5 dicas para conviver bem com a família que se tem

atitudes de respeito para com o outro

0 12.222

Família a gente não escolhe. Os membros são como presentes em nossas vidas. E por mais que haja desavenças, são presentes mesmo assim.

Afinal só podemos nos aprimorar se temos com quem nos relacionar.

Presentes e pronto!

É neste campo que experimentamos nossa bondade, identificamos nossos comportamentos ruins e nos encorajamos de uma forma ou outra a mudar, transcender, tolerar, ou simplesmente … amar! Cada um do jeitinho que se é!

Pensando nas pessoas do meu cotidiano e nos meus prazeres e desafios na lida diária, ao vivo ali com cada um, até que colecionei bem algumas experiências.

Na verdade a atitude para com o outro em todas as dicas abaixo se resume em “dar respeito”. Vamos ver?

  1. Ele gosta de ouvir o jogo alto e eu não:

(pode ser seu marido, seu pai, seu irmão)

Pense em coisas que você também gosta muito. E gosta ainda mais do que ele (ou ela).

Em seguida pense se em algum momento você já impôs este “seu gostar” em cima das vontades dele.

Ele cedeu? Que exemplo pra você!

Ele não cedeu? Se esforce para compreender que cada um é cada um. Por isso NINGUÉM NO MUNDO é obrigado a fazer as coisas que do jeito que VOCÊ gosta.

Ufa! Ainda bem! Desta forma você preserva sua autenticidade e fortalece sua independência e segurança pessoal para FAZER O QUE GOSTA e DO JEITO QUE GOSTA.

Depois da reflexão, chegue perto e pergunte gentilmente “pode abaixar só um pouquinho?”. Mas tem que ser depois, pois antes, o coração fica agitado e pode ser que você tropece nas palavras. Se segure!

E desapegue! Vai que ele não abaixa… morrer de raiva por isso é muito pouco, não acha?

Vá para o ambiente mais calmo da casa para você e ouça uma música boa. Relaxe!

 

  1. Ela come mais queijo e manteiga do que você:

(pode ser sua irmã, sua amiga, sua prima, sua cunhada)

Pense que cada um se sacia de forma diferente. E que de repente aquele alimento é o alimento que mais dá prazer para aquela pessoa. E que o corpo dela deve precisar de mais gordura do que o seu. O corpo dela elegeu “gordura” pra se sentir bem… não importa o motivo mas com certeza tem motivo (emocional, afetivo ou necessidades nutricionais diferentes da sua).

Há algo que você come, come, come e continuando comendo enquanto tem? Um troço que para você é impossível parar de comer antes de repetir 3 vezes? E que mesmo ao fim você fica querendo mais? Deve haver… com certeza.

Então não se importe com a manteiga do outro. Mas se ficar puxado para o seu bolso, divida! Cada um assume seu pote de manteiga e pronto. Ou combine a compra. Sei lá… Depois pense que existem pensamentos muito melhores do que ter “preocupação com manteigas”.

Ufa! Ainda bem que não preciso de manteiga para ser feliz. Existem tantas outras coisas… E quer saber? A vida é mais simples do que se imagina! Portanto se faltar manteiga, esta falta não faz falta.

O que não pode mesmo é faltar a amizade acolhedora entre pessoas amigas!

Sendo assim, aprenda a passar outras coisas mais interessantes no seu pão.

 

  1. Ele me responde alto e com raiva sempre:

(pode ser seu marido, seu irmão, seu cunhado, seu sogro)

Pense que as pessoas, tão diferentes umas das outras, são como personagens no drama da vida. E são mesmo porque A VIDA É UM DRAMA!

Portanto cada “ator” tem seu papel com suas emoções, tom de voz, jeitão…

E toda vez que esse “ator” entra em cena, vem cheio de energia pra desempenhar bem o seu papel!

Ele se dirige a você com os sentimentos dele, os quais não te pertencem.

Você não pode querer viver as emoções do outro (até mesmo porque NUNCA IRÁ CONSEGUIR ESTA PROEZA).

Mas você tem o papel de interagir, através de seu personagem. Escolher seu personagem é algo que você pode fazer.

Sim! Protagonize o personagem de sua escolha. Mas dê preferência para ser o mocinho sereno ou o herói elegante e justo. Seja discreto caso não queira ser reconhecido de forma “feia” e deixe o outro atuar, se mostrar para a platéia.

Ufa! A platéia assistindo te isenta de se defender ou de ter que dar satisfações e se justificar. Se você está na ação correta, a sua defesa acontecerá naturalmente e você sentirá que tem amigos com quem contar.

Junto a isso deseje de coração bons votos para o “ator agressor”. Afinal de contas, dar bons votos deve sempre fazer parte de seu papel. 

 

  1. Ele toma sopa fazendo barulho só para me irritar:

(pode ser seu marido, seu sogro, sua sogra, seu irmão mais velho) – mas pode ser ela também!

Pense em um barulho de correnteza, ou num barulho de um ralinho escoando água… ou outro barulho similar. Transforme o que ouve. Também, você não precisa ficar perto. Delicadamente você pode sair à francesa, sem que haja ofensas.

“Barulhinhos ojirizentos” todo mundo tem o seu. Esse aí é só “uma alergia auditiva” que te incomoda, mas não ao outro.

Ufa! São só “barulhinhos ojirizentos”.  E que minha imaginação pode se desconectar deles. Pois são barulhos tão bobos, né?

Sinta que o outro é uma pessoa tão boa, que já fez tanto e que merece seu momento de individualidade. Isso também é respeito. E faz parte da etiqueta social: se ele não tiver para com você… tenha pra com ele!

 

  1. Ela me enche toda vez que entro em casa para limpar os pés da rua:

(pode ser sua esposa, sua mãe, sua irmã)

Pense no trabalho que tem uma pessoa ao limpar a sua casa. E de graça!

É uma dedicação em prol do bem estar de todos.

E que bom que alguém de sua convivência se dedica a deixar o ambiente limpo, o que facilita sua vida. Isso é reconhecer o valor do outro e considerar todo empenho que ele faz por amor ou por saúde, que seja.

Ufa! Que bom contar com a colaboração de alguém que cuida do meu lar! Ainda melhor quando posso retribuir sendo colaborativo. E pode ser da forma mais simples de todas: ajudando a preservar a limpeza e sendo amigável.

Claro! Se limpeza for algo exagerado na atitude, caso você não consiga ajudar com suporte psicológico, simplesmente respeite. Não custa nada tirar os chinelos ou limpar o sapato. É bem melhor fazer isso do que ter seu estoque de paciência esgotado.

 

Enfim, gostaria de saber o que te deixa irritado com as pessoas em sua convivência diária, pois venho reconhecendo a cada dia que a desarmonia nos lares se dá por motivo tão fúteis.

Você pode escrever nos comentários abaixo ou se preferir, escreva para mim!

Abraços mil da Gal

gal TI

Gal Rosa

Terapeuta Ocupacional Gerontóloga

social media do www.aterceiraidade.net

email: gal@aterceiraidade.com

Youtube: A Terceira Idade com Gal Rosa


Leia também:

Emoção e Sentimento: qual a diferença?

Gráfico do Equilíbrio e da Felicidade

Convivência Familiar

 

       

você pode gostar também Mais do autor

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.