Erva de Santa Maria para que serve? Como preparar?

0 145

A Erva de Santa Maria (Dysphania ambrosioides), popularmente conhecida como Mastruço, é mais uma erva muito utilizada como remédio pelos brasileiros para tratar inúmeras enfermidades, principalmente pelas suas propriedades antibióticas, digestivas, expectorantes, antivirais, antissépticas, depurativas, entre tantas outras.

Originária da América Central e Sul, sempre foi muito usada por nativos mexicanos e outras culturas latino-americanas desde a Antiguidade em pratos culinários típicos pelo seu sabor forte e almiscarado, semelhante ao agrião quando macerado. Seus brotos e folhas verdes são ingredientes comuns em sopas, já suas folhas maduras dão sabor especial a pratos de feijão, peixe e milho, ajudando na digestão e eliminação de gases.

No Brasil, a Erva de Santa Maria é muito comum na região Sudeste, e dentre seus benefícios, inclui-se o tratamento de dores musculares e limpeza do organismo, bronquites, rouquidão, cólicas intestinais, verminoses, úlceras ou até casos de cânceres de estômago, intestino ou cólon, entre muitas outras indicações.

No entanto, como toda erva medicinal de propriedades fortes, é preciso tomar algumas precauções antes de sair utilizando e entender seus efeitos colaterais e contraindicações.

Além disso, um dos enganos mais comuns é quanto a sua nomenclatura, pois muitas outras ervas podem ter o mesmo nome popular, dependendo da região em que se encontram. Como por exemplo, a Tanacetum vulgare, o Thymus zygis e o Coronopus didymus, todas de mesmo nome. Portanto, identifique sempre a sua erva pelo seu nome científico para não ter problemas.

Sendo assim, no artigo abaixo vamos explicar tudo sobre a Erva de Santa Maria, seus benefícios, indicações e contraindicações, além de dar dicas de como ela pode ser utilizada. Confira!

O que é Erva de Santa Maria

A erva de santa maria é um poderosa planta medicinal utilizada para diversos fins.
A erva de santa maria é um poderosa planta medicinal utilizada para diversos fins.

A Erva de Santa Maria (Dysphania ambrosioides) da família botânica Amaranthaceae é originária da América do Sul e Central, e possui muitos nomes populares dependendo da região onde é encontrada.

Mastruço, mentruz, mastruz, ambrósia, matruz, anserina, menstruz, mentraz, chá-do-méxico, quenopódio, lombrigueira, ambrosina e erva-formigueira, são todos nomes atribuídos à ela.

É uma planta arbustiva que cresce espontaneamente em qualquer lugar que tenha umidade suficiente no solo, podendo alcançar de 70 cm a 1 metro de comprimento. Possui folhas verde escuras, alongadas e de diferentes tamanhos.

Seus frutos possuem tamanho mediano com duas sementes e suas flores são pequenas, em pedúnculo, de cor amarela clara e esbranquiçada, com cheiro forte e almiscarado.

Quando maceradas, liberam um odor semelhante ao agrião devido a presença de óleos essenciais com propriedades abortivas, vermífugas, antibióticas, antifúngicas, digestivas, antioxidantes, antiinflamatórias, anti-helmínticas, antitumorais, antivirais, antiasmáticas, antiespasmódicas, antipalúdicas, aromáticas, antiulcerosas, anticancerígenas, amebicidas, antigripais, antinevrálgicas, antihemorroidais, antimaláricas, antissépticas, béquicas, carminativas, diaforéticas, diuréticas, emenagogas, emolientes, estimulantes, eupépticas, parasiticidas, purgantes, sedativas, sudoríficas, tônicas e cicatrizantes.

A Erva de Santa Maria pode ser encontrada no sudeste do Brasil em alguns mercados ou em lojas de produtos naturais, tanto físicas como online, na sua forma natural ou em folhas desidratadas.

Principais indicações da Erva de Santa Maria

Como vimos, dotada de tantas propriedades medicinais a Erva de Santa Maria pode ser utilizada para inúmeros fins na medicina popular. Com isso, o mastruço ou Erva de Santa Maria pode ser indicada para as seguintes ocasiões:

  • Tratamento de vermes e parasitas, como solitária, piolho, pulgas e percevejos, até traças e lagartas devido sua ação antiparasitária, vermífuga e uma substância tóxica chamada ascaridol;
  • Tratamento de infecções fúngicas ou bacterianas como micoses, pois tem efeito antisséptico e anti inflamatório;
  • Combate a problemas digestivos, indigestão, gases, por aumentar o suco gástrico;
  • Tratamento de prisão de ventre, por aumentar a secreção e as contrações intestinais;
  • Cicatrização de feridas e na irritação da pele (ação emoliente e cicatrizante);
  • Tratamento e prevenção de doenças respiratórias e inflamações na garganta, como bronquite, asma, tuberculose, laringite, pois estimula a movimentação dos brônquios com efeito expectorante ajudando a eliminar o catarro brônquico e muco espesso.

Além disso, a Erva de Santa Maria é usada para tratar angina, anemia, úlceras, cãibras, má circulação, contusões e dores musculares, reumatismo, hemorragia interna, hemorróidas, picadas de insetos, escorbuto, escrofulose, gota, raquitismo, traumatismos e excesso de ácido úrico, entre outros.

Benefícios da Erva de Santa Maria

Um dos benefícios da erva de santa maria é tratar doenças intestinais e digestivas.
Um dos benefícios da erva de santa maria é tratar doenças intestinais e digestivas.

Com tantas propriedades e indicações para o tratamento de inúmeras enfermidades, os benefícios da Erva de Santa Maria são muitos.

Como por exemplo, a erva possui poucas calorias (100 gramas de folhas contém apenas 32 calorias) e suas folhas fornecem uma boa quantidade de fibras (3,8 g por 100 g) e sais minerais como cálcio (27% de RDA), manganês, potássio, ferro, cobre, zinco e selênio. O manganês, por exemplo é importante cofator para a enzima antioxidante, superóxido dismutase.

Ela também possui vitaminas do complexo B, como piridoxina e riboflavina, que são fundamentais para o metabolismo enzimático no organismo.

A vitamina A, também encontrada em sua composição e alguns antioxidantes fenólicos flavonóides, como beta-carotenos, juntos atuam protegendo contra radicais livres, responsáveis pelo envelhecimento e vários processos de doenças.

Suas folhas jovens são uma excelente fonte de ácido fólico, que tem papel importante na síntese de DNA e na divisão celular. No entanto, não devem ser consumidas por gestantes por induzir contrações musculares e provocar abortos. Elas também possuem muitos compostos de monoterpeno tais como ascaridole (60-80%), iso-ascaridole, p-cimeno, limoneno e terpineno.

A ascaridole, por exemplo, é tóxico para vários vermes intestinais. Por esta razão, a erva é muito utilizada como vermífugo, desde a civilização Maya.

Formas de consumo para a Erva de Santa Maria

Existem muitas forma de utilizar a erva de santa maria, a mais comum é a infusão das folhas, flores e sementes.
Existem muitas forma de utilizar a erva de santa maria, a mais comum é a infusão das folhas, flores e sementes.

Assim como benefícios, a Erva de Santa Maria pode ser utilizada de diferentes formas, dependendo do problema a ser tratado. Além disso, suas folhas frescas podem ser adicionadas à receitas de pratos à base de milho, sopas, no molho mexicano tradicional junto a outros ingredientes como tomate, pimentão etc.

Porém, antes de utilizá-la de qualquer forma, consulte antes um médico para determinar a dosagem mais adequada e evitar problemas pelo excesso.

Em geral, a sua forma mais comum é a infusão de suas folhas, mas as flores e sementes também podem ser usadas e misturadas com leite ou para fazer tintura, xarope, extrato ou essência, em tratamentos orais ou tópicos.

Quando macerada, a Erva de Santa Maria pode ser usada na forma para compressas, abluções e banhos. As folhas, cozidas com sal podem ser aplicadas na pele e os ramos podem ser usados para eliminar pulgas e percevejos se colocados embaixo dos colchões.

       

1- Infusão de Erva de Santa Maria

Para fazer a infusão, basta ferver 500 ml de água e quando levantar fervura, desligar o fogo e acrescentar colocar 1 colher (sopa) de folhas, flores e sementes de erva de santa maria, deixando repousar por 10 minutos com o recipiente tampado. Depois, é só coar e ingerir uma xícara duas vezes ao dia ou de 6 em 6 horas, antes das principais refeições.

A infusão pode ser usada para tratar problemas digestivos como alívio do estômago, da digestão dos alimentos, além de estimular as funções hepáticas.

2 – Chá de Erva de Santa Maria

Para fazer um potente vermífugo, faça uma infusão na proporção de 10 gramas da erva para cada litro de água. O ideal é tomar alguns goles durante o dia, associada a uma colher de óleo de rícino durante o tratamento com o chá.

3 – Sumo de Erva de Santa Maria

A erva de santa maria pode também ser usada no tratamento da tuberculose, basta tomar uma colher do sumo da planta em jejum.

4 – Erva de Santa Maria com leite

Tanto a infusão de suas folhas, quanto elas batidas com leite são muito utilizadas no tratamento de doenças respiratórias, como bronquites e tuberculose, devido aos seus efeitos fortificantes no sistema imunológico e expectorantes.

5 – Emplastro de Erva de Santa Maria

O emplastro de Erva de Santa Maria é excelente forma de tratar os problemas vinculados ao reumatismo, contusões, dores musculares, feridas, bronquite e úlceras externas. Basta macerar 3 colheres (de sopa) de folhas, flores e semestres frescas da erva com um pouco de água filtrada em um pilão até obter uma textura pastosa. Depois é só aplicar a pasta na região afetada com um pedaço de pano, gaze ou algodão e deixar agir por duas horas, lavando o local com água, em seguida.

6 – Xarope de Erva de Santa Maria

A erva de santa maria na forma de xarope pode ser usada para combater problemas respiratórios. Para fazer o xarope, coloque 1 colher (sopa) de folhas, flores e sementes picadas em uma xícara de café e adicione água fervente.

Em seguida, abafe por 10 minutos, coe e acrescente duas xícaras (café) de açúcar cristal, levando ao fogo até o açúcar dissolver. Deixe o xarope esfriar e consuma em três doses diárias (1 colher de sopa).

Dicas de consumo para a Erva de Santa Maria

Para consumir a Erva de Santa Maria basta seguir algumas dicas para não errar na hora de utilizá-la e obter todos os seus benefícios.

  • Quando comprar a erva escolha folhas frescas, pequenas e jovens;
  • Evite as hastes grandes de flor com folhas amarelas ou murchas;
  • Armazene a erva na geladeira em uma toalha úmida sem lavar;
  • Para preparar qualquer receita, lave as folhas em água fria;
  • Para usar como condimento, utilize apenas poucas folhas ou 1-2 ramos.

Leia mais: Conheça 10 ervas que você pode cultivar em casa o ano todo em casa usando apenas água

Contra indicações e Efeitos colaterais

É preciso muita cautela quando utilizar a erva de santa maria.
É preciso muita cautela quando utilizar a erva de santa maria.

Como toda substância usada como remédio, a dosagem é fundamental para que não ocorra envenenamento. No caso da Erva de Santa Maria, os cuidados devem ser redobrados, pois ela é uma erva bastante tóxica se ingerida em altas concentrações, podendo causar até a morte.

Portanto, todo cuidado é pouco, sendo muito importante respeitar as quantidade indicadas. Sendo assim, antes de utilizá-la, busque a orientação médica.

Da mesma forma que o exagero deve ser evitado, há também algumas contra indicações à certos grupos de pessoas. Por exemplo, gestante ou quem está amamentando não deve consumir a erva em hipótese alguma, pois a planta altera a contratilidade dos músculos do corpo, provocando um efeito abortivo. Na mesma linha, crianças menores de dois anos também devem evitar o seu consumo, devido a sua alta toxidade.

O óleo essencial da planta é extremamente tóxico e não pode ser ingerido (10 mg já é suficiente para matar um adulto) e seu uso externo pode causar efeitos colaterais como irritação na pele e mucosas.

Além disso, doses elevadas podem provocar dores de cabeça, náuseas, vômitos, depressão do sistema nervoso, lesões hepáticas e renais, surdez, transtornos visuais, problemas cardíacos e respiratórios, palpitações, danos no fígado.

As sementes podem estimular o aparecimento de tumores no estômago, assim como irritação em órgãos como os rins, irritação e dores de cabeça, vertigem e colapso circulatório.

O ascaridol, contido na planta, quando consumido em doses elevadas, pode produzir cefalalgia, taquicardia, prostração, convulsões, parada cardíaca, coma e morte. Sendo assim, o óleo de semente de erva de santa maria foi proibido pela IFRA (International Fragrance Association) para o uso externo e interno em seus produtos.

Conclusões finais

A Erva de Santa Maria ou Mastruço é uma planta medicinal poderosa muito utilizada nas culturas latino americanas por milênios. É uma das ervas com mais propriedades medicinais, sendo indicada para o tratamento de infinitas enfermidades.

Algumas culturas, como a mexicana e chilena, utilizam a erva de santa maria em seus pratos culinários tradicionais.

No entanto, como toda erva medicinal, a dosagem é fundamental para não cometer excessos e causar uma série de problemas de saúde. A alta concentração de ascaridol contido na planta a torna altamente tóxica, por isso o seu consumo deve ser bastante moderado e sob consulta médica.

       

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.