Como eliminar o calor da menopausa

0 7.307

A menopausa é marcada, pelo período da fisiologia posterior ao último fluxo menstrual espontâneo. Nessa etapa da vida feminina, encerram-se os ciclos da menstruação e ovulações, e iniciam os sintomas como o calor da menopausa, tão reclamado pelas mulheres.

Esse período transitório, em que a menopausa se trata de uma etapa da vida feminina, há modificações no organismo feminino, que promovem um aumento do possível surgimento de doenças e agravamentos.

Nesse período, é muito comum que ocorram os sintomas de fogachos, calores excessivos. Para evitar o calor da menopausa é necessário, portanto, a ingestão de alimentos que contenham elementos que auxiliem a atenuem as variantes dos hormônios

As ondas do calor da menopausa são motivadas por modificações no hipotálamo, que se responsabiliza pela regulação da temperatura do corpo. Com essa modificação, ocorre a sensação de várias ondas de calor que colaboram para uma pele avermelhada no tórax, pescoço e rosto, por vários minutos, acompanhados de sudorese.

Remédios para o calor em excesso

Muitos acabam não apreciando o calor, mas o público feminino, em questão, acaba tendo sérias dificuldades pelo excesso do calor na época e etapa da vida chamada climatério. Nessa instância, o calor aparece repentinamente, sem motivo aparente, inclusive em dias de muito frio, e é complicadíssimo fazê-lo desaparecer, justamente pela razão de que é um calor interno.

De formal geral, o excesso de calor da menopausa perdura até que se trate a etapa do climatério, normalizando-o. Esse período pode demorar meses. Entretanto, não é necessário tanto sofrimento. Determinadas situações podem ajudar para que o calor tenha sua redução, até mesmo os conhecimentos caseiros. Os medicamentos farão com que as mulheres tenham sensações de maior conforto, para que se sintam mais confortáveis, reduzindo a quentura.

Paliativos x soluções permanentes

Os dois elementos destacam excelência para amenizar o sofrimento feminino com o calor em excesso. De acordo com o paliativo, a sensação refrescante já terá suficiência para que as mulheres tenham uma melhora no humor, visto que o desconforto pelo calor assíduo é tremendo. As opções paliativas se destacam por maneiras simples e sem gastos de aliviar o calor.

Já, as soluções permanentes correspondem a um fator que muitas aderem e sem muito custo, acontecendo mediante ao fato de ministrar a reposição de hormônios. A partir dessa reposição, as mulheres optam ainda pela homeopatia ou ao uso de medicamentos mais fortes.

Para a opção da solução permanente, o que acontece é um alívio do que constrange muitas mulheres, o que se caracteriza pelo corpo com sudorese, roupas úmidas e afins. O público feminino na menopausa reforçam que o desodorante não adianta, que o vestuário continua apresentando muito suor e, até mesmo, os odores desagradáveis.

Opções paliativas

Os paliativos são muito parecidos ao que são utilizados em dias de verão. São eles:

  • molhar a parte dos pulsos com água gelada – isso faz com que a temperatura corra pela circulação da mulher e promova um alívio refrescante de forma imediata;
  • leques – essa é uma opção muito utilizada pelas mulheres na menopausa;
  • o uso de ventiladores – os portáteis são ótimas opções para carregar em qualquer lugar, de preferência os menores que possuem pilhas;
  • bebidas geladas também têm indicação; principalmente as que possuem elementos refrescantes;
  • suco de abacaxi com hortelã; suco de melancia – são opções de bebidas que refrescam muito, com água bem gelada ganha uma potência muito maior;
  • borrifadores – ter esta opção é interessante, principalmente para as áreas do rosto; tentando manter sempre em ambientes com sombra para que a água perca a temperatura gelada;

Para borrifar a água, é interessante que seja diretamente à testa, ao pescoço, nas pernas e, até na parte de trás da orelha. Depois da borrifada, uma boa dica é ter o abanador para aumentar o grau de refrescância.

 

Como amenizar os fogachos?

A menopausa tem seu reconhecimento a partir das ondas de calor que são disponibilizadas. A maior parte das mulheres costumam sentir um calor mais leve, e outras, por outro lado, passam muito mal com o excesso de suor e fogachos. O que acontece é que as ondas de calor da menopausa são geradas pela queda do hormônio de estrogênio, mas há a possibilidade de tornar mais amena a intensidade e a redução de seus frequentes fogachos, a partir de tratamentos especializados, medicamentos caseiros e alterações no modo de vida.

> Utilize roupas que se sobreponham. É sempre muito ruim não ter a possibilidade de tirar as roupas logo que as ondas de calor atingem o corpo, ainda mais se a peça única que se está utilizando é moletom. Utilize roupas de algodão leves ou que combinem por baixo de cardigãs ou ainda blusas de mangas compridas. Se fizer frio, utilize roupas que esquentem por cima dessas roupas mais leves, como jaquetas.

> Há algumas roupas com PCM em seu composto, que é um material de alteração de etapa, que auxilia na regulagem da temperatura corporal por meio do suor absorvido. A sua venda ainda não está disponível no Brasil, porém podem ser compradas pela internet.

> Faça ajustes na temperatura de sua casa também. Mantenha ambientes frescos com o ar sempre em circulação para que se alivie o calor. Reduza a temperatura a um grau que agrade a todos que residem ali.

> Utilize ar condicionados ou ventiladores para que a casa permaneça arejada.

> Acostume dormir com o ventilador ligada. Há muita dificuldade em dormir com os fogachos. Elas motivam a sudorese e deixam as roupas encharcadas. Ainda, esse fato promove muitos calafrios, e a mulher necessita ficar acordando ao longo da noite inteira para fazer a troca de roupa. Deixe o ventilador ligado perto da cama para se livrar desse desconforto.

> Deixar bolsas de gelo sob travesseiros ao longo do dia é uma ótima opção. Quando for dormir, o travesseiro estará gelado na parte inferior, sendo que é possível virá-lo para que se alivie o calor e regule a temperatura corporal.

> Além dos vestuários, há também roupas de camas produzidas em PCM. Esse material consegue absorver o suor, evitando que as roupas da cama permaneçam molhadas e o tecido é muito mais confortável que o algodão, por exemplo.

> Deixar peças de pijamas próximas a cama podem ser boas ideias também. Em caso de suores noturnos, não será preciso levantar e ir atrás de novas roupas. Basta ter a roupa ali ao seu alcance. Outro fator que pode auxiliar algumas mulheres é dormir de meia que fazer a regulagem da temperatura corporal.

Veja também!

> Tenha sempre respirações profundas. Isso também auxilia na redução dos fogachos. Existem técnicas de respirações rítmicas que podem auxiliar nesse processo. A dica é respirar lentamente e de forma profunda pelo nariz, de modo a expandir o diafragma, e em seguida, contraí-lo na expiração também lenta. Fazer 6 a 8 respirações em um minuto, uma vez pela manhã e outra vez à noite, em 15 minutos, pode auxiliar e muito a aliviar os fogachos noturnos. Ao sentir que as ondas calorosas estão iniciando, também inicie o processo da respiração profundo para o controle do fogacho.

> A prática de yoga e meditação são técnicas que auxiliam muito a focar nas respirações, e a encontrar tranquilidade no processo da menopausa. A yoga consegue reduzir o estresse. Além disso, esse fato consegue colaborar para aliviar fatores sintomáticos da menopausa. Manter o controle do estresse beneficia também na redução dos graus hormonais e, ainda, dos calores.

> Se você fuma, pare agora mesmo. O cigarro promove a intensificação dos fogachos. É claro que não é uma atitude muito fácil para quem fuma há muito tempo. Se for o caso, tente ir eliminando o número de cigarros diários na menopausa.

> A alimentação é fator imprescindível para equilibrar a saúde do organismo. Controlar o peso por meio de atividades físicas e dos alimentos é uma ótima forma de aliviar os sintomas da menopausa em relação aos fogachos. As mulheres, principalmente, as que estão um pouco acima do seu peso ideal, são predispostas ao sofrimento do calor da menopausa.

Tratamento natural para as ondas de calor

Os fogachos, que são aquelas ondas de calor excessivas, são sintomas da menopausa, que podem acontecer em qualquer etapa do climatério. A manifestação deles ocorre como algo transitório súbito e intenso, com um calor provocado na pele, de forma principal no tronco, pescoço e rosto. Além disso, pode gerar uma hiperemia, que geralmente vem junto de um suor excessivo.

Ainda, pode acontecer palpitações e, de forma mais rara, sensações de desfalecer, muito desconfortável. A intensidade desse sintoma pode ter variação, dos graus mais leves até os mais intensos, acontecendo de forma esporádica, ou em vários momentos diários.

O tempo dos fogachos pode acontecer entre segundos até meia hora. As causas dessas ondas são desconhecidas. Há estudos que atribuem essas modificações ao centro de termoregulagem relacionadas ao hipoestrogenismo, promovendo o aumento na noradrenalina e dos pulsos de GnRH e do LH. Ao consumir bebidas alcoólicas ou líquidos e alimentos com calor, os ambientes com alta temperatura, situações estressantes, emoções de muita intensidade, aglomerados de pessoas, lugares muito abafados, a utilização de vestuários quentes, tudo isso está ligado ao fator que desencadeia as ondas calorosas, e devem ser evitadas.

Faz parte desse processo, também, os calafrios, os sintomas de insônias ou ainda sonos agitados, com vertigens, redução de memória, cansaço, relacionados todos por diversos fatores do climatério.

O climatério se trata de uma etapa natural do organismo da mulher, e pode ser um momento de muita dificuldade para elas, devido aos seus sintomas desagradáveis.

Fogachos, sudorese noturna, sensação de irritação, insônia, fadiga, são sinais que acometem as mulheres na menopausa, que ocorre geralmente entre os 45 e 55 anos.

Entretanto, o que pode auxiliá-las nesse momento são os medicamentos naturais que colaboram para o equilíbrio dos hormônios e alívio de efeitos indesejados do climatério.

Veja também

Algumas dicas de tratamentos naturais para alívio dos fogachos noturnos são:

Cohosh preto

Uma erva usada há muito tempo, principalmente, pelos índios americanos que tratavam o desequilíbrio dos hormônios, como as cólicas de menstruação e sinais do climatério. Atualmente, é retirado o extrato das ervas para o alívio de diversos sinais hormonais, podendo ser uma ótima dica para acalmar os fogachos, fatores de irritação, modificações do humor e, ainda, de insônia. É provável encontrar o cohosh preto em chá, em extratos e ainda cápsulas.

Óleo Essencial de Sálvia

Por conta das propriedades estrogênicas do óleo, ele é um ótimo medicamento que auxilia no equilíbrio hormonal e ainda no alívio do calor da menopausa. A maneira mais eficaz de utilizar o óleo é por meio de inalações, mas é possível, também, a diluição do óleo da sálvia a um elemento massoterapêutica, como o exemplo das amêndoas, com massagem abdominal.

Aromaterapia

Se os medicamentos comuns não fazem o efeito aguardado para os desconfortos do climatério, a indicação é a aromaterapia. Misturar o óleo de amêndoas com algumas gotas das essências de manjericão, de louro, hortelã, a sálvia e o anis estrelado, podem ser alternativas que geram bons resultados. Esfregar as gotas deste medicamento no interior dos pulsos e, ainda, pelos braços, em todas as vezes que tiver a sensação de calor, até três vez diárias, podem tornar esse processo muito mais agradável.

Vitamina C

Fogachos podem ser sintomas das glândulas adrenais sobrecarregas – que são as que permanecem acima da região renal e auxiliam o corpo ao manejo dos possíveis estresses –

A fim de reforçar essas glândulas, o ideal é evitar cafeína e apostar em vitamina C. A vitamina é fundamental para a fabricação hormonal da glândula adrenal – essa, usa mais a vitamina C do que quaisquer outros órgãos corporais. Tenha em mente que, anteriormente ao início de suplementos vitamínicos, é preciso do auxílio especializado.

MAX AMORA

Este é um produto natural que não possui efeitos colaterais. Max Amora é um ótimo composto, eficaz para os sinais da menopausa e climatério, agindo fortemente no ressecamento da vagina, nos problemas de irritabilidade e ansiedade, no sistema nervoso, ativando a memória, colaborando para amenizar dores nos músculos e articulações, fogachos e calafrios, dores de cabeça, despertando a libido, e também auxiliando nos momentos noturnos, melhorando o sono, os sintomas depressivos e as questões urinárias. Clique aqui para comprar

Ginseng

O ginseng é um estimulante das glândulas supra-renais que promove a contribuição da melhora sintomática da menopausa. Há a possibilidade de acha-lo em lojas de elementos naturais de maneiras diferenciadas, como por exemplo, chás e ainda cápsulas.

Trevo vermelho

O trevo vermelho é capaz do auxílio dos hormônios para equilibrá-los, em virtude a elementos estrogênicos naturais que constam nele, denominados isoflavonas. Elas auxiliam ao aumento dos graus de estrogênio no corpo e promovem o alívio dos sintomas do climatério.

Isoflavonas

Além de serem disponibilizadas no trevo vermelho, as isoflavonas são digeridas a partir de uma a duas xícaras diárias do leite de soja orgânica, ou bebendo sopa de missô de três em três dias.

O que são os calores noturnos femininos?

Ao chegar o climatério, a etapa de fogachos alternados com calafrios, uma possível redução de libido, a pele flácida e ressecada, quedas de fios capilares, astenia, irritabilidade, secura vaginal, e fatores que podem, quando não tratados, desencadear depressões e ansiedades.

Ainda que muitas mulheres apresentam estes sinais de forma intensa, para outras, os sintomas são quase imperceptíveis. Por outro lado, há situações em que essa etapa da vida feminina pode ser devastadora.

Os fogachos tornam-se grandes pesadelos. De modo geral, eles são acompanhados de vermelhidões pela face, com suores intensos, molhando roupas em ocasiões inadequadas e, consequentemente, constrangendo. São possíveis companheiras noturnas, e atrapalham o sono. Há mulheres que acordam uma média de cinco a seis vezes durante a noite.

Geralmente, acontecem melhorar dos sinais quando em lugares mais ventilados, frios ou na estação do inverno.

O tratamento de início para as ondas de calores, pode ser realizado de modo bem prática e barato. Para isso, é preciso que se adotem hábitos que reduzam a temperatura do corpo, como a exposição em lugares de arejamento, o uso de roupas leves para facilitar o suor.

Esses sinais são chamados sintomas vasomotores, e se destacam por uma variação de intensidade, afligindo 80% do público feminino.

Classificações dos calores repentinos

Essas sensações de calores repentinos podem gerar um rubor nas mulheres, que, geralmente, também suam muito. Como mencionado, este é um sinal efetivo da menopausa.

Estudos mostram que esses calores repentinos podem ter uma variação para cada organismo feminino. São quatro classificações referentes ao sintoma.

Determinadas mulheres, com os calores repentinos que se iniciam prematuramente, podem ter a sensação de calor bem antes a etapa da menopausa. Os sinais podem iniciar de cinco a dez anos anteriores ao último ciclo menstrual, mas os sinais estabilizam por volta do último fluxo.

Em seguida, estão as mulheres que só dispõe da sensação posteriormente ao último ciclo menstrual, sendo classificada com a denominada fase de início posterior.

Outras fazem parte dos grupos que nunca sentiram as ondas de calor da menopausa, quando o organismo não tem reações específicas.

Por outro lado, algumas mulheres ainda destacam um sofrimento árduo próximo do fim do período transitório da menopausa.

Há também aquelas que sentem fogachos intensos. Este grupo de mulheres corresponde a uma de quatro das mulheres que estão nessa etapa da vida. Esta mulher inicia os sianis dos fogachos de forma relativa e cedo, parecido com o grupo de início prematuro. Entretanto, os sinais permanecem aquém do climatério, durando muito mais que dez anos.

Essas classificações partem de uma pesquisa nacional realizada há 22 anos, que acompanha a saúde da mulher em sua totalidade.

Veja também

Remédio para fogachos do climatério

Há a possibilidade de tratar o calor da menopausa com a utilização de remédios hormonais, mas que só podem ser realizados através de orientação especialista. Em alguns casos, ainda, pode haver a contraindicação dessa técnica, principalmente quando a mulher possui câncer mamário, endométrio, doenças como lúpus ou ainda situações de AVC, infartos e afins.

Para aquelas que não têm contraindicações, recomenda-se, então, as terapias de reposição de hormônios. Esta terapia se destaca pela capacidade de reduzir a intensidade dos sinais do climatério, como os fogachos, os fatores de irritação, osteoporose, problemas emocionais e os diversos elementos que se apresentam de forma intensa na menopausa.

Geralmente, os ginecologistas podem promover a indicação da utilização de medicamentos como:

  • Femoston – ele é constituído por hormônios como o Estradiol, o Didrogesterona e afins, em seus compostos.
  • Climene – é constituído por hormônios como o Valerato de estradiol, o Progestógeno, e afins, em seus compostos.

Ainda, há a possibilidade do médico receitar algum antidepressivo e calmante, o que varia muito da situação emocional e física da mulher, em questão.

O tratamento por remédios pode ser realizado dentro de seis meses, ou ainda, conforma critérios especialistas, com reavaliações mensais da paciente pelo médico.

Remédio caseiro para a menopausa

Para o combate dos fogachos no climatério, é válido beber, de forma diário, uma xícara de chá de Ruibarbo, visto que a planta medicinal é constituída por fito hormônios que auxiliam na redução de ondas de calor da menopausa que aparecem com frequência nessa fase.

Receita de Ruibarbo

2 colheres de raízes picadas de Ruibarbo (não consuma as folhas)
1l de água fervente

Como preparar – leve as raízes de ruibarbo na água quente e faça repousar por cinco a dez minutos. Espere esfriar, faça a devida coação e beba. O ideal é beber este chá de duas a três vezes diárias, ou ainda uma cápsula de ruibarbo diária, para que ocorra uma melhor notável dos sinais do climatério.

Para que não haja fogachos e calores na menopausa, a indicação é:

  • Não consumir alimentos cheios de açúcar, muito salgados ou condimentados;
  • Consumir muita fruta cítrica – laranjas, limão, tangerinas;
  • Fazer o consumo de alimentação que deriva da soja, tofu;
  • Consumir sementes de linhaça;

Óleo de semente de linhaça

Os ácidos graxos que compõem o óleo de linhaça são extremamente saudáveis para o público feminino que estão na fase do climatério. Os elementos constantes nas sementes conseguem prevenir doenças do coração, reduzem inflamações e ainda promovem o controle de diversos sinais da menopausa.

Os linhanos vegetais também promovem a atuação de forma parecida ao estrógeno natural para realizar um contrabalanço da redução que ocorre com essas alterações.

Além disso, para que se diminua as ondas frequentes, a recomendação é que se evite alimentações pesadas, modificações de forma brusca da temperatura – exemplo de sair de uma sala que disponibiliza ar condicionado e seguir, repentinamente, para o calor de outro espaço muito quente ou até mesmo a rua – e não consumir bebidas alcoólicas.

Óleo de prímula

O óleo de prímula é denominado um tônico natural saudável para a reprodução feminina. Dessa forma, pode ter utilidade para a regulação de estrógenos produzidos e ainda a refrescância da pele. Pelo alto teor de ácido gama-linoleico, o óleo promove a indução de um sono muito bom, prevenindo possíveis interrupções à noite.

Cravos-da-índia

É comprovado que os cravos-da-índia disponibilizam uma quantidade imensa de isoflavonas, um tipo de fitoestrógeno que reduz os fogachos.

Receita de Chá de Cravos-da-índia

1 colher de cravos-da-índia
1 xícara de água

Como preparar: ferva a água e, em seguida, acrescente os cravos-da-índia.
Deixe que repouse por alguns minutos e beba o chá duas vezes diárias.

Água com mel

Uma forma simples de misturar a água com mel traz benefícios exacerbados para a redução do calor da menopausa repentino.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.