O que é Canabidiol? Para que Serve? Preço e Onde Comprar

O canabidiol (CBD) é um composto químico retirado da Cannabis sativa, também conhecido como o nome marijuana, e seu uso é polêmico.

0 190

As pessoas tomam ou aplicam o canabidiol para tratar uma infinidade de sintomas, mas seu uso é contraditório. Há algumas divergências sobre o composto e como isso afeta o organismo humano.

Essa substância (CBD) tem diversos benefícios constatados para a saúde e também pode representar riscos. Produtos que o contém são agora legais em muitas cidades espalhadas pelo mundo onde a planta da maconha não é.

Este artigo vai explicar o que é o canabidiol, seus possíveis potenciais benéficos, como usá-lo, riscos iminentes e questões relacionadas à sua legalidade.

O que é canabidiol?

O canabidiol (CBD) é um composto químico retirado da Cannabis sativa, também conhecido como o nome marijuana. Mais de 144 compostos químicos, chamados de canabinóides, foram identificados na planta de Cannabis sativa.

Enquanto o delta-9-tetra-hidrocanabinol (THC) é o principal ingrediente ativo, o canabidiol (CBD) representa cerca de 40% de extratos de cannabis e tem sido estudada há muitos usos médicos.

O CBD é a mesma coisa que maconha?

Até há pouco tempo, a cannabis tinha um composto bem conhecido, que era o delta-9 tetrahidrocanabinol (THC). Ele é o princípio que mais tem ativação na maconha, que também contém CBD. Esses compostos possuem diferentes efeitos e não podem ser equiparados entre si.

O THC cria uma “alteração” mental quando uma pessoa o fuma ou o utiliza na culinária. Isso ocorre porque o THC se quebra quando aplicamos calor e o introduzimos no corpo.

CBD é diferente. Não é psicoativo, como seu “colega” THC. Isso quer dizer que quando uma pessoa o usa, não tem o estado de espírito alterado. No entanto, o canabidiol aparentemente produz mudanças consideráveis no corpo, e algumas pesquisas afirmam que ele tem benefícios medicinais.

O sistema endocanabinóide

O sistema endocanabinóide é possivelmente um dos sistemas mais fascinantes do corpo. Foi descoberto através da pesquisa dos efeitos da cannabis no organismo. Na verdade, esse sistema incrível que regula o equilíbrio interno do corpo recebeu esse nome da planta que tornou possível sua descoberta.

O sistema endocanabinóide é composto de endocanabinóides e seus receptores. Estes são encontrados no cérebro e em outros órgãos, às glândulas e às células do sistema imunológico.

O sistema endocanabinóide funciona de maneira diferente nas diversas partes do organismo, mas o objetivo final é a homeostase (equilíbrio interno).

Os endocanabinóides são os grandes responsáveis ​​pelo aumento natural de euforia que aumenta a sensação de bem-estar e diminui a percepção da dor. O canabidiol é outra maneira de afetar esse poderoso sistema corporal.

Diminuir a percepção da dor é um dos benefícios do canabidiol.

De onde vem o CBD?

O cânhamo é a forma que menos se processa na planta canábica. Ele contém o maior percentual do CBD que se usa medicinalmente. Maconha e cânhamo são retirados da Cannabis sativa, mas são compostos bem diferentes.

Com o decorrer dos anos, os cultivadores da maconha produziram seletivamente suas plantas para conter altos níveis de THC e outras substâncias que interessavam a eles, muitas vezes porque produziam um odor característico ou tinham outro efeito especial sobre as suas flores.

No entanto, os produtores de cânhamo raramente modificaram a planta, permanecendo no seu estado natural.

Como o CBD age?

Os canabinóides em sua totalidade, isso inclui o CBD, produzem efeitos no corpo, ligando-se a determinados receptores.

O organismo humano por si produz alguns canabinóides. Ele também tem dois outros receptores chamados de receptores CB1 e receptores CB2.

Os receptores CB1 estão presentes em todo o organismo, mas a grande maioria se concentra no cérebro. Estes trabalham com:

  • Movimento e coordenação;
  • Dores;
  • Humor e emoção;
  • Apetite
  • Pensamentos;
  • Memória, dentre outras funções.

O THC acaba se ligando aos receptores. Os receptores CB2 são comumente encontrados no nosso sistema imunológico. Sua atuação se dá nas dores e inflamações.

Pesquisadores acreditavam que o CBD se conectava aos receptores CB2, mas agora parece que o cabanidiol não se liga diretamente a nenhum deles. Ao invés disso, aparentemente ele direciona o organismo a utilizar mais dos canabinóides próprios.

Para que serve?

O CBD tem potencial para beneficiar a saúde de uma pessoa de várias maneiras.

O CBD pode ser usado para diversos fins.

Alívio das dores e propriedade anti-inflamatória

Os indivíduos tendem a utilizar remédios prescritos e até mesmo de venda liberada para o alívio da musculatura rígida e da dor, o que também inclui a dor crônica. O canabidiol oferece uma alternativa mais natural.

Pesquisadores atentaram para o fato de que o CBD reduz consideravelmente as inflamações crônicas e as dores em alguns casos. Seus compostos, que não possuem psicoatividade, podem fornecer um tratamento novo para essas condições.

Promove o peso saudável

O canabidiol pode contribuir para a manutenção do açúcar no sangue saudável. Ele estimula genes e proteínas que ajudam a quebrar a gordura e aumenta a mitocôndria que contribui para a queima de calorias.

O CBD também incentiva o organismo a converter gordura branca em gordura marrom.

A gordura branca é o tipo de gordura em que normalmente pensamos quando nos lembramos em gordura corporal.

A gordura marrom é a gordura presente em pequenos depósitos que se comportam de maneira diferente da gordura branca.

Diz-se que a gordura marrom melhora a saúde ao melhorar a capacidade do corpo de queimar gordura branca, criar calor e até mesmo regular o açúcar no sangue.

Contribuição para parar eliminar o tabagismo

Determinadas evidências comprovam que a utilização de CBD pode auxiliar os indivíduos a eliminar o vício do fumo. Estudos descobriram que o fumante que usava inalador contendo a substância diminuiu a quantidade de cigarros fumados e não tinha mais desejos por nicotina.

Isso faz dele um tratamento promissor para pessoas com distúrbios por dependência de opiáceos, uma vez que reduz alguns sintomas associados a transtornos causados pelo consumo de entorpecentes. Estes incluíram ansiedade, sintomas relacionados a insônia, humor e dor.

Epilepsia

O cabanidiol recentemente está sendo usado como terapia para duas doenças raras caracterizadas por crises epilépticas. A substância pode tratar:

  • Síndrome de Lennox-Gastaut (LGS), uma condição que aparece entre as idades de 3 e 5 anos e envolve diferentes tipos de convulsões;
  • Síndrome de Dravet (SD), uma condição genética rara que aparece no primeiro ano de vida e envolve convulsões frequentes relacionadas à febre.

Os tipos de convulsões que caracterizam LGS ou DS são difíceis de controlar com outros tipos de medicação.

Artrite reumatoide

Por conta de seu potencial anti-inflamatório, os canabinóides podem proporcionar alívio da dor e do inchaço das articulações e diminuir a destruição das articulações e a progressão da doença.

Outros sintomas e distúrbios neurológicos

Pesquisadores descobriram seus efeitos em vários distúrbios neuropsiquiátricos. Eles observaram que o canabidiol possui benefícios anti-convulsivos e riscos pequenos de efeitos colaterais em indivíduos epilépticos.

Os resultados indicam que o composto também pode tratar muitas complicações ligadas à epilepsia, como lesão neuronal, doenças psiquiátricas e neurodegeneração.

É fato que o canabidiol produz efeitos semelhantes aos de certos antipsicóticos e fornece um tratamento eficaz e seguro para pessoas com esquizofrenia. No entanto, são imprescindíveis mais pesquisas.

O CBD tem sido estudado e um de seus benefícios parece ser no tratamento de pessoas com esquizofrenia.

Esclerose múltipla

O THC e o CBD são dois ingredientes ativos usados ​​em um famoso tratamento para a esclerose múltipla. Os estudos realizados para o desenvolvimento da droga mostraram que o canabidiol pode ser ainda mais útil que o THC na luta contra os males da esclerose múltipla.

Luta contra o câncer

O CBD e outras substâncias químicas encontradas na cannabis têm um efeito antitumoral e podem ser usadas para melhorar os tratamentos padrões. Esse composto detém com sucesso as células cancerígenas em várias células diferentes do cancro do colo do útero.

Ele aumenta a morte de células tumorais em leucemia e câncer de cólon. Também diminui o crescimento e a invasão de glioma humano, sugerindo um possível papel como agente antitumoral.

Os canabinóides podem ser ferramentas promissoras na terapia combinada para câncer de mama e próstata, devido a seus efeitos antitumorais diretos, sua capacidade de melhorar a eficácia de drogas antitumorais convencionais e sua utilidade como tratamento para reduzir a dor.

Os mecanismos anticancerosos são:

  • Diminuição da capacidade das células cancerígenas para produzir energia, levando à sua morte;
  • Auxílio com as células assassinas ativadas por linfocina (LAK) a matarem melhor as células cancerosas;
  • Bloqueio da sinalização CPR55, diminuindo a proliferação de células cancerígenas.

Ansiedade e seus transtornos

Os médicos geralmente aconselham que pessoas com ansiedade crônica a evitem a cannabis, uma vez que o THC pode incitar ou aumentar sentimentos de ansiedade e paranoia.

No entanto, estudiosos verificaram que o canabidiol pode contribuir na redução da ansiedade em indivíduos com determinados transtornos relacionados. Ele reduz comportamentos relacionados à ansiedade em pessoas com condições como:

  • Transtorno de ansiedade geral;
  • Transtorno de estresse pós-traumático;
  • Transtorno do pânico;
  • Transtorno obsessivo-compulsivo;
  • Transtorno de ansiedade social.

O tratamento atual para os transtornos pode acarretar outros sintomas e também efeitos colaterais, o que faz com que algumas pessoas parem de consumir os medicamentos.

Náuseas e aumento do apetite

O CBD, em baixas doses, diminui náuseas e vômitos produzidos por drogas tóxicas. Além disso, aumenta o apetite por ligação aos receptores canabinóides no corpo.

Foi constatado também que o canabidiol reduz significativamente as sensibilidades alimentares.

Promoção da saúde do coração

       

Estudos relataram que o CBD causa dilatação das artérias e protege os vasos sanguíneos de danos. Ele reduz o tamanho do infarto (tamanho do dano dos vasos sanguíneos entupidos) no coração e no cérebro, assim como os ritmos cardíacos irregulares.

O canabidiol também influencia a função das células brancas do sangue e a agregação plaquetária.

Estudos apontam que o canabidiol também pode fazer bem ao coração.

Doença intestinal inflamatória

O CBD previne a colite, reduz a inflamação e alivia sintomas como dor abdominal e diarreia. Isso tudo além de ser um bom candidato para normalizar a motilidade intestinal em pacientes com doença inflamatória intestinal.

A redução da inflamação intestinal se dá por meio da ativação do gama-receptor ativado por proliferador de peroxissoma (PPAR-gama).

Proteção contra bactérias

O canabidiol mostra atividades antimicrobianas contra o Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA), uma bactéria que causa infecções difíceis de tratar.

Redução da discinesia

A discinesia provoca movimentos involuntários. O CBD (combinado com um bloqueador do TRPV-1) reduz os sintomas da doença.

Seus mecanismos são:

  • Diminuição da produção de marcadores inflamatórios;
  • Diminuição da quantidade de enzimas chave que causam discinesia.

Insônia

O canabidiol tomado antes de dormir melhora o sono em pessoas com insônia.

Psoríase

O CBD reduz o aumento de células da pele (queratinócitos), desempenhando um papel potencial ao tratar da psoríase.

Diabetes tipo 1

O diabetes tipo 1 resulta de inflamação que ocorre quando o sistema imunológico acaba atacando as células pancreáticas. O CBD pode dar um alívio para essa inflamação.

Além de redução da inflamação, o canabidiol protege contra ou retarda o desenvolvimento da doença.

Acne

Esse mal é causado, em grande parte, pelas inflamações e pelas glândulas sebáceas que ficam sobrecarregadas no organismo.

O composto auxilia na diminuição da produção de sebo que, por sua vez, acarreta a acne. Isso se dá em grande parte por conta de suas propriedades anti-inflamatórias no corpo.

Doença de Alzheimer

Sendo capaz de impedir o desenvolvimento do déficit de reconhecimento social, podemos dizer que a substância é um excelente caminho para tratar da doença.

Isso quer dizer que o CBD pode auxiliar os indivíduos nos estágios iniciais do Alzheimer a manter a capacidade de reconhecimento dos rostos familiares.

Como usar

O CBD é apenas um dos compostos que estão presentes na maconha, e não é psicoativo. Fumar cannabis não é o mesmo que usar o canabidiol, por exemplo.

Se um médico o prescrever para tratar LGS ou DS, é importante seguir suas instruções.

Produtos baseados em CBD vêm em muitas formas. Alguns podem ser misturados em diferentes alimentos ou bebidas ou tomados com uma pipeta ou conta-gotas.

Outros estão disponíveis em cápsulas ou como uma pasta grossa para ser massageada na pele. Alguns produtos estão disponíveis como sprays, tal o caso do Mevatyl.

As dosagens recomendadas variam entre os indivíduos e dependem de fatores como o peso corporal, a concentração do produto e o problema de saúde.

Indicações do canabidiol

Algumas pessoas consideram tomar o composto para ajudar a tratar:

  • Dor crônica;
  • Epilepsia;
  • Mal de Parkinson;
  • Doença de Huntington;
  • Distúrbios do sono;
  • Glaucoma.

Legalidade

Em janeiro de 2017, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) fez a aprovação do registro do primeiro medicamento que tem como base a Cannabis sativa (maconha) em território nacional. É o Mevatyl, que tem como indicação o uso no tratamento da rigidez em excesso da musculatura (espasticidade) que se relacionam com a esclerose múltipla.

O remédio possui tanto o tetraidrocanabinol (THC concentrado em 25 mg/mL) quanto o canabidiol (CBD concentrado em 27 mg/mL). Esses são os dois princípios ativos da maconha que podem ser usados de forma medicinal. O Mevatyl só pode ser comercializado para maiores de 18 anos, em forma de spray (solução oral).

O medicamento tem registro em diversos países como Saitivex, sendo fabricado pela GW Pharma Limited, uma empresa da Inglaterra. Quem detém o registro no Brasil do remédio é a Beaufour Ipsen Farmacêutica Ltda.

O Mevatyl, por aqui, será comercializado com tarja preta em sua rotulagem e a sua dispensação ficará sujeita a prescrição médica por meio de notificação de receita.

Conforme a Anvisa, o remédio, que tem aprovação em mais 28 países diferentes, que inclui Estados Unidos, Canadá, Alemanha, Suécia, Dinamarca, Israel e Suíça, é indicado para pacientes que não são resistentes a outros ativos antiespásticos.

A agência ainda ressaltou na época, por meio de um comunicado na imprensa, que o Mevatyl não é recomendado para auxiliar no tratamento da doença da epilepsia, uma vez que dado o seu conteúdo de THC em conjunto com outro composto, é possível que cause um agravo das crises (leves e graves) epiléticas.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária fez a liberação do THC e do CBD como compostos presentes no remédio por terem comprovação dos efeitos. Pode ser considerado confiável, uma vez que a agência é bastante criteriosa em suas ações.

No Brasil, o Mevatyl é o único medicamento à base de canabidiol liberado pela Anvisa.

Qual o preço e onde comprar?

O Mevatyl (Ou Savitex, como é comercializado no exterior), é vendido no mercado nacional pelo preço de R$ 2.837,40. Esse preço é equivalente a uma caixa contendo 3 sprays, em frasco de 10 ml cada.

Contudo, esse não é um valor tabelado, podendo haver variações de Estado para Estado, levando em conta o ICMS. No caso de distribuidores para as farmácias, o preço máximo praticado é de R$ 2.129,69.

Os produtos derivados do CBD são, em geral, comercializados pela internet. A compra online é uma forma rápida, viável, segura (em termos) e conveniente de adquirir o composto.

As vantagens desse tipo de aquisição podem ser listadas a começar pela gama de variedades dispostas para escolha. É possível também fazer um comparativo de preço de maneira mais eficiente através dos sites de busca.

Além disso, é possível avaliar o fornecedor pelas suas avaliações, por intermédio das redes sociais, dentre outras ferramentas para medir a reputação, tanto de quem vende quanto da mercadoria.

Mas como nem tudo são flores e temos conhecimento das inúmeras armadilhas que a internet apresenta a todo momento, é preciso tomar cuidado com as fraudes. Desconfie de propagandas onde se expõem efeitos milagrosos e rápidos. Com certeza se trata de uma fake news.

É possível também comprar o canabidiol, assim como o óleo de cânhamo, em varejos especializados (lojas de nutrição, por exemplo) e sem receituário médico.

Efeitos colaterais

Muitos estudos de pequena escala analisaram a segurança do CBD em adultos. Eles concluíram que os indivíduos tendem a tolerar bem uma ampla gama de doses.

Pesquisadores não encontraram efeitos colaterais significativos no sistema nervoso central, nos sinais vitais ou no humor, mesmo entre pessoas que usaram altas dosagens.

O efeito colateral mais comum foi o cansaço. Além disso, alguns pacientes relataram diarreia e alterações no apetite ou peso.

No entanto, as seguintes incidências podem ocorrer entre aqueles que ingerirem o canabidiol:

  • Problemas de fígado;
  • Sintomas relacionados ao sistema nervoso central, como irritabilidade e letargia;
  • Apetite reduzido;
  • Problemas gastrointestinais;
  • Infecções;
  • Erupções cutâneas e outras reações de sensibilidade;
  • Micção reduzida;
  • Problemas respiratórios.

Para o doente que usa o Mevatyl, existe o risco de agravar a depressão ou de agravar os pensamentos suicidas. É importante monitorar quem está usando este medicamento para sinais de mudança de humor.

As pesquisas sugerem que é improvável que uma pessoa que esteja tomando o remédio forme uma dependência.

Há algum problema de tolerância?

O canabidiol é eventualmente seguro quando tomado por via oral ou por pulverização sob a língua de forma adequada entre os adultos.

Doses de canabidiol até 300 mg por dia foram tomadas por via oral com segurança até 6 meses. Doses mais elevadas de 1200 a 1500 mg por dia foram tomadas por via oral com segurança por até 4 semanas.

Os sprays de CBD aplicados sob a língua foram utilizados em doses de 2,5 mg durante 2 semanas. Alguns efeitos colaterais relatados incluem boca seca, pressão arterial baixa, tontura e sonolência.

Efeitos colaterais de outros usos do CBD

Muitas vezes, há falta de evidências sobre a segurança de opções de tratamento novas ou alternativas. Normalmente, os estudos não realizam a série completa de testes.

Qualquer pessoa que esteja pensando em usar o CBD deve conversar com um profissional de saúde qualificado de antemão.

Quando os medicamentos não têm a aprovação da Anvisa, pode ser difícil saber se um produto contém um nível seguro ou efetivo do canabidiol. Produtos não aprovados podem não ter as propriedades ou o conteúdo declarado na embalagem.

É importante notar que os pesquisadores associaram o uso de maconha durante a gravidez a prejuízos no desenvolvimento fetal dos neurônios. O uso regular entre adolescentes está associado a questões relativas à memória, comportamento e inteligência.

Riscos

Ainda faltam dados de segurança de longo prazo disponíveis. Além disso, até o momento, os pesquisadores não realizaram estudos envolvendo crianças.

Na gravidez e amamentação, não existe informação suficiente e fiável sobre a segurança de tomar o canabidiol. Como precaução, evite usá-lo.

Recomendados Para Você:

       

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.