Atividades para Idosos – Guia completo

Exercícios físicos e para a mente são fundamentais para a manutenção da independência e qualidade de vida do indivíduo.

0 7.274

Você já chegou à velhice, ou tem um ente querido nessa idade? Tem trabalhado atividades para idosos, melhorando a capacidade funcional do corpo?

A cada ano, a expectativa de vida do ser humano aumenta. Afinal, o desenvolvimento da ciência e da tecnologia permite a descoberta de doenças mais precocemente, entrega qualidade de vida, prevenção de problemas, e cura mais rápida e facilitada.

Há ainda de se destacar os bons hábitos de vida comuns hoje, como a alimentação e realização de atividades para o corpo e mente. A necessidade desses hábitos é repetida à exaustão por médicos, pela televisão, por campanhas. E a cada dia, conseguem mais adeptos. Melhor viver com qualidade do que manter costumes que farão mal no futuro, não é mesmo?!

Citemos um exemplo: quando o indivíduo é mais novo, pode ter o costume de se alimentar mal. Hambúrgueres, pizza, cachorro quente, salgadinhos diversos. Tudo bem, na juventude seu corpo tem ótimo metabolismo, queima a gordura mais rapidamente e não sofre tanto os efeitos deste mau comportamento.

Só que com o tempo o organismo não é mais o mesmo. As funções do corpo se tornam mais demoradas, a queima de gordura é lenta. Situações que favorecem o acúmulo de colesterol, levam à pouca qualidade de vida e até mesmo ao risco de problemas graves, como o infarto.

Por outro lado, quando mantém práticas saudáveis, o indivíduo tende a ser mais saudável na velhice. Isso porque seu corpo será preparado, terá mais força quando as funções vitais diminuírem sua eficácia. Isso, então, melhora sua expectativa de vida.

Só que não adianta muito prezar pela saúde na juventude, e deixá-la de lado na velhice. Diante disso, as atividades para idosos são algo essencial na manutenção do bem estar. Além de para a mobilidade e resistência, elas trazem benefícios para o aspecto psicossocial do indivíduo, melhorando auto estima e segurança em si mesmo.

Por que se exercitar?

Quando dizemos que as funções do organismo perdem eficácia ao longo do envelhecimento, isso diz respeito a cada função. O metabolismo, a renovação de células, funções simples como bombeamento do sangue e respiração. Também a força dos ossos, dos músculos, o equilíbrio do tronco e a capacidade em manter o peso próprio ereto. Faz parte do envelhecimento.

Quando, no entanto, o idoso realiza atividades físicas, estes aspectos mudam. Os músculos, que seriam mais flácidos, mantém a rigidez. Os ossos, ao invés de sofrerem com o enfraquecimento, mantêm-se rígidos e capazes de erguer o corpo. O equilíbrio é trabalhado a cada movimento, e as quedas tornam-se menos frequentes

Além disso, o exercício do corpo libera substâncias importantes do corpo, que então prezam pela manutenção do bom funcionamento de todo o sistema.

A flexibilidade e rapidez de movimentos são igualmente trabalhados. Além disso, os exercícios ajudam a combater a diabetes, pressão alta, obesidade e colesterol, tão perigoso a doenças cardíacas.

Outro aspecto trabalhado com as atividades para idosos é a autoestima. Quando o indivíduo tem melhor capacidade funcional, ele se sente mais seguro de si. Isso significa que, não dependente de outra pessoa, ou pouco dependente, ele consegue encontrar hobbies e coisas que gosta de fazer. Quando isso não ocorre, podem acontecer casos de depressão, muito comuns nesta idade.

Aqui entram também as atividades para a mente. Exercícios em grupo, ou práticas que auxiliem na memória são igualmente importantes. Por isso, jogos como quebra cabeça, xadrez e encontros entre idosos durante a semana, com dança ou outros, podem fazer muito bem ao cotidiano desse indivíduo.

Outros benefícios das atividades para idosos

Além de vantagens exclusivas aos idosos, a prática de atividades físicas traz a este público benefícios também comuns aos mais jovens. O primeiro deles é a melhora na qualidade do sono. Isso porque a prática física libera adrenalina, que dá energia para o dia a dia. Ao longo das horas, porém, o hormônio diminui e traz ao organismo o cansaço ideal para uma boa noite de sono. Além disso, o esporte libera hormônio que melhoram o bem estar, também importantes para um momento tranquilo.

O sangue também circula de forma mais potente após a atividade, e assim leva oxigênio e nutrientes importantes a cada célula do corpo. Os níveis de colesterol bom (HDL) também melhoram no corpo, enquanto o do colesterol ruim (LDL) tem seus níveis diminuídos.

Graças ao esporte, há ainda o controle da glicemia no organismo. O estresse igualmente diminui, desenvolvendo melhor a saúde e o sistema imunológico do indivíduo.

Acompanhamento é fundamental!

Músculos e ossos, ao longo dos anos, vão perdendo sua tenacidade. Ou seja, a força e flexibilidade não são os mesmos na velhice. Por isso, o risco de lesões e quedas durante a prática de atividade físicas é maior que em outros públicos, e merece prevenção especial.

Dessa forma, antes da prática de qualquer esporte, o idoso deve passar por avaliação médica. Com alguns exames básicos e outros de imagem, o especialista poderá indicar as principais fraquezas do corpo, e analisar se elas deverão set trabalhadas ou não.

É o que acontece, por exemplo, no caso de uma lesão no joelho. Caso seja mais grave, pode ser mais indicado ao idoso a realização de fisioterapia, ao invés da atividade física. Por outro lado, o melhor pode ser não realizar nenhum movimento demasiado na região, ou então o esporte pode ser mais eficiente.

Outro ponto fundamental é que a prática da atividade física errada pode agravar problemas cardiovasculares, provocar desidratação e outros problemas. Por isso, também, a escolha do exercício mais adequado deve ser feita em conjunto.

Após ter um a atividade indicada, é essencial também que o idoso conte com o acompanhamento de um preparador físico. Este profissional está preparado para analisar os efeitos do esporte no corpo. Pode indicar ainda se as dores ou incômodos após a prática são comuns ou preocupantes. Como no caso de uma dor muscular: com o exercício, ela é comum, mas também pode ser provocada por fadiga ou estiramento.

       

Importância da preparação

Para ase preparar o exercício físico, o idoso, ou qualquer outro praticante, deve dar atenção especial ao alongamento do corpo. O alongamento consiste numa série de exercício que prepara os músculos para uma utilização mais intensa. Isso diminui a chance de dores e estiramentos pelo uso exagerado de uma forma não preparada.

Fazer alongamento também aumenta a mobilidade e agilidade, melhora a circulação sanguínea e a coordenação. Auxilia, ao mesmo tempo, no controle da respiração, tão fundamental durante a prática de atividades.

Os alongamentos mais comuns são os realizados para pernas e braços. Nestes casos, basta que o idoso estique, por exemplo, os braços sobre a cabeça, mantendo-os nessa posição por 20 segundos. No caso das pernas, o calcanhar deve ser levantado e encostado na parte de trás da coxa, pelo mesmo período de tempo. Durante a preparação, é comum sentir uma leve dor, provocada pelo “acordar” dos músculos.

Há ainda diversos outros tipos de alongamento, que podem ser indicados para cada tipo de atividade prevista. Por isso também a importância do acompanhamento por um educador físico.

Igualmente importante realizar estes movimentos após a prática física, para que o corpo seja relaxado e possa voltar gradualmente ao cotidiano.

Atividades para idosos: qual fazer?

De forma geral, os exercícios físicos mais indicados aos idosos são os que podem melhorar sua capacidade funcional. Isso significa que as atividades precisam, além de buscar o fortalecimento dos músculos, de prezar pela desenvolvimento e manutenção da facilidade de movimentos do dia a dia, como caminhar ou tomar banho sozinho.

Deste modo, uma prática interessante na velhice é a hidroginástica. Na água, o corpo, primeiro, fica menos sujeito a lesões. Outro benefício é que o exercício é capaz de fortalecer a musculatura e diminuir a perda óssea.

A natação, por sua vez, consegue auxiliar na melhora da frequência cardíaca do idoso. Ela também melhora a mobilidade, fortalece a musculatura, principalmente dos braços, e ainda beneficia o abdômen, o que pode diminuir as ocorrências de incontinência urinária.

Já as atividades aeróbicas são importantes para a oxigenação das células e gasto calórico. Por isso, o idoso que visa estes objetivos pode aderir a aulas de dança. Neste caso, há ainda a promoção da sociabilidade do indivíduo, pois as turmas da prática costumam ser numerosas.

Com os mesmos objetivos para a saúde, é possível realizar ainda corrida. Para quem desejar um exercício mais leve, há entre as opções a caminhada e o ciclismo que, aliás, potencializam a capacidade motora, equilíbrio e coordenação.

Mais para músculos e respiração

O idoso pode realizar ainda esportes de fortalecimento dos músculos e melhora da flexibilidade. Nestes casos, os mais indicados são o Pilates, o agachamento e a musculação.

O Pilates consegue trabalhar todo o corpo. Normalmente realizado com o auxílio de uma bola elástica, ele melhora também o equilíbrio e a correção da postura, que muitas vezes se torna envergada com o passar da idade.

O agachamento, por sua vez, pode ser realizado em caso. Basta que o idoso escolha uma cadeira resistente, e então sente-se e levante-se do assento por algumas vezes. O ideal é fazer váris séries de vinte agachamentos, aproximadamente. Se apoiando na cadeira, o indivíduo também pode fazer algumas sessões se agachando até o chão.

Por último, existem os exercícios respiratórios. Aqui, o idoso precisa trabalhar a respiração mais lenta, treinando-a. Deve treinar também a respiração com o diafragma. O controle e a concentração desse processo durante alguns minutos melhora a respiração comum do cotidiano. Por isso, respire devagar, expire lentamente, e repita esse processo por mais ou menos dez minutos, algumas vezes por dia.

Contraindicações

Há casos em que podem haver mais problemas do que benefícios na prática de atividades para idosos. Indivíduos com insuficiência cardíaca, miocárdio ou outros problemas no coração; com doenças ou cura recente de problemas no pulmão; e doenças infecciosas agudas devem evitar os esportes. Tal qual aqueles com aneurisma ou problemas de pressão.

Nestas situações, costuma ser mais interessante a prática supervisionada de fisioterapia. Num consultório e com técnicas específicas, o profissional pode cuidar do corpo idoso de forma gradual e prudente, sem esforços demasiados do organismo.

Atividades para a mente

Além dos esportes físicos, é fundamental que as diversas atividades para idosos incluam a manutenção da memória e da capacidade mental. O ideal nestas situações são atividades em grupo, jogos lúdicos e competições simples, como dominó ou dama.

Trabalhos manuais, como artesanato e o bordado, pode ser da mesma forma interessante, pois requer atenção e cuidado do idoso.

Assim, o indivíduo pode também dedicar-se a manter seus neurônios funcionando. O resultado é uma qualidade de vida lá em cima, aproveitando a velhice!

Recomendados Para Você:

       

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.