Curso de Memorização Funciona? Renato Alvez

0 101

Todo mundo já deve, em algum momento, ter passado pelo “branco” da mente. Naquele momento, quando mais precisava de determinada informação, ela sumiu de repente, sem que você pudesse ter domínio disso. Trata-se um problema muito recorrente na sociedade, porém bem simples de ser resolvido. O curso de memorização é uma das maneiras mais eficazes de solucionar as questões relacionadas à memória.

Curso de memorização

Em primeiro momento, a listagem imensa de temas que são requisitados em concursos e processos públicos pode tornar muita gente desesperada, incluindo os mais confiantes. Até porque, frente a ela, está sempre a sensação de não haver suficiência de tempo e que os tais “brancos” acabam sendo inevitáveis.

Porém, há a possibilidade de fazer o gerenciamento desses riscos. De acordo com Renato Alves, especialista em técnicas de memorizações do Brasil, tal fato é muito simples. É necessário apenas que o candidato se organize e se disponibilize ao estudo de maneira adequada. Esta é uma das dicas presentes no curso de memorização.

Entre várias palestras, o especialista, que é renomado por recordes de memorizações, traz revelações de segredos a respeito de como providenciar que todo o assunto solicitado por concursos, por exemplo, permaneça em sua cabeça e de que maneira fazer com que a rotina de estudos tenha maior eficiência.

Se quiser fazer a eliminação do “branco”, é preciso acompanhar algumas dicas que fazem parte do Curso de memorização disponível pelo especialista Renato Alves.

Organização

Se o objetivo é abranger todo o conteúdo programático dos editais, então é preciso fazer um cálculo exato de minutos e conteúdos necessários para que possa “fechar” todo o assunto cobrado pelas bancas organizadoras.

O que mais desanima entre os candidatos é não saber por onde começar. Portanto, tal dica do especialista é que se faça um planejamento prévio.

Dessa forma, quando o edital tem publicação, faça a listagem de assuntos e os materiais que terão utilidade para estudos. Separando os temas entre aquilo que precisa de maior atenção ou revisões, é um começo. Isso auxiliará na definição de tempo e dedicação para cada disciplina.

A partir disso, é imprescindível dividir o número de laudas pelas datas e horas disponíveis. A fim de construir um planejamento com maior realidade, teste o tempo em que demorará em cada estudo. É importante não esquecer do prazo determinado para revisões.

Mais que leituras

Não vai adiantar fazer uma organização regrada de sua rotina de estudos, se não souber como estudar. Os estudos requisitam dedicações, concentrações e tempo. Portanto, não adiantará simplesmente olhar a matéria e acreditar que já compreendeu todas as conceituações.

Ótimas técnicas de estudos são os hábitos de realizar fichamentos de todas as matérias. A cada parágrafo que providenciar a leitura, é importante definir palavras que sejam a “chave” para determinados assuntos.

Ao final das leituras, é importante tentar fazer explicações a si mesmo sobre os fundamentos básicos de tais elementos estudados.

Dessa forma, conforme Renato Alves, em momento de elaborar revisões, é preciso recorrer aos fichamentos. Quais são os resultados? Planejamentos e rotinas eficientes de estudo. Acompanhe as dicas do curso de memorização.

Repetir

Conforme o especialista, repetições também são grandes aliados em momento de guardar as conceituações.

Portanto, abusar de resoluções de atividades e de simulados é muito interessante. A dica é, em situação de questões que tenham o envolvimento de memorização de fórmulas, é providenciar cálculos que façam uso de tal fórmulas por 5h em 4 dias.

Dessa maneira, instiga-se um estímulo referente às redes de neurônios, construindo uma memória de longo prazo.

Contudo, é importante dizer que a memorização permanente só ocorre por meio do conhecimento. Portanto, não adianta decorar fórmulas e macetes e não saber como trabalhar com elas, a lógica delas.

Investimentos em si

De outro modo, de acordo com Renato Alves, o “branco” pode se destacar como um sintoma que não está legal em relação ao organismo. Tal situação desmistifica a ideia de que é preciso sacrifícios para passar em concursos.

O especialista faz a explicação que, anteriormente a se jogar em todo o conteúdo exigido, é preciso lembrar dos cuidados relacionados à própria vida e saúde.

Desse modo, alimentar-se bem, dormir bem e ter momentos reservados ao lazer são extremamente necessários para aqueles que desejam mesmo a memorização de todas as conceituações, por exemplo, até a data de provas.

Curso de memorização funciona?

Em relação a memória, existem duas tipologias: a memória de longo e a memória de curto prazo. Ainda há um tipo de memória que é intitulada de “memória operacional”, que usamos para resolver problemas.

Ao saber disso, podemos chegar à conclusão de que o curso de memorização do Renato Alves funciona, pois todos os exercícios aqui prezam pelo cuidado de tais conceitos, aliando-os ao trabalho específico de cada memória.

Atentando-se aos papeis de cada memória, é possível compreender como elas funcionam em relação ao aprendizado.

Memória a curto prazo

Trata-se de uma categoria da memória que atua em instante que determinado informativo está sendo adquirido, ficando armazenado por um tempo curto, até decidir-se que tal dado preciso ser mantido ou descartado.

É fundamental para as informações de teor declarativo. A depender do quantitativo de teor bioquímico cerebral, um dado é armazenado ou tem seu descarte.

Memória a longo prazo

Em relação a tudo o que tem seu armazenamento de modo definitivo, estes ficam na memória a longo prazo. Para que tal situação ocorra, é preciso que os informativos a curto prazo tenham transformação em longo prazo. Tal capacidade desta categoria da memória é, de forma prática, ilimitada.

A memória caracterizada como “longo prazo” disponibiliza modificações estruturais dos neurônios, fazendo a inclusão de crescimento de procedimentos das sinapses, de acordo com explicações de neuroplasticidade.

Tal parecer comprova que um dado, desde que assimilado, pode sempre ter o acesso por meio da memória de teor declarativo.

O procedimento de transformação da memória de curto em longo prazo, é denominado de consolidação. Esta acontece ao passo que um informativo se torne, permanentemente, armazenado em uma região específica do cérebro.

Dica: Sendo alguém que estuda, o principal intuito é fazer a consolidação de informativos estudados, transformando tais dados de curto em longo prazo. É preciso, para tanto, que além dos estudados de atenção, pratique-se e também faça revisões do estudo.

Em todos os momentos que finalizar a série de estudos, faça exercícios e solucione questões relacionadas sobre o assunto. Isso fará com que a mente faça a consolidação de informativos que aprendeu. É importante fazer de tal prática um costume.

Curso de memorização: Por que eu esqueço?

Geralmente, muitos acreditam que não são capazes da memorização, visto que ao passo que finalizem leituras, já não conseguem recordar nada mais. Contudo, o problema não se destaca pela memória, mas sim pela atenção.

O cérebro é caracterizado como uma máquina dotada de eficiência. Quaisquer perdas energéticas desnecessárias, para ele, devem ter resolução, e caso ele perceba que um dado não tem serventia para o armazenamento, o órgão acaba fazendo o descarte.

Pense o seguinte: se fossemos capazes de armazenar tudo o que vivenciamos, visualizamos ou lemos, com certeza ficaríamos loucos. Portanto, o esquecimento é parte fundamental da memória.

Contudo, esquecer coisas relevantes, já não é interessante. Isso geralmente acontece em virtude da falta de atenção e por condições estressantes.

Aqui estão algumas razões destacáveis por esquecermos determinadas coisas:

  • Informação sem uso

Uma das principais condições problemáticas relativas ao ato de esquecer, corresponde ao fato de não utilizarmos a determinada informação. Renato Alves revela que, quando estudamos somente uma vez determinado assunto, é comum que esqueçamos.

Apenas aqueles que estão acostumados ao estudo são capazes da memorização de tal assunto a partir de somente uma leitura. Em oposição a isso, exige-se que se façam estudos e leituras de conteúdos específicos para a possibilidade de ter memorização.

Portanto, a dica é sempre fazer revisões dos dados em cada 24h, por semana e todo o mês. É importante também se lembrar de fazer resolução de exercícios dos assuntos que aprender. Se fizer um uso maior da informação, maior a chance de ter a memorização.

  • Interferência de aprendizado novo

Todos os novos dados aprendidos causam modificações naquilo que já foi armazenado. Novos conectivos sinápticos compostos no novo conhecimento agem de forma que informativos antigos sejam obsoletos. A fim de que se evite isso, é preciso utilizar ambos os dados, os novos e os antigos.

A dica é fazer a revisão de todos os assuntos, desde os antigos até aos novos. Diversos alunos e concurseiros acabam esquecendo os assuntos antigos por simplesmente não efetuarem revisões. Tal revisão é uma arma em combate aos conteúdos esquecidos.

  • Interesse particular

Quando o concurseiro ou estudante específico não gosta daquilo que está fazendo, a situação complica. Tal interesse particular acaba tendo um impacto imenso em relação ao ato de memorizar alguma coisa.

Portanto, é importante lembrar que o cérebro age com a sinalização bioquímica, ao passo que estude de foram entusiasmada e com interesse. É a partir disso que a química cerebral faz a produção de reações que favorecem o aprendizado, memorização e atenção.

A dica é realizar uma modificação na maneira como você enxerga a vida enquanto um aprendiz. Ao invés de mencionar “estudar é muito chato”, diga “eu quero estudar, porque eu tenho uma meta a ser obtida”. Definindo os seus objetivos, fica mais fácil encontrar motivação para os estudos.

O intuito é manter o entusiasmo para o estudar, a fim de que se faça a produção química do cérebro ideal para o auxílio de estudos.

  • Estresse e ansiedade

Estes são os “inimigos” da memória. Isto porque ambas as condições estressantes e ansiosas são maneiras que o corpo encontra de se defender, e acabam atrapalhando a memória.

Não é que haja interferência na memória, propriamente dita, porém na atenção que se trata a porta em que se inicia o processo de memorização de alguma coisa. O estresse e a ansiedade, ao passo que em graus elevados, causam os denominados “brancos”.

O elemento proteico quinase C ou o elemento PKC, produzidos em casos de ansiedade e de estresse acabam prejudicando a memória categorizada a curto prazo, justamente a que é a primeira parte da consolidação da informação, até passar à memória categorizada em longo prazo.

Interferências, portanto, são relacionadas a atenção, visto que também há interferência da capacidade tomada de decisão.

Caso em prazo de estudos, você se encontre em calmaria, não há problemas. Dessa forma, é possível a assimilação todos os dados e a memorização, de acordo com as técnicas adequadas.

Contudo, se ao longo de uma avaliação ou concurso o estudante eleva o grau de estresse e ansiedade, é possível que aconteçam os “brancos”. A elevação do grau de cortisol acomete num bloqueamento da memória, tornando o resgaste impossível de determinado informativo.

Como fazer a recuperação de informações?

Algumas dicas muito práticas em relação a evitar os “brancos” ou fazer a recuperação dos dados, são imprescindíveis para um melhor aprimoramento cerebral:

       

É importante relaxar

Relaxe. Caso ocorram os “brancos” em momento de avaliações, é em virtude dos graus de estresse e de ansiedade elevados. Tente fazer um pensamento em determinas coisas aquém ao momento em questão, em alguma coisa que traga calmaria.

O que pode ser feito é ficar se imaginando em locais em que você sinta tranquilidade, permanecendo com tal imagem por alguns instantes, tranquilizando-se.

Não há prejuízos na avaliação, se precisar de cinco minutos realizando este exercício mental. Pior é deixar que tal condição ansiosa tome conta de si, atrapalhando o seu desempenho.

Seguir pistas

Confiar na sua memória é ato essencial. A lembrança de determinados fragmentos daquilo que se precisa pensar, podem se tornar grandes auxiliares a respeito da informação certa. Atente-se a todas as pistas que a memória pode desencadear ao tentar resgatar tal dado.

Quaisquer pequenos detalhes esquecidos podem ser resgatados a partir de uma letra, uma conceituação ou simples informativo.

Associações

A contar esse aspecto, inicie a associar o máximo de fatores que são possíveis sobre aquilo que se tem pretensão de resgatar na lembrança. Lembre-se dos momentos em que estudou tal assunto, e os possíveis fatores que podem estar ligados a esta lembrança

Esquecimento

Se, ainda, após o fim dos três fatores citados, não consiga lembrar de tal dado valioso, deixe para lá. Siga para o restante da avaliação e esqueça aquilo que estava procurando.

Você verá que, misteriosamente, de forma súbita a lembrança poderá surgir na sua mente e aí é só voltar até a questão e assinalar o que for correto.

Tais dicas agem de maneira efetiva quando há um estudo regular, porque todos os dados permanecem na memória.

A condição problemática é que, em virtude da ansiedade, ocorreu o impedimento de tal acesso. Seguir cada etapa de forma correta é imprescindível para conseguir o retorno pretendido.

Curso de memorização Renato Alves: é bom?

Com tanto tecnologia e informação, o que desencadeia tanta evolução é a memória. Ao compreender como ela funciona, estamos aptos a aprimorar nossas vidas profissionais e sociais.

Geralmente, recebemos um bombardeamento por centenas de informações, e além da necessidade de conhecer o filtro daquilo que é importante, é necessário que se faça a memorização do que, com certeza, faz a contribuição para que se possa crescer de forma individual.

As pessoas necessitam estar sempre fazendo reciclagens profissionais de mesma forma que ocorrem novidades, para não se tornar obsoleto em ambas as situações – profissional e social.

Os relacionamentos interpessoais são de extremo valor para a sociedade. Dessa forma, todos necessitamos da assimilação de conhecimentos. Para tanto, é fundamental que saibamos como fazer uso da memória de modo aprimorado para a eliminação de “brancos”.

Por isso, o curso de memorização Renato Alves proporciona diversas teorias e práticas que irão desencadear o aprimoramento da memória.

Ao modo que ela seja ativada, há o recebimento de estímulos. Determinadas pessoas costumam guardar cheiros, outras são motivadas por aquilo que escutam, enxergam ou sentem (tato).

O curso de memorização Renato Alves beneficia a todos aqueles que não conseguem solucionar as seguintes questões:

Uma quantidade imensa de disciplinas e não sei por onde começo a estudar

Devido a falta de uma organização que torne quaisquer iniciativas de estudos totalmente impossíveis.

O que fazer? Compreenda o passo a passo para a montagem e elaboração de planejamento de estudos com foco em memorização.

Há confusões e não consigo fazer a organização das ideias

As disciplinas em sequência de estudos sem um planejamento organizado, pode confundir e motivar inseguranças.

O que fazer? Compreenda as metodologias mnemônicas para que o estudo seja caracterizado por um início, meio e final.

Fico cansado demais depois de estudar

Gasto em excesso em relação à energia, sem obter resultados efetivos, gerando a falta de interesse ou de motivação relacionada aos estudos.

O que fazer? Estratégias de aprendizagem mais céleres para o estudo maior com gasto menor de energia.

Ao passo que estudo, acabo me distraindo facilmente

Falta de concentração acaba desencadeando o reestudo e gasto de energia excessivo.

O que fazer? Compreenda como manter o foco nos estudos e evitar pensar em coisas alheias.

Dificilmente me concentro ao ler alguma coisa

Há diferenças entre fazer a leitura ou estudar textos. A falta de tal conhecimento acomete os estudos.

O que fazer? Compreende a diferencia dos textos lidos e dos textos estudados para aprimorar o ritmo do estudo.

Costumo estudar muito, porém não consigo lembrar de nada

A falta de memória costuma gerar tempo perdido e falta de motivação para estudar.

O que fazer? Compreenda a fazer o uso da memória de maneira confiante e inteligente.

Curso de memorização presencial

A memória é caracterizada pela habilidade da mente em relação a conservação e resgate de situações e informações passadas. É fundamental disponibilizar de uma eficiência boa para armazenar os informativos a fim de promover uma organização de tarefas diárias ou para a lembrança de datas importantes – como aniversários, e afins.

Se há uma queda do rendimento da memória, várias complicações possibilitam aparecer ao longo da vida profissional, social e, de forma principal, em relação aos estudos.

Por isso, o curso de memorização presencial possibilita uma disciplina aprimorada da rotina de estudos, onde é possível encontrar o apoio das técnicas do especialista, com prática assídua.

O que pode estar errado em relação à memória?

De modo resumido, os procedimentos de aprendizagem, pensamentos e raciocínio não teriam possibilidade sem a existência de memória. Estas são conceituações que se associam de forma total.

Bons desempenhos e aprendizagens satisfatórias em relação aos estudos devem ser providas de uma memorização aprimorada.

Como aprender a aprender?

A lembrança de fórmulas de determinados elementos químicos, são, geralmente, impossíveis de resgatar. Contudo, a memorização de um universo de fórmulas é possível de ser caracterizada como uma atividade fácil. A resolução de tal problema está na própria mente, revela Renato Alves.

Ao conhecer o procedimento da memorização, há a possibilidade de um aprimoramento de tal capacidade. Caso saibamos de que maneira o cérebro faz a absorção, assimilação e aprendizado, bem como o armazenamento de informações, é possível obter a potencialização do sistema, de modo a tornar os dados mais fáceis de serem acessados, quando acharmos necessário.

Curso de memorização Renato Alves: grátis

Todo mundo sabe que uma das capacidades mais relevantes para estudos relacionados a diversas situações corresponde a memorização. São diversas as teorias, períodos, normas que parecem não caber em nossa mente. Por vezes, há o estudo diário e, ao chegar no fim do dia, temos a sensação de não ter estudado nada.

Para que possamos aproveitar o estudo em sua totalidade e guardarmos de primeira todo o assunto estudado, há várias técnicas de memorização e estudo que poucos conhecem.

A notícia excelente em relação a isso é o especialista Renato Alves, brasileiro com recorde de memória, fez a gravação de um curso grátis disponibilizando 4 aulas, onde ele ensina as principais estratégias – de teor avançado – de memorização e estudo.

1ª aula – “Como criar um Projeto de Aprovação”
2ª aula – “Você sabe Estudar?”
3ª aula – “Esqueci tudo o que estudei, e agora?”
4ª aula – “Os Segredos dos Gênios”

Portanto, não comece os seus estudos antes de acompanhar a este curso grátis do Renato Alves. Ele, de fato, transformará a sua rotina e o rumo da vida em relação aos estudos e aprovações!

Melhor curso de memorização

É constatado por alunos que reprovaram em concursos e vestibulares, sabotados pela própria mente, que ao passo de instantes importantíssimos da vida não estiveram aptos a lembrar do que foi estudado. Em grande parte das situações, a constatação é a ausência de conhecimento sobre o ato de memorizar conteúdo.

O curso do Renato Alves é tido como o Melhor Curso de Memorização, em virtude das situações a seguir que são solucionadas pelas técnicas do especialista:

  • anotação desesperada de tudo o que o docente ensina;
  • releitura de mesmo texto, várias vezes;
  • a falta de organização das disciplinas;
  • adequação de tempo existente ao tanto de assuntos e conteúdos;
  • administração inadequada do quantitativo de conteúdos;
  • estudo excessivo a ponto de esgotamento mental;
  • desconhecimento de metodologias eficientes de estudo;
  • fazer provas de forma rápida e com qualidade.

A memória dotada de uma boa organização torna-se uma biblioteca poderosa de dados para tomada de decisão rápida. Ao passo que se lembre de tudo o que foi estudado, realiza a prova de forma tranquila e rápida, e ainda sobrará tempo para a revisão de tudo.

A conquista de sua oportunidade

Muitos concurseiros estão mais aprimorados em relação aos estudos, tentando por várias vezes a mesma oportunidade de concurso, e se adaptando cada vez mais aos requisitos. Por isso, fará grande diferença obter uma memória que lhe favoreça, para poder se destacar dentro os concorrentes.

Lapsos de memória eliminados

Sabe a relevância da retenção das disciplinas em relação à memória. Além de se conseguir conhecimento no curso virtual, o aluno aprende as técnicas para a recuperação de dados que o auxiliarão evitar lapsos que atrapalham os candidatos durante as provas.

Se você pretende aprimorar a memorização e concentração para atingir seus objetivos de estudos, não deixe de conhecer e utilizar as técnicas do especialista Renato Alves. Bons estudos!

Recomendados Para Você:

       

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.