Dicas pra prevenir fraturas

1 1.873

A idade da população está aumentando com a evolução da medicina. Com isso, o número de quedas e fraturas nesse grupo de pessoas provoca grande aumento do número de internações hospitalares e o custo médico em geral.

O envelhecimento populacional passa a ser um problema de saúde pública, já que um idoso acima de 75 anos tem 32% de chance de queda e 34% dessas quedas provocam algum tipo de fratura. Quase METADE desses acidentes acontece no trajeto entre o banheiro e o quarto, principalmente à noite.

Quedas que provocam fraturas instáveis na região do quadril em idosos demandam tratamento cirúrgico. E desses operados, 1/3 ficam curados, 1/3 caminham mal por conta da fratura e 1/3 morrem em 1 ano.

Num estudo de 2016 sobre fatores de risco para mortalidade daqueles internados com fraturas, constatou-se que a maioria das fraturas ocorreu em casa. E mais da metade dos casos simplesmente caiu ao solo.  Mudanças nos hábitos pessoais e na residência são necessárias:

HÁBITOS PESSOAIS

Utilizar dispositivos para auxílio à marcha, como bengalas, andadores e cadeiras de roda.

Ter disponível pegadores para evitar abaixar-se ao solo.

Cuidado com os medicamentos. Muitos têm a mesma cor. Podem ser confundidos e ingeridos inadequadamente. Ter recipientes próprios para armazená-los e prepará-los antecipadamente (ex: com uma semana de antecedência) e num recipiente apropriado ajuda muito a evitar enganos.Medicações psicotrópicas devem ter cuidado redobrado. Enganos na ingestão ou a ingestão de múltiplos medicamentos psicotrópicos devem ser bem avaliada e evitada ao máximo. Consultas frequentes ao médico que os prescreveu é forma de ajustar doses e evitar problemas com seu uso.

Exames laboratoriais frequentes e a visita ao médico podem ajudar a evitar a anemia, assim como orientação da correta alimentação, tão mais importante que medicamentos.

Estar em dia com seu oftalmologista também ajuda a evitar quedas por não enxergar corretamente os obstáculos pelo caminho.

EM CASA

Quintal: corrimãos ajudam a realização de caminhadas evitando isolamento dentro de casa.

Evitar desníveis ou escadas. Pode-se adaptar o local com rampas com corrimãos ao invés de degraus. Se houver falta de iluminação, colocar luzes de balizamento ou mesmo pintar faixas.

Escadas: corrimãos que cubram toda a extensão da escada ou rampa (também ajuda o deficiente visual a ter certeza do final do caminho).

Evitar tapetes e carpetes no início ou no fim de um lance de escadas.

Piso antiderrapante utilizando material próprio colado ao solo é medida importante a ser tomada.

Quarto: a altura correta da cama é quando o idoso consegue sentar na beira e toca facilmente os pés no solo.

Interruptores de luz ao alcance da mão são muito importantes.

Barras de apoio para levantar-se dão mais segurança ao entrar e sair da cama.

Armários em altura que facilite seu acesso e janelas leves e simples de abrir.

Lavanderia: Armários de fácil acesso e organizados. Eletrodomésticos em altura que permita seu manuseio.

O varal de teto deve permitir o manuseio individual. Os que descem em conjunto podem ser pesados e perigosos.

Tábuas de passar roupa em altura regulável, onde o braço do usuário fique em 90 graus de flexão dão mais estabilidade e evitam acidentes.

Cozinha: Torneiras com alavanca facilitam seu manuseio e bancada do fogão com altura de 80cm facilitam as atividades culinárias.

Utensílios mais usados em armários de fácil acesso. Pratos de plástico e copos inquebráveis.

Panelas com alças nas duas laterais ajudam a dividir o peso.

Não se deve subir em bancos para pegar coisas fora do alcance. Verificar constantemente os bicos de gás é medida importantíssima.

O uso de facas deve ser o mínimo possível.

Banheiro: trancas que abrem por dentro e por fora ajudam se o idoso passar mal e cair.

Vaso sanitário em altura elevada facilita levantar-se. Isso consegue-se com elevador de vaso sanitário ou com base elevada de alvenaria.

Barras de apoio laterais devem ser instaladas.

Piso antiderrapante e fosco diminui o risco de queda.

No box, porta de correr sem degrau ou obstáculo aos pés, adesivos antiderrapantes no seu interior, barras de apoio, banco ou cadeiras especiais de banho.

MEDIDAS GERAIS

O maior cuidado com tapetes soltos deve ser prioritário.

Em uma casa de dois pisos, pode-se mudar o quarto do idoso para o andar de baixo, diminuindo assim subidas e descidas.

Produtos de limpeza que deixem o piso escorregadio devem ser evitados, assim como cera ou deixar o piso molhado.

Corrimãos por toda a casa dão independência e segurança a um idoso.

Iluminação é importante em todos os cômodos da casa. Interruptores devem ser fáceis de ser acionados.

Maçanetas do tipo alavanca são melhores que as do tipo bola.

Evitar andar somente de meias ou com sapatos mal ajustados.

Evitar soleiras das portas não nivelados com o chão.

Evitar fios elétricos ou de telefone no chão.

Enxugar imediatamente água derramada ou usar o rodo.

 

antiquedas

 

giancarlo dr

Giancarlo Polesello

médico ortopedista, especialista em cirurgia do quadril

Professor e chefe do Grupo de Afecções do Quadril da Santa Casa de São Paulo

Médico do corpo clínico do Hospital Sírio-Libanês.

site: www.oquadril.com.br

Ou se quiserem enviar uma mensagem: contato@aterceiraidade.com

 

       

você pode gostar também Mais do autor

1 comentário

  1. claudia de souza giannotti Diz

    Ola Gal…meu nome é Claudia e gostaria de uma orientação: Minha mãe tem Alzaimer e esta acamada devido ao avanço da doença…so que não consigo mais trocar suas fraldas. Ela grita, me bate,não consigo virar ela de lado para efetuar tal troca. O que fazer? Me ajuda…

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.