Tudo o que você precisa saber sobre a Caxumba

0 36

Você já ouviu falar na caxumba? Confira agora tudo o que você precisa saber sobre essa doença viral.

Já pegou caxumba ou conhece alguém que teve? Esta doença viral é o assunto que vamos tratar no texto de hoje. Descubra tudo o que você precisa saber sobre a condição, como os seus sintomas, tratamento, diagnóstico, como prevenir, a eficácia da vacina e outras recomendações.

Conhecida também como “papeira” ou “parotidite”, a caxumba é uma doença viral aguda. O vírus que transmite a condição é o Paramyxovirus, da classe rubulavirus, com uma incubação de 2 a 3 semanas.

O vírus age diretamente nas glândulas parótidas (a maior das três glândulas salivares), fazendo com que ela aumente de volume, causando o inchaço nas laterais do pescoço, logo abaixo da mandíbula. Em alguns casos, a condição se manifesta também nas glândulas sublinguais ou submandibulares, que também ficam com o volume aumentado. Importante ressaltar que em ⅓ das infecções não há o aumento clinicamente aparente das glândulas.

Geralmente transmitida pelo ar, a caxumba afeta de forma diferente os homens e as mulheres. Em 30% dos casos no corpo masculino há a “orquiepididimite”, nome dado para o inchaço dos testículos Já no corpo feminino, pode ocorrer a “ooforite” – inchaço dos ovários. Contudo, essa condição acontece em menor frequência, sendo cerca de 5% dos casos.

Assim que o paciente for diagnosticado com a caxumba, os médicos recomendam que ele fique isolado entre 10 a 15 dias.

O que é virose?

Como a caxumba é transmitida por um vírus, antes de saber mais sobre a doença é necessário entender o que causa uma virose.

Os vírus são seres acelulares que precisam de alguma célula para conseguir se reproduzir. Quando eles entram em contato com o nosso corpo, podem causar doenças, que são denominadas de viroses. A maioria destas condições causam alguns sintomas, como febre, mal-estar, dores no corpo, dores de cabeça e vômitos.

Além disso, boa parte das viroses não possuem um tratamento específico. Na maioria dos casos, a recomendação médica é muito repouso aliado à hidratação e remédios para aliviar os sintomas.

Sintomas caxumba

Como o inchaço não é aparente em todos os casos da caxumba, existem alguns outros sintomas que você precisa ficar ligado. Vamos conferir os principais sintomas que o vírus causa?

Sintomas iniciais:

  • Febre;
  • Calafrios;
  • Dores de cabeça;
  • Processo de deglutição doloroso;
  • Fraqueza na mandíbula;
  • Aumento das glândulas salivares próximas aos ouvidos, provocando edema e/ou inchaço no rosto;
  • Pacientes que passaram pela puberdade podem ter inflamação e inchaço doloroso dos testículos (orquite) no caso dos homens. E nas mulheres, inchaço nos ovários, podendo até causar infertilidade.

Sintomas que costumam aparecer de 2 a 3 semanas depois da incubação:

  • Dor nas glândulas salivares, que estão localizadas na região do pescoço (logo abaixo das mandíbulas);
  • Mal-estar;
  • Febre;
  • Dor de garganta;
  • Garganta inflamada;
  • Perda de apetite;
  • Febre;
  • Náusea e vômito.

Em casos graves da doença, a caxumba pode causar surdez, meningite e raramente, levar à morte. Por isso, se você sentir qualquer um dos sintomas, sejam eles isolados ou combinados, procure imediatamente um médico.

Como diagnosticar a caxumba?

Muitos dos sintomas da caxumba podem ser confundidos com o de outras doenças, então como diagnosticar a condição e encontrar o melhor tratamento?

Como falamos acima, assim que você sentir um ou mais dos sintomas listados, é fundamental que você procure um profissional da área da saúde. Normalmente, é o clínico geral que auxilia o paciente, prescreve os remédios e o acompanha até o fim do tratamento.

Para confirmar o diagnóstico da caxumba, o médico pode solicitar os seguintes exames:

  • Testes sorológicos: poderão ser feitos por neutralização, inibição da hemaglutinação ou Elisa.
  • Testes de cultura para vírus: mas não são utilizados na rotina.
  • Exame físico: confirma a presença das glândulas inchadas.

Apesar de não ser comum, existem alguns outros exames que podem ser solicitados, entre eles estão:

  • Cálculo de dutos parotidianos;
  • Hipersensibilidade a drogas (iodetos, fenilbutazona, tiouracil, entre outras);
  • Ingestão excessiva de amidos, verificando: sarcoidose, cirrose, diabetes, parotidite etiologia piogênica, inflamação de linfonodos, tumores parenquimatosos, hemangioma, linfangioma.

Como é transmitida a caxumba?

Agora que você já conhece os sintomas e como é diagnosticada a caxumba, é o momento de saber como ela é transmitida e como evitar a doença.

A principal forma de transmissão é pela via aérea ou pelas gotículas de saliva do paciente contaminado. Ou seja, você pode contrair o vírus ao encostar em alguém infectado e depois tocar sua mão na boca ou nariz.

A pessoa com caxumba é capaz de transmitir o vírus à outro indivíduo em até 1 semana antes dos sintomas começarem a se manifestar e até 9 dias depois destas manifestações. Por isso, o paciente precisa ficar afastado do trabalho ou escola, pois corre o risco de contaminar outras pessoas. Vale lembrar que, na boa parte das vezes, a infecção se manifesta durante a infância.

A doença ocorre mais frequentemente no inverno e primavera, períodos em que as temperaturas são mais baixas. A incubação do vírus varia de 12 a 25 dias e o seu período de infecção dura de 16 a 18 dias.

Estima-se que os surtos de caxumba têm aumentado no Brasil nos últimos anos, então todo o cuidado é pouco. Ande sempre com um álcool em gel e lembre de lavar as mãos antes de cozinhar, sempre que voltar da rua e ao usar o banheiro.

Possíveis complicações da caxumba

Apesar de raras, as complicações da caxumba podem ser bem sérias. Então, fique atento aos sintomas abaixo:

Boa parte das complicações envolvem inflamação e inchaço em alguma parte do corpo, como:

  • Testículos;
  • Pâncreas – o inchaço no órgão causa náuseas e vômitos;
  • Ovários;
  • Seios;
  • Cérebro – o seu inchaço pode se tornar uma complicação muito grave;
  • Meningite – a condição pode ocorrer se o vírus da caxumba se espalha por meio da sua corrente sanguínea para infectar o seu sistema nervoso central.

Outras complicações da caxumba, são:

  • Perda de audição em um ou ambos os ouvidos – lembrando que isso acontece em casos muito raros;
  • Caso a paciente infectada seja gestante e contraia a doença no primeiro trimestre da gestação, pode haver complicações no feto e até aborto.

Procure imediatamente um médico se o paciente desenvolver um dos sintomas abaixo:

  • Febre de 39ºC ou maior;
  • Problemas para comer ou beber;
  • Confusão ou desorientação;
  • Dor abdominal;
  • Dor e inchaço dos testículos.

Caxumba nos homens

Em 30% dos casos de caxumba nos homens há o risco de o “orquiepididimite”, nome dado para o inchaço nos testículos. Importante ressaltar que este inchaço só faz algum “estrago” naqueles que já passaram pela fase da puberdade.

Nestes casos, há uma chance de 50% dos testículos se atrofiarem ou das glândulas espermáticas serem danificadas. Isso pode causar uma produção menor de espermatozóides, de pior qualidade e até mesmo interromper de vez a sua produção. Ou seja, é preciso tomar muito cuidado ou o paciente pode ter alguma dificuldade reprodutiva até a total esterilidade.

Importante ressaltar que este tipo de complicação é cada vez mais rara por dois motivos: a ampliação da vacina contra o vírus e o fato de 85% dos infectados pela caxumba serem menores de 15 anos.

Também é legal lembrar que as mulheres também podem ter seus ovários infectados e inchados. Contudo, isso só acontece em 5% dos casos e raramente leva à infertilidade.

Quanto tempo dura a caxumba?

Para entender melhor o tempo que dura a caxumba, vamos dividir esse tópico em dois: o período de incubação e de contágio.

  1. Tempo de incubação da caxumba

O período de incubação é o prazo que leva entre o contato do paciente com o vírus e a manifestação da doença. No caso da caxumba este tempo é bem longo, podendo se estender entre 12 e 25 dias. A média é de 16 a 18 dias.

Quando uma pessoa susceptível – que não possui imunidade específica para a caxumba – entra em contato com o vírus, ela demora de 12 a 25 dias para sentir a manifestação da doença. Portanto, você não vai sentir os sintomas logo que entrar em contato com a caxumba, eles ainda vão demorar um pouco para aparecer.

  1. Tempo de contágio da caxumba

O período de contágio é o prazo em que o paciente infectado com o vírus da caxumba é capaz de transmitir a doença para outra pessoa. Este tempo pode ir de 7 a 9 dias depois do aparecimento da inflamação na glândula parótida, sendo que o intervalo com o maior risco de contágio é entre 1 dias antes e 5 dias após o inchaço aparecer.

Existe vacina para caxumba?

A resposta é sim, existe uma vacina para a caxumba. A tríplice viral é responsável por prevenir três doenças, o sarampo, caxumba e rubéola. A primeira dose deve ser aplicado assim que o bebê completar 1 ano de idade e a segunda, entre 4 e 6 anos.

Além de ser altamente eficaz, a vacina raramente causa efeitos colaterais. Ela faz parte do calendário básico de vacinação e está disponível em toda a rede pública do país.

Se você tem até 19 anos e não sabe se foi vacinado com a tríplice viral, é necessário tomar as duas doses de uma vez só. Já quem tem entre 19 e 49 anos só precisa tomar uma dose da vacinação. As grávidas não podem ser vacinadas de forma alguma e quem já foi atingido pela doença, corre um risco mínimo de contraí-la de novo.

Como se prevenir da caxumba?

Apesar da vacina ser segura, é importante ressaltar que ela confere uma proteção de 96%, ou seja, algumas pessoas vacinadas ainda podem ser contaminadas com a caxumba. Além disso, o efeito da vacinação dura cerca de 20 anos, o que pode fazer com que adultos peguem o vírus ao ter contato direto com crianças infectadas.

Por isso, é fundamental saber que além da vacina, que é produzida com o vírus vivo atenuado, há algumas outras formas de se prevenir da caxumba. Vamos conhecer?

  1. Na rua

Quando estiver na rua, seja no ônibus, parque ou shopping, e tiver vontade de coçar os olhos, lábios ou ouvidos, tente limpar as mãos com álcool em gel primeiro. Como estes lugares são favoráveis para a proliferação e transmissão de vírus, você fica mais suscetível a se infectar com a caxumba. Por isso, tome todos os cuidados possíveis.

  1. No trabalho

Assim que chegar ao trabalho, antes mesmo de começar as atividades do dia, lave bem as mãos. Ao usar equipamentos ou máquinas de uso comum da equipe, como um computador, tente passar um pouco de álcool em gel nas peças e na mesa.

  1. Em casa

Sempre lave as mãos antes de comer e logo após de usar o banheiro. De preferência, não deixe o balde de lixo da cozinha na pia. E não se esqueça de o desinfetar semanalmente com duas colheres de sopa de água sanitária e um litro de água, também troque o saco plástico todos os dias.

Para matar as bactérias da esponja de louça, umedeça a peça e coloque no microondas por cinco minutos em potência alta. Faça esse ciclo uma vez a cada dez dias. Outra opção é mergulhar a esponja em uma mistura de 50 mL de água com cinco gotinhas de água sanitária.

  1. Álcool gel

Ande sempre com um álcool em gel na bolsa e deixe um na estação de trabalho e em casa. Você pode comprar o produto em qualquer farmácia, perfumaria ou supermercado. Escolha aqueles que possuem água e com 70% de álcool em sua composição, ideal para destruir vírus.

Como tratar a caxumba?

Como qualquer vírus, não há um tratamento específico para a caxumba e sim alívio dos sintomas. Com os remédios adequados, o mal estar deve acabar em cerca de 2 semanas.

Tomar remédios como Paracetamol e Ibuprofeno, aliado com muito repouso e hidratação é a principal recomendação para o tratamento da caxumba. Vamos conhecer algumas dicas de como aliviar os sintomas e voltar a se sentir bem?

  1. Tomar os remédios prescritos pelo médico

Normalmente, o clínico geral receita o uso de alguns remédios, como Paracetamol, Ibuprofeno e Prednisona. Estes medicamentos vão atuar diretamente na dor, febre e inflamação, durante todo o período do tratamento. Eles ajudam a aliviar o desconforto e dores no rosto, ouvido ou maxilar.

  1. Muito repouso e hidratação

É fundamental que o paciente com caxumba repouse bastante para que o corpo possa se recuperar. Também é essencial se manter hidratado e prevenir a desidratação com muita água, chá ou água de coco.

Durante o período de recuperação é importante que você evite bebidas ácidas, como sucos de frutas cítricas e refrigerantes, pois eles podem acabar irritando ainda mais as glândulas inchadas.

  1. Alimentação mole e pastosa

Como já falamos anteriormente, um dos sintomas da caxumba é o inchaço nas glândulas salivares, o que acaba dificultando a ingestão de alimentos.

Por conta disso, é recomendado que durante o período da doença, você se alimente com ingredientes moles e pastosos. Mingau de aveia, creme de legumes, purê de batata, arroz e feijão bem cozido, sorvete, ovos mexidos e sopa rala são alguns exemplos de alimentos liberados. Ao longo do texto, vamos falar mais sobre a alimentação durante o tratamento da caxumba.

  1. Muito cuidado com a higiene bucal

Os cuidados com os dentes e a boca devem estar presentes no nosso dia a dia, em especial durante o tratamento da caxumba. Depois que comer, faça uma higiene bucal rigorosa, para evitar que outras infecções surjam. Escove bem os dentes, passe o fio dental e use o enxaguante bucal sempre que possível.

Uma boa dica é fazer também gargarejos com água morna e sal regularmente. Além de ajudar a limpar a boca e evitar infecções, esta mistura ajuda a diminuir a irritação e a inflamação, acelerando a cicatrização do inchaço. Para preparar este remédio caseiro, misture bem 1 colher de sopa de sal grosso com meio copo de água morna.

  1. Aplique compressas mornas sobre o inchaço

Uma das coisas mais incômodas da caxumba é o inchaço abaixo da mandíbula. Um bom tratamento natural para diminuir este desconforto é aplicar várias vezes ao dia, compressas mornas sobre a região impactada. Essa atitude ajuda a reduzir o inchaço e incômodo sentido. Para a compressa fazer efeito, é necessário fazer aplicação na região de 10 a 15 minutos.

Os adultos e as crianças possuem tempo de recuperação diferentes. Normalmente, os maiores precisam de 16 a 18 dias para estarem totalmente curados, enquanto os pequenos precisam de 10 a 12 dias.

O que comer quando se está com caxumba?

Como já mencionamos algumas vezes, em muitos casos a caxumba vem acompanhada de inchaço nas glândulas parótidas, o que dificulta na hora da alimentação.

Quando há dificuldade na mastigação, o ideal é que se consuma alimentos cremosos, pastosos ou líquidos. Eles podem ser consumidos com a ajuda de um canudo ou produtos que não forcem a mastigação, como mingau, vitamina de frutas e sopa passada no liquidificador.

  1. Alimentos recomendados
  • Caldos e sopas passadas no liquidificador e coador;
  • Ovos, carnes e peixes picados ou moídos. Você pode consumir estes ingredientes com sopas ou purê;
  • Sucos e vitaminas de frutas e vegetais;
  • Fruta cozida, assada ou amassada;
  • Arroz e feijão muito bem cozido;
  • Purê de legumes, como batata, cenoura e abóbora;
  • Leguminosas amassadas. Por exemplo, feijão, grão de bico ou lentilha;
  • Leite e iogurtes;
  • Queijos cremosos, como requeijão e ricota;
  • Mingau;
  • Gelatina;
  • Geléia;
  • Pudim;
  • Sorvetes;
  • Líquidos em gerais, como água, chá, café e água de coco.
  1. Alimentos que se deve evitar

Além dos alimentos duros, secos e crocantes, o paciente com caxumba também deve evitar ingredientes muito ácidos. Confira:

  • Pão seco;
  • Torradas;
  • Biscoitos;
  • Cereais crocantes;
  • Sucos cítricos, como de laranja, limão e abacaxi;
  • Refrigerantes;
  • Bebidas alcoólicas;
  • Iogurtes com pedaços de frutas;
  • Legumes crus;
  • Oleaginosas;
  • Frutas inteiras, enlatadas ou secas;
  • Carnes ou peixes inteiros.

Além de evitar estes alimentos, é importante que você coma lentamente para evitar que a comida machuque a sua gargante, faça feridas na boca e provoque engasgos.

Remédios naturais para a caxumba

Além de todo o tratamento padrão para a caxumba, você pode apostar em alguns remédios naturais para aliviar os sintomas.

  1. Figueira sagrada

As folhas da figueira sagrada são um excelente remédio para diminuir o inchaço causado pela caxumba. Basta aquecer um pouco as plantas, misturar com um pouquinho de óleo e aplicar sobre a área inflamada. Para ter melhores resultados, passe a mistura na pele inchada duas vezes por dia e deixe agir por cerca de meia hora.

  1. Gengibre

O gengibre é um tempero rico em propriedades anti-inflamatórias e antivirais, além de ajudar no alívio da dor, ou seja, é um remédio caseiro muito útil para a caxumba. Faça uma pasta com algumas raízes do alimento e aplique sobre as áreas afetadas. Na mesma hora, o paciente deve sentir um alívio na inflamação. O gengibre também pode ser administrado via oral, como parte da dieta. Uma boa ideia é água aromatizada com o tempero.

  1. Pimenta preta

A pimenta preta também pode ser um remédio natural no combate ao inchaço causado pela caxumba. Faça uma pasta com a pimenta do reino em pó e água, aplique a mistura sobre as áreas afetas e espere pelos resultados em pouco tempo.

  1. Feno-grego

As sementes de feno-grego são excelentes para qualquer tipo de infecção e não só a caxumba, por conta de suas propriedades anti-inflamatórias e antivirais. Da mesma forma que os outros remédios naturais, para aproveitar os benefícios das sementes você precisa fazer uma pasta com o seu pó e água. Depois é só aplicar a mistura na área inchada que logo o paciente vai sentir o alívio da dor. Para melhorar rapidamente, repita esse processo frequentemente.

  1. Bicarbonato de sódio

As propriedades anti-inflamatórias do bicarbonato de sódio ajudam a reduzir o inchaço causado pela caxumba. Além disso, o ingrediente conta com algumas particularidades alcalinas que auxiliam na restrição do crescimento do vírus que provoca a doença.

Misture uma pitada do bicarbonato de sódio com um pouco de água e aplique a pasta adquirida sobre a área onde o inchaço se encontra. Deixe agir por dois minutos antes de lavar com água morna. Repita o processo, pelo menos, duas vezes ao dia.

Por que os casos de caxumba têm aumentado?

Vários estados brasileiros têm registrado um aumento expressivo no número de casos de caxumba. Para se ter uma ideia, foram registrado, em 2016, 2.692 casos no estado de São Paulo. Em 2015, o número foi de 697.

No ano de 2017, por exemplo, a SESA (Secretaria de Estado da Saúde) do Paraná foi informada sobre o surto de caxumba em cinco cidades: Ponta Grossa, Turvo, Francisco Beltrão, Ortigueira e Cândido Abreu. Para ser considerado um surto, é necessário que se tenha dois ou mais casos da doença em um mesmo local, como escola, creche, empresa e outros.

Segundo o chefe da Divisão de Vigilância de Doenças Transmissíveis da SESA PR, Renato Lopes, a faixa etárias dos pacientes com caxumba também mudou. Atualmente, a maioria dos casos atinge pacientes entre 15 e 30 anos.

Mas por que será que o índice da doença tem se espelhado?

Uma das explicações pode ser a geração de não vacinados contra a caxumba no Brasil. A vacina só começou a fazer parte do calendário obrigatório de vacinação em 1992, e até 2006 só era aplicada uma dose. Hoje, já sabemos que a imunização contra a doença exige duas aplicações. Por isso, boa parte da população brasileira não está imunizada contra a caxumba.

Em conclusão, o nosso país conta com uma geração de jovens adultos que não foram vacinados ou se foram, receberam apenas a primeira dose. Isso também influencia na mudança de perfil dos impactados que ocorreu nos últimos. Se no passado, a caxumba era mais comum em crianças pequenas, atualmente a maior incidência acontece em crianças acima de 10 anos, adolescentes e jovens adultos.

Outras recomendações

Além de tudo o que já aprendemos, separamos algumas outras recomendações em relação à caxumba.

  • De maneira nenhuma se automedique, ou medique uma criança antes de consultar um médico e ter a certeza do diagnóstico da caxumba;
  • O paciente infectado precisa de repouso até que todos os sintomas tenham desaparecido;
  • Não esqueça de consumir alimentos líquidos ou pastosos, que são mais fáceis de engolir;
  • Adultos que não foram vacinados ou não tiveram a doença podem ser infectados a qualquer momento pelo vírus. Se você é um deles, procure um posto de saúde para poder tomar a vacina;
  • Mulheres que não tiveram caxumba ou nunca tomaram a vacina precisam ter atenção redobrada. Procurem tomar a vacina antes de engravidar, pois a caxumba na gestação pode causar má formação ao feto ou abortamento.

Já virou um expert sobre a caxumba? Agora você tem todas as informações necessárias sobre a doença, como sintomas, diagnóstico, prevenção e tratamento. Como mencionamos no texto, estamos vivendo um aumento de caxumba no Brasil, então utilize das dicas de hoje para manter a sua saúde em dia e se prevenir dessa doença e qualquer outro vírus.

       

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.