Clearance de Creatinina: Cálculo, Valores

0 2.152

O clearance de creatinina é um dos exames importantes para avaliar o desempenho dos rins quando há uma desconfiança de mau funcionamento. O sistema renal, na qual os rins são órgãos essenciais, desempenha funções vitais no organismo que vão muito além da produção e excreção de urina.

Além de serem os órgãos responsáveis pela eliminação de substâncias tóxicas resultantes do nosso metabolismo, os rins também participam na produção de hormônios relacionados ao controle da pressão arterial, formação de hemácias e regulação do metabolismo ósseo.

Além disso, os rins também regulam o equilíbrio de água e sais minerais no corpo através dos processos de filtração e reabsorção. Portanto, quando surgem problemas renais que debilitam o funcionamento dos rins, há sérias consequências à manutenção da homeostase corporal e outras repercussões na saúde do paciente.

Por esta razão, a realização de exames para a avaliação dos rins é muito importante para o diagnóstico do problema o mais rápido possível. Como por exemplo, a dosagem sérica de ureia e creatinina e o exame de clearance de creatinina.

Neste artigo, vamos explicar o que é clearance de creatinina, como é feito o exame e quando esse exame deve ser indicado na presença de sintomas específicos.

O que é Creatinina

clearance de creatinina: esquema do organismo mostrando os rins
Clearance de creatinina: creatinina é um resíduo produzido pelos músculos durante o metabolismo de outra substância chamada creatina

A creatinina é um resíduo produzido pelos músculos durante o metabolismo de outra substância chamada creatina, produzida no fígado, rins e pâncreas. A creatina participa do ciclo que produz a energia necessária para a contração muscular.

Assim, a creatinina consiste em um produto da degradação da fosfocreatina muscular, que costuma ser produzida pelo organismo em taxa constante. Por isso, a quantidade de creatinina produzida pelo corpo depende da massa muscular e é relativamente constante em uma pessoa.

Nesse ciclo, a creatina é transportada para músculos e cérebro, onde sofre um processo de fosforilação para liberação de energia para esses tecidos. A fosforilação quebra a creatina em fosfocreatina e creatinina. Quando nos rins, a creatinina é filtrada e o excesso excretado na urina. Como quase toda a creatinina é excretada, quando observamos um aumento nos níveis de creatinina no sangue, isso pode indicar problemas renais como uma deficiência na filtração dos rins.

A quantidade de creatinina removida do sangue depende da capacidade de filtração dos rins e do fluxo de sangue para esses órgãos. A quantidade de sangue filtrada por minuto é chamada taxa de filtração glomerular, e quando há lesão dos glomérulos ou diminuição do fluxo sanguíneo para os rins, a quantidade de creatinina removida do sangue eliminada na urina diminui, diminuindo também a taxa de filtração glomerular.

Exame de Clearance de creatinina

clearance de creatinina: médico segurando pote com exame de urina nas mãos
Clearance de creatinina: exame de urina para determinar valores de creatina no sangue e na urina.

O exame de clearance de creatina, também conhecido por depuração de creatinina, é realizado a partir da medição do volume de creatinina em uma amostra de urina colhida em geralmente 24 horas, e de sangue, que são, por conseguinte, encaminhadas para um laboratório, no qual é verificado o nível de creatinina em ambas as amostras. Desta forma, a taxa de depuração é calculada, sendo o cálculo ajustado para o tamanho, idade e sexo de cada indivíduo.

Os resultados são usados para calcular a quantidade de creatinina retirada do sangue e eliminada na urina. Esse valor é comparado com a taxa de creatinina que está sendo produzida no sangue, permitindo avaliar a quantidade de sangue filtrado em 24 horas.

A comparação entre a creatinina produzida e a quantidade de creatinina excretada é utilizada para avaliar a taxa de filtração glomerular (TFG) dos rins, que é a primeira etapa de formação da urina e é utilizada como medição padrão da avaliação da função renal.

Há várias versões desse cálculo. Todas incluem a medida da creatinina no sangue logo antes ou após a colheita de urina e a medida do volume de urina de 24 horas. Como a quantidade de creatinina produzida depende da massa muscular, alguns cálculos usam um fator de correção que leva em conta a área de superfície corporal, calculada a partir do peso corporal e da altura da pessoa.

A amostra de urina de 24 horas é necessária, pois a quantidade de creatinina na urina varia durante o dia. Assim, uma amostra aleatória de urina não trará resultados conclusivos. Com isso, a dosagem de creatinina na urina de 24 horas fornece uma média melhor capaz de indicar algo de errado no corpo. Caso a colheita não for completa, os resultados não serão válidos, devendo ser repetidos em em outro dia.

       

Outros modos de avaliar a taxa de filtração glomerular dos rins

A taxa de filtração glomerular também pode ser avaliada com base no resultado da creatinina no sangue. Como a colheita de urina de 24 horas está sujeita a erros, a avaliação da taxa de filtração glomerular a partir da creatinina no sangue fornece resultados razoáveis com base em um exame simples.

Por outro lado, há exames que têm uma precisão maior que o clearance de creatinina. No entanto, esses exames envolvem a injeção de um traçador e são mais caros. Assim, para a maioria das finalidades clínicas, a precisão do clearance de creatinina é suficiente.

Como o resultado é calculado?

O exame precisa ser feito através da coleta da urina de 24 horas. O que torna um tanto complicado em casos de extremos de idade (crianças ou idosos), devido à incompreensão, incontinência ou ao déficit cognitivo. O exame de sangue para comparação deve ser feito no mesmo intervalo de tempo. O clearance de creatinina é calculado a partir da fórmula:

Dcr = (Ucr x V) / Pcr

Dcr = depuração de creatinina
Ucr = níveis urinários de creatinina (medido em mg/dL)
V = volume de urina colhido em 24 horas
Pcr = creatinina plasmática (presente no sangue)

Como fazer o exame

  • Não recomenda-se realizar o exame durante o período menstrual, em casos excepcionais utilizar o tampão vaginal;
  • O frasco para coleta do material deve ser retirado no Laboratório e lavdo para casa para coleta;
  • Durante a coleta, o paciente deve desprezar a primeira urina da manhã, anotar o horário em que ocorreu esta micção e a partir deste horário, coletar todas as urinas emitidas durante as próximas 24 horas no mesmo frasco (sem perder nenhum volume), em frasco sem conservante e mantida refrigerada durante a coleta (não congelar);
  • Encaminhar a urina de 24 horas ao Laboratório no prazo máximo de 4 horas após o término da última coleta;
  • No laboratório, o frasco será identificado com nome, data e horário inicial da coleta;
  • A urina deve ser aliquotada e encaminhado o volume de 1 mL em tubo de transporte (com todas as informações de coleta no cadastro do exame).

Quando o exame é preciso?

O clearance de creatinina é uma boa indicação para a avaliação do funcionamento renal. Normalmente, é um exame prático, simples de ser realizado e econômico na avaliação da filtração glomerular.

O clearance de creatinina auxilia na detecção de problemas renais e insuficiência renal ainda no início. Ele pode ser solicitado sempre que o médico precisar avaliar a capacidade de filtração renal. Assim, ele pode ser pedido quando um paciente apresenta níveis altos de creatinina no sangue ou de proteína na urina em exames de rotina, ou quando apresenta sinais e sintomas de um distúrbio renal.

Dessa forma, o exame de clearance de creatinina deve ser indicado nas seguintes situações:

  • Paciente com histórico familiar ou pessoal de doença renal;
  • Paciente com hipertensão arterial e/ou diabetes;
  • Paciente com outras condições renais (rins policísticos, glomerulonefrite, infecções urinárias de repetição, recorrência de cálculos renais);
  • Paciente que faz uso contínuo de medicações nefrotóxicas;
  • Paciente com altos níveis de creatinina no sangue;
  • Paciente com sinais que indicam problemas renais.

Casos especiais

O clearance de creatinina deve ser feito periodicamente por pacientes com doença renal crônica ou com diminuição do fluxo sanguíneo para os rins devido a problemas como insuficiência cardíaca congestiva.

Nestes casos, o clearance de creatinina pode ser pedido para avaliar a evolução da doença e sua gravidade. Dessa forma, o resultado também pode ser usado para determinar a necessidade de diálise. Os principais sinais e sintomas que podem indicar problemas renais incluem:

  • Inchaço ou edema, em especial em torno dos olhos ou na face, nos pulsos, no abdômen, nas coxas ou nos tornozelos;
  • Urina turva, com sangue ou mudança de coloração (cor de café);
  • Diminuição do volume urinário;
  • Problemas durante a micção, como dor ao urinar, queimação, secreção anormal ou alteração da frequência, especialmente à noite;
  • Dor no meio das costas (flanco), abaixo das costelas, próximo da localização dos rins.
  • Hipertensão arterial;
  • Sangue e/ou proteínas na urina.

Resultado do exame de clearance de creatinina

Qualquer doença ou estado clínico que afete os glomérulos podem diminuir a capacidade dos rins de eliminar creatinina e outros resíduos do sangue. Quando isso ocorre, os níveis sanguíneos de creatinina aumentam e o clearance de creatinina diminui, porque reduz a capacidade de excreção de creatinina na urina. A função renal pode ser afetada em diversas situações. Como por exemplo, quando há diminuição do fluxo sanguíneo para os rins, que pode acontecer com insuficiência cardíaca congestiva, obstrução intra renal ou insuficiência renal aguda ou crônica. A diminuição do clearance de creatinina é proporcional à diminuição da filtração glomerular.

Ocasionalmente, o aumento do clearance de creatinina também pode ser observado durante a gravidez, após exercícios ou após a ingestão de grandes quantidades de carne, mas o exame em geral não é usado nesses casos. Níveis alterados de creatinina podem indicar:

  • Necrose tubular aguda;
  • Obstrução do canal da bexiga;
  • Desidratação;
  • Insuficiência cardíaca congestiva;
  • Estágio final da doença renal;
  • Glomerulonefrite;
  • Insuficiência renal;
  • Isquemia renal;
  • Obstrução do fluxo renal;
  • Choque.

Importante: Alguns fatores podem interferir na precisão do teste, como a colheita incompleta da urina, gestação, exercício intenso e uso de certos fármacos, como cimetidina, trimetoprim, cefalosporinas, probenecid, ácido ascórbico, hidantoína e na presença de glicose e corpos cetônicos. Já os diuréticos podem aumentar os resultados

Sintomas de distúrbios dos rins e do trato urinário

Quando há doenças renais e do trato urinário, elas podem envolver um ou ambos os rins, um ou ambos os ureteres, a bexiga ou a uretra. Nos homens, pode afetar a próstata, um ou ambos os testículos ou o epidídimo.

O problema, é que algumas doenças do trato urinário raramente causam sintomas até que o problema esteja muito avançado. Eles incluem insuficiência renal, tumores e pedras que não bloqueiam o fluxo da urina e algumas infecções de baixo grau.

Outras vezes, os sintomas ocorrem, mas são muito vagos e nem sempre estão obviamente relacionados aos rins. Por exemplo, uma sensação geral de doença (indisposição), perda de apetite ou náusea podem ser os únicos sintomas de insuficiência renal avançada. Nos idosos, a confusão mental pode ser o primeiro sintoma de infecção ou insuficiência renal a ser notado. Os sintomas mais sugestivos de um problema renal ou urinário incluem dor no flanco, inchaço dos pés ou pernas e problemas de micção.

Como é feito o diagnóstico?

clearance de creatinina: homem com dor nos flancos
Clearance de creatinina: dores nos falncos na região dos rins pode ser um dos sintomas de problemas renais.

O diagnóstico de doenças renais é feito através do histórico médico ao entrevistar o paciente. A entrevista inclui perguntas sobre os sintomas apresentados, histórico médico anterior, medicamentos e drogas (prescritos, comprados sem prescrição médica e drogas recreacionais, incluindo álcool e tabaco), alergias e doenças na família.

Tipicamente, as seguintes perguntas são feitas ao paciente de possível distúrbio que possa estar afetando os rins ou o trato urinário:

  • A quantidade, frequência e ritmo da micção;
  • Se a micção é dolorosa, queima ou se sai sangue na urina;
  • Se acontece vazamento de urina (incontinência urinária);
  • Se é difícil começar a urinar;
  • Se parece que a bexiga não se esvazia completamente;
  • Se já teve infecções do trato urinário no passado ou já foi submetido a procedimentos médicos envolvendo o trato urinário ou cirurgia;
  • Se sente dor no flanco, na região lombar ou no abdômen ou perto da genitália (como na virilha ou lábios);
  • A dieta, horário das refeições e tipo de alimentos e líquidos ingeridos (às vezes).

Exame físico

Em seguida, é feito um exame físico no paciente. Durante o exame, o médico tenta apalpar os rins. No entanto, não é possível apalpar os rins em adultos e crianças normais, exceto em algumas pessoas muito magras. Assim, os rins podem ser apalpados em recém-nascidos.

Em seguida, o médico examina o flanco ou região lombar do paciente e observar sinais de dor ou sensibilidade durante o exame, que podem sugerir um problema renal (como inchaço ou infecção). Caso o paciente tenha dificuldade em urinar e sente pressão no abdômen inferior, o médico coloca um dedo sobre o abdômen inferior e dá leves pancadas. Neste caso, se o som das pancadas soar mais maciço do que deveria ser, isso pode indicar uma bexiga inchada (distendida).

Pacientes homens costumam ser examinados na genitália, incluindo os testículos, para verificar inchaços, dores ou posição anormal. Em seguida, os médicos fazem um exame de toque retal para verificar se a glândula prostática está inchada, pois próstata aumentada pode inibir o fluxo de urina. Pacientes mulheres fazem exame pélvico para determinar inflamação ou irritação da parede vaginal (vaginite) ou dos órgãos genitais para determinar quais os sintomas do trato urinário.

Além disso, a pele do paciente é examinada com relação à alterações relacionadas à doença renal, o coração e os pulmões também são examinados com um estetoscópio para detectar barulhos incomuns que possam indicar um distúrbio renal. Caso haja suspeita de doença renal crônica, o médico avalia o paciente a fim de detectar sonolência ou confusão mental, sintomas característicos da doença.

Outros Exames

Após o exame físico, caso a suspeita de algum distúrbio no rim ou no trato urinário seja confirmada, são necessários novos exames ou procedimentos para diagnosticar o distúrbio específico. Assim, são pedidos uma amostra de urina (Urinálise), e em caso de suspeita de infecção, cultura de urina em laboratório.

Há também possibilidade de pedidos de exames de imagem do trato urinário, caso a suspeita seja de bloqueio (obstrução) ou de uma anormalidade nos órgãos internos do trato urinário. Já para determinar o funcionamento dos rins com relação à filtragem de resíduos do sangue, as amostras de sangue e urina (testes de função renal – clearance de creatinina) ajudam no diagnóstico.

Além disso, alguns casos também podem requerer exames de cistoscopia para examinar dentro da bexiga, ou uma biópsia para examinar uma amostra de células da urina ou do rim ou próstata.

Considerações finais

A creatinina é uma das melhores substâncias para a avaliação da taxa de filtração glomerular. As principais razões é o fato dela ser uma substância endógena, sintetizada a uma taxa relativamente constante por cada indivíduo, praticamente excretada por filtração glomerular. Ou seja, sem que haja reabsorção tubular, apenas residual, podendo ser facilmente analisada.

Assim, o clearance de creatinina é a prova mais popularizada para determinar a função renal. No entanto, pacientes com um rim com má disfunção e outro normal em geral têm apresentam clearance de creatinina normal, porque o rim funcional compensa a deficiência do outro. O clearance de creatinina diminui com a idade porque reduz a taxa de filtração glomerular. Portanto, outros exames também são pedidos para complementar o diagnóstico, caso haja suspeita de problemas renais.

Referências externas:

Labtestesonline
MSD Manuals

       

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.