Artrose Tem Cura? Joelho, Coluna, Pé e Mãos.

0 507

A artrose ou osteoartrose (osteoartrite – OA) é uma doença articular reumatológica degenerativa que faz parte de um conjunto de doenças designadas como “reumatismos”. De todas elas, a artrose é a mais frequente, representando cerca de 30 a 40% das consultas reumatológicas. Infelizmente, não se pode dizer que a artrose tem cura definitiva. A doença ocorre nas articulações e pode afetar uma ou mais juntas da coluna cervical e dorsal, joelhos, pés e mãos.

No entanto, há tratamentos com medicações que combatem as dores e inflamações em conjunto com outras medidas essenciais, como fisioterapia e exercícios terapêuticos. A artrose ocorre por conta de degenerações nas cartilagens, causadas pela idade (após 40-60 anos) ou por sintomas hereditários, e o seu principal sintoma é a dor, que costuma piorar com esforço físico e aliviar com repouso.

De acordo com dados fornecidos pela Previdência Social, a artrose é responsável por 7,5% de todos os afastamentos do trabalho e a quarta a determinar aposentadoria. Ela costuma afetar ambos os sexos, ocorrendo com mais frequência nas mãos e joelhos nas mulheres, e na articulação coxofemoral (do fêmur com a bacia) nos homens.

Neste artigo, vamos explicar o que é artrose, quais seus sintomas e causas, quais as áreas afetadas e seus tratamentos.

Artrose tem cura: O que é Artrose ou Osteoartrite?

Artrose tem cura:  esquema mostrando inflamação dos joelhos
Artrose tem cura: a artrose é um doença degenerativa que acomete as articulações.

A artrose é um tipo de artrite, por isso as denominações osteoartrose ou osteoartrite. Artrite é uma inflamação nas articulações, sendo que há diversos tipos de artrites, e a artrose é uma delas.

A palavra artrose vem do grego (artros = articulação, ose = desgaste) que se refere ao desgaste da cartilagem que fica dentre as articulações (juntas), provocando uma fricção entre os ossos e levando à inflamação do local, gerando dor, inchaço e limitação das funções.

Assim, a artrose ou osteoartrite é uma doença inflamatória, degenerativa e progressiva, essencialmente articular, que se caracteriza pelo desgaste da cartilagem das articulações que pode evoluir para alterações ósseas com destruição total da cartilagem. É o caso osteófitos, conhecidos por “bicos de papagaio” (formação óssea) na articulação e deformidades.

A artrose acomete a população acima dos 65 anos em mais de 50 milhões de pessoas no Brasil e no mundo. Antigamente, a artrose era tratada como uma doença progressiva, de evolução lenta, sem perspectivas de tratamento, como processo natural de envelhecimento. No entanto, apesar de não haver cura, hoje é possível modificar o seu curso evolutivo, tanto em relação ao tratamento sintomático imediato, quanto ao seu prognóstico.

Artrose tem cura: Como funcionam as articulações

Artrose tem cura: esuema que mostra as articulações do joelho ocm ou sem artrose
Artrose tem cura: na artrose as cartilagens se desgastam e auemntam o atrito entre os ossos.

Uma articulação ou junta é o local onde os ossos se encontram. Como exemplos de articulações podemos citar o joelho, que conecta os ossos fêmur e tíbia, unindo a coxa à perna; o tornozelo, que conecta os ossos tíbia, fíbula e tálus, unindo as pernas aos pés; o cotovelo, que conecta o osso úmero aos ossos ulna e rádio, unindo o braço ao antebraço. Todas as articulações do nosso esqueleto são revestidas por cartilagem, um tecido conjuntivo branco que ao mesmo tempo em que é firme também é flexível, composta de água, colágeno, células cartilaginosas e matriz extracelular (ácido hialurônico e proteoglicanos).

Essa estrutura tem a função de proteger os ossos e facilitar o deslizamento entre duas extremidade ósseas, amenizando o atrito entre elas durante os movimentos, impedindo danos nas articulações.

Assim, a cartilagem protege as articulações, absorvendo a pressão e o choque criado ao nos movimentarmos, criando uma espécie de amortecimento. Há também uma bolsa cheia de líquido, chamado líquido sinovial, responsável por “lubrificar” a cartilagem que também protege as articulações durante os movimentos repetitivos.

A redução nessa quantidade de cartilagem causa algumas formas de artrite, entre elas a artrose (Osteoartrite – OA), que nada mais é que um desgaste normal da articulação pela idade ou hereditariedade. Na presença da artrose, a cartilagem se desgasta, causando uma inflamação nas juntas que afeta também os ligamentos. Com isso, o líquido sinovial e a membrana sinovial entre os ossos, acabam sendo prejudicados, limitando os movimentos e causando dores articulares.

No início da artrose, a cartilagem torna-se mais áspera, levando ao aumento do atrito durante a movimentação da articulação. Já a artrose grave surge quando a cartilagem é completamente destruída, levando a um atrito severo entre os dois ossos que causa desgaste dos mesmos e à formação óssea (osteófitos) na articulação e deformidades.

As articulações mais acometidas pela artrose são: joelhos (gonoartrose), quadril (coxartrose) e dedos (poliartrose digital).

Artrose tem cura: Classificação de artrose

A artrose se inicia com o desgaste e a redução do espaço da articulação, que perdeu a estabilidade. A doença pode apresentar osteófitos, um crescimento ósseo em volta da articulação, na tentativa de restaurar a estabilidade perdida.

Em casos mais graves da doença, o espaço articular é praticamente nulo; a articulação apresenta grandes osteófitos; pode crepitar, estalar ou ranger; e há perda de movimento e rigidez, normalmente piorada no frio.

O ponto de partida da doença acontece quando existe um aumento de carga ou falha na proteção da articulação (músculos, ligamentos, cápsula articular, meniscos), deixando-a vulnerável, e levando ao início do desgaste da cartilagem. Sendo assim, a artrose pode ser classificada em dois tipos:

  • Primária: sem causa específica para o início do desgaste da cartilagem. Sendo mais associado ao uso excessivo da articulação, com a idade avançada, o sobrepeso e a prática intensiva de atividades físicas de alto impacto. É mais frequente entre as mulheres, preferencialmente no segmento da coluna cervical, mãos e joelhos; e nos homens no segmento da coluna lombar, coxofemorais e tornozelos;
  • Secundária: causada por algum fator que marcou o início do desgaste da cartilagem, como fraturas na articulação, doenças, alterações do metabolismo e deformidades. Como por exemplo, joelhos com desvios de direção (valgo ou varo). A hereditariedade, principalmente em certas apresentações clínicas, como os nódulos dos dedos das mãos, chamados de nódulos de Heberden (na junta da ponta dos dedos) ou Bouchard (na junta do meio dos dedos).

Artrose tem cura: Principais causas

artrose tem cura: médico examinando as mãos do paciente
Artrose tem cura: A Artrose pode ter inúmeras causas diferentes além da hereditariedade.

Por ser uma doença multifatorial e que acomete muitas pessoas, a artrose pode estar relacionada com genética, sexo, etnia, densidade óssea, fatores nutricionais e metabólicos, mas as causas principais são:

  • Desalinhamento das articulações: causa o aumento do impacto e do processo degenerativo;
  • Alteração da biomecânica normal da articulação;
  • Excesso de carga: sobrepeso ou aumento de atividade física sem a preparação adequada;
  • Fraqueza muscular: quanto mais fraca a musculatura, mais vulnerável à artrose;
  • Alterações de massa óssea;
  • Alteração no tipo de pé (pé chato ou cavo demais): causa desalinhamento e desgaste articular. Com a idade, maior a tendência a desenvolver pé chato e desalinhamento prejudicial;
  • Cirurgias prévias: alguns processos cirúrgicos, como a retirada de meniscos ou reconstrução ligamentar, podem deixar a articulação instável e levar à artrose;
  • Traumas (macro e repetitivos localizados) e lesões nas articulações: fratura articular, desigualdade de membros ou displasia causam danos na cartilagem e desalinhamento da superfície articular;
  • Hereditariedade: mulheres cujas mães têm artrose possuem maior probabilidade de desenvolver a doença;
  • Fatores Hormonais: descontroles hormonais propiciam o desenvolvimento da doença;
  • Obesidade: pessoas obesas possuem maior carga articular levando a fenômenos degenerativos;
  • Hipermotilidade: implica em maior stress articular e maior facilidade na ruptura da cartilagem;
  • Doenças metabólicas;
  • Uso inadequado de aparelhos de musculação.

Artrose tem cura: Sinais e Sintomas

artrose tem cura: paciente com dor lombar
Artrose tem cura: Dores lombares são comuns na artrose na coluna lombar

A artrose pode evoluir sem sintomas e ser diagnosticada em estágios mais avançados, mas existem alguns sinais que podem ser indícios da doença.

Os sintomas de artrose se desenvolvem lentamente e pioram gradualmente durante um longo período de tempo. A dor nas articulações, rigidez e inchaço, geralmente afetando mãos, dedos ou joelhos são os sintomas mais comuns da doença.

No entanto, essa dor pode ser proveniente de muitos fatores diferentes, mas está intimamente relacionada com alterações da cartilagem articular, tumefação do osso subcondral abaixo da cartilagem, tendões, ligamentos, cápsula articular, músculos, etc.

A amplitude da dor pode variar desde um grau suportável sem prejuízo das atividades habituais até diminuição da mobilidade levando à incapacitação física, extremamente debilitante, com qualidade de vida bastante limitada.

Além da dor alguns outros sinais nem sempre estão presentes, mas você poderá sentir vermelhidão da pele ao redor da articulação, calor local, crepitação audível e palpável, sobretudo nas articulações periféricas (joelhos, ombros, cotovelos, e tornozelos). Neste caso, é possível a artrose estar associada à outras enfermidades inflamatórias, como a artrite reumatóide.

Todos esses sintomas são piores na parte da manhã, ao acordar, no final do dia ou após ter ficado muito tempo inativo em uma mesma posição. Outras pessoas apresentam piora da dor com mudanças no clima. Conforme a artrose avança, a dor surge com atividades cada vez menos intensas, podendo ocorrer mesmo em repouso e durante a noite.

Artrose tem cura: Diagnóstico

O diagnóstico da artrose deverá ser feito por um médico especialista, no caso o ortopedista e o reumatologista, através de um exame físico. Durante o exame, o médico irá avaliar a sensibilidade na região afetada (quentura ou vermelhidão nas articulações) e os limites de movimento da articulação (para detectar a rigidez e a dificuldade em executar manobras simples com os membros inferiores).

O médico analisa o histórico do paciente e da família para determinar a presença de fator hereditário, a ocorrência e a duração das dores. Ele pode também extrair e analisar os níveis de inflamação no sangue e verificar se há fluido em torno das articulações.

Geralmente, são pedidos exames de imagem para indicar o desgaste nas áreas afetadas, , além de ilustrar o grau de desenvolvimento da doença. Como por exemplo, raios-X e tomografia computadorizada para descartar outras causas tais como esporões ósseos.

Artrose tem cura: Tipos de artrose

atrose tem cura: homem com dor nas articulações das mãos
Artrose tem cura: Existem vários tipos de artrose que podem acometer as articulações em diferentes locais do corpo.

A artrose pode afetar uma ou mais articulações do corpo, mas principalmente locais mais comumente afetados como por exemplo:

  • Joelhos (gonartrose);
  • Quadris (coxartrose);
  • Mãos (poliartrose digital nos dedos e polegar);
  • Coluna (cervical e lombar);

1. Artrose tem cura: coluna

       

artrose tem cura: homem com dores na coluna
Artrose tem cura: a artrose pode afetar a coluna cervical e lombar

A artrose na coluna ou espondilose é uma doença degenerativa muito comum em idosos, por se tratar de um processo natural de envelhecimento, mas que pode acontecer em qualquer idade. Normalmente, pode afetar qualquer região da coluna (cervical, torácica, lombar, sacral) e causa dor na coluna, quadril e pescoço. Quando não tratada, pode levar à limitação da função e perda da estrutura espinhal. As regiões afetadas mais comuns são:

Artrose tem cura: coluna lombar

Esta é a região da coluna em que a artrose é mais frequente por suportar todo o peso do corpo. Esse tipo de artrose costuma ser mais comum em pessoas com mais de 40 anos, que se queixam de dores locais na lombar e rigidez matinal na coluna.

Além disso, as pessoas podem apresentar também a dor ‘ciática’, que afeta outros membros do corpo, como as pernas. Outro sintoma é a dor causada após a pressão nas vértebras lombares, impulsionada por longos períodos de tempo em que a pessoa se mantém inativa.

Artrose tem cura: coluna cervical

Nem sempre uma dor no pescoço ou nas costas é algo passageiro, muito menos muscular. Dores repetitivas podem ser sinais de artrose na coluna cervical, a qual é suscetível à doença por seus movimentos repetitivos. Outro fator de risco é a má postura crônica.

Os sintomas da artrose na coluna cervical são os torcicolos, dores na nuca que irradiam para os ombros, braços e mãos e até mesmo dificuldade para engolir alimentos.

3. Artrose tem cura: quadril (coxartrose)

A artrose de quadril é uma doença articular crônica, inflamatória e degenerativa, caracterizada pelo desgaste da cartilagem articular e do osso subcondral (abaixo da cartilagem) que atinge 5% da população mundial.

A doença costuma afetar pessoas com mais de 60 anos (coxartrose primária), portadores de sequelas de doenças da infância e adolescência (displasia, Perthes, impacto femoroacetabular), e jovens adultos (osteonecrose e trauma).

Os principais sintomas de artrose do quadril são a dor na virilha e profunda que pode ser posterior ou se irradiar pela coxa até o joelho. Em casos mais graves, o desconforto é permanente, mesmo o paciente em pé, deitado ou se movimentando. Pode levar até a perda de movimento.

A restrição de movimento é progressiva, dificultando a realização de atividades diárias, como calçar as meias e o sapato. Alguns pacientes também têm dor lombar pela sobrecarga da coluna.

4. Artrose tem cura: joelho (gonartrose)

artrose tem cura: homem com dor no joelho
Atrose tem cura: a artrose nos joelhos é muito comum

Os joelhos são as principais articulações de carga dos membros inferiores e onde encontramos a maior incidência de artrose, diagnosticada em 20% das pessoas. No caso dos joelhos as alterações na angulação contribuem para o desenvolvimento da artrose, conhecida como “Gonartrose”.

As articulações do joelho precisam estar perfeitamente alinhadas, podendo ter uma pequena variação de até aproximadamente 5º (cinco graus). No entanto, quando os eixos de carga possuem uma angulação superior a isso, ocorrem deformidades conhecidas por “varo”, quando a angulação é externa, e “valgo” quando é interna.

No caso de carga sobre o eixo deformado, ocorre uma força vetorial externa ou interna, dependendo da angulação do joelho, fazendo com que haja uma maior pressão em determinada área, acarretando em desgaste precoce ou do lado interno ou do lado externo do joelho.

Assim, o joelho varo é um desalinhamento dos membros inferiores que faz com que o indivíduo fique com as pernas arqueadas, projetando os joelhos para fora da linha média do corpo, o que contribui para a sobrecarga na região medial e estiramento das estruturas laterais. Já o alinhamento do joelho em valgo contribui para a sobrecarga na região lateral e estiramento das estruturas mediais. Neste caso, os pés ficam afastados posicionados para fora e os joelhos ficam mais próximos um do outro, sendo forçados para dentro. O joelho valgo é mais comum entre as mulheres, em virtude do quadril mais largo.

5. Artrose tem cura: outras Articulações

A artrose nas mãos são caroços que envolvem primeiramente as articulações distais (nódulos de Heberden) e finalmente as proximais (nódulos e Bouchard). São doloridas extremamente incapacitantes e surgem inesperadamente. A coxofemoral quando atingida é de todas as articulações a mais incapacitante, seguida de perto pelo joelho.

Artrose tem cura: Tratamentos

Afinal, artrose tem cura? Infelizmente, a doença não tem cura definitiva. Porém, o tratamento tem o intuito de reduzir a progressão da doença, melhorar os sintomas reduzindo as dores, manter a pessoa ativa para desempenhar suas rotinas e evitar danos adicionais. Portanto, o objetivo não é propriamente curar a artrose, mas melhorar a função, a mecânica e o quadro clínico da articulação afetada.

Assim, o tratamento da artrose pode incluir uma combinação de métodos de tratamento para obter melhores resultados. Como por exemplo, medicamentos, fisioterapia, cuidados e mudanças de hábitos, uso de palmilhas e órteses, além de cirurgia, em últimos casos.

Artrose tem cura: Fisioterapia

A fisioterapia é um tratamento não medicamentoso da artrose, que indicará exercícios específicos para o fortalecimento da musculatura próxima da região, além de reduzir a dor e melhorar a postura do paciente para a realização de atividades cotidianas. Ela é extremamente útil, pois ajuda a relaxar a musculatura para alcançar os melhores resultados.

A terapia pode incluir uso de órteses, mobilizações, aplicação de calor sob diversas formas, irradiação (luz ultravioleta ou infravermelho), condução (fomentos quentes) e conversão (diatermia etc), e fortalecimento e alongamento muscular. No entanto, a fisioterapia deve ser evitada no início ou nas fases agudas da doença.

Artrose tem cura: Medicamentos

Os medicamentos usados para tratar a artrose têm ação analgésica como o paracetamol (Tylenol) e anti-inflamatória não esteroides, como o ibuprofeno que ambos ajudam a controlar a dor e a inflamação. A medicação pode ser administrada por via oral, injetada diretamente na articulação (infiltração) ou aplicada sobre a pele (tópica).

Em casos em que o uso de medicamentos orais e fisioterapia não surtem efeitos, a realização de injeções de medicamentos diretamente na articulação (infiltrações) são opções muito utilizadas, principalmente nos joelhos. Geralmente, os médicos utilizam corticóides ou ácido hialurônico (componente lubrificante do líquido sinovial que aumenta a nutrição da cartilagem).

Artrose tem cura: Cirurgia

Normalmente, a cirurgia é realizada apenas em casos de artrose grave e limitante que não respondem aos tratamentos conservadores, com complicações, perda muscular e deformidades articulares, comprometendo a independência do paciente para realizar as suas tarefas diárias.

O tipo de procedimento cirúrgico irá depender da localização e do grau de acometimento da articulação afetada pela artrose. No entanto, a cirurgia mais comum para os casos de artrose é a Artroplastia, que repara ou remove estruturas lesadas, retirando tecidos anormais ou corpos livres. Recuperando assim a função motora, e consequentemente aliviando também os sintomas da dor e melhorando a qualidade de vida dos pacientes.

Ela pode ser uma artroplastia total, quando existe uma substituição completa da articulação ou artroplastia parcial, quando se repara apenas uma parte da estrutura com prótese. Durante o procedimento, o médico substitui a cartilagem acometida por um material (prótese) que reveste o osso, podendo ser de metal ou de plástico. Normalmente, as regiões do corpo que mais necessitam de artroplastias são o joelho e o quadril.

As osteotomias permitem corrigir desvios articulares e deslocar a carga para outras áreas da articulação. O desbridamento artroscópico é indicado no tratamento da artrose de quadril, com o objetivo de retirar o tecido ósseo que cresceu dentro da articulação.

Já se a artrose é mais grave nos dedos ou pulsos, o médico pode realizar uma fusão conjunta, em que as extremidades dos ossos são mantidas unidas até que se curem e se tornem uma só. As artrodeses permitem fundir (“colar”) permanentemente os ossos da articulação, muito indicadas para tratar artroses de tornozelo.

Artrose tem cura: Medidas Preventivas

artrose tem cura: paciente com dores nas articulações dos dedos dos pés
Artrose tem cura: A prevenção é o melhor tratamento para a artrose

Apesar dos tratamentos, mesmo que a artrose não tenha cura, há medidas preventivas que podem ser incorporadas à sua rotina como forma de prevenção ou para retardar a evolução da doença. Por exemplo, adotar uma boa postura, fazer alongamentos, incorporar uma alimentação balanceada que ofereça todas as vitaminas e nutrientes necessários para o bom funcionamento do organismo, ingerir água e praticar exercícios físicos são as melhores medidas para evitar a doença.

Além disso, outros fatores de risco para a doença devem ser evitados, como tabagismo, consumo excessivo de bebidas alcoólicas, uso de corticoides e obesidade, que ajudam a acelerar o processo de desgaste das cartilagens.

Em geral, a prevenção e o tratamento da artrose estão relacionados ao ganho de estabilidade da articulação e à melhora do alinhamento e, para tanto, é necessário o aumento da força muscular e do equilíbrio, isso por meio de:

  • Prática de exercícios físicos regularmente. Apesar do incômodo que a movimentação das articulações acometidas causam durante um esforço, a atividade física correta irá fortalecer os músculos em torno da articulação e aumentar a amplitude do movimento. Quanto mais forte e flexível é a musculatura em torno das articulações acometidas, menor é atrito entre os ossos, e consequentemente menor é a dor e a inflamação;
  • Emagrecimento para diminuir a sobrecarga nas articulações, principalmente nos joelhos;
  • Descansar a articulação afetada pela artrose durante pelo menos 12 horas para aliviar a dor nas crises. Porém, o repouso excessivo pode levar à atrofia da musculatura e diminuir a mobilidade desta articulação. Portanto, o descanso é recomendado apenas para curtos períodos de tempo, geralmente nos casos agudos de dor;
  • Diminuir a prática de atividade física de alto impacto. O impacto excessivo faz com que as articulações percam mais rapidamente a cartilagem, fazendo com que a capacidade de absorção de impacto seja cada vez menor;
  • Aplicar compressas de gelo para aliviar as dores, controlar a inflamação e o inchaço;
  • Usar palmilhas e/ou bengala no lado contralateral reduz a carga na articulação;

Recomendados Para Você:

       

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.