e o órgão, totalmente, ineficaz. Isso pode resultar em diversos transtornos abrangendo a falta de filtragem sanguínea através do fígado. Neste grau, a patologia é muito perigosa.

O que causa gordura no fígado?

São diversas as causas que geram o excesso de gordura no fígado, e todas baseadas em relação aos hábitos de cada pessoa. O consumo abusivo de bebidas alcoólicas, o sobrepeso, o sedentarismo podem ser o motivo, mas existem outras maneiras que podem resultar a essa doença.

Má nutrição

Uma má nutrição pode resultar em graves problemas para o organismo todo, como no fígado. Até quando a pessoa não está acima do peso, se ela ingerir muita gordura, o órgão pode fazer o acúmulo. Por isso, se você costuma se alimentar diariamente de lanches, frituras, doces em excesso, é bem possível que o seu organismo esteja propenso a doenças como a gordura de fígado.

Sobrepeso

O sobrepeso pode resultar em uma concentração de gordura em vários órgãos, incluindo o fígado, principalmente, quando a gordura abdominal é grande.

Perda brusca de peso

Quando a perda de peso é muito rápida, pode-se resultar em uma concentração de gordura no fígado. É necessária a melhora na alimentação para que haja uma boa saúde.

A perda brusca de peso é uma das causas da concentração de gordura no fígado, principalmente, em ocasiões que o paciente mantém seu peso correto (IMC entre 18 e 25) anteriormente a perda brusca.

Sedentarismo

São chamadas triglicérides as gorduras concentradas no interior das células do fígado. Esta forma de gordura é utilizada pelo organismo para a formação de energia, usada em atividades físicas.

O sedentarismo faz com que as triglicérides permaneçam no organismo, possivelmente, acumulando-se aos órgãos. Praticar atividades físicas mata a gordura antes dela entrar nas células.

Uso de medicamentos

Certos medicamentos podem acarretar ao excesso de gordura no fígado, como a tetraciclina, os estrógenos, os antibióticos, os que são hormônios, os antiretrovirais de maior eficácia e os utilizados para o tratamento de HIV.

Há evidências de que a síndrome metabólica (pressão alta, resistência à insulina, níveis elevados de colesterol e triglicérides) e a obesidade abdominal estão diretamente associadas ao excesso de células gordurosas no fígado.

Numa quantidade menor de situações, pacientes magros, abstêmios, sem modificações de colesterol e da glicemia, podem apresentar quadros da condição de gordura no fígado.

Determinados indivíduos têm maior propensão ao desenvolvido de acúmulos gordurosos no fígado do que outros. Estes são aqueles que apresentam:

Obesidade

Aqueles que apresentam o sobrepeso disponibilizam maiores quantidades de gorduras em seus organismos, e isso tem aplicação aos órgãos. O fígado daqueles que tem obesidade disponibilizam o acúmulo de gordura e, conforme a alimentação do indivíduo, pode apresentar um grande acúmulo.

Os obesos abdominais – que apresentam grandes quantidades de gordura na região abdominal – estão de fato entre as principais razões do aumento de risco em ter um fígado cheio de gordura.

Alcoolismo

Consumir o álcool de maneira excessiva causa a sobrecarga do fígado e seus elementos celulares possibilitam o início do acúmulo de gordura, além de terem danificações de outras maneiras.

Alcoólatras fazem parte de grupos de risco para o desenvolvimento da esteatose hepática alcoólica, que se trata da categoria de maior gravidade da patologia.

Sedentarismo

Atividades auxiliam a eliminação da gordura corporal, utilizando-a como fonte energética. Isso faz com que se impeça a gordura acumulada nos órgãos. Ainda que não esteja acima do peso, caso seja uma pessoa que não pratica exercícios físicos, a gordura acumulada pode acometer o fígado.

Síndrome do metabolismo

Hipertensão, resistência à insulina e aumento do colesterol e triglicérides estão associados a gordura em acúmulo na região do fígado.

Sexo feminino

Pessoas do sexo feminina podem ter maior chances do desenvolvimento de gorduras no fígado em virtude de estrogênio, que favorece a gordura acumulada.

Ovários policísticos

Há pesquisas que associam a síndrome dos ovários com cistos que divulgam chances maiores de desenvolvimento da esteatose hepática.

Gravidez

A gravidez faz com que o organismo produza vários hormônios do corpo feminino. O estrógeno, já em produção normal, atinge taxas muito altas em período gestacional. Isso facilita o acúmulo da gordura no órgão do fígado da mulher que está em período de gravidez.

Orientais e Hispânicos

Indivíduos de etnias hispânicas e orientais disponibilizam chances maiores de desenvolvimento de fígado gorduroso, em oposição de aqueles que são da África, por exemplo, que disponibilizam chances muito pequenas de terem a esteatose hepática.

Gordura no fígado é perigoso?

A patologia pode ter evolução para uma cirrose hepática. Esta doença tem características destacadas por um tecido de cicatriz que faz a cobertura do fígado de maneira íntegra, provocando a grave debilidade e até a íntegra perda de funcionalidade do mesmo.

Isso se trata de uma patologia terminal e incurável, sendo que a única forma de o portador da doença viver é tendo um transplante do órgão.

Sintomas de gordura no fígado

A esteatose hepática não provoca sinais notáveis. Trata-se somente de um acúmulo de gordura do fígado e raramente é perceptível pelo portador.

Em média 30% da sociedade disponibiliza a patologia, porém ela permanece sem percepção e o indivíduo acaba não sabendo que a disponibiliza, fazendo a descoberta por acaso em testes alheios. Entretanto, a esteatose hepática trata-se de uma etapa prévia da esteato-hepatite.

Ao passo que tenha quantidade grande e prolongamento, a gordura acumulado possibilita gerar inflamações no órgão em questão. É nesse momento que os primeiros sinais surgem.

A inflamação possibilita provocar ferimentos no tecido do órgão, promovendo fibroses, caracterizadas pela patologia em evolução para a esteato-hepatite. É uma situação sérissima e que necessita de tratamento.

Esteatose hepática

No começo, a ponto de que a inflamação está leve, os sinais são mais leves também, porém têm evolução com o passar do tempo. Os sintomas são:

Desconforto e dor no abdômen
É possível que a inflamação cause desconfortos e dores sentidas pelo portador da doença.

Perda de apetite
Pode acontecer a redução do apetite e a perda do peso decorrente deste sintoma.

Fraqueza e cansaço
A inflamação do fígado pode ser motivada pelo cansaço e fraqueza.

Fígado maior
A inflamação promove um aumento do fígado. Há a possibilidade de notar esse aumento através de exames de imagem, bem como a ultrassonografia.

Esteato-hepatite avançada

Caso não tenha o devido tratamento, a esteato-hepatite tem avanços e possibilita provocar sinais de maior seriedade.

Fibrose

A fibrose acontece ao passo que o tecido de cicatrização no fígado exista. O órgão deve ter aspecto maleável e liso. Caso o tecido de cicatriz surja no fígado, ele perderá parte de sua funcionalidade e maleabilidade.

Fibroses possibilitam o surgimento em grande quantitativo com o passar dos anos. Ao passo que o fígado está integralmente coberto pelas fibroses, o órgão perde a funcionalidade e o fator tem evolução para a cirrose de hepatite.

Insuficiência hepática

Em virtude do tecido de cicatriz e da inflamação, é possível que o órgão pare de funcionar de modo adequado, desencadeando a insuficiência hepática.

Ascite

É denominado de ascite o acúmulo de líquidos que estão dentro da cavidade do abdômen, possibilitando ser provocado pelo fígado inflamado.

Posteriormente à ação evolutiva para a patologia de cirrose, o risco de adquirir a ascite é muito mais potente. 85% das situações em que há o líquido acumulado no abdômen são provocados pela cirrose hepática.

Encefalopatia

A encefalopatia trata-se de quaisquer patologias que prejudicam a região cerebral. O fígado é órgão responsável pela higienização do sangue. Caso ele não funcione de acordo, pode ocorrer o acúmulo de toxinas na corrente sanguínea.

O sangue, portanto, faz o transporte de toxinas até a região cerebral, possibilitando provocar convulsões, demências, coma, confusão mental e até mesmo levar a óbito.

Hemorragias

A inflamação do órgão também possibilita provocar sangramentos de forma interna, que são muito complexos de notar. É possível que se tornem hemorragias.

Aranhas vasculares

É possível que vasos pequenos e dilatados na derme em forma de aranha apareçam, e daí a nomenclatura popularizada dessa situação, denominada de telangiectasia. Possibilita-se o desenvolvimento em quaisquer regiões do corpo, porém são comumente ocorrentes na região da face, na região do branco dos olhos e também nas pernas.

Icterícia

Dentre os elementos que o órgão processa, a bilirrubina está presente. Ela se trata de uma pigmentação que o organismo faz produção de maneira própria. Em virtude da inflamação, o órgão não consegue fazer o processamento da bilirrubina e há o acúmulo na corrente sanguínea. O acúmulo possibilita que o branco dos olhos e a pele fiquem em tom amarelado.

Tratamento caseiro para gordura no fígado

Há determinados sucos e infusões que agem de forma adequada como os medicamentos caseiros para o alívio dos sinais de fígado grande, de forma especial ao passo que utilizados para complementar o tratamento médico.

Contudo, também é relevante promover alimentações adequadas e realizar a prática de atividades físicas regulares, visto que são duas atitudes mais relevantes para tratar o fígado gorduroso. A alimentação para o órgão gordo faz a inclusão de consumo de produtos que tenham pouco ou nenhum teor de gordura e, ainda, sem a adição de açúcar, evitando alimentações como doces, frituras, ou fast-foods.

Determinadas infusões são utilizadas para o alívio do estresse, calmaria do sono e ainda para que se tenha um gosto agradável para aqueles que gostam da bebida. Porém há ervas específicas que têm a capacidade de combater e curar diversas patologias, dentre elas a gordura do fígado.

Porém, ainda que traga eficácia para tratar o fígado gorduroso, não há receitas de chás que possam fazer a substituição do que é prescrito por um especialista de medicina. É importante procurar o acompanhamento e a orientação de especialistas do ramo para que se evite a condição agravante.

       

Infusões para a gordura no fígado

Chá de cardo-mariano

Há determinadas alternativas de medicamentos caseiros para a condição de gordura no fígado. É importante lembrar que essas formas de tratar a patologia são, de fato, comprovadas pela ciência e há ainda a necessidade dos tratamentos médicos.

Um excelente medicamento caseiro para a gordura no fígado é a infusão de cardo-mariano, visto que esta erva é constituída por substâncias adstringentes, estimulantes de apetite e facilitadores de digestão, que promovem o alívio dos sinais da gordura no fígado como enjoo, perda de apetite e vômitos.

Você precisará de:

2 xícaras de água
2 colheres de sementes de cardo-mariano

Como preparar?

Colocar a água em temperatura para ferver e posteriormente a ação, adicionar as sementes da cardo-mariano. Deixar que repouse por 15min, coar e beber 30min anteriormente às alimentações.

Este medicamento caseiro para a gordura no fígado é utilizado somente para um complemento da maneira como tratar a gordura do órgão, que deve ser realizada com alimentação, prática física, o não fumo e não consumo de álcool.

Suco de hortelã e melão

A hortelã trata-se de uma planta da medicina que é muito útil para diversos problemas, porém traz excelência no trato de condições digestivas. O suco disponibiliza elementos amargos que auxiliam a revitalização da saúde da vesícula e do fígado, promovendo o alívio dos sinais como a sensação de inchaço na barriga e enjoos.

Ainda, ao passo que haja a adição do melão, o resultado é um suco de muita refrescância e sabor, que é possível fazer a substituição a ingestão da infusão, exemplificando.

Você vai precisar:

1 porção de hortelã.
¼ de melão;

Como preparar?

Juntar os elementos no liquidificador e bater até que se obtenha uma mistura de forma homogênea e com pedaços pequenos da hortelã. Caso haja necessidade, fazer a adição de um pouco da água para que torne o suco um tanto mais líquido. Para ação final, beber o suco finalizado.

Infusão de Alforva

A alforva, também denominada como a erva de feno grego, é composta por um aminoácido, famoso como 4-hidroxisoleucina, que dá a permissão de reduzir o teor da glicose, dos triglicerídeos e do colesterol na corrente sanguínea. De mesma forma, há a possibilidade de potencialização do efeito do tratamento que o especialista prescreveu, proporcionando o alívio mais rápido dos sinais.

Você vai precisar de:

25g de sementes da alforva;

Como preparar?

Pulverizar as sementes no liquidificador ou compra-las já com o efeito de pulverização. Posteriormente, adicionar as sementes aos sucos, saladas ou sopas durante o dia.

Esta erva não pode ter utilidade por grávidas ou público feminino que está em período de amamentação.

Infusão de ispagula

A casca da erva ispagula é composta por substâncias que podem reduzir os graus do colesterol na corrente sanguínea e no controle do quantitativo de gordura no organismo. Desse modo, evita-se a elevação da gordura no órgão, de forma especial quando ligada a alimentos equilibrados e aos exercícios físicos.

Você vai precisar de:

10g de casca de ispagula;
1 xícara de água em temperatura fervente;

Como preparar?

Juntar os elementos e deixar que repouse por, em média, 10min. Posteriormente, coar e beber a mistura até 2x ao dia. Esta infusão não deve ser tomada por aqueles que sofrem com prisões de ventre ou disponibiliza alguma condição inflamatória intestinal, como a patologia de Crohn ou a diverticulite.

Produzir alimentações detox de, em média, dois a três dias, também possibilita o auxílio da recuperação do fígado de forma rápida.

Solução de Cebola

Você vai precisar de:

4 cebolas;
1l de água.

Como preparar?

Levar as cebolas até o fogo e deixar que cozinhe. Posteriormente ao ato de ferver, reservas o líquido e fazer a ingestão de doses pequenas ao longo do dia pelo prazo de 30 dias.

Vagens de Pau-Ferro

Você vai precisar de:

3 vagens;
1l de água.

Como preparar?

Amassar as vagens e deixa-las de molho na água por 3 dias. Posteriormente ao prazo estipulado, consumir a mistura 2x ao dia.

Infusão de Chapéu de Couro

Você vai precisar de:

20g de chapéu de couro;
1l de água.

Como preparar?

Posteriormente ao ato de ferver a planta, desligar o fogo e abafar a jarra por minutos. Consumir o líquido por, no mínimo, 3x por dia.

Infusão de Alface

Você vai precisar de:

80g de alface;
1l de água.

Como preparar?

Levar os dois elementos ao fogo até atingir a fervura. Desligar o fogo e deixar o líquido abafado por minutos. Beber, por conseguinte.

Determinadas ervas medicinais possuem o efeito de auxiliar a digestão e redução de gorduras no órgão. São elas:

  • Jaborandi;
  • Picão preto;
  • Alcachofra;
  • Boldo;

Há a possibilidade de ingerir infusões de todas essas ervas. Para produzir a infusão, misturar a planta com 200ml de água em temperatura quente.

Como conviver com a patologia hepática

A convivência com patologias hepáticas pode não ser muito simples, porém ao habituar-se a se alimentar de forma saudável, auxilia que se evite tanto as patologias quanto os sinais.

A alimentação deve ter uma diminuição da gordura e eleva-se o quantitativo de fibras. O intuito é proporcionar o trabalho menor do fígado e a redução do quantitativo de gorduras no organismo do portador da doença.

Gordura no fígado grau 2

É possível que surjam sinais de características do acúmulo do fígado gorduroso, como as dores do abdômen e inchaços na barriga, além de fezes brancas. Em situações de gordura acumulada não ter teor alcoólico, esta cura ainda há a possibilidade de acontecer sem o auxílio de remédios. Em situação de casos de alcoolismo, o cenário é bem mais conflituoso.

Alimentos para gordura no fígado

Acompanhar de forma regular a alimentação para um fígado gorduroso é uma das alternativas mais saudáveis para o tratamento e eliminação dos sinais da gordura do órgão, como dores abdominais na lateral direita, perda de apetite, enjoo e barriga com inchaços.

A alimentação para o fígado gordo não tem o intuito de fazer a cura da patologia, porém evita que ocorra piora. Dessa forma, na alimentação para a gorda do órgão em questão, recomenda-se que:

  • Evite consumir alimentação que seja rica em gorduras, bem como queijos amarelados, pizzas, condimentos e sanduíches;
  • Elimine a ingestão de quaisquer bebidas alcoólicas;
  • Prefira consumir uma alimentação saudável, como as  verduras, as frutas, os legumes e as carnes brancas e grelhadas;
  • Adicione apenas 1 colher do azeite nas saladas, posteriormente ao preparo;
  • Beba muita água entre as suas alimentações – ela é essencial para o manejo da saúde;
  • Coma produtos que são repletos de fibras, todos os dias;
  • Elimine os alimentos que compõem requeijão, queijo amarelo, biscoito amanteigado, chocolate, frituras, embutidos e enchidos, bacon, salsichas, linguiças, mortadela, manteiga, maionese e margarina.

As melhores alimentações para o órgão são as frutas e legumes, leite desnatado, arroz, mel, macarrão, ovos, carnes magras, queijo branco e gelatina.

É muito relevante que se faça a ingestão a cada 3h, ainda que não ocorra a fome. Não sentir o apetite posteriormente a 3h é reflexo de que se ingeriu muito na alimentação anterior, e isto necessita de ajustes.

Quando você consegue acompanhar a dieta de forma correta e disciplinada, há a possibilidade de fazer a eliminação de grande parte da gordura que está localizada na região do abdômen e na parte interna do fígado em, uma média, de sessenta dias.

Porém, para que se adquira resultados ainda melhores, a recomendação é que se pratique algum exercício físico de forma regular.

Cardápio de alimentação para o fígado gorduroso

Um exemplo disso para a gordura localizada no fígado, possibilita ser da seguinte forma:

  • Café da manhã – alimente-se com 2 torradas acompanhadas de queijo branco e suco da fruta de melancia.
  • Almoço – alimente-se de saladas que podem ser a cenoura, o repolho roxo e o milho, que terá o tempero a partir de gotas do limão e colher pequena de flor de sal, acompanhada de um filé de frango em grelha, além do arroz.
    Para a sobremesa, prefira uma pera.
  • Lanche – alimente-se com banana acompanhada de gelatina.
  • Jantar – alimente-se com batatas acompanhadas de pescada cozida e brócolis que serão temperados a partir de oréganos e gotas de limão.
    Para a sobremesa, prefira uma fatia de melão.

O líquido a ser ingerido durante o dia pode ser 1l e meio de água ou, ainda, a infusão de cardo mariano sem a adição de açúcar.

Prevenção

Para prevenir a gordura no fígado é possível que seja realizado um cuidado através dos alimentos saudáveis, consumir de maneira moderada bebidas alcoólicas e o procedimento de atividades físicas. Ainda, é possível que:

Cuidado com a circunferência do abdômen

Mantenha a circunferência do abdômen menor que 88cm, para o público feminino e 102cm para o público masculino, garantindo que o quantitativo de gordura do abdômen tenha caráter saudável.

Manutenção do peso adequado

A manutenção do IMC em faixa fundamental é a melhor atitude para que mantenha a saúde do corpo. O IMC é um cálculo realizado por meio da seguinte equação:

A massa trata-se do peso do indivíduo em kg. A altura trata-se da medida em m – metros.

É preciso que o IMC esteja entre 18,5 e 25 para que haja a consideração de peso ideal. Quando estiver acima do 25 trata-se de um sobrepeso, se estiver muito abaixo desse número, há a possibilidade de que o indivíduo esteja abaixo do peso ideal.

IMC é a abreviação de Índice de Massa Corporal que é utilizada para a avaliação do peso individual relacionado à altura, fazendo a indicação se a pessoa está ou não dentro do peso recomendado.

É extremamente relevante manter o peso adequado, visto que o sobrepeso ou a deficiência de peso causa forte influência em relação à saúde, desencadeando o aumento de riscos de patologias que envolvam a falta de nutrição, ao passo que, quando o peso está abaixo do normal. Os riscos de infartos e AVC são maiores quando ocorre o sobrepeso.

Dessa forma, é muito natural que os especialistas façam a avaliação do peso do indivíduo em consultas rotineiras para a verificação de possíveis patologias que a pessoa pode ter predisposição.

Este cálculo pode ser realizado utilizando a equação de matemática a seguir:

IMC = peso ÷ altura x altura

Essa equação é fundamental para o cálculo de peso de pessoas adultas saudáveis. Ainda, também é possível ter utilidade o calcula em relação à cintura-quadril para a avaliação dos riscos de patologias do coração, bem como infartos e diabetes.

Ainda que o IMC seja muito útil para a verificação do peso, a metodologia pode apresentar falhas e, portanto, indica-se que, além desse método, use meios que possam diagnosticar a análise do paciente com medição de pregas da gordura, exemplificando.

Consumir muita água

Mantenha o organismo bem hidratado para que isso auxilie a fazer a manutenção saudável do mesmo. A indicação é beber entre 2l de água por dia, para que o corpo consiga trabalhar de forma adequada. Lembre-se que mais da metade do nosso organismo é composto por água.

Durma bem

O fato de dormir é importantíssimo para a saúde. Em situação de a gordura do fígado acometer o organismo, a ausência de sono prejudica o caráter de eficácia do elemento insulínico, desencadeando a esteatose hepática.

A esteatose hepática trata-se de uma patologia assintomática que muitos possuem e não conhecem.

Há a possibilidade de que não existam consequências em relação a isso. Entretanto, é possível que ela evolua me patologias sérissimas, como no caso de cirrose hepática.

É possível fazer a prevenção da patologia por meio de alimentos saudáveis e atividades físicas. Lembre-se que todas as atitudes saudáveis colaboram para uma saúde impecável, não apenas para evitar a gordura no fígado, mas uma série de doenças recorrentes de hábitos ruins.

Anteriormente ao produzir quaisquer alimentações e dietas, é essencial que se consulte médicos especialistas ou profissionais da nutrição para que se faça a verificação de que a dieta em questão prejudicará a saúde do portador da doença.

Recomendados Para Você:

       

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.