A importância da Relação Intergeracional

Como fomentar esse intercâmbio, na prática? Entenda o que é

0 124

Relação Intergeracional é o nome dado aos vínculos que se estabelecem entre pessoas de gerações distintas e possibilita o cruzamento de experiências e saberes. Essas trocas são construídas socialmente, e podem acontecer dentro ou fora das unidades familiares e ocorrerem espontaneamente ou de maneira intencional.

avós

Uma Geração engloba as pessoas nascidas numa mesma época que viveram os mesmos acontecimentos históricos. Isso produz certa afinidade no que diz respeito a visão de mundo e formas de participação social.

Conceitualmente estabelece-se o intervalo de tempo entre gerações de 25 a 30 anos.

É por meio do convívio intergeracional que o homem se reconhece como produto de seu tempo e se sente pertencente à cultura da qual faz parte.

(Joel Birman, 1994)

A cultura jovencêntrica ainda dita regras

Intergeracionalidade é um tema muito atual, presente na Agenda Política e Social de diversos países, que consideram a coeducação entre gerações como um fator de Desenvolvimento Social. Não há sociedade que sobreviva sem a transmissão da sua cultural.

Na atualidade, muitas empresas têm até quatro gerações trabalhando e convivendo em mesmo espaço.

Idosos são potencialmente grandes consumidores de produtos e serviços diversos e formadores de opinião.

Apesar de tudo isso, observa-se que, com o envelhecimento, ocorre o aumento do isolamento social e solidão. Mesmo estando os idosos cada vez mais nas ruas, é notável a falta de contato com outras gerações e eles acabam circulando em locais e horários “exclusivos”.

Além disso, na sociedade contemporânea existe uma busca intensa, em todas as idades, de formas de se manter mais jovens: a juventude se tornou uma mercadoria e o medo de envelhecer se tornou comum. Os idosos muitas vezes são vistos como ultrapassados e improdutivos.

Por que esse tema é importante?

Jovens se sentem mais à vontade com as transformações que geralmente assustam e angustiam as gerações anteriores e por isso podem ter importante papel de agentes de socialização dos mais velhos.

Troca e Renovação garantidos

A relação intergeracional favorece a troca e a renovação. Esse contato deve ser incentivado entendendo que os benefícios são em diversos contextos:

NA SOCIEDADE:

– contribuição para o estabelecimento da Sociedade Inclusiva e o exercício da Cidadania Ativa: a medida que permite a participação de todos, de acordo com suas capacidades, nos mais diversos âmbitos;

– combate aos Preconceitos e Estereótipos Negativos (em especial o Ageísmo ou Idadismo);

– desconstrução dos padrões de beleza;

– promoção da Cultura do Cuidado, essencial para todos.

PARA TODOS:

– ampliação das redes sociais;

– aprimoramento das experiências de vida a partir das potencialidades de outra faixa etária;

– amadurecimento emocional e melhora da autoestima;

– melhora da tolerância e compreensão mútua, à medida que se aprende a conviver com o diferente;

– diminuição das percepções negativas com relação às outras faixas etárias e aumento da confiança entre gerações;

– contribuição para as pessoas viverem bem todas as fases da vida e terrem atitudes positivas com relação à velhice;

– processo de aprendizagem constante, em dupla direção;

– incremento do vocabulário e da capacidade de se comunicar;

– maior equilíbrio nos relacionamentos, principalmente familiares (lembrando que conflitos podem determinar quadros patológicos: físicos e/ou emocionais

CRIANÇAS E JOVENS:

– aprendizado sobre valorização da família,

– suporte ao desenvolvimento e reconhecimento de progressos (estudos demonstram melhores resultados na escola);

– reconhecimento pelas suas habilidades;

– mais autoconfiança e confiança nas pessoas, menos ansiedade;

IDOSOS:

– recebem ajuda prática;

– envolvimento e suporte social;

– melhora da autoestima, humor e vitalidade (prevenção e controle da depressão);

– estímulo a independência e autonomia (essenciais para boa qualidade de vida);

– contribuição para manutenção da cognição;

– autovalorização (reconhecem sua contribuição e se sentem honrados).

O que pode ser diferente?

Relato de uma fisioterapeuta com experiência ampla em Casas de Idosos, quando questionada quanto à importância da Relação Intergeracional e como ela ocorre no dia a dia das instituições:

 Os idosos se iluminam, dão conselhos aos pais sobre a criação, brincam e tudo mais. Porém são poucos os familiares que levam suas crianças à ILPI, porque, infelizmente, o idoso não é valorizado e respeitado em todas as classes e ciclos sociais… Eles também valorizam muito as relações com os profissionais jovens, quando podem conversar sobre suas vidas pessoais, dar conselhos e ´reviver` experiências anteriores de sua juventude.

Cada um oferece seus tesouros!

Os participantes dessas relações assumem papéis importantes, contribuindo com o que têm de melhor.

Os mais velhos compartilham sua valiosa sabedoria (usando vivências anteriores para lidar com as novas) e são responsáveis pela transmissão da memória cultural de um povo.

Além disso, influenciam fortemente na educação para a velhice e a morte.

Já os mais jovens auxiliam no aprendizado de novas tecnologias e da nova forma de ver o mundo e se relacionar.

Como fomentar a Relação Intergeracional?

Esse processo de coeducação entre crianças, jovens, adultos e velhos deve ser construído ao longo do tempo, e não se estabelece em um encontro isolado.

Existem alguns aspectos a serem observados quando se promove essa troca de maneira intencional, como por exemplo:

– ofereça benefícios mútuos, permeando interesses comuns;

– nesse contexto, lembre-se de incluir os homens idosos quem no geral, são mais resistentes a participar de atividades em grupo;

– atividades lúdicas são bem vindas, desde que adequadas aos participantes (para não infantilizar o idoso e aumentar a segregação);

– planeje as ações de acordo com os envolvidos (avalie e elimine os riscos, observe suas capacidades e limitações);

– insira o idoso inclusive no planejamento, conhecendo suas particularidades, preferências e seu círculo social além da família;

– prepare o grupo para o encontro, expondo o projeto e seus benefícios;

– respeite e dialogue sempre com os envolvidos, escute-os a fim de aprimorar a dinâmica;

– seja flexível diante das dificuldades. Em geral a adesão a projetos de relação intergeracional começa tímida, mas tende a ganhar força, respeito e admiração dos envolvidos.

Além disso, sugere-se:

– na sua empresa procure construir um quadro de colaboradores que contemple diversas idades, inclusive os 60+, que têm muito a contribuir com suas experiências;

– capacite os profissionais envolvidos no fomento de troca intergeracional;

– prepare os espaços e horários que permitam a convivência entre diversas idades;

– inclua ações com essa finalidade na sua rotina.

Como fazer na prática?

As atividades implementadas podem se dar em diferentes contextos:

– idosos ajudando crianças/jovens e vice versa;

– todos colaborando em serviços comunitários;

– todos envolvidos em atividades de aprendizado informal, recreação, lazer, esportes, festivais, dentre outros.

EXEMPLOS DE ATIVIDADES:

– conhecer a história e o patrimônio local;

– ajudar pessoas carentes – confecção de objetos como bonecos, agasalhos; promoção de rodas de conversas, lanches;

– manter hortas/ jardins (planejados com ergonomia);

– cozinhar receitas tradicionais e preferidas;

– atividade física;

– correspondências físicas ou virtuais;

– contato online para aprender/ ensinar idiomas, tecnologia e outros assuntos de interesse comum;

– conversar sobre religiosidade e conhecer suas diferenças;

– compartilhar sonhos e estimulá-los;

– pensar sobre trabalho e aposentadoria;

– estabelecer comunicação por vias alternativas (imagens, símbolos, libras);

– visitar creches, escolas, ILPIs, hospitais, etc.

Idosos podem contribuir muito:

– como voluntários em bibliotecas (estimulando interesse pela leitura) e escolas (ajudando no desempenho escolar);

– escrevendo e encenando histórias para os mais jovens;

– oferecendo suporte para avós “de primeira viagem” que criam netos.

Criação de Novos Espaços

Existe hoje a necessidade de locais que permitam a socialização intergeracional além do círculo familiar, a fim de evitar que o idoso seja destituído dos seus papeis sociais.

Promover a convivência entre gerações de maneira forçada pode acabar sendo um “tiro no pé”, causar rejeição e acabar sendo forma de aumentar o distanciamento.

Ainda há carência de espaços que ofereçam (em horários comuns) serviços para indivíduos de diferentes gerações, propiciam relações mais duradouras

Vamos praticar?

Agora que você já sabe o que significa Relação Intergeracional, pode perceber que ela acontece naturalmente no cotidiano.

Entretanto, algumas vezes esses contatos não ocorrem de maneira equilibrada e harmônica, dificultando o reconhecimento da sua importância e a “colheita” dos benefícios que eles podem gerar.

Além disso, na prática, muitos idosos ainda continuam num lugar à margem da sociedade. Dessa forma, foram apresentadas sugestões para criar oportunidades de trocas produtivas entre as gerações, de maneira de respeitosa e interessante, para que o engajamento seja desejado e benéfico para todos os envolvidos.

Te convido a refletir sobre a qualidade das suas relações, como elas te auxiliam e o que você oferece ao próximo.

Você tem amigos de todas as idades? De que maneira você acredita que pode contribuir para potencializar suas trocas diárias e fomentar a relação intergeracional?

renata sollero

Renata Sollero / fisioterapeuta

integrante do Movimento LAB60+

colaboradora do portal A Terceira Idade

instagram: @renatacuidadosa

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.