Foliculite: Nas Nádegas, Capilar, Pernas e Virilha

A foliculite é uma doença de pele extremamente comum entre homens e mulheres e seu tratamento é muito simples em grande parte dos casos.

0 4.812

A foliculite é uma doença de pele extremamente comum entre homens e mulheres e seu tratamento é muito simples em grande parte dos casos, principalmente em seus estágios iniciais e intermediários.

Por mais que seus sintomas sejam parecidos com a acne, existem diferenças básicas entre as duas doenças que facilitam a identificação de cada uma delas.

Entenda como a doença se manifesta, suas causas e alternativas de tratamentos indicados nesta matéria especial.

O que é foliculite?

A foliculite é uma inflamação que ocorre em qualquer parte do corpo onde existam os folículos pilosos. Eles são encontrados em praticamente todo o corpo humano exceto nas palmas das mãos, plantas dos pés e mucosas como os lábios.

Nas nádegas

A presença de foliculite nas nádegas é bem comum, mesmo com os pelos dessa parte do corpo sendo muito menores do que os de outras áreas do nosso corpo.

A infecção acontece devido ao atrito dos pelos com o tecido das roupas que usamos no dia a dia. Esse contato faz com que apareçam pequenos pontos vermelhos cheios de pus, que podem causar desconforto pois podem deixar a região bem dolorida e sensível.

Muitas pessoas associam essas pequenas inflamações a espinhas, mas é muito raro casos de acnes em outras partes do corpo que não sejam a face.

Nesses casos o tratamento é bem simples, onde um creme ou loção pode fazer com que os pontos de pus desapareçam rapidamente.

Nas pernas

Nas pernas a foliculite tem as mesmas características e causas das inflamações nas nádegas, mesmo com os pelos sendo maiores nessa parte do corpo.

O uso de roupas apertadas faz com que o atrito do tecido com os pelos atrapalhe o nascimento dos pelos que acabam se inflamando.

Dessa forma, o tratamento também é fácil, necessitando apenas do uso de loções e cremes para que as bolinhas desapareçam.

O uso de roupas menos apertadas também pode ajudar a impedir que os folículos fiquem inflamados.

Capilar

A ocorrência de foliculite na cabeça ou couro cabeludo é bem comum em homens e mulheres, sendo conhecida como foliculite capilar.

Muitos casos de foliculite capilar acabam sendo diagnosticados tardiamente, o que faz com que a queda dos cabelos nas regiões afetadas seja irreversível, já que os folículos liposos são gravemente danificados. Nessas situações apenas tratamentos capilares como os implantes poderão preencher os espaços que antes eram ocupados pelos fios naturais.

O tratamento rápido e ainda em seu estágio inicial aumenta muito as chances de que os pelos que já caíram voltem a crescer normalmente após o tratamento.

Na virilha

O aparecimento de bolinhas vermelhas na região da virilha normalmente acontece após o processo de depilação, seja com cera quente, pinça ou lâmina.

Isso acontece por que os pelos começam a crescer e acabam se curvando, retornando à parte externa da pele. Segundo especialistas, como essas técnicas não retiram o pelo pela raiz, quando um novo pelo começa a crescer o corpo o reconhece como um corpo estranho, o que causa a inflamação.

Pomadas e cremes antibacterianos costumam funcionar muito bem para acabar com a inflamação, por isso num primeiro momento não há necessidade de procurar um dermatologista.

Caso a inflamação continue após alguns dias é melhor procurar um profissional, para não deixar que a inflamação inicial se transforme em uma infecção onde se torna necessário o uso de antibióticos via oral.

Sintomas da foliculite

A foliculite é uma inflamação dos folículos pilosos que ocorre em qualquer parte do corpo, que pode apresentar sintomas diferentes, já que pode ser dividida em dois tipos: foliculite superficial ou profunda.

Os casos de foliculite superficial são os mais comuns, já que acabam atingindo apenas a parte superior do folículo piloso.

Foliculite superficial

Este tipo de inflamação é caracterizado pelo surgimento de espinhas, geralmente pequenas e vermelhas que podem conter pus em seu interior. Podem surgir também bolhas de pus que acabam se rompendo e formando uma crosta na parte superior.

Normalmente a região infeccionada apresenta pele inflamada e avermelhada, causando grande coceira e sensibilidade na pele.

Foliculite estafilocócica

Entre os tipos superficiais da inflamação o principal é a foliculite estafilocócica, que ocorre quando os folículos são infectados pela bactéria Staphylococcus aureus, também conhecida como estafilococos.

Essa bactéria possui formato esférico que formam colônias aderidas umas as outras através de pares, em forma de correntes ou agrupadas como cachos de uva. Por isso seu nome de origem grega Staphyle, que significa cacho de uvas.

Sua presença no ambiente todo, assim como em alimentos de origem animal já é comprovada e o uso inadequado desses produtos pode causar infecções de vários tipos. Por isso é necessário lavar adequadamente os alimentos sempre antes do consumo.

A manutenção de hábitos de higiene simples como lavar as mãos antes das refeições pode diminuir as chances de desenvolvimento de infecções causadas pela bactéria.

Os estafilococos estão no nosso corpo na maior parte do tempo e não causam problemas. Apenas quando há algum tipo de lesão, como arranhões e feridas, ou mesmo cortes na pele é que eles podem trazer alguns tipos de transtorno.

O tratamento mais recomendado nesse caso é a utilização de antibióticos tópicos ou orais e alguns cuidados caseiros podem auxiliar no tratamento. Deixar de raspar a área atingida até que a infecção desapareça, por exemplo, ajuda a acelerar o tratamento.

Foliculite por pseudômonas

Essa forma de inflamação dos folículos é caracterizada por erupções ou bolhas que costumam surgir em áreas que permanecem molhadas por longos períodos, como as partes do corpo que ficam cobertas por roupas de banho, por exemplo.

Também conhecida como foliculite da banheira quente, essa inflamação ocorre devido a presença das bactérias pseudômonas que se proliferam em locais úmidos, principalmente onde o ph e os níveis de cloro da água estão desregulados. Esse tipo de proliferação dessas bactérias costuma acontecer com mais frequência em banheiras e piscinas.

As bactérias pseudômonas são conhecidas como oportunistas pois estão no nosso corpo durante a maior parte do tempo, assim como o estafilococo, e pode passar muito tempo ali sem causar nenhum tipo de transtorno, sempre aguardando um momento apropriado para conseguirem uma brecha no nosso organismo, seja através de um ferimento na pele ou mesmo o sistema imunológico enfraquecido para se instalarem causando problemas dos mais simples aos mais graves.

Mesmo que você fique exposto às bactérias por grandes períodos a infecção levará algum tempo para se manifestar. Esse tempo pode variar de algumas horas depois da exposição até cerca de sete dias de intervalo.

A foliculite de banheira pode ser tratada apenas com cremes e loções que ajudem a aliviar a coceira, dispensando o uso de antibióticos.

Pseudofoliculite da barba

Essa inflamação afeta prioritariamente homens, pois os folículos infeccionados estão localizados na região da barba.

Isso acontece quando os pelos que foram raspados se curvam enquanto crescem e acabam se voltando para dentro da pele, pois a foliculite não permite que eles cresçam normalmente. Esse processo faz com que a pele fique inflamada, e em muitos casos pode acabar deixando cicatrizes tanto na face quanto no pescoço.

Algumas soluções caseiras, como as que veremos mais adiante são suficientes para tratar esse tipo de inflamação. Procure utilizar água morna sempre que for se barbear, massageando os pelos para que eles fiquem mais moles.

O uso de barbeadores elétricos pode ajudar bastante para que a infecção não volte a acontecer, principalmente se for utilizado sempre no sentido do crescimento dos pelos da barba.

Pitirospórica

Esse tipo de foliculite é mais comum em adolescentes e adultos do sexo masculino.

A presença de um fungo que causa inflamações nas costas e no peito motiva essa forma de foliculite. Essas inflamações costumam coçar bastante e podem se estender para os braços, ombros, pescoço e face.

Os especialistas costumam recomendar para esses casos o uso de produtos antifúngicos tópicos ou orais, que apresentam resultados mais eficazes.

Profunda

Conhecida como uma complicação da foliculite superficial, a sua forma mais profunda é muito mais rara e pode ser dividida em:

  • Sycosis barba;
  • Foliculite gram-negativo;
  • Furúnculos;
  • Foliculite eosinofílica.

Sycosis barba

Há a inflamação total do folículo liposo, com as primeiras inflamações surgindo no lábio superior, mandíbula ou queixo, sempre após fazer a barba.

Homens que tem o hábito de se barbearem com frequência podem apresentar essas inflamações constantemente, podendo fazer com que surjam cicatrizes principalmente na face e pescoço.

A aplicação de compressa juntamente com o uso de antibióticos costuma funcionar muito bem nessas condições.

Foliculite gram-negativo

Pessoas de ambos os sexos que fazem tratamento para acnes com o uso de antibióticos tendem a desenvolver esse tipo de inflamação, principalmente na região do nariz.

Essa inflamação se deve as alterações no equilíbrio da pele decorrente do uso desses medicamentos, proporcionando o desenvolvimento de bactérias nocivas como as gram-negativas.

Na grande maioria dos casos de foliculite gram-negativo a inflamação desaparece assim que a pessoa deixa de consumir os antibióticos, mas existem casos onde a inflamação pode se espalhar pela face e acabar causando lesões mais sérias que podem se tornar cicatrizes.

Mesmo sendo causado pelo uso contínuo de antibióticos, os medicamentos tópicos ainda são os mais eficazes para este tratamento devido a sua ação direta na infecção.

Furúnculos e carbúnculos

Os furúnculos são inflamações maiores, bem inchadas e avermelhadas que surgem quando há a infecção por estafilococos.

       

A região inflamada pode ficar mais dolorida a medida em que o pus presente no interior da inflamação aumenta, e lesões maiores podem fazer com que venham a surgir cicatrizes.

Os carbúnculos são formados por vários furúnculos aglomerados numa mesma região e costumam aparecer com mais frequência na nuca, ombros, coxas e costas.

Esses aglomerados de furúnculos tendem a ser mais sérios do que um único furúnculo e podem deixar marcas ao longo do tempo.

Os médicos costumam fazer um pequeno corte nos furúnculos para drenar a infecção e reduzir seus sintomas. Caso existam carbúnculos o uso de antibióticos pode ser necessário para ajudar a combater os seus sintomas.

Eosinofílica

Apesar da causa da foliculite eosinofílica ainda não ser conhecida, ela ocorre principalmente em pessoas com o vírus do HIV.

Suas características principais são as manchas inflamadas e feridas que aparecem no rosto e braços, geralmente com grande coceira, que tendem a se espalhar e fazem com que as regiões atingidas acabem ficando com um tom de pele mais escuro do que em outras partes do corpo.

Muitos dermatologistas e pesquisadores acreditam que a foliculite seja causada pelo mesmo agente causador da foliculite pitirospórica.

Os corticosteroides costumam ser o tratamento mais eficaz deste tipo de foliculite. Também podem ser utilizados medicamentos via oral em casos mais graves da doença.

Fatores de risco

Apesar de qualquer pessoa estar sujeita a desenvolver a foliculite existem alguns fatores que podem aumentar as chances de desenvolvimento da doença.

  • Condições que enfraquecem o sistema imunológico, como leucemia, diabetes e transplantes de órgãos;
  • Acne, dermatite ou outras condições de pele;
  • Traumas associados a cirurgias ou lesões;
  • Obesidade
  • Alterações hormonais;
  • Tratamentos para acne com uso de antibióticos;
  • Uso contínuo de roupas que retém calor.

Citamos alguns dos fatores que podem contribuir para que você desenvolva a doença com mais facilidade, e por isso devem ser observados sempre.

Causas da foliculite

Como já vimos a foliculite pode ser causada por infecções virais, bacterianas ou fúngicas dos folículos liposos, tendo na bactéria estafilococo sua causa mais comum.

Alguns tipos de danos causados aos folículos liposos podem facilitar o surgimento da doença como, transpiração em excesso, lesões ocorridas durante o barbear, escoriações, cortes cirúrgicos, uso de fita adesiva ou plástico para fazer curativos sobre a pele, etc.

Possíveis complicações

É raro o surgimento de complicações nos casos mais leves de foliculite. Já nos casos mais graves da doença podem surgir algumas complicações:

Além da possibilidade de que a infecção acabe chegando à outras partes do corpo, existem outras complicações como furunculose, cicatrizes e degradação total do folículo liposo.

Por isso a necessidade de se diagnosticar o mais rápido possível a doença e realizar o tratamento adequado para cada caso, evitando que um estágio que ainda pode ser revertido se torne irreversível.

Como fazer o diagnóstico?

Para que seja feito o tratamento correto da infecção é preciso identificar se a foliculite é viral, bacteriana ou fúngica.

Por isso a melhor maneira de obter um diagnóstico correto é através de exames laboratoriais juntamente com o acompanhamento médico. Um exame realizado com uma pequena amostra de tecido é capaz de determinar com exatidão a causa da doença.

Remédio para foliculite

Como existem vários tipos da doença, o número de medicamentos que podem ser utilizados para tratamento é muito grande, principalmente os antibacterianos e anti-inflamatórios.

Importante lembrar que antes de passar a utilizar qualquer tipo de medicamento é necessário o acompanhamento de um especialista. Apenas um profissional saberá dizer qual o melhor medicamento, a melhor dosagem e a duração correta para cada caso.

Como prevenir

Mesmo que seja praticamente impossível evitar totalmente o surgimento da doença, tomar alguns cuidados pode ajudar a manter a infecção longe por um período maior:

  • Manter banheiras e piscinas sempre limpas;
  • Evitar o uso de roupas muito justas;
  • Permanecer com roupas úmidas por pouco tempo;
  • Redobrar os cuidados na hora da depilação;
  • Para os homens, procurar utilizar lâminas novas sempre que for fazer a barba, ou então utilizar um aparelho de barbear elétrico.

Tomar esses cuidados simples pode ajudar a manter a foliculite longe por bastante tempo, evitando assim os transtornos e incômodos causados pela infecção.

Diferença entre foliculite e acne

É muito comum que as pessoas associem o aparecimento de bolinhas vermelhas em determinadas regiões do corpo a acne. Por mais que seus sintomas sejam muito parecidos ambas são doenças de pele totalmente diferentes.

Na foliculite a infecção ocorre devido as dificuldades que os pelos encontram para sair da pele, nas mulheres devido ao uso de roupas apertadas e as técnicas de depilação, e nos homens o crescimento dos pelos da barba faz com que a pele fique inflamada.

Já na acne o seu surgimento pode estar relacionado a diversos fatores como alterações hormonais, excesso de oleosidade e até mesmo fatores hereditários aparecendo principalmente em regiões do corpo mais ricas em glândulas sebáceas como colo, face e costas.

Além disso, ao contrário do que muitos imaginam a acne não é privilégio de jovens e adolescentes, pois adultos também apresentam acnes no decorrer da vida.

Tratamentos caseiros para foliculite

Além de todos os medicamentos disponíveis no mercado e utilizados pelos médicos, as alternativas naturais para tratar a foliculite também tem seu espaço.

Confira algumas dicas para minimizar os sintomas da doença com ingredientes naturais.

Vinagre de maçã

Os ácidos naturais presentes na composição do vinagre de maçã são excelentes antibacterianos e anti-inflamatórios fazendo com que essa seja uma das melhores opções de remédios caseiros para tratar a foliculite.

Para preparar a solução você só precisa de 5 colheres de sopa de vinagre de maçã e ¼ de xícara de água morna.

Basta diluir o vinagre de maçã na água e borrifar essa solução sobre toda a região afetada, deixando que a pele absorva os componentes presentes no vinagre.

Repita a aplicação diariamente, duas ou três vezes ao dia, até que a infecção desapareça completamente.

Babosa e óleo de rosas

A combinação do óleo de rosas com o gel da babosa nos permite criar um poderoso creme hidratante e anti-inflamatório.

A absorção do creme pela pele faz com que as bactérias presentes no local afetado sejam eliminadas, limpando os poros e ajudando a reduzir a coceira e a inflamação.

Para o preparo do creme será necessário apenas misturar 2 colheres de sopa de gel de babosa com 1 colher de sopa de óleo de rosas, até que se consiga uma mistura homogênea.

O creme deve ser aplicado sobre as regiões inflamadas, deixando a mistura agir por duas horas. Depois é só enxaguar utilizando água morna. Repita a aplicação todos os dias até que a inflamação esteja curada.

Óleo de orégano e óleo de coco

As propriedades fungicidas e antibacterianas do óleo de orégano auxiliam na recuperação da foliculite. Sua ação anti-inflamatória faz com que as erupções diminuam, além de facilitar a extração de pelos quando necessária.

Adicione 1 colher de chá de óleo de orégano a 2 colheres de sopa de óleo de coco e misture bem.

Aplique o óleo sobre as áreas inflamadas e massageie por cerca de 6 minutos, deixando agir na sequência.

Você pode utilizar esta mistura todos os dias enquanto a infecção persistir.

Cúrcuma e óleo de coco

A mistura de cúrcuma e óleo de coco possui propriedades antibacterianas e esfoliantes, ótimos para reduzir a foliculite.

Para usufruir dos benefícios dessa mistura, basta adicionar 1 colher de chá de cúrcuma em pó em 1 colher de óleo de coco. Misture bem até obter uma pasta espessa.

Aplique a mistura sobre a área inflamada e deixe agir por duas horas.

Após esse tempo enxágue utilizando água morna fazendo movimentos circulares para estimular a circulação na região.

Você deve utilizar a mistura diariamente sem problemas, até que a infecção esteja curada.

Conclusão

A foliculite é uma doença de pele muito comum que atinge homens e mulheres de todas as idades, seja em suas formas mais simples até as mais raras.

A forma mais comum da doença é a foliculite estafilocócica, que possui tratamento simples e pouco agressivo inclusive com o uso de receitas caseiras.

Mesmo sendo uma doença que não possui muitas complicações o seu diagnóstico ainda nos estágios iniciais pode minimizar efeitos irreversíveis decorrentes das lesões, como nos casos de foliculite capilar.

Sempre que perceber que existe uma inflamação em alguma parte do corpo que permanece sem mudança por alguns dias, o ideal é procurar um dermatologista para identificar qual o tipo de infecção e o tratamento mais adequado.

Sempre vale reforçar a importância de não se medicar por conta própria, pois além de muitas vezes o tratamento não surtir o efeito desejado ainda pode ser que você arrume outras complicações até mais sérias do que o motivo original. Tenha sempre o acompanhamento de um médico dermatologista de sua confiança.

Esperamos ter esclarecido suas dúvidas sobre a foliculite. Se você ainda tem alguma dúvida, ou já teve a doença deixe um comentário aqui pra gente.

       

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.