Você tem tempo pra fazer o que gosta?

0 686

Saindo do aquário!

Interessante que durante nossa vida nos deparamos com aquele comentário futurístico… “Um dia vou dedicar meu tempo para fazer aquilo que eu gosto”. Porém, vemos muitas pessoas que dedicaram toda sua vida ao trabalho. Seja ele em uma empresa ou no trabalho doméstico.

Quando finalmente passam a ter este tempo, não sabem como gozá-lo.

É como se aquele peixinho que viveu a vida toda dentro de um pequeno aquário redondo. Ao ser posto num grande aquário continuasse nadando em círculos respeitando aquele espaço restrito – que agora passou a ser imaginário.

Uma vez questionei um amigo, que tinha tempo de sobra, se ele estava indo ao cinema. Ele me respondeu que não, pois não tinha tempo.

Intrigado, perguntei se ele não poderia assistir a sessão das 2 ou das 4 da tarde. Ele, espantado, me respondeu que seria impossível; “afinal, não seria certo ir ao cinema num horário desses”.

Típico caso do peixe aprisionado no aquário do passado.

Um grande desafio neste e em casos muitos parecidos é descobrir alguma coisa que lhe agrade, que realmente lhe dê prazer com uma responsabilidade limitada. Afinal, passamos os últimos muitos anos tendo compromissos e responsabilidades que já não cabem em nossa vida atual.

Aí vem a questão para aqueles que nunca tiveram ou se preocuparam em ter um hobbie. E que, em muitos casos, têm como esporte predileto ligar para os familiares algumas vezes por dia para apresentar os mais diversos problemas. Ou perguntar a mesma coisa aguardando ansiosamente o momento para fazer a próxima ligação.

“Como vai sua esposa? Tem feito a comidinha que você gosta? Seu marido tem levado seus filhos à escola ou tem ido jogar bola? Meu pé está doendo novamente… Quem vai ficar comigo no próximo final de semana? Não vejo meus netos desde o último domingo…”

E, assim, você vai se tornando alguém desinteressante, maçante e sem novidades.

Mas o que seria um hobby se eu nunca me interessei por nada? Eis o momento de uma reflexão, só sua. Não é possível que você não goste de nada!

Que tal iniciar uma coleção?  Aprender um jogo? Frequentar um centro esportivo ou praça e fazer novas amizades? Se interessar por cinema?

O mundo lá fora vibra e você insiste em ficar no aquário…

Se nada disso te despertou para ocupar o tempo ocioso, um bom trabalho voluntário pode ser a solução. Hospitais, creches, escolas… Depende de você procurar, ter energia para ensinar e, ainda mais importante, para aprender!

Você terá sua família mais perto de você se você se transformar numa pessoa interessante, com assuntos novos. Colocando os assuntos realmente importantes nos momentos certos e não achar que as suas preocupações são as mais importantes para todos, a todo o momento. Como se isso fosse chamar a atenção.

Finalmente, perceba que esta atitude só afasta as pessoas, o que fará com que sua “melhor idade” se transforme na sua “maior solidão”.

 

vignoli

José Vignoli

Consultor financeiro

Educador financeiro do portal MBF

Porta voz do SPC Brasil

www.meubolsofeliz.com.br

email: vigplan@uol.com.br

Leia também:

Contato familiar ajuda a ter uma velhice mais saudável

Quando uma pessoa fica velha?

PACIÊNCIA, MATURIDADE E ENTENDIMENTO: três ingredientes para uma terceira idade feliz

Aposentadoria: tempo de resgatar interesses adormecidos?

 

       

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.