Gama GT – Baixo, Alto, Como tratar!

0 2.655

Existem algumas ferramentas essenciais para o diagnóstico das doenças do fígado. Como por exemplo, o estudo de dosagens de algumas enzimas existentes em nosso corpo. É o caso da enzima biliar Gama GT, que é medida através de um teste específico ou hepatograma. Um exame que, através de um conjunto de análises de enzimas, visa identificar qualquer alteração nas funções do fígado e das vias biliares.

As enzimas são moléculas necessárias para as reações químicas no nosso corpo, pois ajudam a acelerar essas reações. Todas essas reações químicas são muito importantes para o funcionamento do nosso organismo.

Neste artigo vamos nos concentrar mais especificamente na enzima Gama GT. Mas antes, vamos explicar o que é um hepatograma e o que significa cada elemento deste exame. Como por exemplo, as enzimas AST e ALT, também conhecidas por TGO e TGP, fosfatase alcalina (FA), LDH e bilirrubinas.

Hepatograma: o que significa?

Gama GT: ampolas de sangue para hepatograma
Gama GT: hepatograma é um exame de análise de substâncias do sangue.

O hepatograma é um exame feito através da coleta de sangue. Especificamente, é um conjunto de análises de dosagens de elementos (enzimas) contidos no sangue que visam fornecer indicações sobre o funcionamento do fígado e das vias biliares.

Por isso, o hepatograma é também chamado de provas de função hepática, pois através desse exame podemos identificar qualquer alteração nas funções do fígado e das vias biliares, assim como as condições e doenças do fígado. O hepatograma irá analisar as doses das seguintes substâncias presentes no sangue:

    • GGT ou Gama GT (Gama glutamil transpeptidase);
    • AST (aspartato aminotransferase) ou TGO (transaminase glutâmica oxalacética);
    • ALT (alanina aminotransferase) ou TGP (transaminase glutâmica pirúvica);
    • Fosfatase alcalina;
    • Bilirrubinas (direta, indireta e total);
    • TAP (tempo de protrombina ativada) ou TP (tempo de protrombina) e INR;
    • Albumina;
    • 5′ nucleotidase (5’NTD);
    • LDH (lactato desidrogenase)

.

Normalmente, quando um hepatograma é feito são analisados apenas os quatro primeiros elementos a fim de rastrear alguma doença oculta do fígado e/ou das vias biliares. Caso o paciente já possua problemas hepáticos, todos as substâncias serão analisadas para melhor avaliar as condições do fígado.

Enzimas Transaminases (ALT e AST) ou (TGP e TGO)

Gama GT: amóstras de sangue para analisar enzimas transaminases TGO e TGP.
Gama GT: amóstras de sangue para analisar enzimas transaminases TGO e TGP.

As transaminases ou aminotransferases são enzimas presentes em várias células do nosso organismo e em grande quantidade nas células do fígado. Essas enzimas são responsáveis pela metabolização de algumas proteínas, sendo as duas principais aminotransferase ou TGO (transaminase glutâmica oxalacética) e aminotransferase ou TGP (transaminase glutâmica pirúvica).

Obs: TGO e AST, assim como TGP e ALT, são siglas diferentes da mesma enzima. No entanto, as siglas TGO e TGP são as mais usadas.

O fígado é uma espécie de estação de tratamento, pois é um órgão responsável pela metabolização de todas as substâncias presentes no sangue, filtrando e eliminando toxinas. Assim, sempre que uma célula com TGO ou TGP sofre uma lesão, essas enzimas “vazam” para o sangue, aumentando a sua concentração sanguínea. Por isso que doenças do fígado possuem níveis sanguíneos elevados de TGO e TGP.

A TGO está presente também nas células dos músculos e do coração, enquanto que a TGP é encontrada quase que somente nas células do fígado, portanto, muito mais específica para doenças hepáticas.

Há um tempo atrás, quando ainda não haviam os atuais marcadores de infarto do miocárdio, testes de dosagem de TGO eram usados como marcador de lesão do coração em pacientes com suspeita de isquemia cardíaca. Nestes casos, apenas a TGO se apresentava elevada e a TGP permanecia com níveis normais, já só existia no fígado. No entanto, como as duas enzimas estão presentes em quantidades semelhantes nas células do fígado, as doenças deste órgão devem apresentar elevação tanto de TGO quanto de TGP.

TGO e TGP: Valores de Referência

Os valores normais de TGO e TGP podem variar de acordo com o laboratório, no entanto, o limite superior deve ser sempre ao redor de 40 e 50 U/L. Ou seja, TGO e TGP acima de 150 U/L sugerem doenças do fígado. No entanto, apenas pelas transaminases elevadas não é possível saber a causa da lesão do fígado, sendo necessária uma maior investigação.

Essas lesões restritas às vias biliares podem apresentar pequenos aumentos das transaminases, mas normalmente estarão também associados a grandes elevações da Gama GT e fosfatase alcalina (FA). Normalmente, TGO e TGP maiores que 1000 U/L são causadas por hepatites virais, hepatites por medicamentos (paracetamol) ou hepatite isquêmica.

Sendo que os valores até 3 vezes maiores que o limite podem significar lesão de outros órgãos que não o fígado. Por exemplo, as lesões musculares e o hipotireoidismo são causas de pequenas elevações, principalmente da TGO.

Além do valor absoluto das transaminases, é sempre bom também comparar a relação entre os valores de TGO e TGP. Normalmente, a relação entre a TGP costuma ser ligeiramente maior que a TGO. Por exemplo, com relação a hepatite por abuso de álcool, a TGO costuma se elevar 2 vezes mais que a TGP.

Já nos casos de cirrose, os valores costumam ficar semelhantes. Obviamente, esses dados sozinhos não estabelecem nenhum diagnóstico preciso. Apenas um médico especialista poderá interpretar esses valores com precisão e determinar as causas de oscilações de dosagens de cada substância.

Vale ressaltar que é perfeitamente possível ter uma doença hepática crônica e possuir transaminases normais, muito comum em pessoas com hepatite C crônica, por exemplo. Portanto, a ausência de alterações na TGO e TGP não descarta doenças do fígado. Por esta razão, analisar um hepatograma completo é necessário, assim como outros exames complementares e específicos.

Enzima LDH

A LDH é uma enzima presente em vários tecidos do corpo. Em caso de uma lesão hepática, seus valores também podem se elevar. No entanto, a enzima LDH é muito menos específica para o fígado do que a TGO e TGP. Mas deve ser levada em conta.

Bilirrubinas

As bilirrubinas são restos de hemácias velhas e defeituosas destruídas pelo baço. Ou seja, esta bilirrubina produzida no baço é transportada pelo sangue até o fígado, que como uma boa “estação de tratamento” processa a substância e a elimina na bile. A bile vai para o intestino, onde participa da digestão, e posteriormente é eliminada nas fezes.

A bilirrubina ainda no baço é chamada de bilirrubina indireta, enquanto que a bilirrubina transformada no fígado é chamada de bilirrubina direta. Durante o hepatograma é possível analisar a dosagem dos dois tipos de bilirrubina. A bilirrubina total é a soma da direta com a indireta. Assim, de acordo com a dosagem que se apresentar elevada, podemos determinar sua possível causa.

Casos de acúmulo de bilirrubina indireta

Em casos de doenças que destroem hemácias (hemólise), a bilirrubina indireta tem um aumento considerável no sangue. Do mesmo modo, se há uma lesão no fígado que faz com que o órgão não desempenhe suas funções, o fígado não consegue transformar a bilirrubina indireta em direta, causando o seu acúmulo.

Por exemplo, pessoas com alterações genéticas (síndrome de Gilbert) não conseguem transformar a bilirrubina indireta em direta, e por esta razão, a descoberta é muitas vezes feita através do hepatograma.

Casos de acúmulo de bilirrubina direta

Há também casos em que a bilirrubina indireta é transformada em direta, mas o fígado não consegue eliminá-la, fazendo com que ela se acumule no sangue. Isto é comum acontecer em casos de obstrução do colédoco, seja por pedra ou por neoplasias. Já em casos de hepatite aguda pode ocorrer edema das vias biliares intra-hepáticas e dificuldade das células do fígado em excretar a bilirrubina direta. Normalmente, quando isso acontece, o seu valor sanguíneo apresenta um número maior que 2 mg/dL, e o paciente apresenta um aspecto de pele amarelada, conhecida por com icterícia. A icterícia é a manifestação clínica dessa deposição de bilirrubina direta no sangue, na pele.

Quando a icterícia ocorre pelo aumento da bilirrubina direta, isso significa que o fígado não está conseguindo eliminá-la na bile, e por fim nos intestinos. Por esta razão, um dos sintomas, além da pele amarelada, são as fezes fiquem claras, quase brancas, pela falta de excreção do seu pigmento escuro.

Fosfatase Alcalina (FA)

Tanto a fosfatase alcalina quanto a Gama GT são enzimas que se elevam quando há lesão das vias biliares. O fígado produz a bile, que é drenada pelas vias biliares, onde a FA está presente em suas células, e analogamente ao TGO e TGP. Portanto, a lesão dessas células causa a elevação de suas enzimas no sangue.

Embora a FA não seja tão específica para as vias biliares quanto a TGO e, principalmente, a TGP são para o fígado, ela também deve ser analisada com cuidado. Pois, como ela pode ser encontrada em grande quantidade em vários outros órgãos, principalmente nos ossos, placenta e intestinos, o seu aumento no sangue pode determinar a presença de outras doenças.

Enzima Gama GT ou GGT: o que é

Gama GT: hemácias de sangue na corrente sanguínea.
Gama GT: enzima responsável pelo transporte de moléculas no sangue associada à doenças hepáticas.

Gama GT ou Gama Glutamil Transferase ou Transpeptidase (GGT) é uma enzima hepática fabricada naturalmente pelo organismo no fígado. Por exemplo, a Gama GT é responsável pelo transporte de moléculas de aminoácidos pelo corpo. Ela tem um papel fundamental no processamento dos alimentos e em ajudar o fígado a metabolizar drogas e outras toxinas em outras regiões do corpo.

Ela pode ser encontrada tanto no fígado, onde está mais concentrada, quanto em outros órgãos como rins, vesícula, intestino, coração, baço e pâncreas. A Gama GT é uma enzima que se eleva quando há lesão nas vias biliares.

Exame Gama GT

Exame Gama GT: exames gama Gt são feitos e analisados em laboratórios.
Exame Gama GT: exames gama Gt são feitos e analisados em laboratórios.

Gama GT é também o nome de um exame de laboratório que faz parte das chamadas provas de funções hepáticas (albumina, ALT, AST, Fosfatase Alcalina, Bilirrubinas Totais e frações – bilirrubina direta e indireta, além da Gama GT ou GGT).

Normalmente, o exame é feito em um laboratório de análises clínicas que irá medir os níveis sanguíneos dessa enzima presente no fígado. Esse teste é feito junto a outros testes para medir o nível ou dosagem dessas enzimas para determinar possíveis lesões no fígado.

Caso a análise identifique uma dosagem no valor de gama GT elevado isoladamente, esse resultado indica que provavelmente está ocorrendo situações que envolvam a destruição das células do fígado. Ou seja, alguma doença, infecção, inflamação ou obstrução nas vias biliares. Os resultados são fornecidos através de um formato numeral que irão determinar valores alterados, elevados ou alto, baixo ou diminuído.

Como é feito o teste Gama GT

pessoa coletando sangue para exame de gama GT
Gama GT: o exame de Gama GT é realizado através da coleta de sangue.

O teste é feito através de um exame regular de sangue. Normalmente, o sangue é retirado da veia do antebraço. Um enfermeiro irá amarrar um elástico ao redor do seu antebraço para fazer com que suas veias fiquem mais proeminentes e mais fáceis de serem encontradas.

       

Em seguida, ele fura a veia com uma seringa descartável, devidamente esterilizada e coleta o sangue em uma ampola que é levada para análise. Você sentirá uma leve picada com a introdução da agulha e um tanto latejante no local. Poderá ficar uma pequena marca roxa onde a agulha perfurou a pele.

Gama GT: Valores de Referência

Os valores de referência para o exame de GGT podem variar de acordo com o laboratório, no entanto, concentração de gama GT no sangue é geralmente inferior a 60 unidades internacionais por litro de sangue.

Ou seja, o valor deve estar entre 9 e 49 UI/L, podendo ser aumentado em caso de algumas patologias. Sendo que os valores normais podem variar com o sexo e a idade da pessoa. O exame de sangue deve ser sempre avaliados por um hepatologista ou clínico geral, no entanto, algumas alterações são:

  • Gama GT Alterado;
  • Gama GT ou Gama Glutamil Transferase Alto ou Elevado (gama Gt acima de 100);
  • Gama GT ou Gama Glutamil Transferase Baixo ou Diminuído.

Como se preparar para o teste Gama GT

A preparação para o exame é simples. O seu médico irá instruir o paciente a jejuar por 8 horas antes do teste, assim como parar com certos medicamentos, caso o paciente esteja tomando algum medicamento para o fígado ou que alteram o funcionamento do órgão.

O jejum é importante, pois mesmo que você beba uma quantidade pequena de bebida alcóolica dentro de 24hrs antes do teste, isso poderá alterar os resultados. É bom também evitar o cigarro, se possível.

O teste Gama GT é preciso?

O teste Gama GT é sensível a flutuações, podendo os resultados oscilar. Se o médico achar que o uso temporário de medicamentos ou bebida alcóolica e cigarro podem estar afetando os resultados, ele pode querer repetir o teste.

Barbitúricos, fenitoína e alguns outros medicamentos podem alterar os níveis de Gama GT no organismo. Se você parou de beber recentemente, pode levar alguns meses para que o nível de Gama GT volte ao normal. O tabagismo também é capaz de aumentar bastante o nível de Gama GT.

É comum pessoas recém saídas de programas de reabilitação alcoólica tentando se abster da substância, fazer um teste de Gama GT para monitorar o tratamento. O exame também é capaz de monitorar níveis de Gama GT em pessoas tratadas por hepatite alcoólica.

Riscos envolvidos no teste Gama GT

A coleta de sangue para o teste de Gama GT é relativamente um procedimento de baixo risco. Há a chance de sangramento leve durante a inserção da agulha ou hematoma após a coleta. Casos de infecções são extremamente raros no dias de hoje.

Diagnóstico e resultados Gama GT Alto ou Elevado

diagrama mostrando o fígado para exame de Gama GT
Gama GT: o diagnóstico do exame Gama GT pode determinar uma lesão hepática, mas não a causa.

Normalmente, os resultados do exame estará disponível no dia seguinte, dependendo de cada laboratório. Geralmente, os resultados da medição de gama GT no sangue não são suficientes para que se estabeleça um diagnóstico preciso. Isto é, o exame Gama GT poderá apontar algum distúrbio ou lesão no fígado, mas não consegue determinar a causa.

Apenas o médico, de posse da análise do sangue e de outros estudos clínicos, poderá estabelecer um diagnóstico preciso à respeito dos resultados e, caso seja necessário, pedir outros exames.

Ou seja, se o nível de Gama GT estiver elevado, você provavelmente terá que fazer novos exames. Geralmente, quanto mais alto for a dosagem de Gama GT, maior a lesão no fígado. Além disso, o nível de Gama GT é medido em conjunto com outra enzima, a fosfatase alcalina (FA).

Caso os níveis de Gama GT e FA estiverem ambos elevados, isso já indicará possíveis problemas no fígado ou nas vias biliares. No entanto, se o Gama GT estiver normal e o FA elevado, o resultado poderá indicar alguma doença óssea. Portanto, o médico irá usar o exame Gama GT para determinar ou excluir certos problemas.

Exames complementares

Caso não seja possível determinar um problema específico ou o exame apresente anomalias, é necessário fazer outros exames complementares como tomografia computadorizada ou ultrassonografia, por exemplo.

Além disso, podem ser necessários também exames de análises de outros parâmetros do sangue, como dosagens hepáticas completas e de outras enzimas presentes no fígado, como a bilirrubina. Um exame específico no fígado e na bile podem, também, ajudar a pesquisar as causas das altas taxas de gama GT.

Pois, em alguns casos mais raros, estes valores também podem estar alterados devido a doenças não relacionadas com o fígado, como insuficiência cardíaca, diabetes ou pancreatite.

Possíveis doenças referentes ao Gama GT elevado

alcoolismo é associado a gama gt elevado.
Gama GT: uma das principais causas de um Gama GT elevado é o alcoolismo.

Em geral, doenças do fígado que causam lesões das vias biliares intra-hepáticas são determinadas pela elevação das enzimas Gama GT, além das outras como TGO, TGP e FA. A 5´nucleotidase (5’NTD) é outra enzima presente nas vias biliares, semelhante a GGT, que se apresentar aumento tem o mesmo significado.

A origem mais comum deste aumento é o alcoolismo crônico. Outras condições, como as doenças hepáticas e diabetes, o uso de alguns medicamentos ou certas infecções, também podem aumentar a taxa de GGT. As principais doenças que costumam apresentar elevação de GGT e de outras enzimas são:

  • Obstrução das vias biliares (falta de fluxo sanguíneo para o fígado);
  • Cirrose biliar primária;
  • Doença hepática por excesso de gordura no fígado;
  • Hepatite crônica viral;
  • Insuficiência cardíaca;
  • Pancreatite;
  • Diabetes;
  • Hiperglicemia;
  • Hipertireoidismo;
  • Obesidade;
  • Alcoolismo ou abuso da substância;
  • Colangite (infecção das vias biliares);
  • Câncer das vias biliares;
  • Doença pulmonar obstrutiva crônica;
  • Abuso de drogas ou alguns medicamentos (corticoides, barbitúricos, fenitoína) como antidepresivos, contraceptivos, anticonvulsionantes, hipnóticos e esteroides.

Sintomas de problemas no fígado

homem com dor abdominal por gama gt elevado.
Gama GT: dores abdominais podem ser sintomas de Gama GT elevado.

O fígado tem um papel crucial na produção de proteínas no corpo, além de filtrar as toxinas. Ele também produz a bile, uma substância que ajuda o corpo a processar gordura. O médico pedirá um exame de Gama GT se suspeitar de algum problema relacionado à ele, principalmente se o problema estiver relacionado ao abuso do álcool ou outras substâncias tóxicas. No entanto, um nível de Gama-GT alto não provoca sintomas específicos, mas a pessoa poderá apresentar os sintomas daquilo que provocou esse aumento de Gama GT.

Ou seja, uma pessoa com doença no fígado apresenta Gama GT alto, mas não irá manifestar sintomas causados por isso especificamente, mas pela doença hepática. Neste caso, pode-se esperar que o paciente apresente os seguintes sintomas:

  • Fraqueza;
  • Fadiga ou falta de energia;
  • Perda de apetite;
  • Náuseas e vômitos;
  • Dor ou distensão abdominal;
  • Icterícia (pele e olhos amarelados);
  • Alteração da cor da urina (escura) e das fezes (claras, como massa de vidraceiro);
  • Coceiras na pele.

Gama GT baixo ou diminuído

O valor de Gama GT baixo ou diminuído é semelhante ao valor normal. Isto é, um Gama GT baixo indica que não existe qualquer alteração no fígado. No entanto, isso não quer dizer que não possa haver alguma outra complicação.

Por exemplo, se o valor de Gama GT estiver baixo, mas o valor de FA estiver alto, isso poderá indicar alguma outra doença. Como por exemplo, uma doença óssea, deficiência de vitamina D ou doença de Paget. Portanto, é muito importante fazer mais exames para avaliar todas as possibilidades, além de descartar outras para um diagnóstico mais preciso.

Outros elementos contidos no Hepatograma

hepatograma analisando outras substâncias além do gama gt
Gama GT: outras substâncias são analisadas também no hepatograma que podem indicar doenças hepáticas.

Uma vez que for estabelecido o diagnóstico de uma lesão no fígado, o médico poderá determinar o grau de falência hepática. Sendo assim, são analisadas duas outras substâncias normalmente encontradas no hepatograma, a albumina e o TAP (TP).

A albumina é uma proteína também produzida no fígado, sendo que a sua queda ou um valor baixo no sangue pode indicar má função hepática.

Assim como desempenha outras funções, o fígado também participa na produção de vitamina K, envolvida no processo de coagulação do sangue. Portanto, pessoas com falência hepática, ou seja, alguma doença no fígado, irão apresentar uma maior dificuldade em coagular o sangue. Assim, o hepatograma poderá indicar valores de dosagem do TAP (TP) ou INR para diagnosticar o problema.

Perspectivas a longo prazo

Gama GT: adotar um estilo de vida saudável é o primeiro passo para recuperar o fígado.
Gama GT: adotar um estilo de vida saudável é o primeiro passo para recuperar o fígado.

Lesões no fígado são assunto sério e de extrema urgência. Normalmente, uma doença hepática pode levar a vários outros problemas de saúde. Dependendo da extensão do problema, pode até ser irreversível.

O hepatograma usado em conjunto com outros métodos de testes e exames complementares, podem ajudar o médico a diagnosticar mais rápido o seu problema. Não hesite em procurar um médico se apresentar qualquer um dos sintomas relacionados ao fígado para que se possa testar, diagnosticar e iniciar o tratamento o mais rápido possível.

Alguns estudos indicam que consumir café pode diminuir os níveis de Gama GT para quem costuma consumir bastante café. No entanto, a pessoa deve consumir mais de 5 xícaras de café por dia. Por outro lado, o uso excessivo de café pode acarretar outros problemas, incluindo pressão alta e insônia.

Enfim, parar de fumar, não consumir álcool em excesso e manter um peso ideal, assim como uma dieta alimentar balanceada são os primeiros passos fundamentais para equilibrar os níveis de todas as substâncias no sangue, principalmente os níveis de Gama GT. Só assim, o seu fígado será capaz de se recuperar e de se manter saudável enquanto você adota um estilo de vida mais saudável.

Vídeo falando sobre GAMA GT

Recomendados Para Você:

       

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.